domingo, 2 de novembro de 2014

Sociologia Weberiana

Vamos lembrar-nos de um caso que aconteceu em São João da Boa Vista, interior de São Paulo;
 “Pai e filho são agredidos, confundidos como um casal  de gays, em feira de São João da Boa Vista. Segundo vítima, agressores pensaram que ele e o filho fossem casal. O homem de 42 anos teve metade da orelha decepada após ser agredido por um grupo de jovens na madrugada de sexta-feira (15), em um centro de exposições de São João da Boa Vista, no interior de São Paulo. Segundo a vítima, os agressores pensaram que ele e o filho fossem um casal gay, pois os dois estavam abraçados.” (blog GGN)
Como Weber analisaria esse fato tão horrível aos olhos da sociedade, que em pleno o século dos direitos humanos?!

Os agressores verdadeiros homo fóbicos que não aceitou aquele fato de ver dois homens abraçados. Se em pleno o século XXI, onde nós temos direitos de ir e vir e de livre expressão, não á cabimento para rapazes agredir o pai e o filho que até então para eles era um casal gay.

Weber criticado por dar a impressão de que “aceita” tudo o que acontece. E não é nada disso, o sociólogo vem implantar um novo modo de entender os fatos sociais que as pessoas mesmas que a fazem.

Para entender o que acontece Weber analisa parte por parte dos indivíduos, não somente seu meio social, mas também outras partes como seus princípios, sua religião, sua cultura. 
Os rapazes para serem contra a um tipo de escolha alheia, seja ela qual for, existe princípios atrás disso. Não é não aceitar e só isso tem um motivo, uma explicação. Onde o individuo se socializa, tem uma religião fixa? Os pais, o que pensam a respeito? Educaram em uma cultura de aspecto rígido? O que levou a eles a terem raiva e agredir brutalmente o pai e o filho? Essas são perguntas que a sociologia Weberiana faria nesse caso.

Para Weber além dessa parte importante de conhecer as partes e as pequenas partes, ir a fundo, também, existe o tipo ideal que faz parte de TODOS os indivíduos. O homem com a capacidade de pensar acaba criando uma idealização tão utópica que chega a ser frustrante ao cair na realidade. Essa idealização é tão perfeita que não ria existir.


O tipo ideal interfere no homem e no seu comportamento, no caso acima, talvez para os agressores o tipo ideal é uma sociedade estruturada conforme a igreja prega, o homem e a mulher unidos em um só. E o fato de terem dois homens se abraçados quebraria esse “tipo ideal.”

(Ana Laura Silva 1ºano SS noturno)

Nenhum comentário:

Postar um comentário