quinta-feira, 10 de maio de 2012

Durkheim: sociedade como organismo biológico


Durkheim: sociedade como organismo biológico



                  Para Durkheim a sociedade tem que funcionar como o organismo biológico, como um órgão humano: se funciona mal, entra em colapso. Ela é um organismo vivo, daí a ideia de funcionalismo por isso não é apenas a célula que se deve ser observada, mas todos os órgãos.
                  Fato social independe do indivíduo, ele é induzido pela sociedade e quando há desordem na sociedade é chamado de “patologia” que pode provocar um colapso na sociedade.  Vários condicionamentos que a sociedade impõe o indivíduo como andar vestido, no casamento, dentre outros e onde o fato social deixa de prevalecer há desordem.
                  Para Durkheim a ideia que essa teoria seja aplicada na prática e o fato social que o indivíduo cria inconsciente é algo que brota da necessidade de organismos sociais para resultados satisfatórios. Nunca vamos analisar individualmente, mas sim um todo. Ex: pensar além do casamento. Cada sociedade é específica e tem de ter estudo voltado para ela. Durkheim é um pensador que contribuiu para a sociedade se tornar ciência e vai atuar na pesquisa de campo influenciando outros cientistas a entender de forma objetiva e um  dos pensadores principais da sociologia.
                     A perspectiva Durkheiniana tenta entender de forma profunda a sociedade e ir além dos finalismos. O mau funcionamento dos órgãos, a falta de políticas públicas e tudo que ele fala serve até hoje e não só em sua época. As funções surgem de uma necessidade dos indivíduos e temos de entender dentro de um contexto social para entender um indivíduo e seus referenciais. A sociedade tem de manter o mínimo da ordem porque senão, vira desordem e sempre pensando além do imediato. Para Durkheim a sociedade tem de contribuir para o todo, para que não forme patologias e para manter o equilíbrio da sociedade a solução é a tolerância, preservar a todos os direitos, impor regras, senão se torna o caus. Compreender cada elemento da sociedade como ele é, e não como queremos que seja.
                  
Keila S.Freitas.
S .S.Diurno

Presos as convênções

 Durkheim nos faz refletir sobre a sociedade, suas normas, leis, seu funcionamento e como ela interfere e influência na vida do homem, desde o nascimento estamos engajados em suas convenções e é praticamente impossível nos libertarmos. Para Durkheim as normas da sociedade são extremamente necessárias para evitar um caos na convivência humana, por exemplo se as pessoas pudessem andar peladas pela rua concerteza seria um desastre, iria ocorrer mais estupros e outros fatores preucupantes.

 Temos que seguir as leis, normas da sociedade para que não sejamos punidos e até excluídos dela e para que ela nos aceite como cidadões normais e dignos, póis atos diferentes do convencional trazem estranheza no convívio social. Segundo Durkheim o casamento não é simplesmente a união de duas pessoas que se amam, para ele isso vai além, como se o casamento fosse uma partícula, uma célula essêncial para a reprodução e manutenção da sociedade sendo conhecida assim como Causa Eficiênte que causa necessidades e gerando assim as Instituições como por exemplo a escola que os filhos do casal iram frequentar.

 Durkheim  está preucupado com a causa primeira e não com suas finalidades, por exemplo um indivíduo que se torna um assacino, para ele o importante não é o final, o ato de matar outros indivíduos e sim o começo da tragetória dele, a família em que ele estava inserido, as influências, as condições que este indivíduo teve que passar até chegar no ato final. A sociedade nos influência a ponto de perdermos nossa liberdade e um pouco da nossa individualidade nos tornando seus seguidores e cumpridores de deveres impostos por ela.

 


 

 

Gabrielle Stéphany N. Sgarbi 1º ano SS Diurno