sábado, 9 de abril de 2011

Observar, Compreender e Transformar

O Positivismo foi a primeira tentativa de se fazer uma análise da sociedade a partir de seus princípios reais. Para Augusto Comte, as ciências anteriores que explicavam os acontecimentos no mundo eram abstratas, já que iam somente até o estágio metafísico dos estudos que realizavam.

Surgido na época da 'Primavera dos Povos' (revoluções que ocorriam no mundo), o Positivismo visa buscar respostas, na tentativa de que haja o entendimento das causas sociais e psiquicas que expilquem as revoltas, as contestações e as insatisfações da sociedade naquele momento.

Comte entendia a sociedade como o universo, onde cada ser possiu seu papel bem definido, pois é desse modo que, segundo ele, ocorre ordem e quando há ordem consequentemente há progresso. E quando isso não ocorre, gera-se o desequilíbrio, assim como vemos em relatos de acontecimentos com fauna e flora, onde por algum motivo falta ou há excesso de algum ser, que determina a alteração do ambiente e sua reprodução.

O Positivismo parte do pressuposto de que a explicação e o conhecimento vem da análise do real, do concreto, do que é observado. É através da observação que compreende-se o mundo e seus acontecimentos.

Positivismo é o real, o útil, o concreto, o certo. É o ultimo estágio do conhecimento, anteriormente há o Teológico (religioso) seguido do Metafísico (além da física, suposições) e por fim o Positivo que trata-se da observação do que é real.

"Observo, compreendo e Transformo."


Thaís Monteiro Braga 1º Serviço Social- Diurno

E você, se submeteria?

A máquina sociedade, confusa e imensurável, a partir do início do século XIX, apresentava uma demanda de "cuidados", devido ao grande processo de industrialização e, consequentemente, da formação da questão social. Nesse contexto surge Augusto Comte e a ciência social chamada Sociologia. Junto à nova ciência eclode a teoria Positivista e, então, a questão social passa a ser compreendida, segundo o autor, como doenças sociais. Doenças não no sentido pejorativo, com encargos de desamparo e hostilidade, mas sim, expressando preocupação. Comte propunha, genialmente, a interpretação racional dos problemas sociais, a fim de diagnosticá-los e curá-los, assim como se cura uma doença biológica do indivídeuo social. Tal cura poderia provir, por exemplo, de políticas públicas eficientes nas áreas de saúde, alimentação e educação. A ideia central é ordem. Para Augusto, é essencial manter cada qual em seu posto social, porem de maneira digna e humana, pois dessa forma, atingir-se-á o progresso. Embora pareça um discurso burguês, Comte de certa forma é bem coerente. Imaginemos uma sociedade integralmente composta por mestres e doutores nas áreas mais concorridas desde a criação da Universidade: Medicina, Engenharia e Direito. Será que um doutor, depois de tanto esforço e estudo, se submeteria à executar a função de catador de lixo, de coveiro, de operário, de encarregado de limpeza, etc? É importante ressaltar que nenhuma profissão é mais digna ou melhor do que a outr, apenas requerem esforços diferentes, o que garante salários diferentes. Fator que distingue uma da outra, e que é encarado como ponto chave rpofissional. Por fim, para não se estender demasiadamente o comentário, é possível destacar uma crítica negativa às proposições Comtianas, no que diz respeito ao antiliberalismo. É difícil se pensar em progresso, sem se pensar em tecnologia, em corporações globais e em privatizações. Portanto, é difícil se pensar em ordem e progresso sem uma ação simultânea do Estado e do Capitalismo; o primeiro cuidando do social, garantindo direitos; e o segundo se encarregando do desenvolvimentoe da modernidade, gerando empregos nas grandes corporações e garantindo progresso econômico e tecnológico ao Estado. Maria Isabel Baldo Gorno - 1º Ano Serviço Social/Noturno