terça-feira, 5 de junho de 2012

O trabalhador, sua força de trabalho e seu saber!

               Com o surgimento das máquinas, o saber do trabalhador foi desvalorizado, pois ele não necessitava mais saber todo o processo de produção do produto e sim apenas o necessário para manusear a máquina em determinada fase de produção.
            As máquinas deveriam facilitar a vida do homem, diminuindo sua jornada de trabalho, onde as máquinas seriam responsáveis por todo o processo produtivo, assim defende Engels e Marx. Entretanto, com o capitalismo a utilização dessas máquinas mostrou-se contrárias a essa ideia, pois o trabalhador pode ser facilmente substituído.
 A máquina supera a capacidade de produção humana, mas apesar disso, ela ainda necessita da força motriz do homem para o seu manuseio (no contexto da industrialização).
 Antes o trabalhador se apropriava do lucro de seu trabalho, mas isso muda completamente com a industrialização, onde o lucro e o valor final de toda a produção vai para as mãos do proprietário da fábrica.
            O capital exige assim, cada vez mais a subdivisão do trabalho.

            Gabriela Cristina, Karina, Renata, Pâmela, Larissa e Paula.
            1° Ano – Serviço Social - Noturno