domingo, 27 de maio de 2012

Sociedade em movimento, indo pra onde?



 Na absurda propaganda acima vemos claramente a importância do mercado para o capitalismo, pois este se fortalece através da exploração do trabalhador que vende a sua mão de obra por muito menos do que ele realmente produz ,criando um excedente que é apropriado pelo capitalista o que é chamado de mais-valia. E se já não bastasse ser explorado e alienado pelo seu trabalho, o mercado ainda o obriga a consumir de forma desenfreada, para reafirmar ainda mais esse sistema onde o importante não são as pessoas, mas sim o que elas produzem e consomem. E é justamente o contrario que o socialismo vem propor, pois em uma sociedade socialista o foco deve ser o bem estar das pessoas.
 Nesse contexto uma importante ferramenta é a dialética, que procura ver o movimento da sociedade através de teses, antíteses, e sínteses.  Para exemplificar isso vamos pensar em uma situação pessoal, durante o meu ensino médio eu tinha como tese uma escola que me oferecia pouquíssimo apoio a questões relacionas a futuro profissional, vestibular, e afins, o que gerou como antítese em mim a ideia de um projeto a ser realizado com os alunos para suprir essas faltas, o que resultou na síntese de hoje eu realizar esse projeto em proporções menores do que a idealizada, infelizmente não suprindo ainda todas as demandas, mas que consegue levar um pouco mais de informação, e modificar dentro do que possível àquela realidade. E essa síntese é agora a nova tese que gera novas antíteses e resulta em novas sínteses constantemente.
 O capitalismo e o seu modo de produção explorador que submete o homem a situações precárias de sobrevivência, e gera grande desigualdade social, possibilita o surgimento da ideia de uma nova forma de organização da sociedade,que busque a igualdade e o bem estar do homem, o que chamamos de socialismo, porem essa questão é muito mais complexa, porque mesmo o trabalhador sendo explorado e vivendo em péssimas condições, ele é manipulado e conduzido a não refletir sobre essa situação, dificultando assim que ele se organize e modifique esse sistema. A dialética da sociedade não caminha apenas de forma linear, por isso é extremamente difícil saber os rumos que a sociedade vai tomar, e mais ainda saber se realmente serão melhores.
Tatiane Cardoso 1° ano SS diurno 

A ideia de Socialismo


A ideia de socialismo se refere a uma sociedade igualitária, porém não basta à vontade de construir o socialismo, é necessário compreender fundamente o que é o capitalismo, saber analisar a sociedade e interpretar a sua trajetória. Pois o socialismo só é possível a partir do capitalismo.

A luta de classes é simultaneamente uma luta econômica, assim apesar das diversidades aparentes, escravidão, servidão e capitalismo seriam apenas fases sucessivas de um processo único. O capitalismo proporcionou uma luta mais intensa entre as classes, de um lado os exploradores e do outro os explorados.

Para Engels e Marx o socialismo era uma controversia do capitalismo, um sistema unico de sociedade (o comunismo), que deveria ser implantado para o bem da sociedade. Também, vale ressaltar o materialismo dialético que visava enxergar as reais condições de vida e sobrevivência.

Portanto, o socialismo é um método criterioso de interpretação do mundo e suas desigualdades, ao qual, não é fruto de algo construído no pensamento e sim a partir de uma realidade. Porém, implanta-lo no mundo atual seria uma utopia para a grande maioria das pessoas.

Marisa Silva– 1º Serviço Social – Noturno

Projeção artificial antagônica de um ciclo regressivo social



Friedrich Engels em “Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico” nos apresenta a progressão do socialismo científico, como método de análise do mundo, possibilitando o diagnóstico centrado no estado empírico social, para compreensão da realidade, da hierarquia das classes sociais que fundamentam o sistema capitalista. Conseqüentemente, quebra com o paradigma do socialismo idealizado, pois, a partir de sua concepção juntamente com as de Marx, preconiza que seja desconstruído o “idealismo social”, visto que esse método não provoca mudanças relevantes e reais no meio social.

Além disso, aborda uma crítica ao sistema de “exploração e dominação do homem pelo homem”, todavia que o capitalismo produz o desenvolvimento de riquezas; porém a falha no sistema capitalista não seria em produzir riquezas, mas sim, na distribuição desse desenvolvimento dentro da sociedade. Para que isso seja transformado e possa ser aplicado à realidade, seria necessário reestruturar e moldar a sociedade nas perspectivas cooperativas, extinguindo o caráter estrutural econômico central.


Contudo, a condição na escala social humana é recorrente da falha no sistema capitalista, que concentra o mais alto desenvolvimento cientifico, tecnológico e filantrópico, resultante do labor da produção das classes submissas, mantido na mão da elite social, construindo um clico regressivo social.


A partir disso, a realidade molda o pensamento humano, sendo assim, as condições econômicas e sociais provocam uma escassez materialista, que conseqüentemente origina uma antítese nas classes sociais, submissas as condições do meio de produção. Essa insatisfação na posição ocupada originaria uma síntese, um conflito e estado de revolta.


Em suma, o próprio ser humano despido das condições materialistas, seria apenas uma idéia, desconstruído de nenhuma característica material social. Para que as necessidades econômicas e sociais sejam reestruturadas é preciso mais que uma simples projeção artificial de que o sistema capitalista é antagônico e sim que o próprio ser social deve ser condicionado a uma realidade que possibilitará novas perspectivas. 


Caroline C. Borges da Silva / S.S. Noturno 

SOCIALISMO/CAPITALISMO

Para Hegel e Marx a sociedade é movida pelo capitalismo, infelizmente, pois assim a burguesia está no comando e não os proletariados, pela força de trabalho.
O socialismo é de certa forma a preocupação com a justiça da sociedade, e não uma disputa e somente interesse por valores como o capitalismo.
Na dialética, Marx defende que o materialismo é o que transforma a sociedade, diferente de Hegel que acredita que tudo são ideias. Em que a partir de uma tese se tem uma afirmação ou negação e podem produzir diferentes resultados.
Logo, podemos concluir que com o capitalismo é impossível lutarmos por uma sociedade com igualdade e justiça.

A exploração capitalista

Com a revolução capitalista surgiu um novo período em que a liberdade pela qual tanto lutaram , nada mais foi do que uma liberdade burguesa onde só favoreceu uma classe , a burguesia, que tomou o controle de tudo e todos ate mesmo da vida dos trabalhadores que tinham que trabalhar ate 18 horas por dia em condições miseráveis enquanto os capitalistas ficavam cada vez mais ricos.E essa exploração do trabalhador ainda que seja diferente ainda persiste.Enquanto muitos trabalham em condições ruins ,os patrões lucram cada vez mais pelo sistema da mais-valia.
  E o consumo cresce cada vez mais aumentando o mercado capitalista,com suas propagandas induzindo as pessoas a comprarem sempre mais e mais ,colocando ilusões na cabeça das pessoas de que a felicidade esta em um carro novo ou em um celular novo. E enquanto esse consumo cresce sempre mais e mais a exploração dos trabalhadores também cresce.Não devemos achar esse tipo de exploração algo normal, devemos estar sempre lutando para garantir nossos direitos de trabalhadores e lutar contra essa exploração, como Engels sugere em seu livro “Do socialismo utópico ao socialismo científico” os proletariados tem que se unir contra a exploração do capitalista.


Brenda Stefany de Sá Santos - 1º ano SS diurno

Socialismo: utópico... Científico.

“Para converter o socialismo em ciência, era necessário antes de tudo, situá-lo no terreno da realidade”
Frase usada por Friedrich Engels, para fazer uma crítica ao socialismo utópico que consistia em uma necessidade de modificação da sociedade a fim de torna-la mais justa e igualitária, porém seus idealizadores não encontraram uma maneira concreta e nem meios para que a sociedade se estabelecesse dessa forma.
É nesse contexto que Engels traz a ideia do socialismo científico, discutindo primeiramente os limites e equívocos do socialismo utópico, ele começa a desenvolver sua teoria partindo da análise crítica e científica do capitalismo.

“Desse modo o socialismo já não parecia como a descoberta casual de tal ou qual intelecto genial, mas como produto necessário da luta entre as duas classes formadas historicamente: o proletariado e a burguesia”.
Foi estudando o capitalismo que Engels chega à concepção materialista e sintetiza características do método dialético, mostrando que é a partir dai que é permitido a análise científica do modo capitalista de produção, e o entendimento de como se dá a exploração do trabalho sob esse regime.
  • Partindo de tudo que entendi sobre essa ponte entre o socialismo utópico e o socialismo científico, afirmo minha opinião positiva sobre o posicionamento de Engels. Acredito que até nas coisas cotidianas da vida, para ter um posicionamento sobre determinado assunto, torna-lo concreto e verdadeiro, é necessário um estudo prévio do que se antecedia, do que acontece atualmente e de que forma é possível coloca-lo em prática. Então, o socialismo científico, expressa os avanços do pensamento filosófico, encaminhando para que além de idealizadas as coisa se tornem reais.
Marília Barichello Barbosa da Silva 1º SS diurno

Bases do mundo-Socialismo Utópico


Analisando  as condições de vida e de trabalho da classe operária. Havia muitas queixas entre elas excessivas horas de trabalho, salários baixos, multas e o sistema de permuta segundo o qual os patrões pagavam em gêneros e não em dinheiro.Tudo isso isso gerado pelo capitalismo.
Na opinião dos socialistas utópicos o capitalismo teria de ser substituído por uma sociedade nova. 
"para converter o socialismo em ciência era necessário, antes de tudo, situá-lo no terreno da realidade".




‘’Então quer uma explicação pratica do motivo do Socialismo Utópico?
Bem, isso é fácil:
Enquanto o mundo for dos espertos como dita com orgulho nossa sociedade, não só o socialismo será utópico, mas também o anarquismo, a contribuição para um mundo melhor
e a própria humanidade.
É preciso mudar as bases para mudar o mundo’’

Trecho retirado do Artigo escrito por Denis Rodriges



Amanda Bacin Ramalho 1ºss-Diurno


O texto  “Do socialismo utópico ao socialismo científico”, nos dá uma visão bem clara desses dois tipos de socialismos e seu desenvolvimento ao longo da história.Apesar de conterem teorias parecidas ,esses dois tipos de socialismos se distanciam ,principalmente ,na prática.
Primeiramente ,entre os séculos  XVI e XVII,surgem as primeiras teorias utópicas  de um regime social idealizado,pela conhecida classe burguesa da  época ,onde o direito de igualdade não deveria ter restrições sobre classes distintas.Essa mesma classe burguesa ,consegue mais tarde ,aos poucos, diminuir o poder da nobreza,começando pelo desenvolvimento do capitalismo,sob  a revolução  da indústria e os novos meios de produção e  trabalho,que antes ,tinha o fruto de tal trabalho ,como bem próprio do trabalhador e que agora ,este produzia  com ferramentas não próprias e não era dono do fruto de seu trabalho ,  só era mal pago pela sua produção.E será nesse novo contexto  ,que surgiram novos problemas sociais ,com a nova classe criada ,os proletários,que vão acentuar ainda mais as idéias de uma sociedade mais justa  ,sobre teorias sempre baseadas na idéia e nunca na experiência ,motivo pelo qual esse tipo de socialismo é conhecido como algo só imaginário.
Logo mais ,esse socialismo receberá críticas ,justamente,por não saber como implantá-lo na sociedade ,dando início ,a uma nova corrente de teorias ,que ficará conhecida como socialismo científico,criado por Karl Marx e Fredrich Engels .Essa nova teoria ,tinha como base ,as raízes do capitalismo para  se desenvolver ,buscava as causas dos problemas e diferente do utópico,procurava meios de implantá-lo ,pois acreditava que isso aconteceria ,por meio de experiências ,seguidas de profundas análises e críticas ,ao contrário do utópico ,que não saia da imaginaçãoe que acreditava que sua implantação aconteceria sobre o aceitamento passivo e lento no futuro ,sem ser preciso depender de meios.
Mas enfim ,tanto um socialismo quanto outro ainda não foi capaz de superar a força do capitalismo  que se alastra cada vez mais em nossa sociedade ,nos obrigando a conviver ,muitas vezes oprimidos de nossos direitos e dominados por uma minoria ,exatamente como acontecia lá no início da histórias,onde existia aquela famosa pirâmide de classes ,fato que se analisarmos ,perdura até hoje ,só que sobre outras formas.
 SOCIALISMO O ÁPICE  DO DESENVOLVIMENTO.



A própria historia e o tempo que regia cada sociedade levou - nos a construir características muito semelhantes uma das outras, como por exemplo, o espirito competitivo e a hierarquização das classes, que emancipou a concepção que as ações ideológicas como tal seriam da natureza humana; em contra partida o investimento na educação com conceitos opostos ao individualismo, gerando pessoas de personalidades que priorizassem as necessidades da população, ilustrariam bem a visão de Engels.

Condições Sociais de Vida baseadas no cooperativismo ou ainda no socialismo que se livraram da abstração onde não bastava analisar as ideias, e sim o real e o concreto, formando uma Antítese a trajetória do desenvolvimento humano atual. Séria, portanto, um fetiche da economia ser socialista, eliminando de vez a mancha que as tentativas de implantar tal forma de governo deixaram na economia estatal planificadora ou ainda seus sistemas econômicos mistos quando lhes era convenientes.

O capitalismo permitiu a produção excedente, o desenvolvimento tecnológico e a globalização o próximo passa da humanidade está em reorganizar as riquezas tornando-os bens comuns.



Thais Pereira da Silva  1ºSS - Noturno.

                                              Injustiça social

 Passo frio, fome, apanho e sofro em uma sociedade que só se importa com o capitalismo para obter lucros e poder,  comprar roupas de marca. Todos os dias, eu escuto notícias horríveis e vejo as pessoas reclamando da vida, mas elas não fazem nada para melhorar.
 Quando estou deitado na rua escuto várias delas dizendo:
- Ele não presta, só fica bebendo e fumando, não tem trabalho nem família só está estragando a sociedade. Imagina se nossos filhos ficam iguais a ele?
 Ouço tudo isso calado, porém em meus pensamentos sinto vontade de matá-los; que seres humanos execráveis e hipócritas. Acham que eu escolhi ser um morador de rua: não pedi para aquelas pessoas que se diziam meus pais me abandonarem, muito menos me mandarem pedir nas ruas, porque não tinham dinheiro para comprar maconha.
 Cresci assim, no meio das drogas e da violência, nunca me ensinaram a coisa certa, só me diziam:
Roube, peça dinheiro, faça o que for preciso para comprar nossa maconha, pois senão eu te mato e coloco na rua.
 Nunca aprendi o que é o tal de amor que as pessoas dizem ser bom e capaz de mudar o ser humano mais cruel do mundo. Sou vítima de um sistema capitalista e nem sei direito o que é isso, entretanto tenho certeza que isso vai acabar com o ser humano se ele não tomar cuidado e tentar encontrar maneiras para se livrar desse mal que desmorona a sociedade aos poucos e faz com que aqueles que não têm dinheiro vivam na miséria, sem dignidade. 



- Mayra Ribeiro de Oliveira/ 1º SS/ noturno.


Sociedade Humanista?

Capitalismo é um regime
De pura escravidão
Somos escravos do consumo
E assim se sucede a cada geração

Status, dinheiro e tecnologia
São muito importantes para a sociedade
Já a fome, a violência e a desigualdade
São uma vergonha para a humanidade

Porem o capitalismo é importante
Para o desenvolvimento mundial
Já socialismo, Ó o socialismo
Seria a chave para a igualdade social.

Vivemos em um mundo de exploradores e explorados
Onde a mão de obra foi trocada por tecnologia
Mais será que um dia a sociedade será mais humanista
Ou viveremos para sempre introduzidos nessa ideologia?


Lais Fernanda de Oliveira   1º SS Noturno

Socialismos

Neste texto gostaria de traçar bem diretamente a diferença entre o socialismo utópico e o científico, e tentar mostrar como ambos ainda tem alguma participação no dia-a-dia da nossa sociedade atual.


Uma das maiores diferenças que podemos notar entre o socialismo utópico e o científico é a visão que os dois tem quanto à formação da psicologia e caráter humanos.
Segundo o industriário britânico Robert Owen, defensor do socialismo utópico, o caráter humano era fruto das condições do local em que ele se formava, ou seja, a adoção de práticas sociais que desse prioridade à felicidade e cooperação poderiam superar os problemas de uma economia capitalista. Neste modelo encaixam-se os programas de auxílio do nosso próprio governo federal, como o bolsa família, por exemplo, direcionados a aumentar a felicidade coletiva, ou ainda os programas de bem estar coletivo que estão sendo incutidos dentro de várias grandes corporações pelo mundo inteiro. Mesmo Owen em sua época implantou medidas visando melhorar as condições de seus empregados, reduzindo as jornadas de trabalho e preocupando-se com suas condições de educação e moradia.


Em um paralelo total, Marx afirmava em seu socialismo científico que a visão de mundo, e a psicologia humana é um reflexo total da economia de nossa sociedade. O que ocorre na Grécia hoje, um país outrora orgulhosamente parte da União Européia, lugar próspero e moderno, encaixa-se neste modelo, já que no último ano o que mais vimos é um povo grego cada vez mais revoltado e desesperado, vendo o seu país ruir economicamente, diante da maior crise que a zona do Euro já viu, e inclusive ameaçado de ter que deixar o bloco econômico.
Quero, com estes exemplos, demonstrar como ambas as visões ainda permanecem de certa maneira presentes no dia-a-dia de nossa sociedade atual.


A grande crítica que os socialistas científicos faziam sobre os utópicos era o fato de que estes projetavam uma sociedade sem antes levar em conta as suas raízes capitalistas, tomando como a sociedade fosse mudar de um modelo a outro, esquecendo totalmente qualquer idéia enraizada anteriormente. Isto, claro, de um ponto de vista totalmente analítico da sociedade em geral, e não em resquícios ideológicos das teorias como demonstrei com os exemplos anteriores.

Noelly Jayne
1º Ano de SS Diurno
Fale baixo.... Eles podem escutar!!!!!



 















O iluminismo , foi uma corrente do século XVIII na qual defendia a razão e a liberdade, assim como a econômica, ou seja, igualdade e fraternidade. O iluminismo foi eficiente até determinado ponto, como superação do absolutismo monárquico espaldado de privilégios, mais com alguns avanços da Revolução Francesa atinge seus limites, até se transformar em crítico, pois esta liberdade pregada era sem limite além de ser uma liberdade de mercado e não social, assim a burguesia cria seus próprios privilégios, e uma nova forma de dominação, assim quem tem o capital se sobrepõe. Assim do absolutismo passou para o absolutismo do mercado, assim este em contraposição pois o povo é livre mais são escravizados pelo capital, assim há uma necessidade de emancipação real pois o Iluminismo não conseguiu realizar.
Saint Simon, Owen e Fourier, criticava esta sociedade selvagem e desigualitária, assim como Simon que dizia que os trabalhadores deveria eliminar os ociosos para assim diminuir a desigualdade, assim também Fourier via uma contradição pois dizia “ a pobreza brota da abundância”.
Engels era contra utópico pois este não valia para superação, não era uma razão pensante assim, não são as idéias que mudam o mundo e sim a interpretação do real, ou seja o socialismo científico assim como Marx, então chegaram a conclusão que a história humana se dá pela luta de classes, e para a superação desta deveria ter uma mudança na estrutura e assim seguir uma revolução do proletariado.
O socialismo para Engels, é o produto da exploração das relações na qual levar a um esgotamento e a superação do capitalismo. Esta exploração capitalista tem como exemplo a mais-valia, na qual é o segredo da produção pois este é um mecanismo de apropriação do capital pela burguesia.
Desde a idade média a sociedade é regada de privilégios, e com a decadência do feudalismo e a ascensão da burguesia junto com a Revolução Francesa, Revolução Industrial veio arraizado o capitalista, na qual o capital tornou-se cada vez mais importante, até mais   importante que o homem e o lucro é o segredo desta nova produção, assim o trabalhador é visto apenas como uma mercadoria a fins de acumulação do capital, assim a desigualdade é fruto desta forma de produção e com ela vem teorias como o socialismo de Marx na qual tem objetivo de igualdade na qual os trabalhadores assumiriam os meios de produção, mas a pergunta é ...
Até quando a alienação vai ser mais forte que a vontade de revolucionar ???


Bruna Alves Gazeta - 1° S.S -  Diurno.

O socialismo sendo produzido e explicado pela história.


As principais ideias que Friedrich Engels aborda em seu livro é justamente a distinção do Socialismo Utópico do Socialismo Científico, que vai partir da análise crítica e científica do capitalismo. Alega que para atingir o Socialismo Científico, é preciso compreender, analisar e interpretar o mundo real, livrando-o das garras e opressões do capitalismo que domina e explora completamente a vida dos indivíduos.
Já que o Socialismo quer entender todas as engrenagens do Capitalismo, é preciso romper primeiramente com as ideias metafísicas e ir muito além para poder superar as diferenças de classe, pois as ideias de liberdade, igualdade nesse novo sistema capitalista, já não bastam para garantir a emancipação do próprio homem. É também de extrema importância que as utopias socialistas não sejam aceitas, por serem baseadas em ilusões dos próprios autores iluministas (Saint-Simon, Fourier, Owen), cujas teorias não coincidem com a realidade concretamente existente e por isso, essas teorias não servem para explicar as reais condições da sociedade capitalista, só representa uma boa vontade desses autores que queriam que as diferenças de classe se extinguissem.
Julgava difícil convencer a burguesia (portadora de privilégios e dona do capital) a entender as convulsões sociais e Engels queria modificar o sistema capitalista para estabelecer a harmonia e a união entre as classes.
No segundo capítulo de seu livro, o autor explica a dialética, definindo-a como um movimento sem fim, por sua característica de renovação permanente. Essa dialética consiste em elementos contraditórios como a tese (afirmação), a antítese (negação) e a síntese (produto que se tem dos antagonismos, confrontos e contradições das relações sociais cotidianas), e este movimento dialético é um acúmulo de forças de várias pessoas que querem produzir modificações sociais cada vez mais amplas e rigorosas.
Relata no terceiro capítulo de seu livro que o Materialismo Histórico é denominado pelos acontecimentos históricos, e estes são determinados pelas condições materiais (econômicas) da sociedade. Afirma que a história da sociedade humana é a história da luta de classes, ou dos conflitos permanentes entre exploradores e explorados.
A compreensão dessa obra me permite refletir sobre vários aspectos como a mais- valia que demonstra a maneira pela qual o trabalhador é explorado pela produção capitalista, e o quanto somos movidos e condicionados pelo materialismo, devido ao nosso desejo de possuir bens materiais.

Larissa Martins, 1°SS- Diurno.


Quem é mais maleavel prevalece ate hoje : Capitalismo

No texto lido ''Do socialismo utopico ao socialismo cientifico'' observamos que o mundo idealizado aonde não haveria injustiças e a razão seria prioritaria para que não ohouvesse mais desigualdades sociais era uma visão dos utopicos encilopedistas e da burguesia que em plenos seculos XVII e XVIII queriam menos poder da nobreza e do clero perante a sociedade. Em tempos como estes a Industria foi se destacando como forma de progresso para os burgueses e exploração perante os operarios que em sua maioria trabalhavam cerca de 13 a 14 horas por dia nas fabricas sendo extremamente explorados pelos donos . Este desenvolvimento por mais que acontecesse em um processo não tão rapidamente já demonstrava as desigualadades bruscas sofridas pela população que saiu dos campos para as industrias em maioria textil , neste processo ocorreu um surto industrial , ou seja aglomeração de pessoas pertos das industria para facilitar a ida ate a industria , condições inapropriadas para estes operarios , acarretando assim uma exploração do trabalho humano em grande escala e por muitas vezes não era apenas uma pessoa do nucleo familiar que trabalhava nestes setor haviam mulheres e crianças para ajudar a sustentar suas necessidades de sobrevivencia . Consequentemente com tantos absursos ocorreu uma insatisfação da população que decorreu em greves e revoltas da população trabalhadora . Exisitiam grandes filosofos dessa epoca  Saint- Simon , Fourier e Owen que possuiam caracteristicas diferente e iguais entre si ambos buscavam a melhoria nas condições de veida destes trabalhadores.Para Fourier como era extremamente critico perante a desigualdade social  compartilhava do mesmo pensamento de Hegel . Owen era famoso por ''tratar melhr seus funcionarios'' que trabalhavam cerca de 10 horas ao dia em relação a outras industriais isso era beneficiador, deixando seus funcionaris descansados renderia muito mais lucro para sua empresa fazendo com o que pudesse dar melhores condições para seus trabalhadores com a criação de uma creche para os filhos de seus funcionarios e um salario quando no mes que não trabalhavam, era ate que famoso perante a sociadade entretando quando seu pensamento comunista veio a toda não foi tão bem aceito pela sociedade burguesa .
Todavia estas teorias  infelizmente desde essa epoca não alcançaram a realidade por completo . Acredito que seja por isso que o socialismo não esta presente em nossa sociedade atualmente , por mais que o capitalismo seja estruturado na exploração de mão de obra em contrapartida oferece variedades que em si o socialismo não conseguiu demonstrar em sua contrapartida para mostrar a população o quão benefeciente ele é . E como o capitalismo exsite até hoje ? Simplesmente pela sua forma de afrouxamente em alguns aspectos para ''beneficios'' da população . Infelizmente no seculo XXI ainda nos deparamos com tal situação de maior exploração ainda porém com artificios mais atrativos para a população .
Como o proprio texto diz : ''Na civilização a pobreza brota da abundancia.

 Ana Carolina Magiero de Sousa 1 Ano de SS diurno

"É a necessidade que gera a Mudança"

A ideia de termos uma sociedade igualitária baseada em um sistema que não permita a exploração do homem pelo homem e promova a igualdade entre as pessoas, deixou de ser uma utopia e passou a ser ciência, através dos estudos de Engels e Marx.
O materialismo dialético, visto por eles durante toda a história da humanidade, mostra claramente que o sistema atual entrará em crise extrema algum dia, e assim o socialismo será o novo molde da sociedade.
Na minha concepção de jovem estudante que tem tentado entender as ideias deixadas por Marx e Engels, é de que na verdade, achar que o socialismo chegará através de uma pequena crise, como a de 2008 que surgiu nos Estados Unidos da América, ou com um maior investimento na educação .. ou quem sabe até com a conscientização da mídia burguesa, fazendo com que pare de alienar o povo e comece a informar como o capitalismo destrói, é UTOPIA. 
As mudanças surgiram e surgirão através do ápice de uma crise. Apenas.
Enquanto o capitalismo ainda promover o mínimo para grande parte da população, ele continuará.
Enquanto a Terra suportar esse sistema de exploração de pessoas e da natureza para a geração de capital à poucos, ele continuará. 
A mais-valia é encantadora, de fato. Porém, no dia em que grande parte da população perder seu emprego super explorado, ela se revoltará e aí veremos qual será a síntese criada a partir das necessidades humanas e da capacidade do mundo em tentar manter bilhões e mais bilhões de pessoas.
E tudo caminha para o acerto de Marx e Engels: Socialismo.


                                      Ana Carolina de Souza, SS Diurno.

Dialética socialista


Vivemos em um mundo capitalista, onde o dinheiro move tudo e todos. Marx e Engels são considerados os pais do socialismo, uma ideia onde o privado não existiria, e a base de tudo é o trabalho. A classe trabalhadora tomaria a frente ao invés da burguesia. O método de análise mais pertinente pra interpretação da realidade social defendido por Engels e Marx é o materialismo dialético. Na perspectiva da realidade está permeada por uma coisa e sua contradição, produzindo algo diferente ao mesmo tempo. O fator essencial que vai mover a vida das pessoas, promovendo a ação social são as condições materiais, condições econômicas de vida. Por isso a importância da materialidade, pois leva os homens a se rebelarem, reagirem sobre a sua realidade. Hegel pensava a realidade social de modo dialético, mas não eram as condições que provocavam as transformações, mas as ideias. Engels bate de frente com isso, dizendo que Hegel inverte a dialética. A luta de classes para Marx e Engels é o motor da História, poiss essa luta expressa esse enfrentamento diante dessas diferenças.

Mylena Sousa Piantamar - 1º SS noturno

Igualdade utópica


Para compreender a sociedade, temos que entender a sociedade capitalista, sendo embasado nisso os estudos de Marx e Engels, pois o socialismo só é possível a partir do capitalismo,  o homem produz muito além do que ele é capaz de consumir; tornando capaz de construir riquezas a mais do que suficientes para serem distribuídas e incorporadas por todos; sendo a primeira vez que a riqueza poderia ser SOCIALIZADA, distribuída de maneira igualitária;  mas lembrando que o erro se encontra em como funciona o modo de produção e distribuição.

                Pode-se dizer que o socialismo é o fruto de uma “guerra’ de classes sociais, que é o proletariado e a burguesia; mas o povo burguês se apropria da classe trabalhadora, tornando-se via de proveito de todos os homens e não apenas de uma classe.

                Mostra o capitalismo também, nessa linha de pensamento: “ Se você não tem algo que gere a riqueza, o que você vai repartir?” por isso a necessidade do capitalismo, para eles o fator essencial que move a vida das pessoas, promovendo ação social são as condições materiais, quando elas são destituídas as pessoas passam a ser apenas uma ideia.

                Por fim, pode-se dizer que o socialismo, na realidade, na sociedade em que vivemos, com a classe burguesa no comando, com a mídia desfavorecendo, a população consumindo além do necessário e ainda se sentindo confortáveis com a situação, não passará de uma utopia.