domingo, 2 de novembro de 2014

O método weberiano: ciência social e política

Max Weber propõe que a sociologia como ciência tinha como conceito compreender mais do que transformar, isto é, na visão weberiana, a sociologia tinha apenas o papel de analisar a ação social do indivíduo, e não de transformar ele. Está análise mesmo quando vista entre entes coletivos deve-se ter como foco a ação individual dos indivíduos. A compreensão da ação social é ocasiona por um sentido e induzida por valores. Para Weber, o juízo de valores é ponto de partida na ação social do ser.

Segundo Weber, a ação social pode ser classificada em quatro tipos: 1ª ação racional com relação a um objetivo, busca por um objetivo procurando meios para alcançá-lo; 2ª ação racional com relação a um valor, leal as suas ideias aceita os riscos de sua ação; 3ª ação efetiva ou emocional, movida pelas paixões do indivíduo e 4ª ação tradicional, influenciado por hábitos, costumes e crenças da sociedade onde vive.

Weber faz diversas críticas, entre elas aos autores anteriores, a ideia determinista da ciência, ao materialismo histórico e ao dogmatismo que o mesmo (materialismo histórico) propõe, pois para ele há um emprego forçado desse materialismo histórico e um rebaixamento das demais causas, assim também, para ele a ciência nunca poderia impor normas e ideais. A política, conforme Weber, poderia se valer da ciência social (sociologia) para a transformação, ou seja, só a política tem esse papel de transformar, a sociologia apenas compreende a ação social.

Podemos comparar a visão proposta por Weber e a ação do profissional de assistência social, pois quando este (assistente social) está com seu usuário tem o papel de analisar as ações deste indivíduo, para tanto, essa análise deve ser feita dentro da sociedade a qual este indivíduo está inserido, pois ela influencia drasticamente através de seus valores, costumes e crenças a ação do indivíduo.

Natyéllen Casimiro de Moraes – 1º ano SS – Diurno

Nenhum comentário:

Postar um comentário