terça-feira, 14 de junho de 2011

Operário X máquina


Como qualquer desenvolvimento das forças produtivas de trabalho, a máquina, na produção capitalista, tem por fim baratear as mercadorias, mas também prolongar a jornada de trabalho que o operário dá gratuitamente para o capitalista. A máquina é um meio de fabricar a mais-valia relativa.
Mais-valia: Sabe-se que o capitalista compra a capacidade de trabalho pelo seu valor, ou seja, paga ao trabalhador uma soma correspondente ao valor dos seus meios de subsistência. Suponhamos que esse valor seja o produto de seis horas de trabalho; isso significa que depois de seis horas de produção, o operário acrescentou ao valor ao valor do material um adicional para cobrir seus meios de subsistência. No entanto, o trabalhador vende-se ao capitalista por um dia de trabalho e não por seis horas. As horas que o trabalhador continua a acrescentar valor, será então um valor excedente e superior ao necessário para cobrir seus meios de subsistência; é, em suma, a mais-valia que o capitalista pode embolsar.

"Resta saber se as invenções mecânicas realizadas até agora aliviaram o trabalho diário de algum ser humano." (John Stuart Mill)

As máquinas aumentaram, com certeza, o número dos ricos e ociosos. Mas, quem é que pensa alguma vez no trabalhador?
O operário vende sua força de trabalho e o capitalista a compra, como única mercadoria que, criando a mais-valia, faz nascer e crescer o capital. O capitalista por outro lado, só se preocupa em fabricar mais e mais a mais-valia.
"Quando a máquina deixa de ser fonte direta de lucro extra para o capitalista, ele encontra outros meios pelos quais pode continuar a bombear do operário uma enorme quantidade de mais-valia relativa, através do emprego da máquina. Mulheres e crianças, ao trabalho! Este meio poderoso de diminuir o trabalho do homem torna-se logo um meio de aumentar o número de assalariados."
A máquina, sob regime capitalista, submete todos os membros de uma família, sem distinção de sexo, idade, entre outros, ao capital. O trabalho comandado pelo capital rouba o lugar dos jogos infantis e do trabalho livre no lar, e justamente esse trabalho doméstico era o apoio econômico da moral da família.


Taowanah Lorena Vizoto - 1° ano - diurno