domingo, 22 de maio de 2011

Materialismo Dialético


É movida pela leitura do texto de Engel e as elucidações de nosso mestre Dr. Agnaldo, que me atrevo a fazer um exercício de materialismo dialético, ou pelo menos um ensaio, já que estou engatinhando ainda por essas sinuosas trilhas da ciência, procurando quem sabe encontrar uma extensa rodovia, bem pavimentada e sinalizada dentro de minha mente.
E assim, estimulada por nosso querido mestre doutor, comecei a pensar com mais complexidade as cotas designadas aos negros nas universidades públicas.
Estaria agindo com pretensão? Bom, vamos lá! O negro, sua situação, sua colocação diante da sociedade desde tempos remotos não estabelece uma antítese consistente frente à sua realidade exclusiva diante da dinâmica societária em nenhum tempo, passado ou presente. Ele representava, em meados de 1800, material de trabalho como as mulas e os cavalos e mesmo após a abolição da escravatura no Brasil, continua a caminhar através da periferia da sociedade, pois não encontrou seu espaço nessa dinâmica já consolidada. É necessário e urgente que se mude a história. Por isso é preciso que esta mesma sociedade, lhes forneça instrumentos e condições para que se inclua efetivamente como um individuo e como cidadão legitimo, e estas armas são as cotas universitárias. A partir daí se estabelecerá em algum momento da história, uma síntese quando o negro estará realmente em igualdade de estabelecer seu espaço que não deixa de ser o espaço de qualquer cidadão universal, mas que lhe foi negado por séculos.
Acredito que esse exercício de pensamento é que configura o materialismo dialético - não pensar só a cota e suas implicações hoje, mas todo o contexto histórico que levou à sua necessidade.
Já de antemão obrigada Agnaldo. O ângulo de visão começa a se ampliar apesar da dificuldade de articulação. Em algum momento deixei de pensar na árvore para pensar no bosque.

Para Engels o Iluminismo libertou o homem da visão de dogmas, e ele também faz uma analise critica da realidade política e econômica sobre o pensamento de alguns autores que expõem os princípios de uma sociedade ideal, mas não indicam os meios para alcança-la. Engels considera esse tipo de pensamento de Socialismo Utópico.
Assim ele defende o Socialismo Científico, que visa como uma solução racional as más condições na sociedade capitalista, e não apenas uma simples forma de promover justiça. Compreendendo o capitalismo seria possível transforma-lo em um meio de produzir riqueza para todos de uma forma igualitária, destruindo-se o capitalismo e passando o poder para o estado.
Isso só seria possível através de uma organização revolucionaria da classe proletária.

Desenvolver o capitalismo, para termos o socilismo científico.


Em sua obra, Engels critica alguns pensadores e diz que socialismo não deve ser utópico e sim científico. Pra mim, Engels nos mostra que o socialismo antes de ser socialismo, precisa que o capitalismo se desenvolva, pois, somente com o capitalismo é possível o desenvolvimento da tecnologia e da ciência, para assim produzir para todos. Engels também faz um elogio ao iluminismo uma vez que graças a esse movimento, a população passa a viver segundo sua visão,suas forças e vontades se livrando de dogmas.

Método Cientifico

Engels começa a sua obra fazendo um elogio ao iluminismo pois foi a ideologia que conseguiu retirar o poder do monarca e foi uma escolha do homem e não mais da divindade.
Colocou o título do iluminismo como aurora da humanidade,mas tem uma passagem curta,porque ela cria uma nova ordem de dominação e privilégios da burguesia como a liberdade de mercado e a exploração está cada vez mais gritante, por isso que para Engels não importava mais.

O socialismo advindo do capitalismo.

Engels era o mediador de Marx com a realidade, ou melhor, perante o proletariado.

Engels em sua obra apresenta a rejeição pelo socialismo utópico, aquele que só se realiza no plano das idéias. Assim faz uma critica intensa à metafísica, ressaltando que só é possível transformar a estrutura capitalista, através de uma complexa análise, não somente pela “boa vontade ’’.

O materialismo dialético apresentado por ele é essencialmente uma visão de realidade. Defende que tudo é dialético: sempre há uma afirmação e uma negação.

Há sempre a tese, a antítese e a síntese (que sempre será diferente).

Fonte : http://problematizar.blogspot.com/


Engels defende que o socialismo deve ser visto no plano da ciência, onde não exista a verdade absoluta. Justamente é essa idéia expressa no título da obra, no qual se deixa de lado o socialismo utópico passando para o socialismo cientifico.

Engels faz critica a diversos pensadores, dizendo que o socialismo não deve ser idéia de “homens iluminados”, deve ser pensado de forma objetiva.

Critica a universalização dos comportamentos burgueses, e argumenta que o socialismo deve ser ciência para que isso também não ocorra.

Sobretudo, para Engels e para Marx era necessário compreender o capitalismo e também desenvolvê-lo. Pois somente com isso poderiam chegar ao desenvolvimento de forças produtivas que pudessem produzir riquezas, e estas serem “socializadas”(para todos).

Estas forças produtivas seriam o que chamamos de ciência, técnica e máquinas. E que somente podem ser criadas pelo capitalismo.

A proposta de Engels seria: encontrar no capitalismo os instrumentos de sua própria transformação, resultando dessa transformação o socialismo.



Fonte: http://carrosnovoslegais.com/gm-cresce-22-no-mundo-e-ocupa-o-4%C2%BA-lugar/linha-de-producao-gm/



Letícia Silva Gimenes - 1º ano SS - noturno