quinta-feira, 22 de março de 2012

Pensar,existir,ver além


Se eu penso, significa que eu existo. Essa foi uma das conclusões em que Descartes chegou em seu livro “Discurso do Método”.Nesta obra fica claro que umas das principais características de René, é o seu temperamento matemático e racionalista, além da sua preocupação com a clareza dos fatos.

O filósofo nos propõe a duvidar de tudo, a todos os momentos ,e para reconhecer algo como verdadeiro, é necessário utilizar uma cadeia de ferramentas: razão -> raciocínio -> fragmentação do estudo;esses três juntos tornam o entendimento mais claro, além de nos fazer ver além do visível, como no trecho da música Sonho de uma flauta- Teatro Mágico : “Nem toda palavra é/Aquilo que o dicionário diz”.

Ver além do visível ,usar a ciência para a explicação de fatos,para que desta forma não tenham sentimentos envolvidos,racionalização, faz com que cheguemos a seguinte conclusão: o ‘método’ de Descartes consiste em ser um instrumento que possibilite levar ao homem a verdade,fazendo com que este aceite apenas o que é certo, e que não possa ser refutável, pois dessa forma , todo o conhecimento inseguro é eliminado, chegando ao verdadeiro conhecimento.


Helyssa Alves Bafum 1º ano SS Diurno

"Descartes: Da Religião À Ciência"

Com tantos seres diferentes em todo o mundo, aliás, com um mundo visto de maneiras tão diferentes por tantos seres, em 1637 um filósofo conseguiu captar em sua mais nobre essência a visão que engloba ciência e religião. Ainda é atualmente uma ideia perturbadora para grande parte da sociedade, porém é feita de raciocínio lógico.
“O Discurso do Método”, escrito por René Descartes é a tradução perfeita de que é preciso conhecer para falar a respeito de algo. O texto em primeira pessoa apesar de afirmar que não quer fazer “da sua razão a razão das outras pessoas”, acaba induzindo o leitor a analisar melhor seus julgamentos e atitudes fazendo-os pensar. O primeiro passo para tal conquista seria feito através da sinceridade em conhecer e rever os próprios conceitos, buscando o conhecimento total sobre um determinado assunto. Consequentemente, é onde se encaixa a questão religiosa.
Ao considerar a existência de um Ser perfeito, Descartes coloca à prova de que a inteligência nos foi dada por Ele, assim como a curiosidade, para aprimorar o conhecimento sobre todas as coisas do mundo, tendo o livre arbítrio para traçar nosso caminho e constituir nossa razão. Em contra partida, atinge os religiosos fervorosos ao explicitar que tanto conhecimento tem como método de pesquisa a evolução da ciência e não somente a religião, como era visto em décadas passadas.
Portanto, desse ponto de vista, devemos fortalecer nossa razão, conhecendo o mundo em toda a sua proporção, para que tenhamos vasto conhecimento e saibamos nos posicionar diante de qualquer que seja o assunto. Assim, nos aproximaremos daquele Ser perfeito, aquele que nos deu a inteligência para que utilizemos as ferramentas da ciência para a melhoria da qualidade de vida, e principalmente, para que tal conhecimento exterminasse todo o tipo de desigualdade, feito que somos todos filhos Dele.

Marina Borges, 1ª ano S.S. noturno 2012.

Em busca de conhecimentos

Quando pensamos na sociedade atual, milhares de críticas são construídas, isso, porque não somos todos iguais e temos  a total liberdade de expressar nossos sentimentos e julgar qualquer outra opinião que para nós não parece correta. Porém, talvez seja esse o maior erro do ser humano, julgar por algo que mal sabemos, sentenciar alguém por seus pensamentos serem diferentes.
No "Discurso do Método" de René Descartes, ele nos explica através de suas experiências que a dúvida é o maior segredo para alcançarmos a certeza de nossas palavras, pois ao duvidar tentamos encontrar respostas e assim adquirimos o conhecimento necessário para um debate, para expor o que pensamos com realidade.
Na frase de Descartes "Portanto, meu propósito não é ensinar aqui o método que cada qual deve seguir para bem conduzir sua razão, mas somente mostrar de que modo me esforcei por conduzir a minha"; nos deixa claro que ele também tinha muitas dúvidas, porém com sua busca de conhecimento, conseguiu se encontrar dentro de sua própria razão e é assim que ele chegou à sua conhecida frase "Penso, logo existo."

Renata Maria Terra Sousa - 1º Ano Serviço Social Noturno.

A busca infinita pelas respostas.


O homem sempre teve a sua tendência em buscar o conhecimento de forma sensata e tentar explicar as verdades por trás dele. A maior dúvida sempre foi de onde viemos, quem somos e se realmente nós existimos. E é claro que a logica implantada no nosso objeto de estudo, que explicasse de forma clara e objetiva, sempre seria a melhor forma de entender e ser o principio para outras novas verdades de forma racional na nossa evolução.
 O fato é que René Descartes ao concluir o seu principio básico “penso, logo existo” e o seu “método cientifico” ajudou a humanidade a encontrar o caminho para achar as respostas que a maioria vinha procurando desde muitos filósofos, cientistas e outros estudiosos antes dele, alguns sem muito sucesso e outros dos quais René Descarte decidiu partir para conhecer a si mesmo, desconsiderar os seus sentidos e criar o seu método utilizado por muitos cientistas, filósofos e estudiosos de diversas áreas e compartilhando com as novas gerações.
A partir disso, o conhecimento adquirido René Descartes ajudou a humanidade a se compreender e conseguir a capacidade de saber de onde partir para buscar a verdade por trás de um objeto de estudo e o aperfeiçoamento do método ao decorrer dos séculos. Um exemplo é a parte em que é desconsiderado o rumo religioso que surge ao longo de suas teorias, pois a modernização dos métodos de vários estudiosos antigos nos leva a um caminho onde a compreensão e a capacidade de analisar situações futuras podem nos ajudar em diversas ocasiões em nossas descobertas.

Karina Emika Mori, 1° ano SS – Noturno.