domingo, 8 de maio de 2011

Ser neutro e o fato social - Durkheim




O cientista Social deve se despir de pré-conceitos, de sentimentos, de mitos, de religião, de paixões e ódio - ou seja o cientista social deve ser Neutro, para analisar o “fato social” – que tem o método de enxergar o indivíduo como “coisa” e usar apenas a ciência e não explicações ou métodos do biológico ou psicológico como respostas.

Fato Social é todo aquele que independe do indivíduo e tem como caracteristica o agir do homem em sociedade de acordo com as regras impostas pela sociedade ou podemos dizer que "Tudo remete-se não ao “EU” e sim ao Social" Afirmando que a sociedade prevalece sobre o indivíduo.

A sociedade esta dentro do indivíduo, existem certos comportamentos que estão introgetádos de forma tão profunda que o indivíduo nem percebe, agindo como se fosse um hábito... natural do indivíduo.

Cibeli Pacheco Melo Oliveira 1º S.S. – Noturno

E é fato... toda essa coisa!

Durkhein tem como principal objetivo priorizar o objeto, sendo “o fato social”, como uma coisa, onde coisas que parecem ser do mais intimo e individual do ser são coisas induzidas pela sociedade, como comportamentos simples do individuo são comportamentos produzidos pela sociedade. Ele ainda acrescenta que é preciso explorar as coisas antes de definir as idéias, e para ele o que vai definir as coisas é cada sociedade, cada cultura, para ele é preciso ultrapassar a superficialidade, é preciso buscar as causas profundas, e ir à essência das coisas, sendo então o fato social tudo aquilo que expressa uma imposição da sociedade sobre o individuo.

Que coisa!!!!!

Uma ciência da razão












Fazer ciência social para Durkheim não consiste em usar emoção ao analisar a sociedade e sim o uso apenas da razão.




Para Émile em seu pós-positivismo a emoção pode levar o indivíduo que está fazendo ciência a transformar os rumos de sua pesquisa, pois a emoção se leva ao erro.




Para Durkheim o positivismo de Comte era algo mais imaginário do que real, para Émile Comte já havia uma pré-noção de realidade em sua consciência, ou seja, não seria totalmente razão pois Comte criara que haveria progresso na sociedade, assim já haveria uma idéia para pressupor a realidade, pois segundo Durkheim é necessário se guiar das coisas para as idéias e não das idéias para as coisas, que seria um pré-conceito de realidade.Se aprofundar na realidade, descobrir a essência das coisas.




Durkhein via algo ou alguém isoladamente e não dentro de um contexto que as vezes esse próprio contexto é que realmente explicaria esse algo ou alguém de forma mais explicativa.




Valdirene Viviane do Nascimento.1º Ano Serviço Social Noturno.

Fato!

No texto “Que é fato social?” o pós-positivista Émile Durkheim baseando-se no positivismo de Augusto Comte preconiza que o cientista social deve desenvolver seu trabalho sem deixar ser influenciado pelos sentimentos humanos.
Para Durkheim o analista social deve ir fundo na realidade, porém se distanciando do homem para que assim possa enxerga-lo como “coisa”, ou seja, não deve se envolver de forma alguma com seu objeto de estudo. O homem deve ser estudado a partir de uma visão externa e imparcial. Esse modo de ver a sociedade, coisificando o ser, é necessária para fazer uma análise concreta e racional do homem enquanto ser social.
Formular as ideias a partir da análise das coisas e não o contrário. Devemos estudar a sociedade pela lente da ciência, analisa-la e interpreta-la racionalmente levando sempre em consideração cada vivência de cada pessoa.
Quando Durkheim fala em funcionalismo ele quer dizer que fenômenos sociais cumprem uma função especifica na sociedade. O fato social é todo aquele que independe do individuo, ou seja, é a sociedade que determina as regras e não o individuo.
Ao decidir comprar um artefato de marca conhecida que representa alto poder aquisitivo não estamos necessariamente atendendo a uma necessidade pessoal, mas sim, do grupo social em que vivemos ou do qual queremos fazer parte. Assim como ouvir a música do momento e usar a roupa da moda é coisas que fazemos não necessariamente seguindo uma necessidade própria, mas uma exigência da sociedade. É uma forma de ser “aceito”, pois se você “rema contra a maré” é ignorado pela sociedade e “excluído” do convívio pelo grupo social.
Enfim, o ser social é influenciado inconscientemente pelas regras que foram impostas pela sociedade, dessa forma, têm a sensação de que a vontade de fazer, sentir ou comprar vem de si próprio de forma natural, mas ao observarmos por uma visão crítica concluímos que tudo é determinado pelo todo, pelo coletivo e não pelo indivíduo.

A Imparcialidade dos atos .






No texto Émile Durkheim começa a abordar a sociologia como uma ciência de fato, tratando os assuntos com razão e não com os sentimentos, assim tendo uma imparcialidade total perante os fatos. Pra Durkhein para se analisar os fatos sociais, para poder fazer uma ciência era preciso analisar as pessoas como coisas. Esse esforço tem haver com a luta para tornar a disciplina uma disciplina acadêmica de fato. Tornar a ciência respeitável, fazer com que essa ciência tenha a mesma confiabilidade das demais.


Durkhein preconiza a definição de objeto de estudo da sociologia. Defende o fato de estudar o homem com a mesma frieza que um Geólogo estuda Pedras, para poder ter um olhar de distanciamento.


Essa passionalidade pode fazer você não enxergar a essência do objeto, mais sim o vinculo que você tem com ele .





Beatriz da S. M. Araujo - SS/Diurno

O que você faz quando, ninguém te vê fazendo Ou o que você queria fazer, se ninguém pudesse te ver??

Émile tem fontes essenciais do Positivismo ao considerar os fatos sociais como "coisas". Afirma que fazemos análises ideológicas ao invés de uma ciência da realidade - sendo esta - o questionamento do social, observando objetivamente as distinções de condutas, educação, moldes e regras já então formuladas e determinadas.
A Ciência como instrumento, concentra no descobrimento de suas causas/motivos para melhor compreendimento. Existindo portanto explicação para qualquer causalidade. Seu ofício independente de gêneros e préconceitos, além da reflexão, entrando em contato com a realidade pura. Em seu método, considera a função de cada coisa. Em distanciamento, de modo a evitar o envolvimento dos próprios sentimentos no assunto em questão. A natureza diferente dos objetos orgânicos/naturais/físicos deveriam ser vistos como objetos, "Dar preponderância aos sentimentos, neste caso, é admitir a superioridade das faculdades inferiores" (e não seu intelecto) Levando em consideração o sentimento do individuo, mas retirando o teu (impessoalidade). O FATO SOCIAL como tudo aquilo que independe do individuo e que tem como fixo o agir do homem em sociedade, de acordo com as regras impostas. Distingue o orgânico e o psíquico da Sociologia, por tratar-se de comportamentos e circunstâncias que fomos educados e impossibilitados de fugir deles. Seria a acomodação ás regras, e o acreditar que nossas emoções são frutos de nossas elaborações, mas na verdade são hábitos forjados na dimensão do coletivo.


Joseane da Silva Poli - 1º ano SS - noturno

Influência da sociedade no nosso ser

Teatro Dos Vampiros

Legião Urbana

Composição : Renato Russo

Sempre precisei
De um pouco de atenção
Acho que não sei quem sou
Só sei do que não gosto...

Nesses dias tão estranhos
Fica a poeira
Se escondendo pelos cantos
Esse é o nosso mundo
O que é demais
Nunca é o bastante
E a primeira vez
Sempre a última chance
Ninguém vê onde chegamos
Os assassinos estão livres
Nós não estamos...

Vamos sair!
Mas não temos mais dinheiro
Os meus amigos todos
Estão, procurando emprego...

Voltamos a viver
Como há dez anos atrás
E a cada hora que passa
Envelhecemos dez semanas...

Vamos lá, tudo bem!
Eu só quero me divertir
Esquecer dessa noite
Ter um lugar legal prá ir...

Já entregamos o alvo
E a artilharia
Comparamos nossas vidas
Esperamos que um dia
Nossas vidas
Possam se encontrar...

Quando me vi
Tendo de viver
Comigo apenas
E com o mundo
Você me veio
Como um sonho bom
E me assustei
Não sou perfeito...

Eu não esqueço
A riqueza que nós temos
Ninguém consegue perceber
E de pensar nisso tudo
Eu, homem feito
Tive medo
E não consegui dormir...

Vamos sair!
Mas não temos mais dinheiro
Os meus amigos todos
Estão, procurando emprego...

Voltamos a viver
Como a dez anos atrás
E a cada hora que passa
Envelhecemos dez semanas...

Vamos lá, tudo bem
Eu só quero me divertir
Esquecer dessa noite
Ter um lugar legal pra ir...

Já entregamos o alvo
E a artilharia
Comparamos nossas vidas
E mesmo assim
Não tenho pena de ninguém...

http://letras.terra.com.br/legiao-urbana/46983/


http://www.oslevadosdabreca.com/tiras/2011-05-02-0552_color.jpg



http://4.bp.blogspot.com/_1QWJQ61zBiU/RdMTK79DLWI/AAAAAAAAABM/Fh3vKNTcYsU/s400/hagar_04-06-06_pt.gif