segunda-feira, 7 de maio de 2012

Equilíbrio constante

   Nascemos e crescemos sendo altamente influenciados pelas regras impostas pela sociedade, criando o certo e o errado, criando julgamentos sociais e emocionais por toda parte que passamos.
  Cria-se uma parte e um dever para cada um na sociedade, cada pessoa tem seu papel para haver um equilíbrio constante.
  Existe um padrão social no crescimento humano, tem uma ''regra'' para como chegar a vida perfeita como o casamento, filhos, formação, trabalho, sempre existe uma exigência para que os padrões sejam concretizados em cada família.
  Durkheim deixa claro seus pensamentos sobre as regras impostas pela sociedade, dando ênfase em coisas que fazemos e não queremos e sim somos "feitos'' por comportamentos sociais e nao individuais.
  Criamos costumes pelos outros e não por nós mesmos e não ligamos muito pra isso, simplesmente nos acostumamos com esse acontecimento e entendemos como forma de crescimento da sociedade e não como influências.
  Deixamos de lado o individual a todo tempo e começamos a entender o coletivo como o certo, Durkheim diz que os sentimentos e pensamentos não são mais percepções da pessoa em si mas sim de uma dinamica social, "cada um é arrastado por todos'' sendo assim mais fácil até a convivencia de todos os individuos.

Danielle Carvalho Lopes, SS- diurno.

  

Filhos da Alienação

Todos nós somos influenciados por algo ou alguém. Esse é um dos pensamentos Durkheimianos aprendidos na aula 5 de sociologia. A todo momento estamos sujeitos a dominação. Somos influenciados pelos meios de comunicação, pela tecnologia, o meio onde vivemos. Visões, comportamentos, hábitos, são impostos e gradativamente perdemos o que há de mais espontâneo em nós. Seguimos padrões e costumes e, aqueles que saem dessa exigida trajetória causam as patologias da sociedade. No entanto, sou tentada a dizer que até mesmo os desorientados do caminho social, são influenciados por alguém, e esse alguém também foi influenciado por outro alguém e assim por diante. Na música Geração Coca Cola da banda Legião Urbana, podemos trazer para uma visão social o fato de que desejam a revolução, saindo da sequência determinada dos EUA, no entanto, fazem-se componentes da geração completamente dependente da maior empresa de refrigerantes do mundo, Coca-cola. Além disso, na última estrofe diz: "Vamos fazer nosso dever de casa, aí então, vocês vão ver , suas crianças derrubando reis..." Ou seja, irá se cumprir primeiramente a ordem imposta, fazer o dever de casa, e depois irá se pensar em fazer algo diferente.


 Geração Coca-cola
Legião Urbana
Quando nascemos fomos programados 
A receber o que vocês nos empurraram 
Com os enlatados dos USA, de 9 às 6. 

Desde pequenos nós comemos lixo 
Comercial e industrial 
Mas agora chegou nossa vez 
Vamos cuspir de volta o lixo em cima de vocês. 

Somos os filhos da revolução 
Somos burgueses sem religião 
Somos o futuro da nação 
Geração Coca-Cola. 

Depois de vinte anos na escola 
Não é difícil aprender 
Todas as manhas do jogo sujo 
Não é assim que tem que ser? 

Vamos fazer nosso dever de casa 
E aí então, vocês vão ver 
Suas crianças derrubando reis 
Fazer comédia no cinema com as suas leis.

O fato social

Fatos Sociais são fenômenos naturais da sociedade,  é qualquer " coisa" de coerção sobre o individuo. O fato social é coercitivo, extenso e externo.Ele pressiona o individuo a viver da maneira que a sua sociedade vive, extenso por que se estende por toda uma sociedade e o individuo que se encontra nela não poderá se excluir dela, e externo, pois não vem do individuo, é algo que vem de fora das consciências individuais.O fato social pressiona o individuo a viver de maneira a ser aceito em uma sociedade.

Desde a educação até a função exercida.




           A educação é a principal base da estrutura do cidadão, ela tem início em casa com os pais ensinando aos seus filhos o certo do errado e a ter bons modos.Lembrando que cada sociedade tem uma influência muito forte da cultura, pois é ela que vai definir o certo do errado.

Muitas vezes somos manipulados e não percebemos, como foi comprovado em uma pesquisa que os brasileiros são as pessoas que mais assistem televisão no mundo e muitas vezes assistem mais novelas do que telejornal, deixando a pessoa meio deslocada em certos assuntos.

Para Durkheim fato social é todo ato que o individuo faz para poder ajudar no progresso da sociedade, como no comprimento do papel de professor na escola, ele que vai orientar seus alunos como devem se "expressar" no dia a dia.

Logo, a sociedade deve se manter o mais padrão possível para que haja equilíbrio. Como a idéia de Comte, todos os membros da sociedade são necessários, assim é para Durkheim, a sociedade deve ser única, porém, como membros que desempenhe diversos serviços para que haja conexão, exemplo: se em uma fabrica falta um funcionário, alguém terá que substitui-lo, logo terá que fazer os dois serviços, o seu e o da pessoa que faltou, sendo que um dos serviços poderá ser mal feito. Assim também funciona a sociedade, cada um tem a sua função, por isso todos os membros são importantes.

Fabiana Souza 1ºSSD

Rebeldia?



O texto de Durkheim é sobre um assunto sobre o qual eu já pensei muitas vezes: até que ponto somos educados, e até que ponto somos oprimidos? 
A  sociedade tenta moldar as crianças à sua imagem e semelhança; e a família, em parceria com a escola,  são os representantes dessa forma de agir. A educação é o que forma o ser social, e a criança é, desde cedo, incentivada e obrigada a se transformar nesse ser social. Quando vemos uma criança birrenta na rua, olhamos torto, pois esse comportamento é naturalmente (socialmente, na verdade) combatido, mesmo que não tenhamos nenhuma relação com essa criança. É comum atribuir a culpa aos pais, pois é dever social deles educar o filho; e, caso eles não consigam, a responsabilidade é transferida para a escola e, em casos extremos, até para a Lei. Porém, com o tempo, as crianças vão percebendo que nunca conseguirão fazer o que querem. As pessoas dizem que, quando isso acontece, as crianças vão adquirindo consciência – mas, na verdade, elas estão perdendo sua consciência natural, e substituindo pela social. Quando o indivíduo vai se educando, parando de levar bronca, é porque essa imposição que a sociedade força sobre ele está ficando imperceptível, mas ainda está lá. Isso é basicamente a mesma coisa que Freud disse no seu conceito de id, ego e superego: estamos constantemente tentando adaptar os valores da sociedade à nossa personalidade, tentando ser tão educados quanto é possível para nós, adicionando exceções conforme achamos espaço. Spencer acha que o certo seria parar de reprimir essa liberdade infantil, mas como esse método nunca foi utilizado, não passa de uma utopia de educação livre; e como educação e liberdade, no pensamento de Durkheim, são coisas contrárias, esse termo também não seria possível. 
Crianças querendo fazer o que têm vontade é normal. O fato é que algumas pessoas nunca se adaptam à essa sociedade conservadora. São o que chamamos de rebeldes, punks, loucos ou, simplesmente, carentes de atenção. Pessoas que escolheram viver de uma forma diferente, e que conseguiram vencer a opressão que a sociedade causa sobre elas - mesmo que essa opressão tenha que ser constantemente combatida, e a pessoa tenha que ser forte para lutar contra ela. Essa maneira "diferente" de agir pode ser identificada de várias formas: roupas, tatuagens, piercings, homossexualismo, religiões, e até mesmo a alimentação (os vegans são um exemplo radical de combate aos costumes vigentes, pois a comida é um traço muito sensível da cultura de um país, e a carne é um dos principais ingredientes da América).
Aqui em Franca, temos um exemplo que pode ser muito bem atribuído ao que a maioria das pessoas chama de rebeldia. Rafael Mendes, apelidado de Rafa Gnomo, é um fotógrafo que tem a maior parte do corpo tatuada e furada, além da língua bifurcada. Eu mesma, que tenho piercing e tatuagens e gosto disso, acho estranho. Quando o vi no CDA, não pude evitar de olhar diferente. Se eu, que me considero com a mente aberta neste aspecto, fiquei meio abalada, o que as pessoas bem mais conservadoras (os crentes, por exemplo) devem achar dele? Elas provavelmente o queimariam na praça da matriz, se fosse possível.
Exemplos assim, entretanto, abalam apenas as regras morais da sociedade. O máximo que pode acontecer com uma pessoa que tatua o corpo inteiro é ser ignorada por um grupo e causar o riso alheio. Podemos perceber, entretanto, que esses níveis de tolerância ao que é diferente de nós é muito variável, algumas sociedades são mais receptivas à pessoas assim. Essa maneira de pensar é progressiva, e algumas coisas que foram consideradas aberração há um tempo atrás, hoje não são mais, ou pelo menos, não tanto quanto antigamente (como os negros e os gays, por exemplo). Para combater esse comportamento preconceituoso, para inserir essas pessoas na sociedade de uma maneira mais rápida e eficiente, existe até mesmo a criação de leis - não sem que antes haja uma discussão que dure anos, e, mesmo depois, ainda existem pessoas insatisfeitas.
Aliás, as leis são outra forma de opressão, porém completamente válida. Não roubar, não matar, não abusar sexualmente de outrem são valores morais tão sérios que se tornam obrigação. É muito pior do que simplesmente fazer um moicano, e a consequência é muito mais rígida. Não é necessário fazer outra coisa além de citar esse assunto, já que todos temos consciência do seu método e importância.
Concluindo: todos nós somos seres opressores. Já fomos oprimidos, oprimimos a nós mesmos e aos outros. Essa não é, entretanto,  algo natural em nós - é algo natural à sociedade. O grande lema tanto do positivismo, quanto do nosso país, é Ordem e Progresso porque essa é a maneira que a sociedade encontrou para se organizar, se estabelecer com segurança e se manter estável. Durkheim faz parte do pós-positivismo porque incrementou essa maneira de pensar, adaptando e acrescentando, porém a base é a mesma. 
Mesmo que as morais e os bons costumes mudem com o tempo, eles sempre existirão, e em absolutamente todos os aspectos do homem. Pessoas que são a favor da pena de morte são consideradas imorais, pois é pecado tirar a vida de uma pessoa, mesmo que seja um assassino, já que não devemos permitir fazer isso com ele só porque ele fez com outra pessoa, etc etc... Existe uma constante influência, um constante redemoinho de informações morais, legais e religiosas girando em torno da sociedade, e cabe a cada um dos indivíduos adaptar-se à isso. Sempre tendo em mente que as consequências virão, e sempre tendo consciência de qual é o grau máximo de opressão que esse indivíduo consegue (ou quer) aguentar.

Perfil do RafaGnomo no Facebook: http://www.facebook.com/rafagnomo

Brenda Alaíse Nascimento
1º ano de Serviço Social - diurno
UNESP - Franca





Pós positivismo de Émile Durkheim

    Bacom ja havia preconizado a ciência de Durkheim,mais ele  foi bem mais além ,propôs um aprofundamento no positivismo.
    Durkheim tenta interpretar o que esta mudando na sociedade ,o que a sociedade moderna tem de tão opressora que levam as pessoas a se suicidarem por exemplo.
    Fato social para Durkheim é tudo que se diz respeito a um individuo como o trabalho,as greves,moral,costumes,habitos etc...Tentando assim manter  um equilíbrio social.
    Para ele a sociedade sempre vai prevalecer sobre o individuo ,criou então  dois fatores fundamentais para conseguir estudar melhor a sociedade,observar e reconhecer.
    Obeservar os fatores socias como coisas ,só ai então reconhece-los como  fatos sociais e tentar compreender.   
    Émile Durkheim mantinha um distanciamento mínimo entre o OBSERVADOR e o OBSERVADO para que o observador consiga assim analisar o fato social como uma coisa,tirar esse olhar próximo e começar a enxergar com um olhar científico  e reivindica para que a sociedade também observe com esse mesmo olhar,um olhar cientifico.
    Sociologia era reconhecida por Durkheim como a ciência das realidade,então ele achava que se devia  analisava essa sociedade com esse  olhar cientifico fazia uma pesquisa de campo profundo ,ele fazia uma ciência da realidade não ciência das idéias ,obtinha o máximo de informação possível  sobre o que estava analisando ,fazia questão da vivência ,ele queria ir além do positivismo ,para ele não existe leis que ultrapassam regularmente a sociedade ,tenta ir além do que a sociedade esta simplesmente mostrando e tenta descobrir se realmente é ,assim na medida que a sociedade desenvolve ela difere o que é normal e o que é patológico.

A Influência dos Fatos Sociais na Vida do Indivíduo


Segundo Émile Durkheim, nós temos que nos despir de nossos sentimentos para analisar os fatos sociais, temos que tratar os fatos sociais como coisas. Durkheim não acreditava em ideologias. Ele acreditava que as pré-noções que temos das coisas ou pessoas nos atrapalham em nossa busca pela verdade, desde Bacon isso já vinha sendo dito.
Ele também acreditava que temos que analisar os fatos sociais e a sociedade para só então desenvolvermos um método científico para resolver os problemas que essa sociedade possa vir a ter.


Vivemos em uma sociedade onde OS FATOS SOCIAIS NOS EMPURRAM a agir segundo uma conduta que é imposta à todos; por exemplo:
Existem por ai mundo à fora, casos de homens, pais de famílias vistos pela sociedade como indivíduos tradicionais que seguem a conduta esperada por todos de nascer, crescer, estudar, trabalhar, casar e ter filhos; porém esses homens e não são poucos, eles tem o hábito de sair com homossexuais para saciar seus desejos e vontades escondidos de todos, a pergunta é:
Então por que se casam ?Por que eles fazem isso? Por curiosidade?
Não! Mas pelo fato de terem sido oprimidos e influenciados por uma sociedade onde o preconceito ainda é predominante; onde o fato de uma pessoa ter determinada opção sexual a torna diferente dos outros, onde esse individuo muitas vezes é considerado errado; por muitos ele é até mesmo perseguido; ou seja esse  fato social o empurra a obedecer certas condutas, se casando com uma mulher ou vice-versa uma mulher casando-se com um homem; vivendo dessa maneira apenas para serem aceitos pela sociedade. Não temos só esse exemplo,  temos vários como o fato de usarmos talheres para comer,  pois se comermos com as mãos dentro de um restaurante seriamos considerados estranhos,  esquisitos, porém se comermos com as mãos em uma tribo indígena provavelmente isso seria considerado normal, eu poderia citar aqui vários exemplos, mas apenas com esses já temos uma noção.
Para finalizar, OS FATOS SOCIAIS NOS INFLUENCIAM  a agir de certa maneira, a fazer certas escolhas e a ter certos hábitos; e nós seguimos essa conduta imposta para não sermos apedrejados por uma sociedade que desde nossos ancestrais vem nos dizendo o que fazer,  como agir,  o que dizer, etc   


                               Francielli J. Silva---------- 1°ano Serviço Social -Noturno-------Unesp

Pós Positivismo

Durkheim escreve em um momento em que a sociologia está começando a ser uma ciência especializada. utilia-se de regras tais como:
-1ª Regra: consiste em abservar e analisar os fatos sociais como coisa.
-2ª Regra: Reconhecer e compreender em razão da coerção que exercem sobre os indivíduos.
A sociedade sempre vai prevalecer a todo indivíduo. A sociedade coage e é sempre imperceptível como comer de garfo e faca, vestir-se com mesmas roupas, ter os mesmos comportamentos.Durkheim pede para coisificarmos as coisas, para tratarmos como qualquer ciência tais como: a física, a matemática, a geologia.
A relação do cientista social com o seu objeto de estudo sãp humanos , ou seja, da mesma matéria. Durkheim també dia que tmos que ter um distanciamento emocional entre o observador e o observado para analisar o fenômeno que ocorre e olhar com olhar científico.
O papel do cientista social é imterpretar de acordo com sua especialidade. A análise ideológica vai das idéias para as coisas e não das coisas para as idéias. Para Durkheim não existe antropologia sem pesquisa de campo , onde ele observa as coisas pra depois construir o conhecimento de determinada coisa. A ciência da realidade e não a a ciência das idéias, por isso positivismo. Durkheim considerava a idéia de ordem e progresso abstrata. O fato social é o cumprimento de todas as regras como: o trablho, costumes, hábitos, modos, etc, tudo aquilo que a sociedade nos impões e muitas vezes o fazemos sem perceber que é uma imposição, meio automática, Durkheim também estuda os grupos e nunca o individual, onde o social tem que ser aplicado pelo social e não pelo indivíduo. Por tudo isso Émile Durkheim é considerado o pós- positivista, que vai além do positivismo de Comte.



Cristiane Feitosa N. de Paulo 1º Serviço Social - Noturno
Émile Durkheim traz um método revolucionador ao analisar os fatos sociais que para ele tinham que ser analisadas como coisas. Isso faz com que os fatos sociais fossem analisados a partir de então sem nenhum tipo se sentimento pelo analisador, julgamento, ou seja, qualquer tipo de interferência sentimental por aquele que analisava os fatos. Mas até onde vai esse distanciamento do ser humano? Hoje em dia se usa muito expressões como '' quando vou trabalhar os problemas ficam pra fora da sala'' onde estaria ai o limite entre o ser o sentir e o humano, se não tem sentimentos, então você esta entrando num padrão robótico.
  Ele foi responsável pelo fortalecimento da sociologia, seu pensamento sobre "Consciência Coletiva" '' tudo aquilo que habita nossas mentes e que serve para nos orientar como devemos ser, sentir e nos comportar'' consciência coletiva surgiu então do convívio em grupo que os seres humanos tiveram ( nao diferente de grupos de animais que andam em bando) essa consciência coletiva ao meu ver seria o modo de como ser, sentir e pensar que a as pessoas com mais influencias impoem onde a grande maioria segue segamente diria ainda que apenas sabem copiar tudo que veem. 
 O mundo é influenciado por aqueles de boa lábia, que saem não se sabe de onde e quando se percebe esta sendo influenciado por ele. 
 Quais são as vontades individuais dentro de uma sociedade, sendo que esta mesma sociedade o influencia nas vontades e desejos? São apenas desejos que a sociedade quer que a pessoa o tenha, para manter o sistema!
  "Uma sociedade sem regras claras (num conceito do próprio Durkheim, "em estado de anomia"), sem valores, sem limites leva o ser humano ao desespero." Certamente, pessoas precisam que digam o que fazer, como agir, como ser, para que não caiam na consciência de si, vazia, sem sentido e repugnante!



                                                                   Ana Paula Silva 2° ano Serviço Social Noturno
 

A análise dos fenômenos.


   Émile Durkheim cria uma teoria mostrando como a realidade é realmente e como deveríamos considera-la. Para isso Durkheim propôs que deveria se analisar e observar os fatos sociais como coisas, não colocando a nossa visão sentimental. Analisar apenas como fenômeno, uma vez que sentimentos poderiam atrapalhar a visão da sociedade como ela é.
   Um exemplo disso é julgar alguém em um tribunal que roubou a sua casa, com certeza iriamos querer que o individuo ficasse preso e não tivesse nem um auxilio. Mas quando partimos dessa suposição, vemos que os sentimentos impedem que vejamos a visão de “coisa”, do fenômeno que aconteceu.
   E para conhecer melhor esses fenômenos, deveríamos reconhecê-los e compreendê-los em razão do que exerce sobre as pessoas. Consequentemente, veríamos a sociedade primeira e depois partir para as ideias, para que elas fossem melhor adaptadas e que pudessem ser utilizadas pela sociedade.
   É por isso que Durkheim decidiu apenas considerar o coletivo, o que seria útil para a sociedade assim como Comte também considerava, uma vez que existem normas que são impostas pela sociedade que o individuo deve obedecer.
   Um exemplo de fato social bem característico é uma pessoa que sai andando com uma melancia na cabeça, essa pessoa foge aos padrões comportamentais que a sociedade espera e considera correto. Logo, vai existir um meio de represália onde o individuo vai voltar a seguir as normas padrões mesmo sem perceber.


Karina Emika Mori 1° Ano de Serviço Social Noturno

Das coisas para as ideias.


.
No olhar científico de Émile Durkheim não há lugar para convicções e ideologias. Segundo ele a realidade deve ser analisada fora do campo emotivo, evitando assim, que a pesquisa seja contaminada por considerações pessoais.
Para Durkheim a sociologia era especialmente empirica e menos abstrata que o positivismo de Comte. Enquanto este sugeria como a sociedade deveria ser, Durkheim analisava como ela relamente se apresentava.
Apesar das controversas, em alguns pontos a teoria de Émile compartilha das ideias de Comte, por exemplo, o coletivo sobrepondo-se ao individualismo. Para ele a vida em sociedade é que determina normas e dita o comportamento individual, e não ao contrário.
 Partindo dessa máxima Durkheim atesta a ideologia Baconiana da importância e necessidade de se fazer a pesquisa de campo. Porém, segundo ele, na pesquisa de campo o cientista social tem uma barreira maior a transpor, seu objeto de estudo é seu semelhante.
Neste contexto Durkheim defende que o observador deve manter distância do observado. No entanto, o objeto de estudo deve ser cosiderado como “coisa” (isso não significa descosiderar os atributos de ser humano que o objeto de estudo possui).
Essa metodologia é indispensável para que o obervador analise os fatos sociais com o olhar científico como dever ser. Partir das coisas para as ideias e não das ideias para as coisas.
Muitos filósofos nos apresentaram teorias essencialmente abstratas sem aplicação prática, já Émile partiu do concreto para teorizar. Ele trouxe o olhar relativizado, analítico de que cada grupo social responde de forma diferente a um mesmo estímulo.
Apontou com imensa propriedade que os fatos e as funções sociais incutem formas de comportamento e retiram o ser humano do seu estado natural assemelhando-o ao grupo que participa, garantindo desta forma a reprodução dos papéis sociais.
Nesta conjuntura defendeu que o que fogia dos interesses coletivos era considerado patologia, e como tal deveria ser tratada. Afinal, o bem do grupo era superior ao desejo individual.

 Ana Paula _ 1º S.S. diurno

Regras do dia-a-dia


Durkheim em sua teoria nos mostra a sociedade de uma maneira em que ele sugere que o indivíduo é um ser frágil e por isso segue as regras impostas pelos fatos sociais e esses fatos são exteriores a ele, pois quando a pessoa nasce já existem regras que aprendem a seguir, respeitar, sem chance de questionamento.
Colando esse pensamento nos dias atuais, temos como exemplos várias situações onde nos é imposto o que para a sociedade é visto como o melhor a se fazer, o melhor a se gostar, a melhor forma de agir.
Acredito que essa linha onde temos que simplesmente aceitar não seja a melhor opção, pois dessa forma não haverá mudanças e nem melhorias para a sociedade.
Pensando um pouco sobre esse tema lembrei-me de uma foto (segue abaixo) que nos mostra claramente a alienação das pessoas por meio das mídias e nos revela a realidade em que para pertencer a determinado grupo, o individuo deve se vestir de determinada maneira.
O simples fato de se vestir diferente ou não falar as mesmas gírias gera o isolamento de tal.
Portanto, o fato social é o registro do comportamento que é imposto pela coletividade, podendo ou não constituir um padrão.
Embora, com o tempo, um fato social repetido constantemente conduza a formação de um padrão social,e para que isso não ocorra temos sempre que encontrar uma forma para quebrar esse tipo de regra para que o individuo possa integrar-se de todas as maneiras a uma sociedade.

Marília Barichello Barbosa da Silva 1ºSS diurno


Fator Social ou Independência?

     Durkheim vai abordar muito a cerca dos fatos sociais, principalmente a partir do seu ponto de estudo: a sociedade. Por mais que o mesmo incorpore o positivismo de Comte, ele também vai além, analisa os fatos sociais, que seria a análise de que o indivíduo não tem a sua individualidade, mas que todo o sei agir, pensar, falar...provém de acordo com o que essa sociedade cria, sua regras,etc.
     Durkheim também fala que esses comportamentos nada mais são do que representações sociais, e não movidas por suas próprias convicções e individualidade.
Podemos observar o tanto que os fatos sociais sempre foram muito arraigados em nossa sociedade, pois já nascemos com regras a seguir, padrões de vida a serem seguidos,etc. A própria educação em si "nos forma" para sermos cidadãos "corretos" perante aquela determinada sociedade, para que consigamos nos inserir e viver bem. É onde Durkheim vai fazer uma crítica á analise ideológica, defendendo assim o estudo do real, do concreto para depois formar as idéias,afastando as pré-noções que dificultam a busca pelas verdades científicas.
     Por isso, a ciência social tem importante papel para esse estudo, analisando o por quê e os mecanismos que regem essa sociedade.


Mariana Costa, 1 ano de Serviço Social, diurno.

Visão emocional

Prevalecem os costumes e o que é novo é visto como diferente ou até mesmo o errado; A sociedade não consegue ver o novo sem causar constrangimento ao individuo que a pratica não se sabe olhar com distanciamento, sem colocar o sentimento no olhar é como se estivesse contaminado pelo vírus emocional ao analisar o diferente.
Para Durkheim não existe um coisa rotineira, pois para ele a ideia de manter a ordem para progredir é abstrata, não existe; temos que ir alem do que a realidade nos mostra, por que para ele não existe leis que modificam historia mais sim instituições.
E quando algo que não é considerado certo na sociedade para ele ocorre é determinado como uma patologia. Fazendo com que obrigatoriamente as instituições cumpram suas funções bem para que possa haver um comportamento adequado do individuo; pois se as instituições na cumpre o seu papel na sociedade tudo não vai bem, pois as instituições estão ligadas diretamente uma a outra e se uma não cumpre com o seu papel a cria se uma patologia; um exemplo de instituição que se cumprir com o seu papel não da certo é a escola.

Reféns sociais

 Podemos dizer que a visão social coletiva, se sobrepõe à visão individual, e o modo de pensar, agir, e consequentemente se relacionar com outras pessoas, está diretamente ligado à regras impostas por uma "sociedade organizada".
 Esse contexto abordado por Durkheim se faz presente desde os primórdios. Onde houvesse  a organização de uma sociedade, estavam também as regras morais impostas por ela, ou seja, o interesse era que a toda a população caminhasse de uma mesma forma, os tornando assim, "reféns sociais".
 Qualquer mudança do individuo àqueles padrões e costumes impostos, causa a não aceitação, perante a sociedade. Temos como exemplo nossos antepassados, onde o costume era o casamento precoce, geralmente arranjado pelos pais, onde a mulher tinha idade entre os quinze anos, e suas únicas atividades após o casamento seriam, cuidar da casa  dos filhos e do marido. Nessa sociedade era inconcebível que a mulher fugisse à essa regra, causando estranheza e vergonha da família perante a sociedade.
 Hoje, vemos o oposto dessa realidade, as mulheres estão cada vez mais inseridas no mercado de trabalho, e muitas vezes vendo esse lado profissional como seu foco principal e consequentemente adiando cada vez mais os casamentos.
 É comum esses fatos sociais se modificarem com o tempo, são criadas novas regras, outras, abolidas ou esquecidas. Mas o fato é que, elas sempre existiram, e estarão contidas em nós mesmos, nos impedindo muitas vezes de praticar a nossa própria vontade, agindo sempre como manda a sociedade.

Sandra Morais 1º SS - Diurno.

O verdadeiro 'fato social'

        
           
         Fato Social não é necessariamente um movimento isolado mais sim toda a sociedade.
         Desde pequenos somos ensinados a seguir determinado comportamento, aprendemos a viver de forma harmoniosa com os demais indivíduos da sociedade, em diferentes locais.
         Durkhein diz que á sociedade é dividida em instituições como a religião, a legislativa, familiar etc... , e agimos conforme elas nos orientam isso é o fato social.
         Ou seja, fato social  nem sempre é aquilo diferente, ao contrário, o comum é o fato social.
         Durkhein também defendia que não existe movimento individual em nenhuma sociedade, isso porque não somos seres individuais, não temos idéias únicas, tudo em nós é pré- estabelecido, ou seja, somos influenciados desde sempre, e em tudo do modo de se vestir até a forma de comer.
         A verdade é que somos o fato social, somos produtos de determinada influencia, vivemos organizados cada qual com sua função que se descumprida, resultam em punições.
          Assim  podemos dizer que a sociedade esta dividida em instituições, e estas são os fatos sociais, ou seja, vivemos inseridos em fatos sociais e somos influenciados por estes desde o nosso nascimento até a dia de nossa morte.

        por Pâmela Eunice Moreira- primeiro ano serviço social noturno

Durkheim, como disse o Prof. Agnaldo pode ser muitas vezes julgado erroneamente, como uma pessoa que tentou desumanizar a sociologia, e assim tratar as sociedades como coisas. Mas o que Durkheim queria era que nos livrássemos dessas paixões, ídolos, preconceitos que já vem impregnados em nós, que nos fazem talvez, igual fizeram e fazem muitos, julgar aos outros conforme nossas idéias.
Ele dizia que a sociedade tem o poder de reprimir os indivíduos, por mais que a pessoa diga que é livre, que tem total liberdade, e é dono dos seus atos e ações, ele está impregnado a uma sociedade, e nenhum dos seus atos serão individuais e sim sociais. Como a gente decidir comer sem garfo e faca, ou fazer uma cabana no lugar de nossas casas, entre outros exemplos, talvez não nos importamos se comemos com a mão, ou não, ou se nossa casa é de madeira ou alvenaria, mas a sociedade em volta vai te reprimir, por não seguir os padrões então impostos por essa sociedade. Essas pressões, repressões que você vai sofrer, é a mesma pressão que sofreu por seus pais, ou pelos adultos para moldar você para não sofrer tantas pressões ou repressões do meio social.
Também no seu texto Durkheim diz que devemos analisar os fatos sociais sem nossas paixões, que devemos fazer uma analise sem nos envolvermos com aquilo, analisar conforme nossa função. E ai que Durkheim sofre grandes criticas até hoje, pois sempre foi dito que ele queria desumanizar a sociologia, mas ao contrario, Durkheim estava humanizando mais ainda a sociologia, pois se você é um sociólogo, você deve avaliar aquela sociedade, e ver seu problema conforme o que aquela sociedade precisa, sem pensar em utopismo, idéias próprias e preconceitos. Ele também diz que a analise deve ir das coisas para as idéias, e não das idéias para as coisas, assim como acreditava Comte, seu antecessor.
Ai nesse ponto de ir das coisas para as idéias Durkheim começa no trabalho de campo, que seria a peça chave para começarmos a nos separarmos do nosso preconceito e etnocentrismo. Com o trabalho de campo você pode ver como realmente vive aquela determinada sociedade, diferente do que Comte achava que as sociedades evoluíam de uma forma continua, que cada uma passava pelo mesmo momento, em épocas diferentes que as outras, como uma coisa bem simples, sem perceber que algumas sociedades nascem, evoluem e acabam sem depender uma da outra. Que a ordem e o progresso nem sempre é uma regra, as sociedades são o que são!
Para finalizar eu faço um adentro particular, que mais uma vez remete a nossa politica atual. O quanto seria bom todos os políticos conhecessem o mínimo de sociologia, para ao invés de ficar agarrados a suas paixões que muitas vezes é pessoais ou de seu partido, e fossem para a pesquisa de campo, um vereador, em vez de ir nos bairros antes das eleições, nem pra fazer trabalho de campo, ver seus problemas, mas sim pra pedir votos. Ele deveria ir depois, ver os problemas reais daquele bairro, o nível de coerção que esses problemas causam nos indivíduos daquela sociedade, e arrumar soluções desvinculadas de suas paixões, soluções concretas com base na sua pesquisa, teríamos uma política muito melhor, e, ai sim ver os pensamentos e a obra de Durkheim aplicada.



Rafael Tognati Silveira 1° Ano SS Noturno 

Durkheim - sociedade

Na visão de Durkheim, trata-se de tudo como sociedade. O indivíduo até em suas particularidades deveria ser pensado como coletivo, nao individualmente. Sempre pensar na consequência para todos, no que gera para a sociedade, e não somente para si. Pensar no bem coletivo, já que o social é tudo, modo de agir, pensar, ser, etc. refletido sempre de geração em geração.

Émilie Durkheim, considerado um dos pais da sociologia, tem como objeto de estudo os fatos sociais.  Fato social é uma força externa e de pressão moral que age sobre o indivíduo dentro da sociedade, por exemplo, em um restaurante ou até mesmo na própria casa uma pessoa se recusaria a comer com as mãos, no nosso inconsciente já nos sentimos oprimidos a agir de forma contraria ao conjunto de regras e costumes a serem seguidos na sociedade em que vivemos.
O fato social ocorre em qualquer sociedade exercendo sobre os indivíduos certas imposições e está além da nossa consciência particular, ou seja, é uma decisão coletiva, “(...) consistem em maneiras de agir, de pensar e de sentir exteriores ao indivíduo, dotadas de um poder de coerção em virtude do qual se lhe impõe”.
O suicídio, por exemplo, é uma decisão coletiva e não individual como possa parecer, pois a pessoa que tende a ter um sentimento de ausência, de não pertencer a nenhum grupo social é pressionada pela sociedade por não se encaixar dentro dos fatos sociais.

Ana Sofia C. Natali - S.S Diurno
A Mudança é Necessária




 Os teoricos,cientistas, os contribuintes das organizações publicas sociais não intendem, não compreendem o quanto Durkheim com suas ideias e sua critica ideológica poderia modificaras questões mais conturbadas. Não se constrói e se organiza uma sociedade pensando das ideias para as coisas, para os indivíduos ,pois cada problema se denomina um fato social que conturba toda esta organização. O fato social é como uma formula de fsica ou química, um fato leva o outro e as instituições tem um dos principais papeis para a sociedade.
O exemplo grande de tudo que citei acima são as questões da criminalidade e a homossexualidade.

Um individuo cujo a instituição “família” denominada de base não tem toda esta estrutura “moral” para a formatação psicologia e emocional de explicar o quanto é importante  a frequência na escola e da educação por exemplo , tende a cair em um “MUNDO”  sem raízes e que perante a sociedade é vista como ruim e ilegal. Isso é só  um exemplo básico mais é generalizado com suas exceções mais mesmo assim evidentes.

 A homossexualidade  é um fato social modificado com o tempo pois antes era patológico o preconceito perante a opção sexual do individuo, e atualmente  a visão  é de OLHO TORTO para os homofônicos, coisas que mudaram com o tempo com o passar do desenvolvimento.
O fato social muda conforme  a sociedade  muda ela se desenvolve e a mudança é necessária para que o homem como ser individual  se transforme psicologicamente emocionalmente e interiormente.

Thamires Serviço Social Noturno 2012

Onde está a democracia?


           Todo mundo é igual (Mas Eu Não) - Gabriel O Pensador

Todo mundo esconde o sentimento
Todo mundo esquece o coração
Todo mundo sente o sofrimento
Todo mundo sente a solidão
Feito um inocente na prisão
Mas eu não vou ser assim não!
Você também, você mas eu não vou
Ser você também, vou ser sim
Mas eu não vou ser, não!
Todo mundo na competição
Todo mundo luta contra o tempo
Todo mundo pede explicação
Todo mundo acaba num caixão
Todo mundo se sente por dentro
Você também, vai ser
Todo mundo é igual, mas eu não!
Todo mundo esconde o pensamento
Todo mundo teve um nascimento
Mariana Aguiar Bezerra - SS diurno

Não use os talheres


    Às seis da manhã toca o despertador. João se levanta, vai ao banheiro lava seu rosto e começa a se arrumar, sai do banho, e ao se trocar sente o cheiro de café que sua mulher preparou. As crianças estão comendo para ir a escola. Todos saem. Marido e mulher para seus respectivos empregos e filhos para o colégio.
     João trabalha oito horas por dia em uma montadora de carros, ele coloca as rodas dianteiras da lateral esquerda de todos os carros que passam por ele. Ao meio dia sai para almoçar, sabe que a mulher faz o mesmo e que os filhos vão para a casa da avó, também para almoçar. A uma hora termina seu almoço, continua seu trabalho.
    Ao sair do serviço passa no mercado, compra o refrigerante preferido pela família e volta pra casa, sua mulher já havia pegado as crianças no curso de informática para o qual a avó os levará, e estava preparando o jantar. O dia fora exaustivo assim como todos os anteriores, seus filhos querem lhe contar o dia, mas, ­“o papai está cansado”, sua mulher pergunta se está tudo bem e como foi o dia, João de forma apática diz que foi tudo “bem”, apenas mais um como outro qualquer, o jantar é servido, as crianças brincam, sua esposa lava a louça e João..., João assiste televisão.
    Vinte e duas horas, todos para suas camas, afinal de contas o dia de amanhã se aproxima, e João sem expectativa alguma, sabe, exatamente, como será o seu dia.
    Um novo dia nasce, mas o despertador de João tem suas pilhas esgotadas, e se o despertador não toca, ele não levanta, sua mulher não acorda para chamar as crianças e fazer o café, eis que tudo o mais desanda. De repente  João assustado levanta e descobre o avançado da hora, o caos se instala, ele briga com sua mulher e põe nela a culpa de seu atraso, grita com as crianças, e sem tomar café, sai atrasado!
    Chegando no trabalho é repreendido pelo supervisor. Exausto pela correria e com fome, não consegue trabalhar, estressado de mais para se concentrar, atrasa a produção, recebe mais uma repreensão, porém, desta vez, seguida de uma suspenção de um dia com direito a redução salarial pelo prejuízo  causado e pelo dia de serviço que não irá trabalhar, indignado pela incapacidade de compreensão de seu chefe frente ao seu estado emocional, João o agride e é demitido.
    Enfurecido atravessa a rua, quase é atropelado, do outro lado da rua um mendigo pede que o ajude, que lhe compre um pedaço de pão, João o xinga de vagabundo a manda que vá arrumar um  emprego, o homem sentado no chão humildemente lhe diz, “eu já tive um emprego, mas por uma bobagem, fui demitido”, tomado por um sentimento misto de culpa e de identificação, João se vira e pede desculpas, e ao olhar bem para aquele homem, se imagina em seu lugar, tenta afugentar a imagem mas não consegue, se vê então impelido a convidar aquele homem para oque já seria a hora do almoço.
    Sentados a mesa de um restaurante simples, todos em volta reparam o sujeito maltrapilho e olham-no com desprezo, ambos ignoram o fato. Os dois começam a conversar, João conta seu dia, fala de sua indignação, mas são interrompidos pela comida que chega. Se preparando para dar algumas garfadas antes de retomar seu desabafo, João vê que se companheiro de almoço começa a comer com as mãos e interroga-lhe o ato, eis sua resposta: “ Ouvi o senhor contar sobre o seu dia e um pouco de sua vida, saiba pois o senhor que a minha não foi muito diferente. Eu trabalhava e tinha uma família, a vida não era fácil, nunca foi. Porém, em um dia que parecia como outro qualquer, o destino me surpreendeu. Me atrasei, e assim como o senhor culpei a esposa e briguei com meus filhos. Eu trabalhava em um restaurante, era garçom, e justo nesse dia, uma mulher muito rica, muito elegante disse que os talheres que eu havia servido estavam sujos e que não havia cabimento que eu lhe servisse talheres sujos, então ela me xingou me humilhou e eu não aguentei, despejei nela todo o meu pesar, como ela era cliente rica e influente, eu fui demitido. Voltei para casa depois de beber muito, o jantar estava servido, minha mulher se horrorizou com o meu estado, nós começamos uma briga, meus filhos jantavam mas obviamente pararam por conta da briga, um deles derrubou os talheres no chão, fora de mim, vi os talheres caídos e me lembrei da mulher que até então para mim, provocará minha demissão, tomado de fúria peguei os talheres e comecei a xingar meu filho, disse que ele era um desleixado, que não sabia o valor das coisas e que o faria limpar com a própria boca a sujeira do chão, e comecei a bater nele, minha mulher gritou, tomou-o de minhas mãos, e junto com  os outros filhos saiu de carro. Eles sofreram uma acidente...fatal. E desde então eu vago sozinho me perguntando o porque de tudo isso, foi por causo do relógio que não tocou, ou foi culpa da mulher rica e esnobe com suas regras de etiqueta ou quem sabe então dos talheres sujos? Talvez eu saiba de quem é a culpa, a culpa é minha, é sua, do seu patrão, de nossas esposas, da cliente esnobe e de todos que se permitem importar-se com regrinhas muitas vezes inúteis, como acordar as seis horas ou usar talheres adequados. E essas pequenas regras se tornaram para mim assim como são para você, grandes amarras, essas amarras me distanciaram da minha vida. Por isso eu escolhi viver sem elas, por isso eu como com as mãos, observo as crianças brincarem e não olho no relógio,  sinto o frio da noite e o calor dos dias. Sei que pareço um louco e que poderia estar vivendo mais dignamente, mas é da periferia que eu posso ver a realidade dos homens, sinto que não me encaixaria mais em outro espaço seguindo regras, sendo comandado.  Sou um renegado, e como renegado, rezo para que um dia todos também o sejam, pois quando todos forem, ninguém mais será, e então haverá a igualdade, a justiça, e as únicas regras válidas serão aquelas dos homens e das mulheres livres, livres para amar uns aos outros, livres para não serem cooptados, livres para não usar talheres.”
    João é um cidadão brasileiro, João é um cidadão do mundo.
    João sou eu, e é você, seu pai, sua mãe, seu irmão e seu vizinho.
    Todas as outras personagens fazem parte da nossa realidade, do nosso dia-a-dia. O João está começando a perceber isso, mas oque ele vai fazer depois, ninguém sabe. Bem na verdade, só perguntando pra saber.
    E ai João, vai fazer oque? 

                Ana Teresa _ 1º ano SS noturno

O fato social de Durkheim

Para Durkheim fato social é toda “coisa” capaz de exercer algum tipo de coerção sobre o indivíduo, sendo esta, independente e exterior ao indivíduo e estabelecida em toda a sociedade; como comportamentos, ética, padrões sociais, padrões politicos e tudo aquilo que provém dos modos como os homens estão relacionados à sociedade.

Ao contrario de Marx que buscou organizar as classes sociais e a sociedade, Durkhem buscou trabalhar o individuo e a sociedade. Ele acreditava que o indivíduo está preso a sociedade desde o seu nascimento. Todo o seu pesamento é fruto do que ela passou. O individuo é fruto dela, formado a partir dos padrões que a sociedade impõe sobre ele, como todos os seus pensamentos e costumes.

Porém, desde o nascimento até a fase adulta, o ser humano vai recebendo constantemente regras definindo o que é certo e o que é errado, formando o caráter do individuo, além de receber ele vai repassar esses padroes éticos, morais, entre otros, para as suas futuras gerações. Além de receptor passa a ser reprodutor.

Durkheim inverte a visão filosófica de que a sociedade é a realização de consciências individuais. Para ele, as consciências individuais são formadas pela sociedade por meio da coerção. Portanto, o homem, mais do que formador da sociedade, é um produto dela.

Marisa Silva - 1º Serviço Social - Noturno

IMPARCIALIDADE

      O PENSAR SOCIAL SE FEZ NECESSÁRIO PARA DURKHEIM, QUE DESENVOLVEU O PILAR DAS CIÊNCIAS SOCIAIS DA ATUALIDADE, ELE CONSIDERA OS FATOS SOCIAIS COMO “COISAS”, OU SEJA, ALGO A PARTE DOS INDIVÍDUOS. ELES SIMPLESMENTE EXSTEM E SÃO TRANSFERIDOS ATRAVÉS DAS GERAÇÕES, SENDO ASSIM AS PESSOAS SEMPRE ESTARÃO SENDO INFLUENCIADAS PELOS VALORES ADOTADOS PELAS SOCIEDADES NA QUAL ESTÃO INSERIDAS

           DANDO CONTINUIDADE AS PRINCIPAIS CONCEPÇÕES DE COMTE E DESCARTES, PRINCIPALMENTE NO QUE SE REFERE A ANÁLISE DO OBJETO, PROCURA DESPIR-SE DO SEU “EU”, PARA DAR AUTENTICIDADE AOS SEUS ESTUDOS E PESQUISAS, PRODUZINDO CIÊNCIA PURA.

           MUITOS CIENTISTAS SOCIAIS E ANTROPÓLOGOS DA ÉPOCA COMEÇAM A ADOTAR AS IDEIAS DURKHEIMIANAS EM SUAS PESQUISAS, PROCURANDO ESTUDAR, APRENDER E COMPREENDER O OUTRO, OS ANALISANDO COMO SOMENTE UM OBJETO DE ESTUDO. ISSO NÃO SIGNIFICAVA MENOSPREZAR OU INFERIORIZAR O OBSERVADO, APENAS SE CONSIDERA PRECISO OLHÁ-LOS SEM LEVAR EM CONTA, TODA BAGAGEM CULTURAL E EMOCIONAL DO OBSERVADOR.

          PARA MUITOS SE TRATA DE UMA POSTURA FRIA E CALCULISTA, ENTRETANTO QUANDO SE PENSA NO DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA, ESSA IDEIA É RECORRENTE. ACREDITO QUE A COMPLEXIDADE DE SER IMPARCIAL SEMPRE EXISTIRÁ, E CABE AOS INTERESSADOS, EM FAZER A VERDADEIRA CIÊNCIA, A PROCURA DESSE DISTANCIAMENTO.


Giselle Morais - Diurno

Somos responsáveis pela sociedade

Com base na imagem e composição "Pequeno Cidadão", é evidente a influência que a sociedade exerce ao longo de nossas vidas, mesmo que de forma subliminar.
Muitos vão questionar o papel da sociedade e até mesmo revoltar-se, mas a verdade é que nós somos a unidade que a compõe e portanto somos responsáveis e passíveis sobre o poder que ela exerce.
É característica do homem o convívio em grupo, sendo o grupo regido por leis e conduta, que nem sempre serão aprovadas por todos, mais responsáveis por manter, assim como já preconizava Comte a " Ordem e o Progresso".
O homem tem a necessidade de uma orientação, oferecida por meio da sociedade, sendo um meio de sobrevivência.
O que diferencia uma sociedade da outra será a quantidade e características das leis que a regem, mas o que as tornam comum é que todas vão impor as suas unidades (que somos nós) normas, sendo importante salientar que  caso haja resistência haverá de uma forma ou de outra a punição.
Portanto leis, morais e condutas vão variar muito de sociedade para sociedade mas jamais serão perfeitas e totalmente justas, pois são obra do homem, ser que está em descobrimento de sua real identidade.
Concluo que a sociedade será sempre uma faca de dois gumes.



Samara Santana - 1° SS / Diurno