domingo, 2 de novembro de 2014


  Weber

  Para Weber, a função de um cientista social não era a de influenciar o indivíduo estudado, mas apenas buscar entender a ação social do indivíduo e não da sociedade. Por isso a crítica ao materialismo de Marx, por exemplo, em que a influência de valores e opiniões é marcante, o que não significa que Weber fosse contra os ideais marxistas, pelo contrário. Essa diferenciação em focar no individuo como sujeito de emoções, laços e constante influência da família, religião, cultura, classe, gênero, orientação sexual e cor da pele, ao invés de analisar apenas a forma como a sociedade oprime de acordo com os ciclos do sistema, vai contra o que foi apresentado por Comte e Durkheim, que assim como o materialismo, tinha a ação social voltada para a sociedade como única fonte de interferências. 
  Compreender a realidade social após estuda-la empiricamente, por indagações aos sujeitos, é a definição para o termo Sociologia Compreensiva que muitos se enganam ao interpretá-la como uma sociologia conformista, ao invés de perceber que se trata da compreensão, em entender como a sociedade funciona sem juízo de valores. 
  Um bom exemplo citado em aula de como, na prática, essa análise do individuo é feita, é pelo governo Dilma. Se colocado de forma generalizada, apenas corrupção é aponta, se isolar apenas um político corrupto, também é apontado apenas corrupção, sendo que muitos que fazem parte do governo nem cruzaram com o tal corrupto alguma vez, por isso é necessária a análise sobre indivíduos, sem generalizar ou isolá-lo. O que é chamado de Individualismo Metodológico.
  Na realidade da profissão de assistente social, a teoria pode ser aplicada na prática durante o processo de pesquisa em relação ao indivíduo como dependente de políticas sociais. Deixando de lado o que seria algo raso e superficial, que agrupasse somente uma causa, por exemplo o fato do homem precisar do benefício por ser pobre. É preciso entender se a opressão aparece somente pela classe social ou se o fato de ser negro e morar na favela onde teve que escolher entre cuidar dos filhos ou terminar os estudos. influencia também. Aos olhos de Weber, o papel do cientista social era apenas o de compreender, deixando a criticidade para os políticos que verdadeiramente levariam a alguma mudança social, algo que dificilmente um outro alguém conseguiria. 

Vitor Veiga Corne, 1ºSS/D

Nenhum comentário:

Postar um comentário