quarta-feira, 16 de abril de 2014

O que você esta fazendo ai?

Pode ser absurdamente pensar na condição de Conte, ao propor uma ideia de transcendência  do todo e não do individuo em si. Contudo é necessário pensar que existem pontos e aspectos sociais que esta ideia deve ser colocada e em outros não. Pensar como assistente social na hipótese de questionar o “status” ou lugar que ocupa o indivíduo na sociedade, negando a ele, o direito de evolução individual, pode parecer algo extremamente absurdo, haja vista que o pensar dessa forma é retratado como errôneo, sendo que o individuo tem o direito de enxergar os seus benefícios e enxergar também uma forma de melhorar de situação, inclusive provendo sua própria emancipação.

Os problemas são solucionados quando encontramos a solução e o identificamos, não podemos curar uma dor de cabeça tomando remédio pra vomito, o remédio pra vômito serve para vomito, da mesma forma a soluções de alguns problemas da sociedade, eles não são vistos imediatamente e solucionados, devem ser analisados e corrigidos a proporção da descoberta, tentar medicar sem saber as causas, pode trazer outras consequências que tornem o problema ainda mais complexo.  A partir do momento que questionamos a problemática social, implica-nos em pesquisar e buscar meios para a solução, mas meios que não simplesmente sejam postos em pratica agora e depois os problemas voltem a incomodar, esses meios devem sanar os problemas por completo, ou ir sanando aos poucos.


$$Ordem e Progresso$$

 O pensamento positivista de Comte visa a ordem, só assim pode existir o progresso... Cada pessoa deve contentar-se com sua posição social, seu emprego e salário, jamais deve querer subir a escala de classes, porque isso com certeza afetaria a “ordem” das coisas.  
 Particularmente acho a filosofia positivista de Comte muito vazia, pois as soluções tomadas para resolver problemas a curto prazo acabam se transformando em muletas da população, tornando-as dependentes de tais medidas. No Brasil por exemplo, podemos citar a bolsa família, que em vez de solucionar o problema da pobreza da população, incentivando a educação e a busca da profissionalização, dá a elas uma ajuda por número de filhos, isso não incentiva em nada a solução do problema, só torna ele maior, pois a partir disso a bolsa família se torna “fonte de renda” dessas pessoas, que não pode ser tirada. Ou seja, o positivismo toma atitudes que momentaneamente e superficialmente são boas, pois “se há pessoas pobres, dê ajuda de custo a elas”, mas e o incentivo a melhorar de vida? De parar de contentar-se com migalhas que o governo distribui? E o espírito crítico dessas pessoas?

 Nada disso é incentivado no positivismo, porque afetaria a tão amada ordem, mas me pergunto, ordem pra quem? As pessoas que estão no topo da pirâmide social certamente diriam que uma nação sem ordem não se desenvolve e até certo ponto realmente acredito que estão certos, mas creio também que vai muito além disso, não estamos falando apenas de sistemas mas sim de pessoas!