sábado, 30 de abril de 2011

Solidariedade em função do Todo

O positivismo de Augusto Comte deixa evidente que cada indíviduo possui seu papel determinado na sociedade, sociedade esta que deve ser encarada como o coletivo para o qual o ser deixa de possui um pensamento individual para conseguir que haja solidariedade no todo (a sociedade) que gera o bem público.

Segundo Comte, o proletariado seria a peça de separação da teoria já existente, mais que não possui demostrações práticas. Por não ter sido instruído pelo ensino metafísico, o proletário (exemplo de tábula rasa), é aquele que coloca em prática todo o aprendizado positivista que lhe for gerado. O positivismo é a primeira tentativa de se fazer uma análise real da sociedade, pois ele se volta para os interesses reais e necessários da população proletária, afastando-a da anarquia e das ambições materiais existentes, reforçando o gosto pelo trabalho prático e pela aceitação social (cada qual com sua função em favor do todo).

O positivismo encontra, maior disposição para ensinar seus fundamentos no proletariado, pois é capaz de ver que apenas este lhe tornará prático e não apenas teórico.

Comte não exclui a teoria, mais ressalta a importância da prática, da ação. O positivismo se volta a análise da realidade social, enquanto o teológico e o matafísico entram em crise moral. O que deve ser efetivado é a busca pelos sentidos que cada ser e objeto possuem em sua dimensão real, diante da combinação de ciência e técnica (teoria e prática).

Quando Comte fala da realização coletiva de ações, ele não esta inferiorizando o indivíduo e sua colocação social, mas sim ressaltando os sacrifícios que temos que fazer para manter a ordem e obter o progresso da sociedade, em uma visão ensinada universalmente. E quando por fim já instruído, o indíviduo acaba por ter nessa concepção uma forma de lazer, de diversão em seu cotidiano.

A partir disso, é possível a construção de uma política popular adequada, voltada aos interesses reais e necessários da população. Essa concentração na vida real faz parte e é um dos focos príncipais do positivismo de Comte, servindo assim na criação das políticas sociais presentes até os dias atuais.



Thaís Monteiro Braga 1º Serviço Social- Diurno

Conduzir para Transformar






Espirito Teológico Metáfisico para Comte era a "anarquia" intelectual, ou seja, Espirito Positivo seria então a aptidão para organizar a sociedade, e sistematizar a moral. Dando sentido as ideias. Como uma nova reforma das mentalidades, a base de prática, conduzindo para transformar a realidade. Por meio desse, reeducando através de ofícios diversos (ativa), quanto pelas atividades científicas (especulativa). Sempre visando o que poderia ser ÚTIL.



Ao notar-se que faltava substâncias positivas para classes superiores que até então era predominante metafísica e literária. Voltaram os olhos para o proletáriado, que encontrava-se também inaptos para a vida real. Substitui aí a perspectiva de participação no poder político para "programas sociais" voltados aos interesses reais destes indivíduos, seduzindo-os, pela contemplação de suas necessidades essenciais, tendo como ideia central a SOLIDARIEDADE.





Joseane da Silva Poli - 1º SS - Noturno

VADE RETRO ESPIRITO POSITIVO


O espirito positivo encontra o seu corpo mais propenso para difusão na classe trabalhadora, preconiza a tese que tudo aquilo que diz respeito a manutenção da ordem deve ser mantido estático para que haja progresso. Defende a tese que não existe o indivíduo, pois ele é apenas parte do todo.
A teoria positivista defende o coletivo e busca incutir no indivíduo a idéia de que ele é herói no que faz e o que faz garante a sobrevivência humana. Visa tal ideologia alcançar o bem estar da coletividade e ainda provocar orgulho no homem pelo que faz, impedindo assim que ele lute para ser proprietário de uma empresa, por melhores salarios, ou divisão igualitária de lucros, bem como de querer ser proprietário de uma fazenda ou lutar pela reforma agraria como é feito hoje.
Na condição de futuro Assistente Social não há como comungar do mesmo espirito, pois eu serei um fígado sempre lutando não só por mim, mas para que eu e os outros fígados nos tornemos célebro ou coração.

Solidariedade entre positivismo para melhor compreensão

No ''O Positivismo'' Augusto Comte passa uma idéia de que é preciso que haja uma reforma mental,uma criação para nova moral não religiosa,moral humana e para isso é necessário uma reforma na educação,apagando a especialização onde nada mais é do que uma visão mais ampla do mundo.
A proposta para nova educação para Comte é preciso que se abandone as idéias sem razão de ser nessa sociedade moderna,mudando primeiramente o proletariado que não possui vício de educação,fazendo com que o mesmo construa uma vida com uma educação prática mantendo uma ligação de ciência e prática,um novo conhecimento.
A ciência é uma grande ajuda para fugir das ideologias dadas e é necessária para entender as leis de acordo com a realidade.
O homem adequado para Comte é aquele que pensa no ''nós'' e não seja egocêntrico no meio das mudanças e modernismo que vive.
Para o filósofo uma política popular social é a política palpável, que vai além dos interesses reais das pessoas.
A moral que o positivista propõe se diferencia da religião porque é mais humana.Não existe indivíduo para ele,apenas humanidade onde é necessário ver para prever,podendo desembocar previsões questionáveis,não aceitando o que é dado,mantendo a estática da própria ordem.

PAI, AFASTA DE MIM ESTE CÁLICE

Auguste Comte ofereceu a humanidade o cálice da filosofia positiva. Eleito pai da filosofia positiva, Comte nos ofereceu uma teoria que luta pela estratificação social.
O positivismo proclama as leis da estática e da dinâmica, as quais traduzem a ordem para o progresso.
Comte faz uma análise social em conformidade com o corpo humano a astrologia, divulgando a idéia que um fígado não pode ser cérebro e o sol não pode ser lua e assim deverá ser as classes sociais.
Muitos governantes aplicaram o positivismo buscando a manutenção da ordem para o progresso, utilizando métodos truculentos, cruéis, anti democráticos.
Houve um extenso rio de sangue a correr pelos países, muitas vidas foram ceifadas, bem como liberdade tolhidas.
E por toda esta catastrofe ocorrida (e que não foi pouca) em nome da ordem para o progresso e pela impossibilidade de lutar pelo mundo melhor para mim e para o meu semelhante e pela minha sociedade, externo a minha eterna repulsa ao positivismo. Comte, afasta de mim este cálice positivista.

Educação: aptidão ao real

Augusto Comte era um grande observador da sociedade e de suas relações. Esta por sua vez, era guiada pelos aspectos religiosos e metafísicos. Porém, Comte busca uma ciência capaz de diagnosticar o mal social, afim de, “criar respostas” para auxiliar a população que estava vivendo em meios a grandes acontecimentos, como por exemplo, processos de industrialização e urbanização trazendo como uma das conseqüência a formação de novas classes sociais.
Entretanto, nesse período ocorre uma agitação populacional, pois, muitos acabam abandonando a vida rural e partem para cidades, a fim de melhorar suas condições de vida, formando assim, empreendedores e operadores diretos. Em contrapartida, o positivismo permite uma pequena mobilidade social, diferente de hoje, pois, não sabemos mais distinguir quem é burguês e proletário.
Contudo, o positivismo de Comte articula a importância teórica com a ciência (reflexão) e a técnica (aplicação) com objetivo de interpretar o mundo. Todas as suas leis estavam amparadas na ordem e no progresso, ou seja, a ordem é responsável pelo equilíbrio afim do progresso social. A expressão ver para crer também era utilizada e trazendo a mesma para os dias atuais, podemos ver, por exemplo, a realidade de alguns jovens que buscam os vícios e que muitas vezes questionamos: como serão esses profissionais no futuro? Pois bem, devemos observar a variedade de conexões podendo ultrapassar os pensamentos positivistas que eram redundantes em torno de suas previsões.
Nesse sentido, também devemos abolir a “anarquia” intelectual que pode haver de alguma forma na sociedade, afinal, um filho de operário tem a mesma oportunidade de um filho de médico onde ambos podem estudar em uma universidade de qualidade abrangendo a educação, adaptando-a na realidade e possibilitando a utilização da bagagem de todos os conhecimentos.


“Toda educação humana deve preparar cada um a viver para os outros” Auguste Comte

Larissa Barbin Gasola 1°ano SS - Noturno

Persuasão inconclusiva

O positivismo analisa que os fenómenos, tanto naturais como sociais, não devem ser investigados mas observados em relação as suas leis naturais. Comte associa uma interpretação das ciências e uma classificação do conhecimento a uma ética humana radical.




A "lei dos tres estados" é uma evolução do conhecimento humano que passou por três etapas: a primeira sendo o estado teológico, a explicação do mundo atraves do divino; a segunda o estado metafísico, os agentes sobrenaturais sobre os fenómenos naturais; o terceiro estado o positivo, onde não se procuraria as causas últimas das coisas mas as leis efetivas da natureza. Ele ainda organiza o conhecimento da natureza em cinco ciências distintas seguindo sua divisão por ordem de fenómenos: a astronomia, a física, a química, a filosofia e a física social.




O positivismo é uma doutrina conservadora, onde tudo deve sempre permanece no lugar certo, para servir de auxilio na manutenção do sistema pois a condição para o progresso é a ordem. No Brasil a republica foi proclamada na mais perfeita ordem, na bandeira lê-se a máxima da politica positivista Ordem e Progresso, seguida a partir da divisa comtiana, O Amor por principio e a Ordem por base; o Progresso por meta, representando as aspirações a uma sociedade justa, fraterna e progressista. Em resumo o positivismo substitui a teologia e a metafisica pelo culto à ciência, o mundo espiritual pelo mundo humano e o espírito pela matéria.


Guieni K. B. Castro

Tudo tem seu entretanto.

Comte, em "Condições de Estabelecimento do Espírito Positivo" complementa suas ideias do "Curso de Filosofia Positiva", exaltando a ideologia positiva para o campo político.
É possível destacarmos proposições coerentes e incoerentes, ou seja, fazermos críticas positivas e negativas a respeito de suas ideias.
Comecemos, então, com a crítica saudável à sua percepção de "anarquia intelectual". Segundo esse autor as instituições dessa época estão marcadas por esse "adjetivo".
Para Comte, tais instituções pregam doutrinas que deturbam oprogresso. Como exemplo pode-se citar os inúmeros chamados "dias santos" ou, até mesmo, os feriados convencionais, que determinam dias improdutivos no campo do trabalho, isto é, rompem com a rotina produtiva e do progresso.
De fato, inclusive e, principalmente, nos dias atuais, tais percepções são verídicas. Cada vez mais com a globalização e ascensão cada vez maior do capitalismo, do processode industrialização e progresso, a parada da rotina de trabalho implica um "stop"no crescimento tanto no campo educacional como da produção e repasse do que é produzido.
Entretanto, agora partindo para a crítica negativa, é possível citarmos um trecho da música "Até Quando?" do "Gabriel, O Pensador",para compreendermos a visão errônea de Comte ao propagar o afastamento dos trabalhadores da agitação política:
"Acordo, não tenho trabalho, procuro trabalho, quero trabalhar. O cara me pede o diploma, diploma não tenho, não pude estudar. E querem que eu seja educado, que eu ande arrumado, que eu saiba falar. Aquilo que o mundo me pede, não é o que o mundo me dá. Consigo um emprego, começa o emprego, me mato de tanto ralar. Acordo bem cedo, não tenho sossego nem tempo pra raciocinar. Não peço aprego, mas onde que eu chego se eu fico no mesmo lugar? Brinquedo que o filho me pede, não tenho dinheiro pra dar. Esmola, esmola! Favela, cadeia! Sem terra, enterra! Sem renda, se renda! Não! Não!! Muda, que quando a gente muda, o mundo muda com a gente."
Comte defende um programa social mais interligado aos interesses populares. Porém, como é possível destacar e apreender questões sociais sem os reais interessados poderem opinar sobre as necessidades de transformações?
Ou seja, nãoé possível realizar reformas sociais sem se detectar tais demandas. Para isso, é necessária a participação da massa, pois só quem presencia, sabe da necessidade.

Maria Isabel Baldo Gorno 1° Ano Serviço Social/Noturno

VERDADEIRAS INTENÇÕES


A princípio o positivismo de Comte parece aceitável e até bom, pois sua clara intenção de fazer com que as coisas estejam em ordem para que haja o progresso nos faz refletir que realmente é algo palpável e concreto, ao contrário do espírito metafísico, que somente levava as pessoas a desejar coisas que são irreais. Querer que as pessoas dessem valor ao seu trabalho, que procurassem se aperfeiçoar dentro do mesmo, através de cursos técnicos e ajudá-las a progredir sem que saiam da ordem social impostas por estas leis do positivismo, não é tão ruim se olharmos do mesmo ponto de vista do autor.
Porém há nesta filosofia algumas falhas, tais como: a divisão de classes sociais, o conformismo no qual estas pessoas se submetiam e ainda hoje se submetem, o ver para prever, ou seja, olhando para determinada situação posso saber qual o destino que a mesma tomará isto nos faz lembrar que para esta filosofia não é levado em consideração o todo, mas sim as partes (como visto em Pontos de mutação- Capra). Podemos exemplificar pensando em um garoto que não tem pai, a mãe é alcoólatra e mora na periferia da cidade, qual seria seu amanhã? Se respondermos através do pensamento positivo, nossa resposta certamente seria: este menino irá se envolver no mundo das drogas.
Ao analisar esta obra positivista ao mesmo tempo em que sentimos aversão da mesma também compreendemos que sua intenção foi muito boa, mas de nada adiante mascarar os problemas da sociedade fazendo com que as pessoas fiquem conformadas em viver sem poder sonhar com um amanhã melhor, é como se esta filosofia viesse agregada juntamente com o assistencialismo que visa à solução momentânea de determinada situação, fazer com que as pessoas fiquem nos seus “devidos lugares” não é ajudá-las no todo, mas somente nas suas necessidades básicas.
Comte ao expor seu pensamento positivista desejou a ordem e o progresso da sociedade e através desta filosofia conseguiu até certo ponto, mas a pergunta que fica é: Quem realmente ele quis ajudar: os empreendedores ou o proletariado? Manter a ordem para quem progredir?
De tudo o que aprendemos a suma é: “De boas intenções o inferno está cheio”.

terça-feira, 26 de abril de 2011

" Cada Um no seu Lugar!"

O positivismo de Comte visa compreender os fenômenos através de uma boa fundamentação, da certeza. Para Comte era necessário aplicar o positivismo através das formas de "amparo" e eliminação de conflitos pela ordem e não pela cidadania, mudar para que a sociedade não mude:"cada um no seu lugar". Para o positivismo de Augusto Comte, a sociedade fundamenta-se em leis lógicas que quando subvertidas, foras de ordem, passam a ser o " câncer" para o sistema, uma peça "estagada", que pode não estar desempenhando plenamente seu papel social, portanto, necessita ser trocada para o bom andamento do sistema. A filisofia positiva preocupa-se também com a educação e propõe a reforma na mesma, através da demonstração e alimentação da idéia da dimensão do papel social de cada pessoa, reforçando o seu lugar na sociedade, visando produzir novos homens e novas mulheres para o progresso, fazendo-os compreender e não romper com seu papel, curando assim as "células patológicas" existentes.




Cássia Regina Rosa 1º Ano de Serviço Social - Diurno

segunda-feira, 25 de abril de 2011





O positivismo foi a primeira tentativa de analisar a sociedade de maneira real, tomando parâmetros em que esta deveria estar harmoniosamente divida, onde cada um ocupasse um lugar pré-definido.

Faz parte também o ideal de ordem e progresso, onde as necessidades básicas (alimentação, saúde e educação) são direitos de todos e devem ser cumpridos. Porém não é assim tão simples. Os rumos que a sociedade tomou nos remete a um presente desigual e, a única coisa que nunca mudará será a hierarquização. Por isso, fica a pergunta: De que adianta tanta ordem e progresso se há tantas lacunas que precisam ser preenchidas?



Karen Tidori Kuboyama - 1º SS diurno

o social descoberto



Comte brilhantemente se coloca como uns dos primeiros a estudar filosoficamente os segmentos socias e suas desigualdades,coisa que nao tinha sido muito abordada anteriormente,pois os filosofos buscavam no geral a verdade acima de todas as coisas e etc..
No entanto nada e perfeito...seu grande equívoco foi pregar que como Esaac Nilton, que o
universo tem de estar sempre em harmonia, ou seja, tudo tem que permanecer segmentado pela sua ordem natural.Logo as camadas mais pobres e carentes, operarios e etc, não tem a possibilidade de mudança.Devem apenas promover a harmonia e a ordem na camada social onde se encontram,não muda-la.Visto por esse angulo abordado...Positivismo só no nome.....

Andressa V Camargo SS-noturno

domingo, 24 de abril de 2011

Comte no futuro

"Comte leva o método de Descartes das ciências naturais para as ciências humanas e sociais completando o método que seria seguido por muitos anos ainda." A interpretação da filosofia tradicional é muito abstrata a filosofia positiva busca o âmbito real. De Bacon e Descartes para Comte se passaram dois séculos de grandes acontecimentos como a revolução industrial.



Assim como no período em questão, que se buscava o crescimento satisfatorio de industrias sem analizar as concequencias, hoje o que presenciamos é a evolução da era virtual. Não existem leis para os abusos que se tem acesso nossos filhos, um assassino ou um pedófilo, estão todos interligados em uma só rede de acessos as mesmas informações. A punição oferecida para a sociedade é o desrespeito encontrado dentro das escolas praticado por nossas crianças, a violência sem precedentes relatada pela midia e o discórdia entre famílias dentro de seus próprios lares por opiniões divergentes. Observo que Comte lutava pelos seus ideais em favor de uma sociedade que foi esquecida pela evolução das maquinas, mas não seria necessário um "Comte" para o século XXI, que de alguma forma reorganizasse o sistema para que os direitos dessa nova geração que esta sendo recentimente criada fossem revistos.



Achei relevante essa colocação já que o assunto abrange o descaso, a falta de limites e de leis essenciais para a organização da ordem. Até onde vamos chegar? Se imaginava o "futuro" com robôs dominando o mundo, mas o que a Internet por exemplo tem influenciado na vida da sociedade? Enquanto uns compram televisores 3D de cinco mil reais outros ainda não tem acesso a agua potável para o consumo de sua família; e por outro lado somos todos iguais diante de uma tela de computador.








Guieni K. B. Castro

Uma ciência a serviço da sociedade



No positivismo de Augusto Comte vimos que antigamente não existia uma ciência que compreendesse a vida das pessoas.Como por exemplo porque ocorre o exôdo rural,outro exemplo seria a relação do homem sociedade. A partir disso nasce o positivismo.



Nesta cîência positivista prega o ato de interpretar a sociedade que seja possível e não aolgo utópico.



Comte observa a sociologia como um estudo complexo, pois lida com o ser humano que está em constante transformação.


Valdirene Viviane do Nascimento. 1° Ano Serviço Social Noturno

Um olhar metafísico do Positivismo


Em 1930, a sociedade européia começou a sofrer transformações com a introdução do capitalismo e a assunção do mercado. Diante desse momento histórico com transformações profundas e também diante dos "dominados", August Comte sentiu a necessidade de analisar a sociedade de maneira positiva, ou seja, do que ela tinha de mais concreta e com um olhar matafísico (além do físico), observando a sociedade em movimento. Assim se deu origem ao Positivismo. Para isso, Comte levou em consideração 3 princípios:

1) Vislumbrar as leis da física (estática=ordem) e (dinâmica=progresso).
Esse princípio visava diagnosticar se a sociedade caminhava na ordem, para consequentemente progredir. Para Comte tudo aquilo que dizia respeito a manutenção da ordem deveria ser mantido e não mutável. Por isso Comte é contestado atualmente, pois oferece pouca margem na evolução do ser humano e da sociedade.

2) Reforma da educação: Romper com o isolamento das ciências para que as pessoas cumprissem suas funções convencidas de que estavam exercendo seu papel na sociedade.
Nessa mesma época (1931/1932) nascia a USP para formar pessoas pensantes e também, (1932/1933) dava-se introdução ao SENAI, visando aumentar a mão-de-obra no mercado.

3)Conhecimento é uno: Seu objetivo era fazer com que as pessoas se sentissem importantes e que a sociedade de alguma forma precisavam delas para exterminar com aqueles que não trabalhavam nem estudavam e dessa forma, só davam prejuízos a sociedade.

Essa nova ideologia, o Positivismo, atingiu o Brasil de forma muito intensa, podendo ser notada na nossa bandeira (ordem e progresso); na ditadura militar (pois para o positivismo o estado deveria ser forte e antiliberal para cuidar de ambas as classes sociais). Porém as pessoas eram proibidas de se expressar e seus ideais de vida eram totalmente vetados.



Comte na sociedade brasileira.


O conceito positivista que hoje sofre tantos rótulos por parte de muitas pessoas ditou a regra em nosso país de forma evidente no período militar e ainda temos vestígios deste conceito até hoje. O conceito positivista é travado por ser conformista e ter na sociedade a idéia de estagnação das classes. Não é porque um pai operário teve um filho que este por destinação será operário também, depende de cada individuo mudar o curso de sua história. Na verdade Comte é interpretado como alguém que prega a proteção das elites, enriquecendo-os cada vez mais e à grande massa pobre, que é o “câncer” da sociedade, à ela é dado apenas um pequeno tratamento para que não atrapalhe o restante da sociedade. Mas como negar Comte na sociedade atual que vivemos? No período militar que foi a época em que o positivismo esteve presente na nossa sociedade de forma ativa, foram “conquistados” direitos aos cidadãos e até hoje os temos, talvez com nomes diferentes apenas. E mais ainda: ao vermos a grande massa empobrecida podemos dizer que é impossível acabar com a miséria que vemos atualmente e as atitudes de todos os governantes é justamente tratar esse “câncer” de forma bem leviana, para que se passe a impressão de que se está agindo para curar, quando é apenas para remediar as situações. Nós, que somos a grande massa negamos Comte, mas se as pessoas que realmente governam nosso país e mesmo todos os comandam os países capitalistas não negarem essa doutrina, sonho de uma sociedade igualitária não passará nunca de uma utopia.
Raquel Aparecida de Mesquita
1º Ano de Serviço Social Noturno.

Conexão Social


O espírito positivista consiste em compreender a idéia de justiça social como cada um em seu devido lugar dentro da sociedade, o pobre em seus lugares de pobres e os ricos em lugares de ricos, sem a existência da utopia. É a realidade de cada um, não fantasiando a organização de níveis sociais de forma superior, pois, para que haja progresso não é possível que todos estejam nas classes mais altas. Também é de suma importância a mão de obra da classe mais pobre.

Positivismo consiste em analisar aquilo que sai do abstrato, é o real, o concreto. Comte se propôs a dar um curso a fim de treinar a humanidade para a realidade, entender porque homens e mulheres saiam infelizes às ruas, porque se sentiam incomodados em serem comandados sendo que este tipo de dominância já existia há muito tempo.

Comte entendia a sociedade como um corpo, o qual consiste de uma mente no topo com a função de administrar sendo o intelecto; os braços e as mãos sendo as mãos-de-obra dos trabalhadores, pessoas de mais baixas classes; e sendo o corpo o órgão com capacidades de manter o equilíbrio das estruturas do todo, representadas pelos ministérios do trabalho, educação e saúde. Uma doença que afeta o corpo, seria na representação uma patologia social, a qual também necessita de métodos eficientes de cura.

Definiu como chegada ao estado positivo, o último estágio da construção do conhecimento, sendo esta dividida em: 1º estágio Teológico; 2º estágio metafísico. A Teologia se faz presente na nossa infância, a metafísica na nossa juventude, e física na nossa virilidade.

Para a aceitação da humanidade perante ao conceito positivista, compreendeu-se como necessário dar às pessoas conhecimento mais amplo afim deles compreenderem a importância da sua função/responsabilidade social, destacando que, conhecimento é uma combinação de várias ciências. Idéia de reeducar para implantar novos homens e mulheres no mercado.

Na sociedade moderna claramente concluímos que não mais é positivista, pois possui traços de emancipação e evolução. Algo que com toda certeza a curto prazo pode dificultar e até mesmo bloquear o progresso com qualidade de toda a sociedade. Podemos ter como conclusão a seguinte frase: “Para uma rede se organizar, ela precisa de um mínimo de estrutura, e, para tal, é natural que se estabeleça uma divisão de funções, e, portanto, uma certa hierarquia” (FRANCO, Augusto. "É possível, sem um mínimo de hierarquia?" Carta Rede Social 177 (20/11/08). Disponível em: <http://augustodefranco.locaweb.com.br/cartas_comments.php?id=299_0_2_0_C> Acesso em: 23 Abr. 2011.


Marlu Barcaroli - 1º SS diurno

Pensandores e operários

Conte, um sociólogo tão complexo,e ao mesmo tempo crítico.
Positivismo: anti-liberalismo; análise concreta da sociedade real, e não utópica.
Para ele, era preciso que a sociedade, fosse movida pela ordem, podemos exemplificar esse positivismo através do processo de modernização brasileira; também com a escrita da nossa bandeira nacional, "Ordem e Progresso" , e até mesmo no período da ditadura militar, isso deixa claro que o positivismo ainda continua presente nos dias atuais.
É bom relembrar que na década de 30, o Estado tinha que ser forte para comandar, para manter a ordem, e surge então: a USP (colaboração para os futuros pensadores), o SENAI (colaboração para os futuros operários), MT (Ministério do Trabalho), MS (Ministério da Saúde), ME (Ministério da Educação), ou seja cria-se a ordem que até hoje seguimos...




Elvira Mendes Flóro 1º ano. Serviço Social Noturno

''A liberdade é o direito de fazer o próprio dever''

Em seu surgimento, Positivismo significava a criação de uma nova ciência, visando o progresso do conhecimento, baseado nos fatos e na experiência. Havia uma grande necessidade de compreensão e interpretação da sociedade, novas classes sociais surgiam, transformando a vida das pessoas, gerando insatisfações e pequenos grupos organizados. A Metafisica e pensamentos Teólogos empregados até então - sendo abstratos e profundos - pouco serviam para qualquer mudança válida.


Passava-se a analisar o real, suas utilidades para transformações, combatendo-as. Seus pontos chaves: Interpretação / Compreensão / Combate. Porém, a ideia era que existe lugares sociais definitivos, uma ordem e progresso. Não era ser neutro e sim fazer sentido. Para Comte era preciso observar a sociedade para que tivéssemos uma boa fundamentação e certezas com príncipios básicos. "O Real frente ao quimérico, o Útil frente ao inútil, o Certo frente ao incerto"






Joseane da Silva Poli - 1° SS - Noturno




Vamos manter a ordem!


Num cenário em que já existia ciência para compreender o corpo humano e os astros, o Positivismo de Augusto Comte surge da grande necessidade de uma ciência que estudasse e compreendesse a sociedade e seus fenômenos.


Nessa época, tínhamos a Filosofia que analisava a sociedade por uma visão abstrata, metafísica, similarmente à Teologia que interpretava a sociedade como dominada por uma força que a levava contra as vontades de Deus, uma vez que a Europa estava tomada por manifestações sociais nesse período. Insatisfeito com essas formas de analisar a sociedade, Comte propôs uma nova ciência que analisasse e interpretasse essa sociedade de forma concreta e não mais utópica.


Em sua obra “Curso de Filosofia Positiva” Comte defende que a sociedade deve funcionar de forma harmônica, seguindo o paradigma Newtoniano, isto é, na mesma sincronia que os planetas giram em torno do sol. Para isso a sociologia precisava desvendar a sociedade observando e detectando a “célula cancerígena” a fim de curá-la antes que essa contaminasse todo o organismo.


Isto é, operários ao saberem da possibilidade de uma mobilidade social logo organizavam manifestações e greves o que trazia prejuízos para seus patrões. Dessa forma, esses trabalhadores eram vistos como “células cancerígenas” que precisavam ser curadas.


O Positivismo é um Sistema onde não há mobilidade social, ou seja, a conservação das coisas como são, a ordem como pressuposto social. Essa sociologia tem uma finalidade política: auxiliar na manutenção do Sistema. Os operários assim como seus filhos devem continuar sendo operários, enquanto que os filhos de médicos, engenheiros, advogados continuem no mesmo ofício.


Cada membro da sociedade deve estar ciente de que sua função é de suma importância para o bom funcionamento do Sistema, dessa forma, os membros dessa sociedade, sobretudo, os operários, excluiriam de vez a possibilidade de crescimento, como por exemplo uma melhor remuneração e melhores condições de trabalho.


Sem dúvida, é um sistema extremamente cômodo para o Governo. Ele precisa apenas manter a ordem, ou seja, manter o proletariado satisfeito com sua atual situação, para isso foram criados os Ministérios do Trabalho, Saúde e Educação. O Positivismo proporciona ao Governo uma ordem para manter o capitalismo saudável e  a todo vapor.


Enfim, inquestionavelmente para manter a classe dos “burgueses”, aqueles que vivem de desperdícios e gastos exorbitantes, é preciso que nós, operários, continuemos cumprindo a nossa função no Sistema, ou seja, enquanto houver pobres, os ricos terão seus lugares garantidos. Devemos permanecer calados, comportados, limpinhos e com um lindo sorriso no rosto, assim segue o sistema na mais perfeita ordem rumo ao progresso.




Vida de gado

Zé Ramalho

Vocês que fazem parte dessa massa,
Que passa nos projetos, do futuro
É duro tanto ter que caminhar
E dar muito mais, do que receber.

E ter que demonstrar, sua coragem
A margem do que possa aparecer.
E ver que toda essa, engrenagem
Já sente a ferrugem, lhe comer.

Lá fora faz um tempo confortável
A vigilância cuida do normal
Os automóveis ouvem a notícia
Os homens a publicam no jornal
E correm através da madrugada
A única velhice que chegou
Demoram-se na beira da estrada
E passam a contar o que sobrou.

O povo, foge da ignorância
Apesar de viver tão perto dela
E sonham com melhores, tempos idos
Contemplam essa vida, numa cela
Esperam nova possibilidade
De verem esse mundo, se acabar
A arca de Noé, o dirigível
Não voam, nem se pode flutuar,
Não voam nem se pode flutuar,
Não voam nem se pode flutuar.

Eh, ôô, vida de gado
Povo marcado e,
Povo feliz
Eh, ôô, vida de gado
Povo marcado e,
Povo feliz

Mentes e Braços da Sociedade


Percebe -se que o positivismo de Augusto Comte nos mostra que para haver ''ordem e progresso'' nessecita -se das diferenças sociais. Cada ser na sociedade precisa cumprir seu papel para que haja uma harmonia. Sendo uma das bases do capitalismo. Dito isso, no meu modo de pensar, acho que se para haver ''ordem e progresso'' precisa de uma sociedade em que pessoas são tratadas como um nada, para que possam exercer seu papel de submissão e que não tem os mesmos direitos,e que pessoas são tratadas como ''senhores'' para que possa comandar a massa de ''proletariado'', acho que uma sociedade sem esses dois preceitos poderia ser muito melhor.Esse video que estou postando junto é de uma banda que gosto muito, e mostra as mentes e os braços da sociedade,que mostra a relação da necessidade com o outro.
No final apresenta essa frase : Some things cost more than you realise (Algumas coisas custam mais do que você imagina).

Uma Prática Insustentável



Ao analisar mais afundo a Filosofia Positiva de Comte e seu método de estudo científico, notamos que sua base está fundamentada na filosofia de uma escola para todos, para que todos, inclusive o proletariado, adquiram conhecimento, consciência do papel que exercem e de sua importância para sociedade.

Juntamente como estudo para todos, nesta filosofia há uma Ordem Fundamental, na qual é determinada uma função fixa, estática para cada indivíduo do “corpo social”, pois sem seguir esta ordem não haveria possibilidade de Progresso, daí a importância, de principalmente o proletariado, conhecer sua função e considerá-la essencial para o funcionamento do todo.

A filosofia de Comte pode muito bem funcionar para com a astronomia, mas em relação à sociologia ela seria insustentável, pois ao contrário de muitos fenômenos astronômicos, a sociedade, assim como os indivíduos que a formam são totalmente instáveis, estão em constante mudança e evolução. A prática desta filosofia geraria uma “aparente ordem social”, enquanto os operários, adquirindo conhecimento da hierarquia a qual estariam sendo submetidos, resistiriam cada vez mais a este sistema, reivindicando mudanças. Podemos relacionar esta prática com a realidade dos dias de hoje, apesar de vagarosamente, as mudanças vêm acontecendo, e um sistema positivista antes estático, agora é moldado pela dinâmica da sociedade.

A Física da Complexidade



Comte constrói a Filosofia Positiva com base em uma ciência concreta, que já fora citada por Descartes e Bacon. Para o autor um dos fatores que faltava para completar sua filosofia era a criação de uma nova física: a Física Social, uma ciência capaz de preencher uma lacuna na sociedade. A proposta da criação desta nova física representa realmente um grande diferencial do autor, até então, o homem entendia tudo a sua volta utilizando a astronomia, a física, a química e a fisiologia, mas apesar de entender o que via faltava compreender o que vivenciava, mesmo sem notar (como a sua relação com os outros).

A física social se mostra uma ciência mais complexa em relação às outras e um bom exemplo está no trecho em que Comte cita que a astronomia cuida dos fenômenos mais gerais, mais simples, enquanto a física social dos complicados e particulares. Colocando em contradição muitos de nossos princípios, fundados no senso comum, o qual determina a complexidade do universo, embora o mais complexo seja estudar o relacionado ao mais íntimo de nosso ser, nossas relações, enfim a sociedade.

sábado, 23 de abril de 2011

A Estática e a Dinâmica do Positivismo

O Curso de Filosofia Positiva de Augusto Comte tem como objetivo criar uma nova ciência, sendo essa capaz de interpretar a sociedade e compreender os fenômenos naturais existentes. Essa ciência traria uma transformação profunda, pois ao contrário das outras filosofias, sua teoria propunha que se analisasse o real, quer dizer, embora conheçamos a filosofia teológica e a metafísica, nos concentremos no que é concreto, verdadeiro; assim, seu primeiro fundamento para essa filosofia foi "observar e interpretar".

Para Comte, a sociedade em que vivia sofria de uma "doença social" e ele tinha que descobrir a cura. Então, ele observa o funcionamento da sociedade e a interpreta criando uma teoria a respeito dela. Segundo ele, para curar essa doença, era preciso trabalhar com duas ferramentas essenciais: a ordem e o progresso. Quer dizer, para ele, a sociedade estava sem ordem, e sendo assim, como tudo no mundo tem uma ordem natural, a sociedade deveria caminhar do mesmo jeito. Melhorando a educação, formariam-se doutores e cientistas, melhorando a saúde haveria mais controle sobre a parte proletariada e assim tudo caminharia na ordem e no progresso, pois não haveria razão para o proletariado se revoltar e querer mudar de posição (quem pensa progresso são os cientistas e quem os coloca em prática são os operários). Para ele, o Estado tem que ser forte e cuidar bem da sociedade, para que a mesma funcione bem.

Outra questão do positivismo de Comte, é sua idéia a respeito dessa filosofia. Segundo ele, a filosifia positivista tem como objetivo transformar o inútil em útil, o incerto em certo, etc. e combinar todas as ciências para que haja um conhecimento uno.

Enfim, Comte propunha uma filosofia que fizesse uma reorganização social, melhorando a educação e mantendo a ordem de funcionalidade; filho de patrão seria patrão e filho de operário seria operário (mas sempre bem alimentado e limpinho), porque assim não iria querer mudar de posição por acreditar que a sua é de extrema importância para a sociedade.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Comte



É importante conhecer a biografia do aoutor antes de analizarmos sua obra, pois encontramos pistas para entender um pouco mais sobre sua linha de raciocinio. Sendo assim um pouquinho de Comte para vocês: Isidore Auguste Marie François Xavier Comte (1798-1857), já aos 16 anos ingressou na escola Politécnica de Paris. Foi secretário do conde Henri de Saint-Simon em 1817, expoente do socialismo utópico, que apos um periodo se separou por discordar de algumas ideias do mesmo.



Apos um colapso nevoso enquanto trabalhava na criação de uma filosoia positiva em 1826, se recuperou e iniciou a redação de Curso de Filosofia Positiva, trabalho que lhe tomou doze anos. Em 1842 perdeu o emprego de examinador de admissão á Escola Politécnica por critica a corporação universitaria francesa, passou a ser ajudado por adimiradores e se separou de Caroline Massin, apos 17 anos de casamento. Apaixonou-se por Clotilde de Vaux em 1845, ela morreria no ano seguinte por tuberculose.



Em 1851 e 1854 redigiu o Sistema de Politica Possitiva, no qual expôs algumas das principais consequencias de sua concepção de mundo não-teologica e não-metafisica. Em 1856 publicou o primeiro volume de Sintese Subjetiva, projetada para abarcar quatro volumes. Mas não pode concluir a obra ao falecer, possivelmente de cancer, em 5 de setembre de 1857 em paris. Sua ultima casa, na rua Monsieur-le-Prince, n. 10, foi posteriormente adquirida por positivistas e transformada no Museu Casa de Auguste Comte.



VALENTIM, Oséias Faustino. O Brasil e o positivismo. Rio de Janeiro: Publit, 2010. no site: http://pt.wikipedia.org/wiki/Auguste_Comte

Guieni Kelly Bandim de Castro

Voltando atrás

Antes de começar a falar sobre Comte, preciso me retratar sobre algumas colocações as quais tirei como base a minha ultima postagem. Confesso que estava confusa sobre o que de fato Bacon e Descartes representaram para a evolução humana; se para o bem ou para o mal. Estive pensando se você leitor do blog também não teve as mesmas duvidas, afinal que linha de pensamento seguir.


Com mais tempo para refletir sobre tal assunto cheguei a conclusão que , no mundo nada há de tão perfeito quanto Deus. Não basta julgar quem esteve certo ou errado mas analizar que sem tais métodos pré estabelecidos não haveria procura de novos horizontes, nem teríamos chegado onde chegamos da forma que chegamos; se bem que não sei se isso foi bom ou ruim mas... também não teríamos chegado em Comte , que por sua vez não merece nossa critica ou exaltação , mas a expressão lógica de seu raciocínio para uma futura compreensão do todo.


Espero ter sido clara, acho que ainda é muito cedo para tomarmos partido sobre um lado a seguir, é preciso conhecer mais. E eu em partes, me equivoquei na postagem anterior, colocando Bacon e Descartes como dois "monstros", ainda não tenho tanta certeza disso e devo esperar os próximos capítulos da historia, muita agua ainda vai rolar.


Guieni K. B. Castro

quarta-feira, 20 de abril de 2011

"Progresso"

Segundo a visão positivista de “Comte” o progresso vem com a ordem; a mesma em que não existe mobilidade social. Um proletário por exemplo não deverá almejar uma ‘’posição’’ mais importante, em que somente os com estudo e todo um preparo estarão aptos a ocupar; Preparo esse que só os da alta sociedade recebem. E é nesse sistema que o progresso acontece.

Será que existe realmente progresso em um sistema onde somente alguns desfrutam e são favorecidos pelo mesmo, em quanto outros são usados de base permanecendo presos ‘’a margem’’ por esse ciclo vicioso?.




Amanda Inacio Faciroli 1º ano S.S noturno


Quem foi que disse, que Deus é Barsileiro e existe Ordem e Progresso ?


Ninguém mais, ninguém menos que Augusto Comte, que vem com sua filosofia positiva, nos convidar a compreender a sociedade.

Em seu" curso de filosofia positiva", ele explica segundo a sua própria visão, como ele interpreta a sociedade, como uma grande máquina, que necessita de todas as peças em seus devidos lugares, sempre fazendo seu papel, isso pra ele seria uma sociedade saudável...

Mas como todos sabem, nem todos na sociedade aceitam o papel que foi lhes dado, principalmente quando nesse papel inclui trabalhar durante horas em recinto fechado, em troca de migalhas, então quando essas pessoas decidem não executar os seus papeis, começam a fazer greves, viram revolucionários, ou simplesmente se recusam a trabalhar e se tornam mendigos, pedintes e mulheres da vida, nesse ponto é que a história se complica para Comte, essas camadas se tornam anomalias na sociedade, orgãos doentes que devem ser curados...

Assim como um apêndice não pode querer ser estômago, e estômago não pode querer ser cérebro, operários não podem querer ser patrões, cada um deve ficar aonde está e cumprir bem suas funções perante sua condição. Esse é o conservadorismo, que Augusto Comte achava que a sociedade deveria manter, conservar tudo na perfeita ordem para assim se obter progresso. ( com certeza ele não era um proletariado, até porque proletariados não tem tempo de estudar nem de escrever.)

Nos dias de hoje sofremos forte influência do Positivismo, que pode ser visto como braço direito do capitalismo. E o assistêncialismo ajuda na cura das camadas doentes da sociedade, atuando nos direitos sociais e no psicológicos dos cidadãos, para que eles possam continuar “cada um no seu quadrado”, porém com dignidade, já que o sistema nos obriga a fazer parte dele.


Bruna Daniély Martins 1° SS Noturno.