sábado, 19 de março de 2011

O Pensar Crítico

René Descartes, em sua obra “O discurso do método”, relata a sua descrença na filosofia tradicional, qualificando-a como estéril, apenas uma especulação inútil, insuficiente de provas concretas que comprovassem a veracidade de sua essência. Ele reflete, também, sobre suas dúvidas, critica qualquer tipo de alquimia, astrologia e magia alegando que estes nos tornam manipulados, por serem inibidoras da razão. Outro fato a ser criticado por Descartes é o de acreditar em tudo o que lemos ou ouvimos sem saber se existe uma base sólida e forte por trás desta informação, então notamos que tal método torna-se um incentivo para que tenhamos nossas próprias dúvidas e conclusões e deixemos de ser apenas alienados pelo mundo em que vivemos.

Com base no texto, compreendemos que é necessário refletir sobre tudo o que nos é imposto. Portanto, ter as nossas próprias dúvidas e opiniões e agir com um pensar crítico, baseado na razão, assim saberemos discernir o verdadeiro do falso, gerando o nosso próprio conhecimento.


Cristina Leal Sanches 1º ano de Serviço Social / Diurno

METAMORFOSE AMBULANTE

O Discurso do Método de René Descartes, buscava com contumácia a RAZÃO para explicar os fenômenos científicos, bem como o rompimento com o conhecimento revelado pela religião, pela magia, alquimia e astronomia, realizado sem um método.
A fomentação da ideologia de Descartes teve como sustentáculo a SUSCITAÇÃO DA DÚVIDA, O QUESTIONAMENTO E A NÃO ACEITAÇÃO DO IMPOSTO SEM EXPLICAÇÃO.
A teoria defendida por Descartes proporcionou inúmeras transformações, as quais possibilitaram a perpetuação dos seres humanos e a continuação nos dias atuais.
Exsurge do referido estudo que a evolução de nossa sociedade deve-se e muito a Descartes e que para dar continuidade tem-se que a cada momento sempre questionar (DUVIDAR) para poder transformar e dar sequencia no processo evolutivo de todos os seres, não só os humanos.
Há de racionalizar sempre desde um processo de pesquisa, um invento, uma elaboração de lei, uma absurda imposição de teoria, ou mesmo a razão de ser de um preconceito.
Há de celebrar, sobretudo, em nome da humanidade que Descartes preferiu ser uma metamorfose ambulante do que ter uma opinião formada sobre tudo... do que ter aquela opinião formada sobre tudo....

A Certeza da Dúvida



Todos duvidamos, até mesmo aqueles que vivem em um profundo conformismo com o mundo, pois as dúvidas geram escolhas e tudo a nossa volta está baseado nas mesmas, até o simples ato de acordar ou continuar dormindo; e se você acha que isto não representa uma escolha é porque já escolheu fazer algo que te faça levantar.

Aprofundando ainda mais, a dúvida aliada à ciência nos oferece a oportunidade de transformar, inovar e de buscar incertezas no que até então era considerado concreto.

Através da dúvida chegamos aqui e será por meio da mesma que o inimaginável hoje, será possível amanhã.

Bom senso em nosso caminhar.

"Estranhos são os desígnios do Senhor"...
Precisamos assim, bem discernir,
para saber o caminho a seguir...
O caminho das rosas, tem seus espinhos,
portanto saibamos evitá-los...
O caminho das pedras, tem seus obstáculos,
devemos saber contorná-los...
Nada nos será facilitado,
temos que fazer nossa parte,
e saber usar nosso livre arbítrio,
sabendo com bom senso empregar
nossa energia interior...
Bom senso é o que deve imperar,
durante nosso caminhar...
Devemos prestar atenção,
e saber seguir a direção...
Por vezes um desvio de rumo,
poderá tirar de nossa vida o prumo...
Saber bem usar a ponderação,
poderá evitar problemas sérios...
Atitudes precipitadas, porém
podem causar-nos graves problemas,
gerando muitos dilemas...''

Autor :Marcial Salaverry

Eu Penso... Logo Duvido





Assim como a genialidade caminha com a loucura, o esclarecimento anda de mãos dadas com com a duvida;Pois é atraves das duvidas que surgem novas respostas,que originam novas perguntas (duvidas), dano sequencia assim ao ciclo do conhecimento.
A Ciencia pré-cartesiana possuia uma visão contempladora muito teorica e pouco obgetiva, Descartes coloca isso em prova ao questinar: até onde ela quer chegar com isso?
segunado ele a Ciencia possui um papel construtivo, é uma ferramenta para o 'Homem' entender e transformar o mundo.
O que eu levo de Descartes é a auto-crítica, assim como minha historia, minha visão do mundo se diverge com a de outos individuos, preciso portanto que "Eu pense e logo duvide" pois só refletindo e me aprofundando no meu proprio conhecimento vou ter credibilidade o suficiente para colocar em pauta o do proximo.

A convivência na construção do conhecimento

Cada um de nós é provido da razão, o que nos difere de todo e qualquer outro ser que possui vida. Essa capacidade pensar faz com que cada pessoa tenha sua opinião própria, seu modo de julga, aceitar e enfrentar determinadas situações cotidianas. Descartes no início de sua busca pelo conhecimento da verdade logo na juventude não propõe um método às pessoas para que elas sigam este aprendizado e o tomem como verdade absoluta, mas ele coloca com bastante modéstia as experiências de vida que ele adquiriu ao longo dos anos e como conseguiu gradativamente aumentar o seu conhecimento. A frase “Penso, logo existo,” foi o primeiro princípio que ele aceitou como verdade, e logo após a existência de uma alma distinta do corpo, que segundo ele, essa alma é dada a cada um por Deus para que cada indivíduo obtenha o discernimento necessário para distinguir entre o verdadeiro e o falso, e mais ainda, que ninguém é capaz de subsistir sem Ele por um único instante.

A forma que Descartes coloca seus pensamentos mostra que é na experiência do dia-a-dia que pouco a pouco cada um forma o seu senso critico e passa a analisar todo o conhecimento adquirido para ver se ele é utilizável em nossa vida ou não. Conviver com pessoas diferentes e com os mais diversificados pensamentos é ter oportunidades para filtrar todas as informações possíveis, valorizar o que até então era desconhecido, evitar os pré-julgamentos para aí sim, com a mente aberta, construir o conhecimento e a vida sobre uma base verdadeiramente sólida.

Raquel Aparecida de Mesquita, 1º ano Serviço Social noturno.

Razão não remete à verdade



Em o Discurso do Método, Descartes fala sobre ele, que frente à diversos questionamentos, resolve buscar a verdade através dos livros, fábulas e demais saberes. Nesta busca e observando as coisas as coisas a sua volta, num dado momento tem a idéia de que tudo provavelmente seria criado por um ser mais perfeito que o homem: Deus.

Contudo, por medo do equívoco e por não poder mostrar sua teoria com exatidão, busca novas formas de reflexão e sugere que a razão não tem obrigatoriedade com a verdade, e que acreditar "cegamente" naquilo que nos é passado por hábito, pode gerar idéias duvidosas, é necessário buscar o conhecimento para não ser enganado por coisas que afeiçoam verdadeiras, sem ser.

Questionar é evoluir



A reflexão obtida a partir da leitura do texto "O discurso do método", de Renè Descartes, está relacionada com a compreensão da razão e senso comum. A razão e o senso comum são os elementos que diferenciam os seres humanos dos outros seres. Contudo, a cultura de um homem molda a sua razão e o senso comum é tido como um fator cultural (o de um ocidental é diferente ao de um oriental).

É enorme a dificuldade de um homem em agir, seja profissionalmente como pessoalmente, sem a distinção entre o verdadeiro e o falso. Para ocorrer essa separação, é necessário a indagação sobre fatos dados como certos. A dúvida nos leva à razão, a desconfiança nos leva à verdade, sendo que o senso comum pode ofuscar a razão.

Na atual sociedade é necessário maior senso crítico, mais reflexão sobre a vida em geral, questionar mais a atuação dos governantes, do modo em que as classes desfavorecidas são tratadas e, principalmente, no sistema vigente, que gera uma grande desigualdade e tantos outros problemas sociais. Somente a razão pode nos levar a uma sociedade harmoniosa.

Jacqueline Janoszka Miani- 1º SS noturno

As dúvidas podem mover o mundo.

Através do texto de René Descartes pode se perceber que a necessidade da razão que o mesmo defende é algo que permeia no nosso tempo,já que passamos a ser modernos por deixarmos de acreditar em algo que possa ser explicado pelo homem e passamos a crer na ciência.
Duvidar,questionar,pesquisar,partir do mais simples para o mais complexo,passa a ser a maneira mais rigorosa para chegar a uma explicação científica para Descartes,mas destacando que a ideia da razão não tinha necessidade de suprir o poder divino para ele.
Com base no que o que o filósofo nos apresenta é possível concluir que é preciso ir além do que nos é imposto no dia a dia,no nosso mundo atual. É preciso sempre duvidar daquilo que vemos, daquilo que nos passam, já que hoje, o mundo é movido á máquinas, muitas vezes nos contentamos com o pouco que nos é dado. Ir além e buscar nosso próprio conhecimento é a 'peça chave' para sairmos da monotomia e alienação que vivemos e passarmos a movimentar, buscar por uma nova maneira de viver em nossa sociedade.

Duvidar para ter certeza


Em o Discurso do Método, René Descartes mostra o quão é importante o predomínio da razão sobre tudo o que conhecemos. A razão é o que leva o homem a duvidar, peça fundamental para sua busca por respostas concretas, a cerca das que lhe foram inculcadas e repassadas no ensino tradicional. A razão vem de encontro a desmistificar o conhecimeto sobrenatural, aqui exemplificado pela alquimia, na busca de provar o que é verdadeiro e falso.

Se pela afirmação: penso, logo existo, Descartes indaga que é verdadeira sua existência, esta só ocorre pela lógica de existir algo maior, que lhe atribui essa capacidade de ser pensante, que é Deus (o ser infinito e perfeito). Com a razão, o homem aprende a raciocinar sobre tudo que acontece a sua volta, e para se adequar a várias mudanças (sociais, econômicas, etc.), começa a racionalizar seus atos e escolhas. Contudo, essa capacidade de raciocinar, leva o ser a desconfiança de tudo que lhe é apresentado, fazendo com que questione sobre a realidade do objeto a ser estudado. E é essa desconfinaça do conhecimento transmitido, que o leva a duvidar e procurar meios de verificar a clareza e a verdade dos fatos estudados.

É a dúvida que forma as bases dos métodos científicos e que molda os critérios de clareza e descrição da verdade. Descartes questiona a filosofia, pois esta não possui métodos demonstrativos que a justifiquem, composta apenas de especulações. É assim como ele, que devemos fazer com o nosso mundo: duvidar para fragmentar e assim conduzir cada parte a uma análise mais detalhada, que posteriormente acarretará na conclusão de existente ou não do que foi posto em dúvida, contendo sempre a certeza de não haver omissões nas revisões feitas, nem nas colocações e sugestões atribuídas a esse processo de questionamento.

E posto em prática isso, movemos o mundo no qual nos encontramos e até outros sem perceber, pois tudo o que existe materialmente representado ou não, em nosso século, ou em outros já passados, nos choca nesse paradigma da razão que gera a dúvida e que leva a certeza. Este é um quetionamento que molda o mundo, procurando por em representações concretas e claras, o que antes só era narrado.
Thaís Monteiro Braga 1º Serviço Social- Diurno

Pensamento livre

Em “O discurso do método”, René Descartes propõe uma idéia inovadora: “... eu era uma substância cuja essência ou natureza consiste apenas no pensar, e que, para ser, não necessita de lugar algum, nem depende de qualquer coisa material” (p. 19). Os caminhos da reflexão e da interpretação do mundo podem ser muitos, mas nenhum deles é dependente de qualquer fator externo. Ainda que estejamos inseridos numa determinada cultura ou configuração político-econômica e que nosso comportamento esteja preso a algumas tradições e limitações do senso comum, o pensamento segue desamarrado, podendo vagar por quantas dúvidas, questões ou belezas encontrar.

Certamente as conclusões advindas do pensamento crítico e interpretativo não serão validadas pela totalidade da sociedade. Mas certo é também que somente o pensamento livre nascido no interior do Homem é capaz de esmiuçar o seu exterior e produzir riquezas para o bem comum.

(Fonte da arte "Pensamento livre": http://www.flickr.com/photos/ogatosemnome/)

O domínio da razão

O texto "Discurso do Método" de René Descartes, nos leva a refletir sobre a essência da razão. Essência esta que nos diferencia dos outros seres vivos, que faz com que sejamos pessoas pensantes.
Para o autor, não devemos acreditar em verdades impostas, surgindo assim o fator "dúvida", que é de essencial importância na busca de novos conhecimentos e até mesmo para a formação do caráter pessoal, pois, buscando nossa própria forma de conhecer os fatos, deixamos de ser alienados.
É importante que duvidemos até mesmo dos nossos sentimentos, que pode nos enganar, pois não estão associados a razão da emoção. O ser pensante, consegue diferenciar a razão da emoção, pois tem total domínio do seu ser.
O autor, faz uma crítica aos movimentos que envolvem ocultismo, como a magia e astrologia, e critica também a especulação, defendo a perfeição de Deus, que rege tudo o que existe, sendo a razão explicada pela existência de Deus.
Enfim a melhor maneira de se fazer ciência, é buscar com os próprios esforços, os indícios do fato buscado, não aceitando verdades impostas, aceitando apenas, a verdade que surge da razão.

Josilene Facioli, 1º ano de Serviço Social diurno

Penso logo REALIZO!!!

 O autor René Descartes sugere a dúvida como sendo primordial para descoberta de perguntas antes incontestáveis, pois somente a dúvida nos levará há questionamentos e pesquisas para descoberta das mesmas. O autor também deixa claro a sua opinião quanto à existência de Deus e sua divindade, que nos deixou um mundo a ser descoberto pela nossa razão. e Assim através dela transformarmos o mundo em que vivemos.