terça-feira, 21 de junho de 2011

A Força trabalhadora...






A história da sociedade até os dias de hoje, é a luta de classes: proletariado e burguesia/ opressores e oprimidos.
A burguesia renasce das ruínas do feudalismo, mas não muda na luta de classes. Surge novas opressões, novas classes, novas lutas de classes.
A manufatura chega para substituir a antiga organização feudal, que logo depois também é substituída por máquinas e vapor. O mercado se expandia com instrumentos e comunicações que agilizavam a produção. A burguesia moderna ia ficando cada vez mais rica, se expandindo para todo lado e arranstando até as nações mais barbaras para o que eles chamavam de civilização.
Se dá então a Epidemia da super Produção, que com demasia nos centros urbanos e nas industrias, chegam a fome e a morte.
Com o desenvolvimento da burguesia, se tem também o desenvolvimento do proletariado (a classe dos operários modernos)
Conforme ia entrando as máquinas o salário do operário decrescia cada vez mais. Os operário se vendo na miséria, começaram a se unir e formar a classe trabalhadora para exigir melhores salários.
O comunismo aparece com o modelo da classe trabalhadora, para trabalhar e conquistar sempre para o coletivo e não para acumular riquezas para o monopólio.

Crítica ao modo de produção capitalista


Além de abordar diretamente a questão social, encarada como problema prático, reflexão teórica e questão histórica, o Manifesto Comunista fez a humanidade caminhar; não em direção ao paraíso, mas na busca (raramente, bem sucedida) da solução de problemas como a miséria e a exploração do trabalho.
O Manifesto fala de ontem, mas parece dizer de hoje. O desenvolvimento capitalista libera forças produtivas nunca vistas. A revolução tecnológica e científica a que assistimos, cujos ícones são computadores e satélites e cujo poder hegemônico é a burguesia, não passa da continuação daquelas descrita por Marx e Engels.
O Manifesto Comunista faz uma dura crítica ao modo de produção capitalista e na forma como a sociedade se estruturou através desse modo. Busca organizar o proletário como classe social capaz de reverter sua precária situação e descreve os vários tipos de pensamento comunista, assim como define o objetivo e os princípios do socialismo científico.
Marx e Engels afirmam que o operariado tomando consciência de sua situação tende a se organizar e lutar contra a opressão e ao tomar conhecimento do contexto social e histórico onde está inserido, especifica seu objetivo de luta. Além disso, destaca que o comunismo não priva o poder de apropriação dos produtos sociais; apenas elimina o poder de subjulgar o trabalho alheio por meio dessa apropriação. Com o desenvolvimento do socialismo, a divisão em classes sociais desapareceriam e o poder público perderia seu caráter opressor; enfim seria instaurada uma sociedade comunista.

Dica de vídeo (YouTube): O Manifesto Comunista de Karl Marx e Engels versão cartoon

Taowanah Vizoto - 1° ano SS - diurno

Processo de Reciclagem .



Manifesto onde Marx e Engels refletem sobre a novidade sobre esse novo modo de produção trazido pela burguesia. Trouxe transformações não apensas no modo de produção, mas um modo de produção cujos mecanismos impactam em toda uma nova forma de viver, um novo processo civilizatório.
O capitalismo que surge a partir da Ascenção da burguesia como classe dominante, impacta sobre uma nova civilização, uma civilização que cria uma nova forma de viver.
Então essa perspectiva global de um mercado, é um dos pressupostos da própria ideia do capitalismo. Porque não são apenas forças do mercado, é o mercado global. Que Marx e Engels vão dizer sem dó nem piedade que “a burguesia arrasta a tudo e a todos”.
Essa ideia de força de mercado global, ela nos cerca também em todas as perspectivas de nossa vida, por isso que como pretexto de discutir o modo de produção, Marx esta querendo compreender as transformações que o Capitalismo traz pra vida de todo mundo.
Pra Marx o capitalismo sucumbiria pelas forças das suas próprias contradições. Nessa força do mercado e do descontentamento. Descontentamento esse que justamente ia ser o mecanismo de dissolvimento do Capitalismo.
Assim como eles dizem que o capitalismo que forja os elementos da sua destruição, ele que gera essa massa de alienados e de oprimidos, ou seja, a substancias físicas e químicas vão atuar para dissolver o sistema quando essas pressões não forem mais suportadas.. Essa mesma dinâmica de um mercado global engendra os barbarismos por uma competição exacerbada, isso mesmo vai criar nos homens uma força para se ‘’revoltar’’.
O que Marx não conseguiu prever foi que nessa dinâmica de expansão o capitalismo fosse ter necessidade de usar a massa de oprimidos, para transforma-los em consumidores. Aí a ideia de inserção da ordem burguesa.
O Capitalismo percebeu que ele podia transformar aquele ‘’bagaço’’ que eram os trabalhadores explorados, em alguém que consumisse.
Afinal tinha que transformar o que era mão de obra explorada em consumidores, porque continua o dinheiro pago a ser gasto no mercado. Ela acabou reciclando o “bagaço”, multidão de desvalidos.
E isso valeu por quase 100 anos, essa reciclagem da classe C.

Beatriz da Silva - SS Diurno

Transformação da realidade


Com a ascensão do proletariado a burguesia enriquecia cada vez mais enquanto a classe operária sobrevivia de forma miserável em condições degradantes.
O manifesto comunista abriu os olhos dos trabalhadores e fez com que esses se reunissem e buscassem melhores condições de vida e de trabalho.
Onde o capitalismo é ressaltado como forma de dominação de poucos sobre muitos.Para transformação dessa realidade é preciso que a classe operária se perceba como classe e lute unida para que a mudança aconteça de forma concisa.


Valdirene Viviane do Nascimento. 1º Ano Serviço Social Noturno