segunda-feira, 16 de maio de 2011

DIVISÃO DO TRABALHO x CONFORMISMO NO TRABALHO

Através da divisão do trabalho o homem encontrou seu papel na sociedade. E dessa maneira mesmo sem perceber juntou-se ao todo na construção de um mundo equilibrado. Esta idéia de organização está tão impregnada em nós, que somos capazes de negar a nós mesmo em nome dessa coesão. Um exemplo dessa renuncia de si mesmo, é o conformismo e acomodação que a população se encontra.
A Evolução não para, a maioria ajuda a costruí-la, porem, a minoria consegue desfrutar dela.











Funcionalismo e Divisão do trabalho

Segundo o pensamento de Durkheim todo fato social, contribuinte para a provisão de um sistema mais amplo, exerce uma função na sociedade que responde á uma caracteristica do conjunto, pois toda necessidade social é consequencia de determinados fenômenos. Durkheim procura não somente explicar as coisas em si, busca compreender suas funções sociais, analisar as funcionalidades dos fatos sociais.
Dessa forma a razão da divisão do trabalho abordada na obra, tem o propósito maior de estabelecer a coesão social, que é a condição de existência para a manutenção da harmonia e equilibrio. Tal divisão deve ser feita sob a ótica da solidariedade, elemento central na organização da sociedade, pois a divisão das tarefas é fator de unidade social. Solidariedade essa, que implica a negação dos impulsos e a negação integral de si mesmo em função do todo.
Para Durkheim o individualismo faz a sociedade perder seus alicerces, sua coesão, por esta razão o estudo da divisão do trabalho deve ser feito pelo prisma moral e não econômico. Assim refreiando o estinto crítico, em nome da harmonia social, se manteria a ordem.

Juliana Braga - 1º SS / Diurno

A Divisão do Trabalho Social

Segundo Émile Dürkeheim em sua obra "Da divisão do trabalho social" a sociedade deveria ser vista como um sistema organizado, ordenado e interdependente de várias partes que juntas transformariam-se em uma unidade. Dürkeheim concebe as sociedades complexas como grandes organismos vivos, onde os órgãos são diferentes entre si (divisão do trabalho), mas todos dependem um do outro para o bom funcionamento do ser vivo, crescente divisão social do trabalho faz aumentar também o grau de interdependência entre os indivíduos.
Pensar a divisão do trabalho sob a ponto de vista durkheimiano nos remete à reflexão sobre solidariedade em dois aspectos: o da solidariedade mecânica e da solidariedade orgânica em desenvolvimento inversamente proporcional.

A solidariedade mecânica prevalece naquelas sociedades ditas "primitivas" ou "arcaicas", ou seja, em agrupamentos humanos de tipo tribal formado por clãs. Nestas sociedades, os indivíduos que a integram compartilham das mesmas noções e valores sociais tanto no que se refere às crenças religiosas como em relação aos interesses materiais necessários a subsistência do grupo, essa correspondência de valores assegura a coesão social.

De modo distinto, existe a solidariedade orgânica que é a do tipo que predomina nas sociedades ditas "modernas" ou "complexas" do ponto de vista da maior diferenciação individual e social (o conceito deve ser aplicado às sociedades capitalistas). Além de não compartilharem dos mesmos valores e crenças sociais, os interesses individuais são bastante distintos e a consciência de cada indivíduo é mais acentuada.

Para garantir a coesão social, portanto, onde predomina a solidariedade orgânica, a coesão social não está assentada em crenças e valores sociais, religiosos, na tradição ou nos costumes compartilhados, mas nos códigos e regras de conduta que estabelecem direitos e deveres e se expressam em normas jurídicas: isto é, o direito.

Um tal de Durkheim

Durkheim ao pensar sobre o papel desempenhado pela divisão social do trabalho dentro do mundo a sua volta, percebeu que o trabalho surge como motor do desenvolvimento intelectual e material das sociedades.

Os fatos sociais em torno da divisão social do trabalho contribuem para o surgimento e fortalecimento da noção de solidariedade, elemento fundamental para a manutenção da civilização.

Para Durkheim a solidariedade seria o sacrifício de uma vontade individual em prol do coletivo que é regido por uma consciência coletiva, as coerções embutidas nos fatos sociais seriam as regras visíveis ou invisíveis e criadas por nós mesmos com o intuito de direcionar uma sociedade.

A importância da solidariedade nasce por sua vez do instinto humano de buscar idéias semelhantes e também diferenças que nos complete. A divisão social do trabalho cria um ambiente harmônico e necessário para o desenvolvimento de um espírito solidário.

Assim, vemos que a importância dessa divisão social do trabalho vai muito além de sua produção técnica e material, ela também contribui para a criação de laços entre os indivíduos que permitirão aquela sociedade uma longa duração.

Alex Almeida da Silva - 1º SS Diurno

Produzindo solidariedade

Durkheim procurava explicações para as modificações estruturais ocorridas com a chegada da sociedade moderna e considerava que ela deveria ser estudada como um fenômeno com leis naturais de desenvolvimento que são baseadas na articulação de suas partes. Portanto, os fenômenos sociais têm origem na coletividade e não no individual. É por isso que para Dukheim, a sociedade é semelhante a um corpo vivo e cada órgão cumpre uma função, ou seja, as partes (ou fatos sociais) existem em função de um todo (o coletivo, a sociedade).
Durkheim demonstra que a sociedade modela o comportamento social das pessoas, passando de uma solidariedade mecânica para uma solidariedade orgânica. A solidariedade mecânica é mais simples e se forma pela igualdade: os indivíduos vivem em comum, porque partilham de uma consciência coletiva comum. Inclusive, o direito é repressivo, apresentando uma punição por meio dos costumes, já que o crime representa um rompimento com a solidariedade, ou seja, age contra a sociedade. Já na solidariedade orgânica, os indivíduos estão unidos em virtude da divisão social do trabalho, onde eles se tornam interdependentes e suas funções são essenciais para o sistema social.
O grande desafio para Durkheim seria: como preservar a sociedade garantindo o seu bom funcionamento? A função da divisão social do trabalho seria produzir a solidariedade e ao restabelecer essa solidariedade entre homens, essa divisão assumiria seu caráter moral, ampliando a harmonia, a integração e a COESÃO na sociedade moderna.

Taowanah Vizoto - 1° ano de SS - diurno

A Função Da Divisão Do Trabalho

Ao estudar mais uma vez Durkheim no texto " a função da divisão do trabalho" ficou claro, que sem a coesão (equilibro, harmonia) a sociedade começa a desabar para o lado da degeneração social, e que coesão é o elemento mais importante, a condição de existência da sociedade. A solidariedade publica é uma negação de si mesmo em prol de uma sociedade maior.
Durkheim afirma que a divisão do trabalho cumpre a função de gerar solidariedade. Essa divisão de trabalho seria o " oxigênio que corre no corpo da sociedade", uma moral no sentido publico. O homem passa a ver o trabalho como uma forma de dignidade, e o leva a negar a si próprio para o beneficio de um todo.
Durkheim acreditava que o individualismo corroía a sociedade. Que a consciência coletiva dividia entre fraca ( solidariedade mecânica) e forte ( pensamento científicos, religiosos, metafísico- solidariedade orgânica), gera uma diferenciação social, fazendo assim, surgir a divisão do trabalho.

O equílibrio na divisão social

Para Durkheim, sociedade é sinônimo de harmonia, pois, caminha lado a lado com a solidariedade, seja na divisão de trabalho, ou até mesmo na organização da mesma.
Ao expressar o sentido da palavra solidariedade, Durkheim deixa claro que ela ressalva a "negação de si", pois tudo que não tem um caráter moral e coletivo deixa de ser útil diante do todo. É essa negação de si que garante um equílibrio, assim como a divisão do trabalho que é um fator de integração, onde cada qual ocupa sua função social.

"Acredito na essencial unidade do homem, e portanto na unidade de todo o que vive. Desse modo, se um homem progredir espiritualmente, o mundo inteiro progride com ele, e se um homem cai, o mundo inteiro cai em igual medida." Gandhi

Karen Tidori Kuboyama - SS diurno

Solidariedade na divisão do trabalho


Legião Urbana

Composição : Renato Russo

Sem trabalho eu não sou nada
Não tenho dignidade
Não sinto o meu valor
Não tenho identidade
Mas o que eu tenho
É só um emprego
E um salário miserável
Eu tenho o meu ofício

Que me cansa de verdade
Tem gente que não tem nada
E outros que tem mais do que precisam
Tem gente que não quer saber de trabalhar
Mas quando chega o fim do dia
Eu só penso em descansar
E voltar p'rá casa pros teus braços
Quem sabe esquecer um pouco
De todo o meu cansaço
Nossa vida não é boa

E nem podemos reclamar
Sei que existe injustiça
Eu sei o que acontece
Tenho medo da polícia
Eu sei o que acontece
Se você não segue as ordens
Se você não obedece
E não suporta o sofrimento
Está destinado a miséria

Mas isso eu não aceito
Eu sei o que acontece
Mas isso eu não aceito
Eu sei o que acontece
E quando chega o fim do dia
Eu só penso em descansar
E voltar p'rá casa pros teus braços
Quem sabe esquecer um pouco
Do pouco que não temos
Quem sabe esquecer um pouco
De tudo que não sabemos

No texto de Durkheim " Da divisão do trabalho" ele cita a consciência coletiva que é definida na sociedade como regras fortes e é estabelecida para atribuir valores aos atos individuais . Durkheim também fala sobre a solidariedade mecânica era a que dominava nas sociedades pré- capitalista onde as pessoas se identificavam através da família, religião, tradição e costumes ficando independentes da divisão do trabalho. Já na solidariedade orgânica é uma sociedade capitalista que substitui os costumes , tradições,etc por união social onde a pessoa especializa em uma atividade e desenvolve uma maior autonomia pessoal.

Angélica Borges de Sousa Pessoni Capel 1º Serviço Social/ Diurno

A Sociedade de Durkheim

Para Durkheim a sociedade deve ser vista como  um corpo vendo o todo e não uma determinada parte, ele diz também que devemos negar nós mesmo em beneficio da todos ou seja na questão trabalho: se voce tem talento para musica mas a sociedade precisa de um engenheiro então voce deve se tornar um engenheiro negando seu desejo em beneficio de todos isso é solidariedade para Durkheim.


Solidariedade e Durkheim.

A discussão desta teoria foca-se no papel que os agrupamentos profissionais estão destinados a preencher na organização social dos povos contemporâneos. O que se tem como claro, é que Durkheim procura alertar sobre a perda de identidade perante as transformações do mundo moderno em que vivem muitos destes atores social: médicos, advogados, engenheiros, etc ; na ordem econômica e social, e a crise da moralidade existente entre estas associações. Este desinteresse pela ordem social muito se deve pelo fato de seres humanos em geral não responderem por outros interesses senão os seus.

A sociedade repousa sobre um estado de opinião e para que a perda de identidade se apague, um grupo que tenha opiniões próprias deve ser constituído nas regras que fazem falta. Esta resposta corresponde às formações tais como os sindicatos ,seja de patrões ou operários. No entanto a tomada de frente das instituições diante do Estado, e este incumbir-se da responsabilidade, acabou sendo sinônimo de destruição da própria instituição.

A igreja tinha esta função, com a formação das paróquias. E toda disciplina moral acabava por ser de comum acordo e estruturar-se em forma religiosa. O problema maior concentra-se no fato de que os grupos tem mais força do que as ações individuais.

A sociedade não fecha os olhos para as barbaridades que ocorrem na vida social, mas simplesmente ignora. E se espera da mesma sociedade um conhecimento mínimo para interpretar os fatos da vida social.

Para Durkheim é necessário ver a divisão do trabalho pelo objetivo da solidariedade (elemento central na organização do trabalho ), fazendo com que todos aceitem as diferenciações existentes no mundo com cada qual ocupando sua função social. Este pensamento de solidariedade seria para organizar a sociedade, deixá-la em equilíbrio.

A sociedade em sociedade...

Vivemos em um mundo, onde as pessoas insistem num individualismo prejudicial. Todos se preocupam em trabalhar mais para conseguir mais coisas para si mesmos e para seus descendentes, mas ninguém pára para pensar que vive em uma sociedade e que existem outras pessoas que convivem no mesmo ambiente social.
As pessoas vivem, de certa forma, como 'sócias' umas das outras, sendo de extrema importância a função exercida por cada uma delas.
É necessário entender que cada ser tem uma função na sociedade e a função da divisão do trabalho é gerar solidariedade, mas não uma solidariedade individual/privada, e sim uma solidariedade pública/coletiva = fazer algo visando o bem estar social (negação de si em prol do todo) - Divisão social do trabalho = solidariedade e moral públicas ligam o indivíduo ao TODO.
Os indivíduos estão predispostos a desempenharem suas funções sociais para manterem a ordem e não para 'evoluírem' suas classes sociais; por isso, a partir do momento em que a sociedade torna-se individualista, ela fica 'doente'.
Perceber que o que se faz tem que ser bom para si mesmo é bom, enxergar que isto também influencia de alguma forma na sociedade é essencial.

O diferente que complementa


Primeiramente, para se entender a função da divisão do trabalho, segundo os ideais de Durkheim, temos que entender que todo fato social tem uma função e se torna um outro fato social.
A função está no sentido de qual papel cumpre determinada função ou a que necessidade corresponde, podendo também ser chamado de funcionalismo.
Dividir o trabalho, faz com que a sociedade se organize, criando uma ordem social e a solidariedade geral, para o bem comum.
Durkheim também lança a idéia de atração, não apenas com os semelhantes, mas também com a diferença, que nos complementa, dando sentido a divisão do trabalho.

Josilene Facioli - 1º ano Serviço Social diurno


SOLIDARIEDADE,UM POR TODOS!!!


Durkeim pensava que a observação tinha que ser profunda (interior), diferente da observação de Comte que era mais superficial e julgava o que estava acontecendo, o que de fato era real naquele momento.
Para Durkeim a divisão do trabalho, também era essencial para manter a harmonia e o equilíbrio da sociedade. Cada um tinha sua função, não podendo todos quererem exercer a mesma função, que se comparava com nossos orgãos, cada um cumprindo sua funcionalidade, para gerar todo um corpo (um sistema,conjunto). Com esta divisão, gerava então a solidariedade, que era um por todos; e não se pensava no individualismo, que a pessoa agiria ou pensaria só em si, mas sim na harmonia de todo conjunto.
Nessa solidariedade, negaria a si mesmo, para manter a ordem ( higiene,educação, etc...), mantendo um equilíbrio na sociedade.

A favor da comunidade.

Desde que existe a sociedade existe também o trabalho e segundo Durkheim este é o meio para que as sociedades se desenvolvam, pois sua função vai muito além do que a troca de serviços, diferentemente do que acontece nos dias atuais.
Segundo Durkheim para um bom desenvolvimento da sociedade é necessário também que os cidadãos tenham como fato social a solidariedade, aceitem as diferenças sociais existentes e também ocupem os seus lugares e papéis sociais.
Sendo assim caberia ao Estado prover todas as pessoas de seus direitos, evitando o surgimento de pessoas com sentimentos individialistas, pois estas acabariam por prejudicar o andamento de toda a sociedade.
Enfim, em uma época onde estava acontecendo inúmeras revoluções entre burgueses e operários, surgem pensadores como Comte e Durkheim que tentam criar novas formas de governar a sociedade, visando o bom andamento da mesma e a ordem social. Porém para que isso ocorra, as pessoas teriam que aceitar os seus lugares sociais, os seus papéis enquanto cidadãos e se abastecer de solidariedade para se doar em prol da sociedade, visando o todo e não o individual.

O QUE PENSA DURKHEIM?


Durkheim defende que a sociedade deve ter uma coesão, senão ela se disfaz. Pois cada um dirigiria para o seu lado pensando só em si, teria assim uma dissolução da sociedade.
Durkheim busca a “causalidade eficiente” é a busca real do fato, seria a função da coisa dentro da sociedade
Função da educação: embutir no ser uma forma de seguir a ordem.
Função do casamento: gerar um controle, uma ordem, seguir a reprodução, ou seja, gerar a célula mãe da sociedade.
Função da divisão do trabalho: é a substancia que nos dá a vida social, é o sentido de solidariedade, mas para Durkheim não é o sentido de caridade é no sentido público. È a solidariedade de um para com o todo, de um para com o coletivo.
Essas divisões do trabalho são seriam para que a vida econômica da sociedade flua, mas para Durkheim isso é apenas uma célula, pois ela cumpre o papel a função de gerar solidariedade que á substancia que vida ao corpo social.
Durkheim está interessado na moralidade, no sentido público mais amplo, ela é uma das substancias essências para a vida da sociedade, pois é a moral que nos leva a ver o trabalho não como algo sacrificante, degradante, mas é ela que nos leva acreditar que o trabalho dignifica o homem. Essa moral me leva a negar a mim mesmo em beneficio de todos.
Solidariedade do Durkheim é a negação de si. Eu nego os meus impulsos em nome de um bem maior que é: o coletivo, o bem da sociedade. É o contribuir para com o todo, esse é o sentido da solidariedade Durkheiminiana. Que é passado pela educação, pela família e pela sociedade.
Durkheim não está interessado no sentido produtivo do trabalho, mas no sentido de negar a si para o bem do todo.
A ciência pelo contrario ao invés de incutir a moral no incuti o individualismo. Nós pré-dispõe ao individualismo e não a negação de si, pois esse intuito econômico leva a individualidade que para Durkheim é algo que corroem a sociedade e perde com isso a coesão, entra em colapso.
O individulismo é algo que Durkheim tem maior combate do que o socialismo.
Diz a que moral se faz mais necessária do que a ciência e a tecnologia, essa ciência sempre está a margem da moral que nos pré-dispões a contribuir com o todo. Para ele a divisão do trabalho é única e exclusivamente para gerar solidariedade, resgata a idéia de comte “ligar o um com o todo sob uma multidão de aspectos diferentes, de maneira a tornar involuntariamente familiar o íntimo sentimento de solidariedade social” e o efeito colateral disso é a maior produtividade.
Para Durkheim a divisão social harmoniza, como exemplo: pensemos em nossa sociedade hoje o Neymar trabalha entre 90 e 180 minutos por semana e tem um salário de 1 milhão de reais e ao invés do povo odiar ele é aclamado mesmo sabendo que ele ganha tão bem, então perguntamos o que ele produz? O povo nega a si para que Neymar exista por isso ele é aclamado.
Então busca no diferente aquilo que não se tem, deseja-se.
Nos contentamos em nos realizar nas pessoas bem sucedidas, por isso que a solidariedade é um aspecto muito forte.
A DIVISÃO DAS TAREFAS É UM FATO DE UNIDADE, DE COESÃO DO CORPO SOCIAL, cada individuo na sociedade que é algo que completa minha existência, ou seja, não existe uma imagem individual do individuo mais uma única imagem.
apesar de indivíduos diferentes nós compactuamos a consciência coletiva, porque essa negação de si está empresa nas pessoas, ela carrega dentro de si esses elementos.
A consciência coletiva ela é diferente dentre as sociedades, por isso cabe ao cientista social entender a diferenciação social. O estado da consciência com fraca consciência social e uma com forte consciência social, essa diferença social vai produzir no individuo a divisão do trabalho.

LÚCIO WILLIAN MOTA SIQUEIRA, 1º ANO DE SERVIÇO SOCIAL - DIURNO

o que eu vou ser quando eu crescer?

Murilo estava a algum tempo pensando em que diria, caso a pergunta que a professora acabara de fazer a seu colega fosse destinada a ele:O que você quer ser quando crescer?Médico, advogado, economista, escritor, poeta,jogador de futebol...eram tantas as possibilidades, que o menino naquele momento se viu diante de um dos maiores dilemas de sua vida, e que talvez seja o de qualquer pessoa neste mundo tão complexo e diversificado ao qual nós vivemos.Que vou ser, qual será minha profissão?
Durante todo aquele dia, a questão embutiu-se em sua mente.Começou a pensarem seu pai,funcionário público que ouvia todos os dias um programa chamado " Voz do Brasil", e que sempre dizia"estou fazendo minha parte como cidadão brasileiro".Lembrou-se também da mãe, dona de casa que incansavelmente lhe dizia:"filho vá estudar pra ser alguém na vida.
No meio daquele questionamento, Murilo resolve ir a casa do avô e ao chegar pergunta:
__Vovô, quando o senhor era pequeno, assim como eu sou, o que o senhor pensava em ser?A professora perguntou isso hoje na sala a um colega e eu não consegui parar de pensar nisso,pois quero muito ser alguém na vida, do jeito que mamãe quer que eu seja!O avô, naquele instante, lembrou-se de sua infância e de como sonhava em ser marinheiro.O coração doeu-lhe no peito, e ele respondeu:
__Filho, quando eu era pequeno,sempre desejei entrar para a marinha, porém me casei muito cedo, e nunca tive coragem de deixar sua avó e me recrutar.Os anos se passaram, e com o tempo eu pude ver que o caminho que eu havia seguido me deixava muito feliz, e então questionei-me de como eu estaria me sentindo, casotivesse entrado para a marinha .Cheguei a conclusão que nada me deixaria mais feliz que minha família e filhos.Por isso filho, não importa o que você decida ser, o importante é que você contribua e faça a sua parte á sociedade e que acima de tudo se satisfaça com o que você tem e é, e assim seja muito feliz!

Vida execrável

Diariamente nessa rotina de martíro
Convivendo com a insignificância 
Tudo isso me gera uma ânsia de vômito
Vejo mentes inférteis e despresáveis
Prefiro ignorá-las por serem tão miseráveis.

Caminho pelo escuro
Me esbarro em alguns murros
Meu olhar vaga a procurar
Algo que me faça suportar
A dor de viver

Então, quando exausta de nada encontrar
Sento, penso e sozinha ali permaneço
Não sei se isto está no fim ou no começo
Mas quando olho no espelho, não me reconheço
A angústia me mudou profundamente

Volto à rotina, sem nenhuma esperança
Pois não à tenho desde criança
Cresci infeliz e assim estou
Da minha alma nada restou
Nem ódio ou amor, vingança ou compaixão
Apenas espero o dia terminar em vão.

A libertação


O funcionalismo de Durkheim possui destaque na divisão de trabalho, sendo a noção da mesma distante do nosso pensamento de divisão contemporânea.
Nessa ideologia, o fato social do trabalho é possuir importância na contribuição de expansão do sistema. Contudo, o Estado teria um papel de proteção para a sociedade, por consequêcia, há uma forte crítica ao pensamento capitalista, já que este é composto do individualismo, gerado pelo lado liberal econômico. O individualismo na sociedade é cosniderado como patologia: "Sociedade prevalece sobre o indivíduo".
Na filosofia de Durkheim, que é baseado no Positivismo, a solidariedade de Comte é radicalizada, ou seja, ela torna uma sociedade ideal. Para se obter a solidariedade, é necessário que aja moral.
Será que essa exaltação da solidariedade numa sociedade em que certos individuos tornam-se patologias, em que morrer uma pessoa não faz diferença em uma população de 2 bilhões, é realmente compensadora? Ou será que o ideal não seria uma sociedade igualitária, sem pessoas tendo que ser acusadas como patologia enquanto o verdadeiro problema está bem no topo do poder?
Ações sobre o povo em forma de exploração braçal, psicológica e manutenção de poder de terceiros não são uma ideologia favorável a uma verdadeira sociedade!


Jacqueline Janoszka Miani - 1 SS noturno

A Nova Ordem da Sociedade


                                                                   
          O autor nos explica sobre a importância da divisão do trabalho social, que na visão dele é essencial, porque o trabalho gera solidariedade e coletivismo nas pessoas que é para servir à sociedade afim de que pode funcionar de maneira eficaz, ao mesmo tempo mostram que o trabalho não é um sacrifício, mas é algo que dar dignidade ao homem, uma forma de aquietar a consciência das pessoas e incoporar todos na sociedade.
          Na verdade a consciência coletiva é dividida em dois tipos: a fraca e a forte diferenciação social, a fraca possui somente uma verdade, enquanto a forte há vários métodos de se explicar. Consciência coletiva está impressa na estrutura jurídico-social que traduz a concepção geral que a sociedade tem sobre quaisquer assuntos.
          A idéia do Durkheim é utilizar a solidariedade para negação do próprio, que é deixar o benefício e a sobrevivência individual para conforto e bens do público, no entanto este negação não é doar-se inteiramente, mas uma parte de si. Por exemplo: homossexualidade era um desvio da sociedade, porém atualmente é necessário inclui-os, pois a tendência do numero de homossexuais é crescer gradativamente.
          O principal motivo é resolver os problemas em uma luta pacifica e harmônica para não causar a ruptura e tentar restituir as coisas ao seu devido lugar, garantindo a coesão das pessoas e do mundo que é a ordem determinada pela sociedade mantendo o equilíbrio e controle das coisas.