domingo, 10 de junho de 2012

Planeta Terra e Capitalismo, significados diferentes ou o segundo já englobou também o primeiro termo?



O Manifesto Comunista mostra como a sociedade do capital tem suas contradições, utilizando da divisão de classes, exploração da mão-de-obra humana, superioridade entre as classes, desigualdade,
maquinização etc.,  que é possível sim alterar tal situação e que todos os homens são iguais, tornou-se portanto, um documento histórico.
Contudo, será mesmo que atualmente é possível haver uma mudança no sistema? Será uma utopia ou uma esperança? Quem sabe se todas as pessoas tivessem a oportunidade de obter acesso a esta obra, não aconteceria uma união enfim dos trabalhadores, assim como Marx fala "Trabalhadores do mundo, uni-vos!"? A resposta para todas essas perguntas? Só o tempo poderá dizer.

Mariana Aguiar - Diurno




Longo


Chegaram com brilho nos olhos, e na voz um canto de revolução
Chamaram-me para a guerra, me encantaram, me fizeram sonhar
Então, aceitei as armas que colocaram em minha mão
E dei meu sangue, para a fraterna igualdade reinar 

Mas o que reinou foi minha própria escravidão
Agora preso a fabrica, a maquina, ao tempo, ao brilho do seu olhar. . .
Brilho que agora vejo, com tristeza e decepção
Ser o reflexo da riqueza, que você acumulou com a minha exploração

Vendo minha força de trabalho, meu tempo, me vendo
Sou explorado por quem me compra, e por quem me vende
Vejo morrer na miséria aqueles que nem tive tempo de amar
Sou peça substituível, feita para te fazer lucrar 

No campo de batalha onde pelo seu lucro você me faz lutar
Encontro os guerreiros que construirão uma nova sociedade
Onde serei livre do teu preço,e talvez eu até tenha seu apreço
Mas agora me apresso tenho um longo caminho a trilhar. . .  


Tatiane Cardoso 1° SS diurno 

Que mude esta realidade!

Atualmente, a vida do homem se resume em comprar e pagar, o tornando cada vez mais prisioneiro do capitalismo, ainda mais se for um consumo exagerado.
Embora haja o consumismo, existem pessoas que não tem condições nem para suas necessidades pessoais muito menos para essas mordomias. Estas pessoas são trabalhadoras que não conseguem comprar o que produzem para os donos do capital. O capitalismo se define nisso: má distribuição da renda, em que os capitalistas lucram em cima da classe operaria.
O Manifesto Comunista de Engels e Marx, surge para tentar mudar esta realidade, mostrando para o proletariado a hegemonia da burguesia e a dimensão do capitalismo, que consegue transformar "todos em burgueses".
Este texto escrito ainda em 1848, mantem relações com o presente, portanto, seria ótimo se os trabalhadores tomassem conhecimento desta obra, para que percebecem a radicalidade do capitalismo.

Caroline Lopes Boareto 1º ano de SS-diurno 2012


O capitalismo se constituiu a partir da decadência do feudalismo e o trabalho se tornou uma mercadoria que pode ser comprada e vendida onde o trabalhador para sobreviver é obrigado a vender sua força de trabalho se submetendo a adversos tipos de exploração.
O discurso burguês sustentava-se nos ideais de liberdade e de igualdade, no qual as pessoas são livres para fazer suas escolhas. Essa concepção é uma mentira, visto que o discurso afirma que o trabalhador é livre para vender sua força de trabalho, mas é obrigado a vendê-la pelo preço estabelecido pelo empregador, ou seja, tendo que aceitar baixos salários e condições insalubres de trabalho.
Os meios de produção e o acesso ao produto estão distribuídos de forma desigual, logo a distribuição de renda também é desigual gerando oposição entre duas classes: a que é detentora dos meios de produção e a que vende sua força de trabalho.
Marx e Engels publicaram o Manifesto do Partido Comunista com o objetivo de dotar os trabalhadores de condições de análise da sociedade da qual faziam parte, tomando consciência de classe para se unirem em busca de melhores condições de trabalho.
Eles partem de uma analise histórica da sociedade humana, observando as condições materiais que formaram a sociedade, daí sua importância, na formulação de um método científico materialista histórico dialético.
Assim, percebemos que O Manifesto do Partido Comunista torna-se uma das primeiras obras onde o socialismo perde seu caráter utópico, sendo recriado cientificamente. No livro Marx usa de seu método para constatar que a sociedade é dividida em classes sociais e essas sociedades lutam entre si para ter o controle do Estado, usado para a manutenção do poder de uma classe.
Ele também mostra que a sociedade se divide em grandes duas classes, a classe burguesa que detem os meios de produção e o proletariado, que não possui os meios de produção e para manterem-se vivos tem que vender sua força de trabalho.

Ana Sofia Cerqueira Natali - 1º ano S.S Diurno

Burguesia e Capitalismo: Somos Escravos Deles!


Fala-se tanto da burguesia, mas toda evolução e revolução que obtivemos é tudo graças a ela ,com sua ambição, sede de transformação de novos conhecimentos para aumentar, sem dúvida, cada vez mais seus lucros, escravizando o  homem fazendo com que ele próprio crie sua miséria, explorando sem limites, homens, mulheres e não poupando  nem as crianças.
Fez um grande avanço no mundo com seus meios de trabalho nas indústrias principalmente, passando de uma produção familiar de consumo para a necessidade de grupo chegando a produção excedente, suprindo as necessidades de outras sociedades até chegar a globalização nos dias de hoje, e onde vamos parar? Ainda não sabemos... Ou sabemos.
 A burguesia conseguiu fazer com que os ditos “preguiçosos” como a igreja, os que viviam somente sugando os trabalhadores mudassem seus olhares, porque eles viram que se não houvesse mudanças eles perderiam seus  “ ganhos fáceis”.
O capitalismo é muito cruel, somos escravos dele, hoje é impossível pensar no mundo sem o capitalismo, a sociedade, onde quer que seja é capitalista, então somos escravos do capitalismo e seremos sempre, porque sempre estará nascendo novas necessidades e surgindo novas sociedades, principalmente de consumo e assim será sempre.


Keila S.Freitas – Serviço Social diurno.
10/06/12

A aula que não foi colocada em prática.

No Manifesto Comunista, há explicito o objetivo de Marx e Engels que era iluminar a vida do proletariado, colocando em conhecimento da classe, aspectos históricos e atuais de suas tristes situações. Ao tomarem conhecimento, iria ter uma revolução, com a tomada de poder pela classe proletária e assim, inserir o sistema socialista.

Apesar do Manifesto Comunista ter sido publicado em 1848, a idéia de mudar o sistema, abolir as classes e o governo ainda permanecem. No Brasil mesmo, há exemplos de pessoas e partidos que se dizem socialistas/comunistas, mas não fazem sombra ao que o manifesto originalmente propunha.

Na pratica, os ideais propostos no manifesto mostraram-se não funcionais. Claro, em certas praticas sociais e mesmo dentro de organizações algumas idéia socialistas permanecem firmes, mas o socialismo/comunismo como sistema falhou na pratica, e como exemplos podemos citar o colapso da URSS, além de que os países que adotam o sistema nos dias de hoje ou estão procurando se abrir, como Cuba, ou colocam o seu povo para viver em uma verdadeira penumbra econômica e social, como é o caso da Coréia do Norte.

É triste, mas o curso que o Manifesto nos mostra, que é a união de uma classe só, que não possui um melhor que outro, na verdade não existe, e não sei se virá acontecer. Com os recentes acontecimentos da crise de 2008, onde o capitalismo mostrou-se mais frágil do que o mundo imaginava, talvez estejamos caminhando para um misto dos dois sistemas.

Noelly Jayne
1ª ano de SS Diurno

Mundo alienante desigualdade constante




A partir do texto lido , a conclusão que chegamos é de que a desigualdade social sempre existiu. Com o passar do tempo a situaçãos do sistema capitalista foi se agravando cada vez mais ,  com a evolução das maquinas o proletariado foi sofrendo várias explorações desumanas, consequentemente este foi tomando maior consciencia de seu papel na sociedade e se rebelando por melhorias nas condições de vida e trabalho.  Esta exploração desenfreada aproximou os trabalhadores, que pensando em se libertar da ''corda  que os enforcava''uniram-se em prol de uma sociedade mais igualitaria , denominado comunismo . A questão é que os tempos passaram e para que o sistema perdure ate hoje alguns ''panos quentes'' foram colocados na situação, um exemplo em alguns trabalho seria a carga horaria ''diminuida'' em relação ao passado no século XIX , porém a desigualdade continua a mesma ou na minha concepção até pior do que antigamente ,pois em mundo aonde a alinenação está presente em todas as horas desde que acordamos e vemos pessoas dormindo embaixo de uma ponte, e sabendo que existem filhos de banqueiros entre outros que em uma noite chegam a gastar cerca de 200 reais para a entrada em uma balada. Aonde crianças se encontram em favelas , observando de perto o trafico de drogas ou até mesmo fazendo parte de um grupo que domina uma favela , outro caso chocante seria crianças não estão indo para as escolas, e moradores de rua, desprezados pela sociedade em que vivemos. É claro que para a ''burguesia'' de hoje isto é apenas a consequencia de que para que exista os ricos os pobres são necessarios e realmente tenho duvida se isso algum dia irá mudar , infelizmente não podemos prever o futuro certo? 
E para conclusão deixo um trecho de musica de autoria dos Paralamas do Sucesso :
O mundo tão desigual

Tudo é tão desigual
O, o, o, o...
De um lado esse carnaval
De outro a fome total
O, o, o, o...




Ana Carolina Magiero de Sousa 1 ano de SS diurno

Tema: Tempos modernos


O Capitalismo possibilitou uma eclosão nos avanços científicos, tecnológicos e filantrópicos. Estes avanços surgem com objetivo inicial de proporcionar o bem estar, e extinguir o caráter do trabalho braçal e mecânico do homem. Porém, com esse desenvolvimento constante, também surge a necessidade de produzir incessantemente, para satisfazer as demandas econômicas de interesses exclusivamente lucrativos. Contudo, a realidade dos tempos modernos é algo a ser contestado.

A modernidade pode ser vista em aspectos distintos. Na questão social, podemos ressaltar a lucratividade, considerando que o que é mais eminente para sociedade capitalista é o acúmulo econômico, que se mantém estagnado em uma parcela da população, ou melhor, se mantém estagnado pelos detentores do poder hierárquico econômico, causando a degradação da ação do trabalhador em meio à sua exploração.
Os tempos modernos, na perspectiva evolutiva social tornam-se um clico retroativo expansionista. Pois, hoje, podemos presenciar as marcas de um passado não muito distante, logo, evidentemente a classe trabalhadora permanece escrava de seu labor, só que isso se camufla pela força da industrialização, informatização, robotização, enfim, todo o avanço científico e tecnológico.

Além disso, esse progresso e a produção desenfreada, da indústria capitalista atingem o homem como parte integrante da natureza, provocando a destruição e extração exacerbada do meio ambiente como matéria prima, para produção de ferramentas e máquinas desenvolvidas para gerar mais valia, através do manuseio pelo trabalhador. Alimentando um clico regressivo, que faz com que o homem tenha que reconstruir a natura degradada por ele, com intuito de amenizar os efeitos e as conseqüências, que a mesma pode causar ao sistema de produção, caso haja escassez da matéria.

Portanto, o capitalismo, não é diferente dos sistemas que o antecedem, pois a realidade e a exploração do trabalhador ainda ocorrem; uma mecanização operária nas grandes corporações empresariais e mercantis torna-se mais ampliada. Isso é uma conseqüência de um mercado de trabalho, que exige um empregado multifuncional, que exerça diversas funções com agilidade e eficiência em menor tempo, para produção de mais valia. Não se encaixar dentro desses padrões é um fato social, que causa e fortalece ainda mais a permanente demanda pela disputa por uma vaga, no mercado de trabalho, fazendo com que o trabalhador ainda seja submisso aos detentores do meio de produção.

Assim, ocorreu no passado, no Feudalismo. Hoje não existem mais o suserano, o vassalo e a terra para produção. Atualmente, nos tempos modernos, nos deparamos com a hierarquia entre o patrão, funcionário e o trabalho assalariado, este é a parcela que o trabalhador recebe para suprir as necessidades fisiológicas, e ainda alimentar o clico consumista de produção capitalista. Podemos ver as conseqüências do sistema, porém, essas tecnologias nos deixam alienados e acomodados, nos colocam novamente o cabresto e transformam nossa “modernidade” apenas numa questão de percepção. E com todo o progresso e poder concentrado nas mãos de poucos, o capitalismo projeta seu slogan de “Tempos Modernos”.

Alunos: Caroline Borges, Eder Henrique, Marina Borges, Mylena Piantamar e Rangel Homma

1º ano - S.S. noturno 






‘’Trabalhadores de mundo uni-vos’’(Karl Marx)


‘’Trabalhadores de mundo uni-vos’’(Karl Marx),é assim que Marx conclama o proletariado europeu, a luta e a modificação dinâmica e social imposta a partir da tutela do Estado e de interesses particulares de uma minoria. 
O manifesto do partido comunista escrito em 1848 tem em seu cerne o objetivo de mobilização do operariado desta forma foi escrito de maneira militante que se possibilitava o seu pleno entendimento e a idealização completo do ideal ali contido. 
O contexto de crise na economia europeia e a constante efervescência social fizeram do manifesto um folheto político social e ideológico com as bases da revolução socialista e a tomada de consciência por parte da classe trabalhadora, segundo Marx elemento principal de mudança da realidade social. 
A luta do proletariado deve ser constantemente, a analise materialista histórica engloba-se em um processo muito maior que nossas vontades... Somos então englobados em processo de lutas concretas entre dominadores e dominados, transformações pelas quais irradiam seus reflexos a ideia da dinâmica dos trabalhadores. 
Na teoria Marxista o trabalho ocupa posição basilar na relação entre homem e a natureza intermediada pela técnica diferenciando-os dos demais animais. Intensificada pelo aumento da distância entre o trabalhador e aquilo que ele produziu pela alienação, ela qual o trabalhador apenas serve para o meio de produção estritamente relacionado com a divisão do trabalho social. 
Marx encara o trabalho como uma mercadoria com valor de uso e troca configurando a unidade mais simples o capitalismo. No manifesto os trabalhadores são levados a mercantilização das relações sociais sejam familiares, afetivas ou como outros fenômenos de forma especial a exploração e a possibilidade de mudança. 
 

Amanda Bacin Ramalho - 1º SS - Diurno
Homem explorado por homem

O texto foi elaborado há 164 anos atrás, e é evidente a permanência da exploração desenfreada do trabalho.
Na atual sociedade, estamos no ápice do desenvolvimento tecnológico, conquistas sequer sonhadas são divulgadas diariamente.
Toda esse dita evolução tem um custo muito alto, mas quem paga?
A conta fica para a classe menos favorecida com seu trabalho. Trabalho este que não é remunerado adequadamente, onde se viu o salário mínimo ser R$ 622,00!? Que família vive de forma digna com este valor? Sobrevivem em meio a miséria, com a educação totalmente falha, meios de comunicação tomados, enfim sobrevivem em meio a uma sociedade corrupta e inescrupulosa.
Enfim a burguesia dona do poder, manipula e explora de forma exacerbada o homem, desde seu nascimento de forma que este nem perceba tal manipulação e assim continue no ciclo da exploração.
Um exemplo: esses dias estava pensando porque a dificuldade que tenho as vezes em meio a assimilação das disciplinas do ensino superior, e através de conversas com colegas de turma, verifiquei que não era a única.
Busquei pela memoria tentando achar uma conexão, e a conclusão que cheguei é que na escola nossa educação é totalmente manipulada de tal modo que não precisamos pensar, ter opinião o que é contrário ao ensino superior. Na escola temos somente que estudar os livros didáticos fornecidos pelo Estado, e estuda-los afim de passar de ano.
Ou seja a exploração de homem sobre homem permanece ainda, pois a maioria dos homens sequer sabem que são explorados. Muitos são alienados, não por vontade própria mais porque a sociedade impôs esta deplorável condição.   

Samara Mori - 1° SS - Diurno

O Capitalismo e a globalização

A burguesia fez com que os homens se libertassem  das antigas tradições em que eles viviam , sendo elas religiosas, políticas,sociais, etc.Este ponto positivo do capitalismo foi elogiado por Marx.
A burguesia tem a necessidade de estar atualizando constantemente,seus instrumentos de trabalho, relações de produção, e alterando com isso as relações entre os homens ,para assim não permanecer como as antigas sociedades que não alteravam seus modos de produção , e é isto que a distingue  de outras sociedades anteriores.
Estas mudanças incessantes e os meios de comunicação cada vez mais sofisticados que facilitam a interação em massa entre as diversas populações mundiais,permite que o capitalismo se expanda por todos os territórios deixando sua marca e gerando uma dominação global. Exemplo : em qualquer lugar que procurarmos uma “Coca-Cola” para comprar dificilmente não terá, como também um tênis da “Nike” ,e diversas outras marcas que estão presentes em vários partes do mundo.
A globalização e capitalismo andam lado a lado , e somente a união global dos homens para superá-lo.
O trabalho é a nossa fonte de sobrevivência , por isso muitas vezes nós nos alienamos frente a ele, com medo de perdê-lo mesmo nós sempre sendo os explorados  e ficarmos em posições inferiores diante dos burgueses ,com isso acabamos nos acomodando a este sistema deixando tudo como está, para não correr  risco de perdermos mesmo que ruim e mal remunerado nosso meio para sobreviver.
 Lislaine Iha dos Santos 1ºServiço Social Diurno


A luta pela mudança.

 Em o "Manifesto Comunista", é nítido a verdadeira intenção: A crítica ao sistema capitalista e ao incentivo incansável à ajuda na organização dos proletários em busca de melhores condições.
 Esses interesses da classe operária surge a  partir do momento em que as máquinas passam a extinguir o trabalho e os salários destes trabalhadores. Então eles, passam a formar uniões contra os burgueses e atuam numa luta em defesa de seus salários e de suas condições de trabalho, pelo fato de serem explorados ao extremo em relação à suas condições de trabalho.
 A burguesia sempre se destacou pois é ela quem explora, submete e transforma os trabalhadores, faz com que eles vejam apenas o básico, ou seja, o seu devido lugar(segundo eles) como trabalhador. 
 Com o surgimento do manifesto comunista, a classe trabalhadora deixa de ser leiga em relação aos seus direitos e passam a ter a força e a consciência necessária para lutarem a favor de seus devidos direitos. Pois chegou-se a um ponto onde o ser humano, trabalhador, para os burgueses, eram apenas aqueles que davam lucros e junto ao manifesto chega a coragem, a força, a organização para um luta digna pelos seus direitos.


ELUCIDAR


Quando lemos as inquietudes de Marx e Engels no “Manisfeto Comunista”, não apenas inquietudes, mas sim uma tentativa de elucidar aos membros da sociedade sob essa nova realidade, a realidade capitalista, a realidade das desigualdades sendo necessário então, que houvesse mudanças.

O incentivo, ao proletariado, a uma revolução tamanha que garantisse a implantação de um novo modelo econômico. Até então, historicamente todas as revoluções anteriores em pequeno porte, mas se toda a classe trabalhadora se unisse o resultado para Marx era certo, o comunismo.

Seus argumentos contra o capitalismo ainda tem o mesmo peso hoje, apesar do tempo decorrido, e é por isso que seus textos ainda são tidos como leituras obrigatórias em boa parte dos cursos universitários. A nossa realidade é a mesma, vivemos as mesmas imposições, não sabemos como seria se fosse diferente. E ainda é mais fácil nos acomodar e simplesmente deixar as coisas como estão. Por esse fato é que a tão sonhada sociedade comunista de Marx, se torna cada vez mais algo distante, uma utopia para muitos.
Viver as desigualdades impostas pelo capitalismo se trata de algo que não temos escolha, porém viver iludido e sendo enganado por ele, já é uma opção.

Giselle Morais - Diurno


Progresso burguês e desumanização proletária.


O manifesto do Partido Comunista é um discurso revolucionário que critica o modo de produção capitalista e incentiva os proletários a se organizarem como classe social para lutar por melhores condições de vida, a fim de combater as fortes desigualdades que estavam vivenciando, e estabelecer uma sociedade igualitária, sem classes sociais, baseada no controle dos meios de produção e propriedades para todos.
Ao longo da Idade Moderna, a burguesia acumulou capitais por meio da propriedade privada (concentração de terras e indústrias em suas mãos) e da expansão do comércio. Queriam liberdade econômica, ampliação de seus mercados consumidores e mão-de-obra barata para trabalhar nas fábricas. Com o objetivo de aumentar os lucros, os burgueses pagavam aos operários salários muitos baixos, enquanto explorava ao máximo sua capacidade de trabalho.
A maioria da população vivia no campo, produzindo alimentos para seu sustento e organizando grande parte da vida social em função das atividades agrícolas. Os avanços técnicos, aliados ao aperfeiçoamento dos métodos produtivos, propiciaram a criação e o desenvolvimento de máquinas industriais. Esse processo levou a um aumento da produtividade e reduziu o número de trabalhadores rurais, substituídos pelas máquinas, pois milhares de camponeses perderam suas antigas funções e foram obrigados a migrar para as cidades em busca de empregos nas indústrias.
O trabalhador era dono apenas de sua força de trabalho e, além disso, as instalações precárias das fábricas prejudicavam a saúde dos trabalhadores, que adquiriam doenças devido as suas péssimas condições de trabalho e moradia. Essa exploração do trabalho humano gerou conflitos entre operários e capitalistas, pois o operariado tomou consciência de sua situação e passou a se organizar e a lutar contra essa opressão exercida pela burguesia, tomando conhecimento também do contexto social e histórico que estavam inseridos.
O fato é que o capital se tornou global, porque está em todo o lugar do mundo. A burguesia nos influencia a acumular riquezas, transformando os despossuídos em defensores da propriedade privada e faz consolidar cada vez mais o capitalismo em nossa sociedade.

Larissa Martins, 1° SS- Diurno.

A burguesia que habita dentro de nós

Os altos e baixos da classe burguesa relatados em "O Manifesto Comunista", não é nada comparado ao impacto que seu domínio causa nas pessoas.
O fato de ela se unir ao proletariado em algumas momentos, e de alguma forma a sustentá-la em seus meios de crise absoluta, não tira a vantagem que ela exerce sobre o trabalhador.
Hoje vemos que, mesmo que estamos sujeitos ao trabalho penoso, com salários indignos, e mesmo que nos revoltemos com a desigualdade social, dentro de nós a um desejo de ser como eles.
Quando temos aquela vontade de obter um tênis de marca, somente por ele ser de marca, estamos tendo um desejo de ser burguês. Ou quando nossos olhos brilham para o lançamento de uma nova tecnologia, ou quando deixamos de gastar pouco em um restaurante na esquina pra gastar o dobro em um pequeno lanche no Mc Donald's, estamos tendo o pensamento e o desejo de ser burguês, embora ainda, somos meros proletariados.
A revolta que nos dá quando deparamos com algumas sociedades em que estão em condições subumanas, não é comparado a inveja que muitas vezes temos do nosso amigo que esbanja a condição financeira maior que a nossa.
Quando é nós que são os prejudicados, rebelemos e corremos atrás dos nossos direitos, mas no fundo, o nosso desejo está lá: queremos ser como eles, possuir o que eles possuem, dominar como eles dominam, influenciar como eles influenciam...
Desde sempre a luta entre burguesia e proletariado é desencadeada, mas com o passar do tempo, com a expansão universal do capitalismo, a força que é exercida sobre nós de sermos como a burguesia, nos veste uma certa "máscara" para ainda nos apresentarmos como pobres proletariados que apenas querem a igualidade social.

Um Bodegueiro na Fiec - Falcão

Você não faria a menor falta
Num dia de domingo no Beach Park
Eu não te levaria nem morta
A passear comigo no Iguatemi
Eu não me atreveria a passar vexame
Perante os meus amigos lá da Aldeota
Pois agora eu tenho o maior respaldo
Nas altas paneladas da alta sociedade

Eu sei que a burguesia fede
Mas tem dinheiro pra comprar perfume
E além do mais o high society
Leva chifre e não tem ciúme
Eu sou "in", não sou "out" - eu sou VIP

Agora com você eu não quero nem ovo
Eu sei que o meu passado agora me condena
A sua presença só me prejudica
Suja a minha glória, borra a minha fama
Pois hoje eu sou pessoa muito benquista
Com muita influência no meio das rodas
Até já fui chamado pra dar palpite
Na vida sexual da Primeira Dama


Mariane Stabile Gomes - 1º ano Serivço Social - Diurno

sim senhor, não senhor !

Desde o fim do feudalismo  ao começo do capitalismo, a burguesia submeteu o proletariado a condições desumanas.
A coloram em uma fábrica : um lugar insalubre,com salários baixos e carga horária absurdo.
O proletariado enquanto classe tomou consciência disso ( culpa da própria burguesia que reuniu pessoas com os mesmos interesses em um mesmo lugar)  e se organizou em sindicatos para reivindicar mudanças.
Algumas foram conseguidas.
O projeto de Marx e Engels era que diminuísse a desigualdade entre as classes :  a questão social que tanto os assistentes sociais almejam até hoje.
Estamos inseridos em um sistema que ou nos enquadramos ou somos excluídos.Não deveria ser assim, mas é a realidade.
A máquina faz o serviço do homem que se não se atualizar sobre ela é despedido porque lá fora tem alguém que está desempregado.
Não apenas dentro das fábricas. Vemos que isto é intrínseco ao homem. Se você usa uma roupa diferente, tem um cabelo diferente as pessoas te olham como " ESTRANHO".
O capitalismo dita o que pensa, o que falar, o que comer através da mídia... " 3 hamburguers,alface, queijo, molho especial,cebola picles em um pão com gergelim", sabe-se que estamos falando do Big Mac do Mc Donald's.
A incidência de homicídios cresceu a partir da revolução industrial por conta dessa pressão de viver !
Até quando viver será um desafio ?  Já não está na hora de dar uma basta em um sistema que quem lucra são apenas os grandes e os pequenos proporcionam isso a eles ?

Letra da música:Admirável Chip Novo - Pitty

Pane no sistema, alguém me desconfigurou
Aonde estão meus olhos de robô?
Eu não sabia, eu não tinha percebido
Eu sempre achei que era vivo
Parafuso e fluído em lugar de articulação
Até achava que aqui batia um coração
Nada é orgânico, é tudo programado
E eu achando que tinha me libertado
Mas lá vem eles novamente
E eu sei o que vão fazer:
Reinstalar o sistema

Pense, fale, compre, beba
Leia, vote, não se esqueça
Use, seja, ouça, diga
Tenha, morre, gaste e viva
Não senhor, Sim senhor (2x)