sexta-feira, 25 de maio de 2012

"Mentes Por Trás do Sistema"


A diferença do socialismo utópico para o socialismo científico é simples: a idealização por si só e a concretização dessa idealização. Não basta simplesmente criar ideias magníficas e conceitos que mudariam quaisquer problemas mundiais, é preciso resolvê-los na prática.

Friedrich Engels cita as suas ideias e de Marx sobre o socialismo. O socialismo utópico não se mostra viável por não atender a realidade da sociedade, ficando preso ao plano metafísico. O socialismo científico, como o próprio nome já diz, remete a pratica de tais ideias, encontrando, por exemplo, o caminho para que os bens não fossem retidos em classes sociais distintas da sociedade, quebrando o começo do capitalismo daquela época.

Apesar das ideologias apresentadas por Engels em seu texto “Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico”, a minha concepção é de que essa ‘revolução’ não seja facilmente aplicada à sociedade atual. Os instintos fazem parte da cultura de cada população e são aflorados de acordo com influências externas. Desde pequenos sofremos a pressão que surgiu com o capitalismo a partir do lucro retido na burguesia, pressão que se aplicou em vários estados do ser humano.

Não é acreditar que o capitalismo seja bom para uma SOCIEDADE. Ele é bom para uma PARTE da sociedade. Só que acredito que o fanatismo muitas vezes apontado por Marx leva a crer que a distribuição de todos os bens seria como uma válvula de escape para a degradação que a competitividade levou à população mundial, quando na verdade deveria existir um trabalho em cima da mentalidade de cada ser humano, clareando sua consciência, pois um sistema não é nada sem uma cabeça pensante por trás dele. 


Marina Borges - 1º ano S.S. - noturno.

As ideias de Engels e Marx nos dias de hoje

No texto "Do Socialismo Utópico ao Socialismo Cinentífico", Engels e Marx aborda as diferenças entre os termos Socialismo Utópico ( que apenas criava ideias na base da destruição completa dos privilégios da burguesia e nada fazia) e Socialismo Científico ( que analisava a  realidade, propunha medidas sensatas de uma sociedade igualitária sem classes sociais). A dialética dos movimentos e transformações sociais da qual a metafísica negava, e o materialismo existente no capitalismo.

Podemos no entanto, relacionar essas ideias como a atualidade. Como o próprio Engels dizia, o socialismo é um processo incontornável da história, da qual nunca se estabeleceu fixamente por completo. A luta interminável entre a classe dominadora e a classe dominada existe e certamente existirá por muito tempo, podendo ser que nunca findará.

A situação vivida por nós reflete muito essa realidade. Os nossos socialistas, na maioria deles, não passam de utópicos. Ideias, ideias e mais ideias com a mesma linha de raciocínio, não leva ninguém a lugar nenhum. E o poder dos dominantes cada vez mais fortes e indestrutíveis, fazem com que a exploração da classe proletariada não veja outra alternativa a não ser se deixar dominado por conta da sobrevivência. "Se eu não trabalho para o capitalista, eu não vivo".

Sem falar na imposição materialista do capitalismo às nossas sociedades. A publicidade em sua maior parte nos envenena e nos leva acreditar que não importa o que somos, e sim o que temos.
Um exemplo disso é o comercial do carro Fiat Stilo, onde o telespectador é apresentado com o slogan "ou você tem, ou você não tem", induzindo a pessoa a acreditar que se ela não tiver um carro desse, a mesma não terá uma vida social tranquila, ou uma vida amorosa bem resolvida, já que, as mulheres desses comerciais sempre preferem os homens com os carros dessa marca. Dá a entender que, se não você não tiver um carro desse, sempre será trocado por alguém que tenha. Ou seja, induzindo a pessoa ao consumismo.



Mariane Stabile Gomes - 1º ano Serviço Social - Diurno.

A OPRESSÃO DO CAPITALISMO: O DIA DE JOÃO.

Certo dia João acordou e se questionou...
Qual o seu papel na sociedade?
João, um rapaz muito simpático,
e de meia idade
percebeu que estava em um mundo apático.
João acordou às seis da manhã
tomou seu café correndo
saiu em disparada para não perder o ônibus.
Ônibus... lotado.
Que azarado!
João chega atrasado!
Bate cartão,
segue para a produção.
João tem que ser esperto,
para que não fique no aperto.
Mal acaba de fazer um e já chega outro.
João está cansado...
e ainda não são nem dez da manhã,
falta duas horas para o almoço.
Pobre coitado!!!
João ainda se questiona....
Qual o seu papel na sociedade?
Mas não pode perder tempo e pensar...
Não pode ter essa vaidade.
Precisa produzir!
Hora do almoço....
Que boa hora,
João pode enfim descansar.
Aquela marmita esquentada em banho maria, fez João pensar:
Qual seu papel na sociedade?
Uma hora já passou...
João cochilou e se assustou quando despertou...
Hora de voltar para a realidade.
João, novamente bate cartão,
segue para a produção....
João não pode parar, produção em escala.
João exausto, pensa em desistir.
Mas ele necessita...
então se cala.
João continua a pensar...
Qual seu papel na sociedade?
Se alegra falta apenas uma hora.
De repente ... a notícia...
João fará cerão.
Pobre João!
Continuará na produção...
Enquanto isso...
O dono da produção....
está tranquilo em sua mansão.
João percebe que se exausta todo dia,
para que outro viva em bonança e alegria.
E continua na produção.





Bárbara Sousa Piraí
1º Ano Serviço Social - Noturno.
UNESP - Franca

O egoismo do capitalismo


O capitalismo esta engajado no nosso cotidiano desde o nascimento e não adianta correr, fugir e muito menos se esconder, ele esta sólido afinal na sociedade em que vivemos precisamos do capital para nos alimentar, ter uma casa e uma vida digna, na constituição todos somos iguais e temos os mesmos direitos, mas sabemos que na prática é bem diferente, vamos imaginar os direitos e capacidade de competição pela sobrevivência que um mendigo tem e os de um empresário, o mendigo é mais vulnerário, passa mais dificuldade enfim os indivíduos que possuem maior capital têm mais condições de sobrevivência, respeito e vivem com dignidade.
 O capitalismo diferencia as pessoas, quem tem dinheiro pertence a uma classe que na maioria das vezes é dominante e tem preconceito com indivíduos de classes sociais com menos condições e vice e versa, gerando muitos conflitos quem não tem capital e mora na favela fica taxado com ladrão, vagabundo, e às vezes não é o caso, esse preconceito existe principalmente nos relacionamentos afinal uma menina "burguesinha" com tantos pretendentes que tem condições financeiras favoráveis iria querer com um garoto pobre "favelado", na concepção de muitos ela estaria perdendo o tempo dela e desperdiçando seu futuro. 
 Engles queria acabar com essa sociedade mesquinha, ele queria acabar com os mendigos nas ruas, queria transformar a sociedade capitalista em uma sociedade utópica onde todos seriam iguais e teriam os mesmos direitos perante a lei e principalmente na prática. Engles e Marx propõem um método chamado materialismo dialético que diz temos que olhar e analisar a sociedade como um todo, observando a natureza e vendo nela um conjunto de elementos que são dependentes entre si.
  Refletindo sobre como seria se a nossa sociedade capitalista se transformasse em uma sociedade socialista não haveria a exploração do homem pelo próprio homem, todos iríamos trabalhar pela coletividade e não apenas para um “patrão” que iria enriquecer sozinho e todos os seus trabalhadores iriam permanecer na mesma vida. Não iria haver tanta produção desnecessária, compramos o que não precisamos por influência do capitalismo, só para juntar mais e mais coisas que geralmente serão inuteis na vida do indivíduo, as pessoas compram aquilo que não precisam para mostrar pra quem não gosta por influência do mercado.







 Gabrielle Stéphany N. Sgarbi 1º ano SS Diurno

Marx e Engles, socialismo utópico e cientifico.

Saint Simon, Owen, Proudhon… entre outros, são os pensadores que defendiam um modo de socialismo utópico (ou primitivo), que só idealiza a sociedade igualitária, mas não aponta meios para se chegar até esse tipo de sociedade. Já o científico, de Marx e Engels, eles apontam os meios para se chegar ao socialismo.

Marx e Engels criticavam a fragmentação dos objetos para obter a clareza (obcecado pelas arvores, não consegue ver a floresta), a perda de visão do todo, a antítese sem lugar para a síntese é uma negação a dialética.

Ambos os pensamentos socialistas vão contra o capitalismo, não só contra o regime em si, mais em todos os aspectos dele, para Engels o socialismo é um percurso incontornável da historia e não como obra do gênio humano, já que a exploração das relações sociais no capitalismo trará a necessidade do fim dele, as relações familiares sofrem com as influências do capitalismo, o medo do interesse do outro impede que as pessoas dividam seus sentimentos. A divisão de classes que o capitalismo forçou, construiu barreiras entre os relacionamentos pessoas e diários, é só observar o modo como a burguesia olha e age para com as pessoas das classes baixas.

O filme “Era uma vez”, coloca em cena essa realidade vivida em muitos lugares, porém, com mais força e clareza no Brasil.


“minha mãe sempre disse: -‘ rico é rico e pobre é pobre’, mais toda vez que eu via ela, eu esqueci disso.

Luísa Fernandes 1°S.S - Diurno

A Tese muda a Síntese muda o Mundo muda ! (O MUNDO MEU ENSINOU A SER ASSIM)


Sinceramente dês de quando me entendo por gente não consigo olhar a realidade a minha volta sem me revoltar com todas as situações que eu já cheguei a presenciar.
Me lembro de estar com onze anos de idade em uma escola publica onde a realidade era exposta da pior maneira e por conta deste mundo minhas perguntas sempre eram as mesmas: Será que ninguém se importa?Será que as coisas vão ser sempre desta mesma maneira? Qual será o problema chave para tudo isso?
O tempo passou mais minha indignação não vai passar já que dês daquela época a realidade não mudou.
Uma vez, nesta realidade, conheci um garoto estava na quinta serie. Era bom aluno, frequentava todos os dias a escola (o que era raro onde eu estudava) e quase não ouvia a voz dele dentro da sala de aula nem nos momentos de descontração com os colegas; fazer amizade com ele foi difícil mais eu não desisti dele, algo naquele ser me chamava atenção acho que era pelo fato dele ser tão sozinho e nunca fala nada com ninguém. Ele morava em uma rua  atrás da minha  e quando final,ente me confiava como amiga sem mais nem menos ele parou de frequentar a escola e na época por muitos motivos me aconselharam a não ir atrás nem de saber o que tinha acontecido com ele.
Três anos se passaram e eu já estava como bolsista em uma escola particular e por algum motivo ele foi me procurar na minha casa e conversando com ele sobre a vida compreendi os fatos que aconteceram na vida dele o simples porque de tudo: A mãe dele era usuária de cocaína dês da adolescência e tinha cinco filhos ele era o mais velho. Como um exemplo da condição de moradia que ele tinha, o banheiro de sua casa era um balde porque segundo ele nada na casa funcionada de maneira corretamente. Ele era o único que com onze anos se esquivava da mão pesada da mãe, pois quando ela entrava em crise ela espanca seus irmãos menores e sem reação ele saia e só voltava de manha, muitas vezes dormia em uma praça perto da minha casa. Estas crianças não dormiam e não comiam direito, a mãe não preparava comida e mesmo que quisessem eles também não tinham o que comer nas palavras deles a comida vinha se a visinha deles estivesse de bom humor no dia e ele era o único que frequentava a escola todos os dias os quatro irmãos quando a mãe acordava e não estava em crise eram levadas pra creche e assim só que eles comiam. ele contou que chegou um dia que ele se cansou disso tudo e não foi mais pra escola, que ele sentia uma enorme tristeza com a condição de vida que os irmãos levavam pois ele comia bem na escola e os irmãos apanhavam em casa inclusive o mais novo que era um bebe mais a mãe não o cadastrou na campanha de leite dos postos de saúde da cidade; então ele resolveu ir atrás de um emprego mais era jovem de mais pra conseguir um emprego que ganhasse meio salário mínimo que fosse e mesmo com a reciclagem de latinhas  não era o suficiente pra manter os irmão comendo então  a única forma que ele encontrou foi quando um traficante muito conhecido da área lhe ofereceu  um “emprego” de aprendiz(aviãozinho); e com este dinheiro ele começou a colocar comida na casa dele e pagar uma quantia para a visinha levar os irmãos pra escola quando ele não podia.Me falando mais sobre o assunto ele afirmou saber que a situação não é a mais legal e que ele entende o fato de não estar agindo certo vendendo  drogas ou traficando armas mais esta foi uma maneira tão fácil dele criar os próprios irmãos  e ele foi  bem claro quando me falou : O MEU MUNDO FOI QUE ME ENSINOU A SER ASSIM !Quando completou dezoito anos ele se mudou pra São Paulo  e a mãe dele faleceu então usando o nome de uma tia ele levou os irmãos pra São Paulo e mantém os irmão sem segurança, sem fome e estudando ,pois ele diz que não quer eu os irmãos seja como ele, ele quer que eles sejam “alguém na vida” e que esqueçam, que um dia passaram por todo aquele aperto.
É através desta historia que eu sei ser longa mais no pude deixar que ressaltar a realidade que eu presenciei e não foi só deste garoto e sim de muitos outros que chegaram ate a frequentar a minha casa, pude compartilhar esta vida com todos deste blog. Hoje minha resposta a uma das minhas perguntas da quinta serie foi respondia: O problema chave para tudo isso esta na ganância  de poder e de riqueza que o capitalismo proporcionou, é tudo uma cadeia uma coisa puxando outra ate chegar em uma classe onde  os indivíduos nela presente não veem outra saída a não ser ir pra  criminalidade,onde o pobre é humilhado, onde a fome é existente sem dó,onde o individuo tem muito mais voz do que um SOCIAL, onde é preciso chorar para não matar.Em meio a este meu amigo existem muitos outros João,Joaquins,Mariazinhas que passam por este problema, e por mais que sejam maioria, a minoria é a única que ganha voz pra exigir decisões sobre uma maioria.O trabalhador “camela” para sustentar um burguês!
Se a ideia é chegar a um socialismo, com certeza se muitos onde eu moro tivessem acesso talvez a estes conhecimentos estariam torcendo para que este sistema fosse implantado depressa, seria a oração deles antes de dormir, a prece após acordar. Eles esperariam todos os dias para que o momento propício acontecesse logo.
A nossa tese muda, a antítese se renova e a síntese se reorganiza na medida em que a sociedade se modifica, é estudando o mundo como ele foi e é que podemos ver o que falta e o que é bom pra ele, visando um bem comum sem pensar somente em um individual mais em um todo. Se a luta de classes sempre existiu  e a questão material como diz Marx  é  a que realmente promove transformações.
Que mundo é este que ensina a roubar, quando a condição de vida não lhe é favoral, que mundo é este que mostra o quanto é legal ter fartura na mesa quando milhes de pessoas não tem o que comer todos os dias?


 ASSISTAM

Thamires de Oliveira 
Noturno :D

Produzir Bem estar e não Mercadoria e Riqueza

 Como podemos observar, o socialismo se encontra possível a partir  do capitalismo, o que quer dizer muito bem que a riqueza pode se socializar, ou seja, pode se dividir igualmente entre todos. Só que primeiramente tem que haver uma interpretação rigorosa da sociedade obtendo assim um diagnóstico para se tomar a devida ação.
 No entanto, se não haver essa análise, entramos no obstáculo enfrentado pelo socialismo utópico que consistia em: como fazer para a sociedade aderir tais atitudes? Resumindo, era só um ideal sem buscar o entendimento da realidade.
  Já nos pensamentos de Engels e Marx nos deparamos com o método da dialética materialista, onde há uma análise e proposta para a mudança, o tempo e as condições dadas dentro de uma sociedade é o que serviria de mudança, usando a ciência a favor do bem estar, e assim vem a tona que o socialismo é uma necessidade humana. São as condições reais de vida e essas sendo materiais em constante modificação que resultará em revoltas , como se fosse uma panela de pressão que chegando a um certo estágio não aguenta mais a pressão e explode, daí vem a existir a tese ; a antítese que vai contra a tese e seu resultado, a síntese, definida como a nova situação, discrevendo a dinâmica em movimento, quer dizer, as lutas sociais modificando a realidade precária.
 Vê-se também a tecnologia e a importância das descobertas científicas visando a perspectiva do bem estar de todos e não à de mercado, que alimenta cada vez mais o capitalismo, este que coloca a sociedade trabalhadora em realidade extremamente precária, tornando o proletariado em escravos de produzir riqueza os colocando em uma classe incapaz de ter sustento para suprir suas necessidades básicas que é digno de todo ser. E é atravez da ganância pelo modo de produção, esta, que usa e abusa das carências da classe trabalhadora e vai criando um grupo cada vez mais pobre e dependente de bem estar, portanto vamos observando explicitamente a marginalização de um povo.


    

- Letícia Reis Lunardelli/ 1º SS/ noturno