sexta-feira, 6 de abril de 2012

Francis Bacon

Bacon retrata em seu pensamento a ciência e a razão como fundamentais para gerar um conhecimento verdadeiro. Retrata também que nao podemos nos basear em ’achometros’, que sempre a busca por explicações e fatos concretos são coerentes e úteis para a sociedade no geral.
O autor também diz a respeito da experiência, e em realção aos gregos que por muitas vezes ultilizavam-se de conhecimentos que possuiam mas sem uma experiência ou uma prova científica, o que muitas vezes os levavam a crer em fantasias e a não ter um conhecimento concreto sobre algo.
O que deve sempre existir segundo Bacon é a busca pela certeza, pelo real, e não deixar levar-nos por supertições, dizeres, mitos, etc. Pois somente a experiência e a ciência pode nos trazer algo verdadeiro e beneficiente.

Conhecimento em Busca da Verdade


Francis Bacon, em seu livro "Novum Organum", segue a mesma linha de raciocínio deixada por Descartes em "O Discurso do Método". Ambos acreditam no poder da descoberta científica para uma alcançar um maior "bem-estar do homem".  Bacon acredita que a "filosofia tradicional" não acarreta em nenhuma mudança prática à vida humana. Tal filosofia seria a propagada pela sociedade em conhecimentos comuns, o famoso "boca-a-boca", as falsas percepções e conceitos que levamos como bagagem em nossas vidas.

É preciso, para se entender uma sociedade por completo, conhecer todas as suas dimensões, sejam elas culturais, sociais ou históricas. Para isso, seria necessário que a pessoa convivesse dentro daquela sociedade para enxergá-la como uma realidade. Assim, estudando-a e analisando-a, o indivíduo seria capaz de absorver conhecimentos com bases científicas que seriam úteis para o homem.

Os aforismos são utilizados na obra para explicitar como a mente dos homens já está cheia de fantasias e de quem maneira temos de buscar a realidade em fatos concretos. Isto viria através da ciência e de suas descobertas e não através de ideias filosóficas sem fatos concretos.

Portanto, essa visão de Bacon nada mais é do que uma crítica ao não conhecimento da sociedade que faria com que ela entendesse mais claramente suas próprias questões e criasse uma melhor qualidade de vida para si mesma.


Marina Borges - 1º ano S.S. noturno.

Não há ciência sem experiência

   Francis Bacon é convicto em afirmar que a ciência moderna está nos fatos empíricos, experimentados sem limites por meio da exploração do conhecimento novo, ao contrário dos filósofos gregos onde ele critica como sendo meros escritores por suas convicções serem fartas de palavras sem obras que pudessem ter ajudado e contribuido para a condição do homem.                                               
     A ciência moderna nasce sob o signo de um conhecimento que deveria ser neutro, guiado pela razão e pela experiência, liberta de sentimentos, com finalidade de servir o homem e dar-lhe poder sobre a natureza.                                           
     Constituindo uma nova maneira de estudar os fenômenos naturais, para Bacon em suas descobertas não dependia do silogismo aristotélico, mas sim da experimentação regulada pelo raciocínio indutivo.                                            
      Logo o conhecimento verdadeiro é resultado dos fenômenos da idealização proposta, concretizadas e devidamente observadas, apresentando a causa real do fenômeno, e isso nada mais são que inovação de combinações de descobertas anteriores. Pois para Bacon, “tal como as ciências, de que ora dispomos, são inúteis para a invenção de novas obras, do mesmo modo, a nossa lógica atual é inútil para o incremento das ciências”.

Rangel Homma - 1° Ano Serviço Social/Noturno
 O empírico para Francis Bacon é primordial !

Na concepção de Francis Bacon, interpretar o mundo é desvendar e  conhecer profundamente o que o "engenheiro maior" ( Deus) criou, seja adquirindo forças divinas ou não. Ele preza uma isenção de tudo que se considera fantasia! Sendo assim, o verdadeiro para ele é de fato, o empírico.
Bacon acredita que o principal foco para descobertas seja a interpretação da natureza. Segundo Bacon, temos que realmente conhecer o que estudamos, não basta um conhecimento "grosseiro" de tal fato, para se considerar espargido. Sua idéia principal é explorar o que se tem, transformar a natureza em bens úteis e alcançar alem das palavras, melhor dizendo PRODUZIR OBRAS.
Bacon diz que os sentidos são falhos, porisso ele acredita apenas no concreto.Ele tem uma ampla visão de experiência e diz que através desta, é possível guiar a exploração do conhecimento e para ele, assim se faz ciência!  De uma forma abreviada seria, Deus ter criado o mundo e colocado os homens com capacidade suficiente para desvendar e conhecer perfeitamente tudo o que foi criado.



Caroline Stéphani Pinheiro.