quinta-feira, 31 de maio de 2012



"A máquina, a produtividade e a condição humana".


Homem escravo da máquina.


Com o surgimento das máquinas em sua fase da Revolução Industrial, o trabalho artesanal do homem foi substituído pela forma mecanizada, aumentando a produtividade e a desvalorizando a condição humana.
Ao substituir o homem pela máquina, houve um grande aumento da produtividade, pois este era imperfeito para produzir um movimento uniforme e cotinuo. Já a máquina opera com inúmeras ferramentas ao mesmo tempo, acelerando a produção e assim o acumulo de capital.
Devido as transformações ocasionadas pelo novo processo de produção, o homem se torna um objeto de escravização da máquina, perdendo seu valor social, aumentando as desigualdades, a fome, a miséria e etc.
A máquina se aperfeiçoou cada vez mas, diminuindo a força física do homem, mas este aperfeiçoamento é de acordo com os  interesses dos burgueses, com princípios de lucro e acumulo de capital, não vizando a melhoria das condições humana, pois, esta foi aperfeiçoada para atender os interesses do burguês e não para diminuir a força do homem no trabalho.
Ou seja, tudo é baseado por interesses , com a função de acumular cada vez mais.

GRUPO 5:        Bruna Alves Gazeta.
                         Josiane de Freitas.
                         Elvis Matheus Ferreira (noturno).
                         Fabiana Souza Soares.


1° S.S- Diurno - Aula 8


A destruiçao do capitalismo e a nova era do socialismo

                                  Na história da humanidade, uns ganham enquanto outros perdem, e uma nova história é retratada ao longo dessa tragetória.
                                  Marx e Engels relata que toda sociedade tiveram sua história baseada na luta de classes onde o antagonismo do mais forte, será derrubado por aqueles que são hoje os mais fracos.
                                  Ou seja, o mundo capitalista em que estamos inseridos desde sua criação, tem ganho mais força e com isso ocasionando uma série de problemas relacionado a questão social, onde a diferença é discrepante entre um indivíduo a outro, do ponto de vista econômico, e com isso teóricamente poderia causar uma revolta desse povo proletáriado contra a burguesia.
                                  Já dizia Marx: “A burguesia, porém, não forjou somente as armas que lhe darão a morte; produziu também os homens que manejarão essas armas - os operários modernos, os proletários", - "a burguesia produz, sobretudo, seus próprios coveiros. Sua queda e a vitória do proletariado são igualmente inevitáveis ".
                                  Assim se insere no mundo capitalista, onde a exploração da burguesia sobre os proletáriados um dia acabará, e finalmente o socialismo reinará, felizes para sempre.
                               Fim.


Rangel Eishi Homma 1ano SS Noturno

quarta-feira, 30 de maio de 2012

A criança como força de trabalho

Na época em que Marx escreveu sua obra, era mais evidente o trabalho com as maquinas,pois este trabalho era legalizado.
Atualmente observa-se explicitamente crianças e adolescentes sendo obrigados a seguirem determinados caminhos para obter a sobrevivência.
Podemos citar exemplos como ; a exposição das crianças como forma  marketing  para as empresas, a prostituição e a vida de mendicância nas vias de transito.
Sendo assim conclui-se que as formas de exploração mudaram, entretanto a exploração em si continua

Caroline Stéphani Pinheiro 
Gabriela Inácio Faciroli
Julia Leandro
Larissa de Oliveira Cerneiro
Leticia Lunardelli
Mayra Ribeiro de Oliveira
Thamires de Oliveira 
Primeiro ano Serviço Social 
(noturno)

A máquina e a "libertação" da produção.

A máquina e a indústria moderna
TEMA 02

A criação da máquina surgiu com o intuito de auxílio aos antigamente chamados de artesões. Contudo, como a Revolução Industrial a máquina substituiu a força da mão de obra dos que passaram a ser chamados operários.
Para exemplificar o que foi dito anteriormente: "Na manufatura moderna de envelopes, um trabalhador dobrava o papel com a dobradeira, outro passava a cola e um terceiro dobrava a aba do envelope sobre a qual é impressa a divisa, um quarto punha a divisa etc., e em cada uma dessas operações cada envelope tinha de mudar de mãos. Uma única máquina de fazer envelopes executa todas essas operações de uma só vez e faz 3 mil envelopes ou ate mais, em 1 hora. Uma máquina americana para fazer cartuchos de papel, exibida na exposição industrial de Londres de 1862, corta, cola, dobra e apronta 300 peças por minuto. (Karl Marx - O capital).
Associando o surgimento da  máquina com a atualidade, chegamos ao que hoje denominamos "libertação da produção" que passa de uma produção individualista para uma produção em massa, tornando-se global.





Luísa Fernandes 
Sandra Morais
Ariana Marcelo
Marília B.B da Silva
Juliana Moretti
Ana Carolina Magiero de Sousa

O trabalhador, sua ferramenta e seu saber.

O século XIX foi marcado pela Revolução Revolução Industrial que consolida o capitalismo.Anteriormente, o homem utilizava ferramentas e sua própria força de trabalho como meio de produção:a manufatura. O homem usava essas ferramentas para construir as máquinas e depois da revolução industrial as máquinas construíam as máquinas; Os homens passaram a participar apenas de pequenos processos.
Existiam frentes antagônicas acerca do trabalho no capitalismo:uma acreditava no trabalho como meio de ascensão social e satisfação econômica.A outra,afirmava que o assalariado é explorado e marginalizado das coisas que produz.O trabalhador fica alienado ao processo produtivo e não se via no seu produto.O trabalho produtivo acaba por tornar-se uma obrigação para o proletário.
 Com a inserção da máquina na indústria, a força motriz do homem é substituída.O capitalismo visa o lucro e a maquinaria proporcionou isso.Antes, o mesmo produto era produzido por 3.000 funcionários, depois esse número reduziu em 50% com a ajuda de uma máquina.A produção aumentou,o número de funcionários diminuiu e com isso diminuiu a quantidade de salarios pagos, logo, aumentou o lucro.A máquina é o que produz a mais valia(menos gasto e mais lucro para o detentor do capital)
Nota-se que o trabalhador passa a ser alienado diante do processo de produção.Ele produz uma parte do produto e não conhece o total para chegar ao final.Nos cursos técnicos, hoje em dia, as pessoas aprendem, por exemplo,o processo todo da mecatrônica mas ao ingressar em uma empresa,ele produz apenas uma parte que é o que criticado em " Tempos Modernos".
Conclui-se que o sistema capitalista fez a técnica transformar em tecnologia.Não é mais o trabalhador que emprega os meios de produção, mas os meios de produção que empregam o trabalhador.Em relação ao saber do homem, a alienação encontrou-se na organização social da produção, é o próprio poder social foi percebido como uma força alheia.
Essas contradições perderam até hoje e cada dia mais aumentam o índice de pobreza e miséria social.A introdução da maquinaria e hoje, da tecnologia aumentam o desemprego e a exclusão social como é mostrado no filme Roger e eu(crítica ao fechamento, pela General Motors, de 11 fábricas em Flint,desempregando 30.000 pessoas.

Grupo : Ana Sofia C. Natali
            Helyssa Alves Bafum
            Larissa Martins Ferreira
            Mariana Aguiar
            Mariana Ruzzi

terça-feira, 29 de maio de 2012


Capitalismo, somos frutos dele...
           Os escritos de Engels têm mais filosóficas embasadas no real, ele conhecia melhor a vida, o mundo do proletariado, da classe operária devida sua amante, portanto, tirava o mundo real da classe trabalhadora ativa.
           O socialismo é uma ciência e só é possível a partir de uma realidade que teve o partido revolucionário, não é simples vontade do homem, tem de está presente nas compressões históricas.
            Bacon, Comte e Dhurkhen privilegiavam as coisas e não as ideias tinham percepções racionais. Marx não surge do completamente novo, não é busca política de revolução e compreender condições que levam ao socialismo. O socialismo tópico era insuficiente para precisar superar o movimento global. O iluminismo é elogiado por basear na religião e privilegiava a compreensão racional do mundo e precisava superar o absolutismo, foi o suficiente até determinado ponto, a partir de alguns ganhos da revolução francesa, ele vai atingir seu limite ideal de igualdade burguesa. A burguesia defendia o iluminismo rompendo o mundo onde a nobreza e o clero era beneficiado. A economia deveria respeitar razões de estado, propriedade, terras e as classes não tinham direitos iguais. A burguesia é a principal defensora do iluminismo porque fazia o que quer. O estado tinha amarras e segurava a evolução e liberdade do iluminismo até que se atendia á burguesia.
             O liberalismo era defendido na França, regime da liberdade econômica total, romper amarras do novo mundo político. A burguesia luta para a liberdade de estado, só liberdade sem restrições. A revolução francesa cria novo horizonte para a história, fez pouco em termo de emancipação, é uma nova realidade que em benefício das classes subalternas é muito restrito. Cria o mundo burguês que vai impor as pessoas o regime que defende as condições de igualdade só para aqueles que detêm o capital e são as relações de mercado que passam a determinar e tem liberdade desde que tenha condições de competir. Desde que você tenha capital você é livre, então passou do absolutismo para o domínio do capital e saiu do domínio do rei. Marx diz que as pessoas são livres, mas restritas pelo capital. “O absolutismo do mercado”. Enfim Engels, em meu modo de ver, mesmo que ele tenha conhecido o outro lado, e tentado entender a sociedade e melhorá-la, teria que mudar bastante a estrutura para se conseguir mudanças e essa mudança tem de vir gradativamente, ela não acontece de uma hora para outra porque nenhuma das classes abre mão até hoje de seus lucros para melhorar nada pra ninguém. Marx e Engels vão tomando o globo inteiro como espaço de atuação e vão ao ponto chave do capitalismo. È preciso ter uma compreensão científica e não apenas vontade, essa compreensão científica acontece ainda nos dias de hoje porque transformar indivíduos é muito complicado e não há como mudar uma classe se não por uma revolução. Para Marx e Engels do capitalismo e socialismo pode brotar sociedades novas, as lutas de classes vão ser o “motor” dentro da própria história. Eles se veem como homens que descobriram as ferramentas para a trajetória natural para uma sociedade diferente. 

Keila Salgado de Freitas – S.S.diúrno    29/05/12.



Somos parte do fato social...




















Desde que nascemos em uma determinada sociedade somos induzidos a agir de acordo com a mesmo, não podemos escolher o que queremos, pois o fato social é exterior a nós, também o mesmo é coercitivo, se impõem pela força, são as regras morais, religiosas entre outros, que não depende da vontade particular cabe a nós agirmos de acordo com ela, e também podemos mencionar como característica do fato social generalidade (pois ele é geral) que são os hábitos, crenças entre outros que também impulsionam a sociedade a agir de verto modo.
  Avalizando a imagem percebemos que nossa mente está lotada de “coisas” que são exteriores a nós e na maioria das vezes não podemos agir de forma diferente, pois é uma necessidade orgânica da sociedade e talvez sem ela a mesma não tivesse harmonia.
  


CAPITALISMO:


Não há como fugir o capitalismo está em toda parte, somos todos capitalistas.. 
Trabalhamos, gastamos, produzimos e nem sempre temos o retorno esperado ou até mesmo merecido...
 Produzimos em massa, milhões e milhões que vão parar no bolso dos gigantes,  dos patrões, do governo(impostos e mais impostos..)..
Nas avenidas  as belas vitrines são como veneno em minhas veias me chamando: - venha gastar, venha gastar, vamos fazer o capital de giro girar!!

MATERIALISMO DIALÉTICO:

Fala do que produzimos, como produzimos, os meios pra produzir, as consequências daquilo que fazemos,etc..
exemplo: tomamos o minério de ferro bruto (Tese) que levado a um alto forno será diluído (Antítese) para depois ser colocado em fôrmas que o transformarão em trilhos de trem que servirão na construção de extensas ferrovias (Síntese), a Síntese Dialética sempre significará um estágio superior do processo em curso.


 Francielli J. Silva- SS noturno 1ºano

Vivemos no capitalismo


      Pensando no capitalismo, vou tentar justificar o meu atraso da postagem. Há muito tempo o capitalismo foi imposto pela burguesia e gerou toda essa desigualdade que tem no mundo.
Atualmente, venho passando por momentos difíceis porque lesionei o meu joelho. Aparentemente isso não tem nada a ver com o capitalismo, mas tem tudo a ver. Desde que fui pra Franca, os hábitos mudaram, afinal agora faço uma faculdade, o que conseqüentemente e indiretamente ajudo a manter a faculdade em “pé” porque se todas as pessoas que estudam desistissem não haveria necessidade de todos esses funcionários, o que não teria um capital de giro. Pessoas sem empregos são pessoas sem dinheiro, portanto não fazem compras, então não há necessidade das fábricas. Voltando as mudanças, comecei a ter um trabalho remunerado, o que me inseriu diretamente ao consumismo, porém isso afetou o meu joelho, pois lesionei ele com esses novos hábitos, o que tem tudo a ver com o capitalismo, Comecei a trabalhar para ter mais dinheiro e poder fazer compras, entretanto com essa lesão estou parada, tenho que ficar de repouso, isso significa que não estou vendendo meu tempo e nem minha mão de obra, porém há pessoas que estão ganhando em cima disso, afinal agora tenho que fazer fisioterapia.
      E tudo isso mostra  que com o capitalismo nos tornamos pessoas diferentes. Porque muitos não trabalham e o capitalismo é afetado. Se vivêssemos em um mundo socialista isso não teria problema, porque todos trabalhariam, e assim viveríamos em uma sociedade igualitária.
      O capitalismo só traz a diferença, e pra mostrar essa diferença fiz a minha postagem depois, porque atualmente somos julgados pelo ter e para ter preciso ser diferente, preciso me destacar, com isso comecei a trabalhar o que afetou tudo. Mas sei que serei julgada como se vivêssemos no socialismo, afinal acho que para o professor somos todos iguais. Entretanto professor, tente se lembrar que vivemos em um mundo capitalista.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

O sistema.

O capitalismo na realidade social se caracteriza por grandes enfrentamentos entre classes sociais, entre os trabalhadores e a burguesia. A partir destes enfrentamentos passaram a se criar várias antíteses por parte da classe desfavorecida, mudando pouco a pouco a realidade social em formas de sínteses. No mundo atual, nosso estilo de vida é algo que indiretamente foi imposto a nós, desde que nascemos passamos a consumir cada vez mais além do que nos é realmente necessário. Quando somos inseridos no mercado de trabalho, passamos a vender o nosso tempo, para que assim possamos suprir as necessidades, não só as básicas mas como, "luxos" e bens materiais. Não há como convencer a burguesia de que o socialismo seria a forma correta e justa de se viver. Esta classe possui grande influência no mundo atual, a partir dela automaticamente passa a existirem confrontos cada vez mais intensos entre a classe trabalhadora e a burguesia. No ritmo em que as pessoas estão consumindo, e produzindo tecnologias cada vez mais potentes, daqui uns anos não haverá uma igualdade entre classes, isso se tornaria impossível. É importante notar as mudanças que os movimentos trabalhistas e sociais vêm impondo na sociedade, criando leis a favor do trabalhador e atingindo a classe burguesa. A mais-valia se tornou o principal mecanismo de exploração da classe trabalhadora. Esta classe provavelmente não consome nem se quer metade do que se produz em um dia de trabalho, por não possuir condições financeiras que os permitissem. Ariana Marcelo Santos. 1º SS- Diurno.

Antitese x sintese

Quando pensamos em sociedade,temos a ideia de uma sociedade onde todos são iguais perante a Deus,onde todos tem seus direitos,diferenças de classes sociais,ou seja uma sociedade dialética materialista. O papel do materialismo dialético para Engels e Marx é desvendar as leis históricas as leias da realidade social que nos permite desvendar os caminhos da sociedade,e que apontem para a sociedade socialista no futuro.. e dá-se o sentido do socialismo cientifico.
A antitese é o que tem de mais radical à tese, é o acesso pleno e universal é a ideia de uma sociedade sem competição, ou seja é o simples existir. Diferentemente da sintese que não é a meritocrácia, é o produto possivel do confronto das condições históricas. E podemos ver no nosso mundo atual, não temos condições de obter uma sociedade igualitária,com as devidas condições de sociedade em que vivemos.
O mundo gira através do capitalismo, a realidade cotidiana esta permiada na sintese.
A ideia de todo homem é a opressão,todos acumulam forças, mas se unir-se de um em um,formaria um movimento forte para mudar esta realidade social.
A perspectiva de analise de Marx e Engels, é a forma mais eficiente de deslumbrarmos um caminho para o socialismo, e ver o que pode ser feito para revigorarmos a antitese,e a solução esta na luta cotidiana, e na prática.
O fato é que o capitalismo tomou conta do mundo, e os seres humanos vivem em função disso,para satisfazer apenas suas vontade, e esquecem que viver em um socidade mais socialista é mais importante.

Victória Amazonas- 1º ss noturno- UNESP
Socialismo, será uma questão metafísifca ?

Um fato interessante dos pensamentos de Engels é que só é possível o socialismo, através do capitalismo!E de que o erro do capitalismo, está somente no modo em que se gera a produção e não como é utilizado !
Ciencia para Engels e Marx é conhecimento e aplicação prática! O real.
No mundo atual, o homem tem mais do que nunca a capacidade de produzir muito com máquinas ilustres porem nunca trabalharam tanto!
 Outro fato importante de enterder-mos é que, o que era para significar para nós liberdade, significa LIBERDADE BURGUESA! Com o novo regime a partir da revolução francesa surgiu o conceito de que, se tem liberdade a partir do momento em que se tem capital !
E o que mais me marcou, é a dúvida que criamos com tudo isso, Será que a burguesia abriria mão de todos os suas riquezas  para ser implementado o socialismo ?
Na concepção de Marx, a ciência e a tecnologia deve ser usada para o bem estar do homem!
A dialética também foi um assunto que me chamou muito atenção, analisar o presente planejando e sabendo consequencias do futuro na minha opinião é necessário !

Caroline Stéphani Pinheiro - 1º ano Ss (noturno)

O problema do socialismo esta na tese ou em quem aplicou?







 Hoje a idealização de Marx, o socialismo, onde seria um regime que a classe proletária se rebelasse (luta de classe) e formasse uma sociedade mais justa e igualitária, sem a presença do estado.  Mas a tese posta em pratica, surgiram estados anarquista e totalitários através de uma pessoa ou de um partido. Josef Stalin é uma prova de que as idéias de Marx podem ser aplicadas de um modo que as pessoas não a aceitaram e se rebelaram para a volta ao capitalismo.




Fuck The System!

A acomodação explica o desenvolvimento ( uma mudança qualitativa ) e a assimulação explica o crescimento ( uma mudança quantitativa, juntos eles explicam a adaptação intelectual e o desenvolvimento das estruturas cognitivas. A mente tem a tendencia a uniformizar, padronizar e excluir o que não se adapta a isso. O capitalismo então piora essas noções criadas pela sociedade, ele surge "milagrosamente" apos o inicio da industrialização e passa a corromper o homem e vai mais além, as pessoas passam a trabalhar para sua manutenção como se o capitalismo tivesse vida própria, tudo gira em volta dele, alienando e multiplicando seu poder. O capitalismo não se extingue, pois é uma ideologia ou algo assim, as pessoas deixam de existir, mas uma ideia não !


Infligido




Nascido do pó
Nas sarjetas desta terra
Vermes e lepras
Isto é o inferno ou o céu?
O amaldiçoado, o condenado
Espalhando ódio pela terra
Sem mais finjimento
Destruir suas sementes da inveja

Soltar os maus
Este ódio é auto-infligido
Entregar essa angústia
Em seu julgamento final
Siga a tempestade
Para a terra sem volta
É você, a escória
Mataremos até estar acabado

Infligido
Não mostre piedade
Malditos perversos

Caindo e queimando
A execução está chegando
Corrupção é o sinal
E a destruição de suas mentiras

Infligido
Não mostre piedade
Malditos perversos

Ninguém se move, ninguém se machuca
Ninguém se move, ninguém se machuca
Ninguém se move, ninguém se machuca
Ninguém se move, ninguém se machuca

Infligido... ingligido





Ana Paula Silva 2° ano Serviço Social

Rumo ao Socialismo através do Capitalismo

O Socialismo só é possível através do Capitalismo, pois onde o homem é capaz de produzir riquezas auindante que pode ser distribuidas para todos, pois o homem produz muito mais do que consome. O Socialismo prega a divisão de todos os bens e onde tudo é igualitário. Para Marxs e Engels, não se analisa as idéias e sim tem que se compreender o mundo real, criticam a metafísica, pois eles compreendem o mundo real e as põe em prática. O socialismo quer vislumbrar o caminho para a mudança, pois a liberdade que veio através da Revolução Francesa foi uma liberdade estreita, pois só existe liberdade sa você tiver capital, e para termos liberdade precisamos nos submeter ao mercado, ao capitalismo, já que não somos donos da terra.Quanto mais desenvolvido o Capitalismo melhor seria para a se implantar o Socialismo. O socialismo seria incrível mas será que a Burguesia aceitaria abrir mão de suas riquezas e posses?
O Socialismo utópico é a idéaia de uma proposta de sociedade perfeita mas sem uma perspectiva real. É uma ilusão convercer as pessoas abrirem mão da terra, da riqueza, abrir mão do domínio sobre o outro, pois Socialismo é = Divisão= Repartir.
O Socialismo como ciência compreende o presente e os sinais que ele  dá para o futuro, ouseja, estou vendo e vivendo no presente mas estou percebendo o que irá acontecer no futuro, pois na perspectiva de Marx e Engels nada é fixo, mas tudo mudo e está em pleno movimento.
A dialética é espelhada na natureza pois a natureza está em constante movimento.
Dialética: Tese, Antítese e Síntese. Tese é a real situação, antítese é o que vai contra a tese e Síntese é o resultado que foi conseguido através da Antítese.Com tudo isso para ;engels o socialismo é apenas uma questão de tempo para começar a se instalar, a ciencia vai continuar existindo mais não numa concepção de mercado mas sim em uma perpectiva do homem.


Cristiane Feitosa Neves de Paulo 1º SS Noturno.

Materialismo Dialético


Até Quando?
Composição: Gabriel o Pensador; Itaal Shur; Tiago Mocotó



Ana Paula _ 1º S.S. diurno

A diferença entre socialismo utópico e cientifico.


 A existência do capitalismo e da sua essência desigual ajuda no surgimento da teoria do socialismo, pois os pensadores da época perceberam essa essência e trabalharam em uma teoria que fosse igualitária para ambos os lados da sociedade, e que não só a burguesia fosse privilegiada. Preocupando-se com uma sociedade ideal, perfeita.
Deste modo, os pensadores acreditavam que a implantação do socialismo ocorreria de modo lento e gradual, seria estruturada em meio ao pacifismo e com o apoio da burguesia.
 O que se mostra falho depois da Revolução Francesa, onde a burguesia resolve se refugiar na corrupção do Diretório e no despotismo napoleônico. E o pensamento de implantar pacificamente e lentamente o socialismo utópico se converteu em uma guerra de conquistas.
Já o socialismo científico estudado por Marx e Engels preocupa-se em estudar o capitalismo e as suas contradições, considerando o socialismo utópico uma visão ingênua da sociedade corrompida pelo capitalismo.
 E nesta visão, os dois chegam à conclusão de que o capitalismo se autodestruiria por seus elementos desiguais e quando a classe trabalhadora entendesse isso, o capitalismo entraria em decadência.
 Marx e Engels chegam à conclusão de que o socialismo seria uma parte intermediária para esta mudança da sociedade. O estágio final seria o ápice, a sociedade comunista, onde não haveria Estado propriedade privada e classe dominante e representaria o máximo da evolução do homem na história. 
Analisando estes fatos, acredito que o socialismo utópico é uma forma leviana e ingênua de se pensar, pois a sociedade já esta corrompida pela visão de lucro antes mesmo do surgimento do capitalismo, no feudalismo notamos isso, senhores feudais querendo mais terras. É um fato que se fossemos implantar o socialismo na sociedade, não seria de modo pacifico como nota Marx e Engels.
Entretanto, não acredito que se possa existir uma sociedade igualitária neste momento da sociedade, pois as pessoas buscam apenas o seu próprio lucro. Mas acredito que se a sociedade estivesse preparada pra esta revolução, isto aconteceria por meia das ideias de Marx e Engels.

Karina Emika Mori - 1° Ano de Serviço Social - Noturno 

Pra acordar !

Pra acordar
(Fruto Sagrado)


Tá na hora de acordar
E ver que o planeta está morrendo
Por causa de nós
Tá na hora de enfrentar 
Tudo aquilo que aumenta o débito da nossa Terra
Onde estão nossos grandes homens?
Onde estão suas grandes ideias?
Pra onde vai todo o nosso trabalho?
Qual o resultado das nossas guerras?
Onde anda o amor pelo próximo?
E quem são nossos grandes amigos?
Quem cuida do índio e do homem do campo?
Quem mata o índio e o homem do campo?
Eu não sei... não!


Tá na hora de apagar
O pavio que foi aceso há tempos por nossos avós
Tá na hora de eliminar
O Sistema paranóico humano
Ainda há tempo!
Será que estamos virando robôs?
Ou não estamos bem programados?
Pra onde vai toda a nossa emoção?

O racional perdeu a razão?
Quando foi que ajoelhamos?
Quando foi que chamamos Deus de Pai?
Na verdade não somos bons filhos...


Vamos deixar quem criou este mundo
Tão lindo como era, 
Cuidar de tudo pra nós
Você vai ver,
Ele não vai deixar a gente na mão
E vai cuidar de tudo pra nós!
Vai cuidar de tudo pra nós!


Juliana Paco - 1º SS noturno
Unesp - campus Franca

Do socialismo utópico ao socialismo científico

Rompendo com o socialismo utópico, o texto faz uma analise critica da evolução politica e econômica das sociedades  e do capitalismo.Libertados do absolutismo que não deixara o camponês ascender socialmente, agora é a vez do capitalismo,onde a única liberdade que o proletário tem é a de consumir e trabalhar.A monarquia fora substituída pela burguesia, onde agora quem tem o poder é quem tem o capital, e o trabalhador assalariado aceita a condição por ser seu meio de sobrevivência.Para a se atingir o socialismo cientifico é necessária uma interpretação da realidade.
Explica no segundo capitulo  de seu livro a dialética, a partir se tese, antítese e síntese, e essa dialética é o que explica a mais-valia e o poder dos capitalistas, e a opressão dos trabalhadores, segundo o livro, somente a razão nos leva ao socialismo cientifico.A sociedade é uma constante luta de classes onde o pobre luta para ascender socialmente e o capitalista luta para obter mais capital.

"São tempos difíceis para os sonhadores..."

– O fabuloso destino de Amélie Poulain (filme)




Deter-me-ei sobre as tentativas de realização do socialismo utópico. Com o surgimento de uma nova sociedade, que ocorreu graças à Revolução Francesa e a Revolução Industrial, foi necessário que, pela primeira vez na história, se pensasse sobre a questão dos trabalhadores, e se fizesse algo a respeito. O que sabemos hoje sobre os servos da Idade Média, nossa indignação sobre como os senhores feudais os tratavam, não existiam naquela época. Não havia nenhuma consciência sócio-trabalhista, até mesmo porque nem ao menos existia o conceito de trabalho! Apenas o conceito de hierarquia.
O proletariado ainda era uma "divisão social", ainda muito recente quando estouraram essas revoluções.  Nem eles, nem a burguesia, sabiam como deveria ser sua relação. Não tinham a mínima ideia de como solucionar os problemas, – até mesmo porque nem sabiam quais eram os problemas. Então, era necessário uma ajuda que deveria "vir de fora, do alto", como diz Engels. Uma solução natural foi a tentativa de criar um novo tipo de sociedade ou, mais claramente, já começar a MUDAR completamente a nova sociedade que acabara de ser criada. Mas essa mudança já estava condenada à utopia desde seu nascimento. Foram três as pessoas que trariam essa ajuda "de fora, do alto": Saint-Simon, Fourier e Owen.
 Esses homens eram sonhadores. Tentavam, como pastores, conduzir toda a sociedade para um "bem maior". Tiveram obstáculos, não venceram a maioria, mas alguns. Por exemplo:
Robert Owen fez um ótimo trabalho na fábrica de fios de algodão de New Lanark. Não conseguiu implementar seu sistema de colônias comunistas com sucesso, mas com certeza facilitou e melhorou a vida de, pelo menos, 2500 operários, isso apenas diretamente!
Fourier pensou sobre a civilização,
o que chamamos de sociedade burguesa. Para ele, a civilização  tem sua essência nas contradições, “que reproduz constantemente sem poder superá-las, conseguindo sempre precisamente o contrário do que deseja ou alega querer conseguir. E assim nos encontramos, por exemplo, com o fato de que “na civilização, a pobreza brota da própria abundância”.” Quem se atreve a dizer que isso é mentira?
Saint-Simon
  diz que, o que mais o preocupa, é sempre “la classe la plus nombreuse et la plus pauvre” (a classe mais numerosa e mais pobre).
Nós, assistentes sociais, somos as gerações posteriores desses utopistas. Será que "filho de utopista, utopista é"?  Bem, nosso trabalho deve ser feito da melhor forma possível. Pode ser que não consigamos mudar a sociedade tão radicalmente como esses três homens geniais e vários outros, anônimos, queriam... talvez nem seja possível! Mas ESTE é o desafio. ;)


Indicação de leitura: A História da Riqueza do Homem (Leo Huberman) - 22ª edição

Brenda Alaíse Nascimento
1º ano de Serviço Social - diurno (frequenta o noturno)
UNESP - Franca 

Capitalismo, o inicio do Socialismo...

        O socialismo “real” só poderia surgir através do capitalismo, isso fala Engels que vê o socialismo como ciência, assim o socialismo seria ao ver dele e de Marx a evolução suprema da sociedade.
         A história humana em todo seu percurso traz lutas de classes, e tais lutas que transformam a sociedade, e até hoje tais enfrentamentos movem á sociedade.
         Ou seja, através desses confrontos da busca do proletariado por melhoras, quando o trabalhador cansa de ser explorado, a classe confronta a classe oposta (burguesia), aí sim haverá uma grande mudança, uma evolução, a partir desse momento o socialismo se tornará incontornável, e o socialismo cientifico finalmente se tornará real.
         Através da dialética de Engels e Marx esse será um momento único incontestável onde a antítese (idéia oposta), se sobressairá diante da tese ( idéia dominante), e o resultado, a síntese  seria o surgimento do socialismo cientifico.
         Assim vivemos em uma sociedade contraditória, cheia de confrontos e pequenas conquistas, que caminha para uma evolução que para Engels e Marx seria o socialismo cientifico, que seria o socialismo que tem condições de dar certo, ou seja, se trata não do socialismo utópico de um sonho, mais do socialismo que surgirá através de um sociedade evoluída, o capitalismo no seu máximo, aí sim o socialismo será possível e a sociedade poderá se tornar mais justa e coesa.


 de Pâmela Eunice Moreira- primeiro ano serviço social noturno

Engels e o Materialismo Dialético

Engels no estudo do materialismo dialético vai justamente relacionar o surgimento de classes da sociedade na dialética. Vemos então, que inspirados pelo iluminismo na Revolução Francesa de "Liberdade, Igualdade e Fraternidade",surgiram principalmente as classes da burguesia e proletariado.
Conforme as ideologias iluministas isso passa a romper com o estado absolutista, que até então era detentor de tudo. E a partir disso vem a cessar os privilégios do clero e nobreza, criando seus próprios privilégios. A liberdade está muito relacionada á liberdade econômica.
Mas de certo modo essa liberdade econômica traria limites aos indivíduos. Engels fala que ao mesmo tempo que cada indivíduo possui seu liberalismo econômico, isso gerou desigualdades extremas e formas desiguais de integração das pessoas nesse mundo econômico. Pois a "lei cega" constitui-se em produzir cada vez mais e mais, em: o trabalhador vende sua mão-de-obra para seu sustento e acúmulo de capital, e onde o produto é o meio pelo qual o mesmo se relaciona. Por outro lado, acabam sendo "escravos do capital", pois até mesmo envolve nas diferenças que passaram a existir nas relações humanas. E isso é o que cabe exatamente no dias atuais do sistema capitalista. Cabe então a ciência social estudar de onde tudo se originou.
Por isso, Engels vai contra o socialismo utópico, pois apenas ideologias não bastam (antítese,tese), o socialismo científico (síntese, prática) se fundamentaria no real e concreto, ou seja, o materialismo dialético.


Mariana Costa, 1 ano de Serviço Social, Diurno.
CAPITALISMO IGUAL  A CONSUMISMO

O capitalismo controla grande parte do mundo e está  nas mãos de poucos!

Hoje consumimos exageradamente, enquanto há pessoas que passam nessidades e não tem o que comer.

O capitalismo vem por meio das propagandas oferecer o que não temos necessidades, o consumismo é o resultado!

As propagandas, a mídia,  nossa sociedade toda vive um momento inteso de uma alienção da qual poucos se dão conta (praticamente ninguem).

Será que toda essa abundância de produtos e todas essas mundanças de valores são realmente necessarias a essa sociedade? As  mudanças vão nos ajudar a ser melhores?Com a industriallização, a mais valia lhe parece algo bom?

Todos esses questionamentos devem ser feitos diariamente, para que compreendamos a sociedade e tudo o que ocorre a nossa volta!

Pensemos sempre em pequenas atitudes que nos façam mudar!

Questione!

Pense!

Mude!

Larissa Marques Xavier 1º SS Noturno

A degradação pessoal




Até quando criaremos os nossos filhos para este mundo sem pensar que repetidos dês de nossos pais e nossas gerações anteriores o mesmo erro, deixamos passar entre gerações e gerações o capitalismo, deixamos passar também entre as gerações os requisitos para robotizar a sociedade. Ensinamos nossos filhos a amar o dinheiro mais que os outros, ensinamos nossos filhos a deixar de lado a família e se matar no trabalho e nem se importar com a família, poderia falar muito mais mas e uma verdade tão estampada nos jovens que nem é necessário eu demonstrar aqui.
Estamos a mercê da mídia, esta meus amigos é maravilhosa pois re organiza os gostos da sociedade em poucas imagens, esta desvaloriza as pessoas a ponto de desanimar o ser e animar o produto mas esta é sem duvida a coisa mais maravilhosa neste sistema de poucos faz se acreditar que de nada somos o que somos são as coisas que temos e as coisas que fazemos.
Mas onde eu quero chegar é será que vocês querem isto para o resto da vida de vocês?    


flavio henrique parra  diurno 

:D

Liberdade, Igualdade e Fraternidade

Para chegarmos ao socialismo tão sonhado devemos interpretar a trajetoria da sociedade até o capitalismo, compreender cada dimensão e assim supera-lo, e quanto maior for o capitalismo mais fértil e fácil é para se construir o socialismo cientifico.
Nas sociedades de hoje não existe o socialismo cientifico, ou melhor, nunca conseguimos alcança lo, hoje existe o socialismo tópico que nos da uma visão totalmente invertida a respeito do socialismo e muitos o vê como um mau caminho .para a igualdade.
Não podemos desistir, temos que acreditar que será sempre possível chegarmos ao socialismo cientifico, ou melhor, devemos lutar para isto, pois nessa dialético as opçoes que temos será o socialismo ou o fascismo.
Primeiramente não podemos nos acomodar com o estado atual, nossa tese, devemos sempre gerar a antítese para assim termos uma síntese e lutar sucessivamente por essa utopia para o dia em que nossa síntese seja 100% e não frações.
Temos que ter uma dialética e trabalhar para derrubar o poder da Maior Valia.


Paula Magalhães Rosa - S.S Noturno

Dialética em prática!

Acorrentados;
À cor e aos ditados
Produzidos em série
Reproduzimos um sistema fora de série
Feitos á mão
À tapa e safanão 
Afeitos à mentalidade
Da sagaz desigualdade

A ordem do progresso
Do banqueiro de sucesso
A sexta economia
Da felicitada burguesia

Comprem operários!
Gastem seus salários!
Vejam a beleza
Não se prendam a avareza 
A felicidade vos espera
Com promoções de véspera,
Maquina para cartão
E juros zero, na prestação

-Vocês são todos iguais!
-Para nós, adestradores das multinacionais!
-Devem-nos agradecimentos,
pois a vós proporcionamos, o adequado adestramento!

-Não serei mais comandado!
-Nem por vós serei reformado!
-Quero assumir a minha luta!
-Lutar será minha conduta!

-Sou do povo! 
-Sou O povo!  
-E sua tese, não me agrada!
-Quem me mostra a anti tese é a realidade desgraçada!
-E desse confronto em formação,
-Sintetiza-se a Revolução!
-Convertida agora, em nova tese que verão!
-Essa tese companheiros, é a de Libertação!


                  Ana Teresa Costa Silva_1º SS noturno

A DIALÉTICA DO COMPORTAMENTO HUMANO

    CAPITÃO DE INDUSTRIA 
música do conjunto Paralamas do sucesso:

   Eu ás vezes fico a pensar 
   Em outra vida ou lugar
   Estou cansado demais 
                                  Eu não tenho tempo de ter
                                  O tempo livre de ser
                                  De nada ter que fazer
                                  É quando eu me encontro perdido
                                  Nas coisas que eu criei      
                                  E eu não sei
                                  E eu não vejo além da fumaça
                                  O amor e as coisas livres, coloridas
                                  Nada polúidas
Eu acordo p'ra trabalhar
Eu durmo p'ra trabalhar
Eu corro p'ra trabalhar
                                   Eu não tempo de ter
                                   O tempo livre de ser
                                   De nada ter que fazer
                                   Eu não vejo além da fumaça que 
                                   Passa
                                   E polui o ar
                                   Eu nada sei
                                   Eu não vejo além disso tudo 
                                   O amor e as coisas livres coloridas
                                   Nada polúidas.

  
       Quando Engels coloca, que o trabalhador é uma coisa, o ser humano é visto como coisa e que as 
relações humanas são baseadas no "mercado", e que todo interesse de um indíviduo no outro é o capital
têm sentido pois como á música é o que vivemos no dia a dia.
        Porém, apesar de o mundo caminhar desde aquele tempo até hoje cada vez mais para este materialismo do outro, ainda acredito no ser humano , pois dentro do homem existe esta centelha de vida "não material" e quando nas nossas relações conseguimos inverter o processo , valorizando mais o homem , do que os bens materiais, ocorre uma mudança. É a dialética do comportamento humano, onde o homem corre atrás do bem estar material,negando muitas vezes a sua essência humana, ele sente  um vazio e procura através de diversos meios como; a psicologia,a religião,meditaçao, livros de auto-ajuda; parar e voltar para a verdadeira causa de sua existência que é viver com o outro homem em uma relação genuína de troca de afetividades.
         Com isso, a humanidade também evolui , nas relações humanas, quando nega esta busca desenfreada  só pelo bem estar material.

Andréa B. Defendi Feliciano- SS diurno                                 

Mudar a realidade, ser livre enfim..



O real é edificado pela razão, pois ele não analisa coisas especificas ou a origem delas como os filósofos; ele se volta ao estudo do homem e suas realizações .Em um contexto histórico-social, Engels foi tomado pelos ideais da Revolução Francesa : liberdade, igualdade e fraternidade. A Alemanha, país que ele morava, recebeu bem essas ideias, no entanto, tinha ainda vestígios feudais que empacavam economicamente o pais em um contraste com o avanço tecnológico. A partir disso, Engels desenvolveu uma teoria que libertasse o homem, capaz de dirigir seu próprio desenvolvimento.
Tudo o que o homem fazia, devia depender dele mesmo, uma atividade racional e livre de tudo externo a ele.
Engels critica o empirismo inglês na frase do título, pois se você se baseia apenas em fatos e dados , o homem acaba se limitando as ordens existentes das coisas e é o oposto da frase acima.
Em suas teorias , Engels tem como principal argumento que a razão é que deve mover o homem para ele poder ser livre.
Engels,trabalhou um tempo na fábrica de seu pai e percebeu as péssimas condições de trabalho em que os funcionários eram submetidos pelo capitalismo e foi a partir dai que surgiu a ideia do socialismo utópico ao cientifico : mudar a condição de vida deles.
Ele queria destruir, de primeira,a diferença entre as classes .
A humanidade, em constante desenvolvimento passa por inicios e fins e devia-se a partir do ciência decifrar as leis históricas e as contradições do capitalismo para melhorar a realidade.
Porque uma parte trabalha muito e fica com pouco ? Porque uma minoria comanda e detem os lucros ?
Sem trabalho há miséria, com trabalho, há condições desumanas e pobreza.
Algo está errado. 

Sociedade capitalista monopolista.

  E o consumo sempre toma conta de uma sociedade capitalista, na qual vivemos nos dias de hoje. Propagandas como "vem ser feliz", " Quem pede um, pede bis", entre outras, fazem a todo momento a nossa cabeça. O sistema monopoliza afim de conquistar o público alvo.
 Com o crescimento do consumo, o que cresce junto é a exploração, jamais lembrada, dos trabalhadores. É de se pensar se esse consumo excessivo é realmente necessário, se realmente precisamos de tudo aquilo que é nos passado como uma forma de necessidade de ter. Sendo um celular novo, um carro importado, uma tv quase que transmite em tempo real e outros diversos produtos que nos fazem estar dentro de uma sociedade padrão. Vai ser bem dificil reverter a situação de um sistema capitalista, pois já chegamos em um ponto ápice onde já viramos "escravos" e "alienados" ao consumo em exagero. A sociedade gira em torno de padrões idealizados e para fazer parte deste "mundo idealizado" precisamos de dinheiro, com isso teremos em nossas mãos o mercado e necessariamente ganharemos status. STATUS: posição social, lugar ocupado por uma pessoa  na sociedade. Palavra chave que define em que a sociedade gira em torno.
 Precisamos sim do capitalismo para conseguirmos um desenvolvimento mundial, porem não nessas proporções, e tão rapidamente . Enfim, o socialismo, se desenvolvido seria uma apologia à igualdade social, porem o que ocorre é o capitalismo, aquele que explora, aliena e faz a nossa cabeça.

domingo, 27 de maio de 2012

Sociedade em movimento, indo pra onde?



 Na absurda propaganda acima vemos claramente a importância do mercado para o capitalismo, pois este se fortalece através da exploração do trabalhador que vende a sua mão de obra por muito menos do que ele realmente produz ,criando um excedente que é apropriado pelo capitalista o que é chamado de mais-valia. E se já não bastasse ser explorado e alienado pelo seu trabalho, o mercado ainda o obriga a consumir de forma desenfreada, para reafirmar ainda mais esse sistema onde o importante não são as pessoas, mas sim o que elas produzem e consomem. E é justamente o contrario que o socialismo vem propor, pois em uma sociedade socialista o foco deve ser o bem estar das pessoas.
 Nesse contexto uma importante ferramenta é a dialética, que procura ver o movimento da sociedade através de teses, antíteses, e sínteses.  Para exemplificar isso vamos pensar em uma situação pessoal, durante o meu ensino médio eu tinha como tese uma escola que me oferecia pouquíssimo apoio a questões relacionas a futuro profissional, vestibular, e afins, o que gerou como antítese em mim a ideia de um projeto a ser realizado com os alunos para suprir essas faltas, o que resultou na síntese de hoje eu realizar esse projeto em proporções menores do que a idealizada, infelizmente não suprindo ainda todas as demandas, mas que consegue levar um pouco mais de informação, e modificar dentro do que possível àquela realidade. E essa síntese é agora a nova tese que gera novas antíteses e resulta em novas sínteses constantemente.
 O capitalismo e o seu modo de produção explorador que submete o homem a situações precárias de sobrevivência, e gera grande desigualdade social, possibilita o surgimento da ideia de uma nova forma de organização da sociedade,que busque a igualdade e o bem estar do homem, o que chamamos de socialismo, porem essa questão é muito mais complexa, porque mesmo o trabalhador sendo explorado e vivendo em péssimas condições, ele é manipulado e conduzido a não refletir sobre essa situação, dificultando assim que ele se organize e modifique esse sistema. A dialética da sociedade não caminha apenas de forma linear, por isso é extremamente difícil saber os rumos que a sociedade vai tomar, e mais ainda saber se realmente serão melhores.
Tatiane Cardoso 1° ano SS diurno 

A ideia de Socialismo


A ideia de socialismo se refere a uma sociedade igualitária, porém não basta à vontade de construir o socialismo, é necessário compreender fundamente o que é o capitalismo, saber analisar a sociedade e interpretar a sua trajetória. Pois o socialismo só é possível a partir do capitalismo.

A luta de classes é simultaneamente uma luta econômica, assim apesar das diversidades aparentes, escravidão, servidão e capitalismo seriam apenas fases sucessivas de um processo único. O capitalismo proporcionou uma luta mais intensa entre as classes, de um lado os exploradores e do outro os explorados.

Para Engels e Marx o socialismo era uma controversia do capitalismo, um sistema unico de sociedade (o comunismo), que deveria ser implantado para o bem da sociedade. Também, vale ressaltar o materialismo dialético que visava enxergar as reais condições de vida e sobrevivência.

Portanto, o socialismo é um método criterioso de interpretação do mundo e suas desigualdades, ao qual, não é fruto de algo construído no pensamento e sim a partir de uma realidade. Porém, implanta-lo no mundo atual seria uma utopia para a grande maioria das pessoas.

Marisa Silva– 1º Serviço Social – Noturno

Projeção artificial antagônica de um ciclo regressivo social



Friedrich Engels em “Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico” nos apresenta a progressão do socialismo científico, como método de análise do mundo, possibilitando o diagnóstico centrado no estado empírico social, para compreensão da realidade, da hierarquia das classes sociais que fundamentam o sistema capitalista. Conseqüentemente, quebra com o paradigma do socialismo idealizado, pois, a partir de sua concepção juntamente com as de Marx, preconiza que seja desconstruído o “idealismo social”, visto que esse método não provoca mudanças relevantes e reais no meio social.

Além disso, aborda uma crítica ao sistema de “exploração e dominação do homem pelo homem”, todavia que o capitalismo produz o desenvolvimento de riquezas; porém a falha no sistema capitalista não seria em produzir riquezas, mas sim, na distribuição desse desenvolvimento dentro da sociedade. Para que isso seja transformado e possa ser aplicado à realidade, seria necessário reestruturar e moldar a sociedade nas perspectivas cooperativas, extinguindo o caráter estrutural econômico central.


Contudo, a condição na escala social humana é recorrente da falha no sistema capitalista, que concentra o mais alto desenvolvimento cientifico, tecnológico e filantrópico, resultante do labor da produção das classes submissas, mantido na mão da elite social, construindo um clico regressivo social.


A partir disso, a realidade molda o pensamento humano, sendo assim, as condições econômicas e sociais provocam uma escassez materialista, que conseqüentemente origina uma antítese nas classes sociais, submissas as condições do meio de produção. Essa insatisfação na posição ocupada originaria uma síntese, um conflito e estado de revolta.


Em suma, o próprio ser humano despido das condições materialistas, seria apenas uma idéia, desconstruído de nenhuma característica material social. Para que as necessidades econômicas e sociais sejam reestruturadas é preciso mais que uma simples projeção artificial de que o sistema capitalista é antagônico e sim que o próprio ser social deve ser condicionado a uma realidade que possibilitará novas perspectivas. 


Caroline C. Borges da Silva / S.S. Noturno