domingo, 4 de maio de 2014

Analise a partir de Durkheim

   Durkheim tem sua perspectiva de estudo através do fato social, que seria o objeto de estudo do sociólogo, no caso da primeira reportagem, que trata-se do sistema carcerário, é preciso entender que se o individuo está nessas condições  porque houve um desvio de conduta, esse sistema deveria oferecer condições para que as pessoas retomem esse posicionamento de boa convivência em sociedade, e não simplesmente amontoar essas pessoas de forma extremamente precária e desumana. O mesmo pode ter refletido na segunda reportagem em que se tem um lugar para que moradores de rua possam comer e dormir, sem pensar que é preciso mudar a vida daquele ser humano, reinseri - lo na sociedade de forma a resgatar a sua dignidade e dar a ele possibilidades de uma boa qualidade de vida.                                                            Numa sociedade extremamente influenciada pelo positivismo, em que tudo é analisado de forma muito superficial, Durkheim escreve que é preciso se aprofundar nessas questões, se livrar de preconceitos, de interferências da própria cultura e valores para analisar de forma mais distante esse fato social e com isso obter reflexões mais limpas. Não basta reconhecer é preciso entender. (Bruna Moreira 1° ano Serviço Social, Diurno)

FATO SOCIAL

         Durkheim acreditava que a sociedade seria muito mais beneficiada pelo processo da educação.Na concepção  Durkheiminiana as concepções individuais são formadas pela sociedade.Para ele "o homem mais do que formador da sociedade,é um produto dela".
         Analisando o que Durkheim fala que a sociedade seria beneficiada pela educação ,observamos a atitude do governo da Suécia ao fechar 4 prisões,fato este que se deu através  da ressocialização  dos detentos e que deixa claro que a questão da criminalidade não é genético,mas sim,social.
                 Mas Durkheim  atenta para que se conheça a raíz dos problemas seje eles sociais ou não.Atentemos para a reportagem sobre o centro Pop de Franca que analisa simplesmente o fato de estarem ocorrendo o uso de drogas,a prática de sexo livremente e constantes brigas entre os próprios usuários,mas que não analisa e não há o questionamento do porque há a necessidade de um centro para que os moradores possam ficar,não se tenta acabar a acabar com o problema pela raiz,mas sim com uma medida paleativa de curto prazo.
            Cabe-se questionar-se o porque das mazelas sociais e não apenas criticar sem antes conhecer a raiz do problema.



Tamara dos Santos Oliveira-1 ano SS/Diurno
  
        
              






Durkhein- Problemas x Soluções



 Para Durkhein, a criminalidade é um fato social que é algo normal, desde que não desequilibre a sociedade e se torne anomia. Pois para ele ninguém é mal por natureza, cada indivíduo é uma copia exata do ambiente em que vive.
O homem apenas reproduz as memórias de sua cultura, das suas vivencias de acordo com sua sociedade.
Para decifrar os problemas da humanidade, é preciso se aprofundar muito na história de tal indivíduo, para podermos descobrir as causas na qual está certa pessoa está passando ou vivendo este problema.
Durkhein procura respostas sociais para todos os problemas atuais propostos. O que leva tais indivíduos entrar no mundo das drogas, do álcool, do sexo fácil, do crime. Quais motivos o levaram a entrar nesse tipo de vida. E o que fazem agir assim mesmo sabendo que é um rumo errado.
De acordo com as reportagens, na Suécia trataram os detentos como seres humanos normais, pessoas que estavam ali porque erraram um dia em suas vidas, mais que se fossem tratadas e estudadas a fundo em suas vidas, com certeza iriam conseguir se reinserir na sociedade novamente, tornando cidadãos de bem. Foi o que ocorreu, tanto que foram fechadas 4 prisões da Suécia por falta de presos.
Já no Brasil (Centro Pop), eles tem a excelente ideia de tirar esses moradores da rua, porém socialmente não dão estrutura alguma para as suas recuperações, ficam como amontoados de gente, sem assistencia médica, psíquica e principalmente de reintegração social, não aprofundam em seus problemas passados e lhes dão apenas o básico para a sobrevivência, como: comida, moradia e higiene pessoal, algo que ajuda, mais não trata o indivíduo para uma nova vida.
Hoje em dia não se trata mais um indivíduo "torto", o excluindo da sociedade, essas pessoas tem direito a se tratarem e quem sabe, se for de sua vontade própria, voltar a se integrar a sociedade e ajudar outros de mesma situação.
Para Conte, o interessante é manter a ordem, ou máscarar certos problemas sociais, como vimos que aconteceu no Brasil no Centro Pop, retiram moradores das ruas, do meio do conviveu social, os colocam em uma mansão, mais não resolvendo o problema social daquelas pessoas, apenas tiram o problema das vistas da sociedade.
Para Durkhein, não é interessante excluir, porque para ele cada individuo desempenha um papel na sociedade, uma função, e perdendo um indivíduo, estaria perdendo um corpo social funcional, fato este muito bem visto na Suécia.


 
 João Paulo de Carvalho, 1ºAno - S.S. Noturno





A reeducação frente à criminalidade.

A criminalidade está no nosso cotidiano. O Brasil possui um alto índice, e no entanto esta entre os primeiros nesse ranking.
Condições precárias, falta de: incentivo, atenção e melhorias,  são alguns problemas que encontramos no nosso país.
De acordo com Durhkheim, o social é um fenômeno que deve-se levar em conta. Com o objetivo de observar, analisar, compreender e reeducar para que o indivíduo possa viver em sociedade. Notamos tal aspecto, quando se diz respeito a reportagem "Suécia fecha 4 prisões e prova: a questão é social ", ou seja, houve mudanças, na qual a punição deixou de ser a única solução e iniciou trabalhos nos quais ajudassem o indivíduo a estar apto a sociedade novamente.
O fato de reeducar, está relacionado ao meio em que a pessoa nasce e vive, uns tem oportunidades melhores, e outros não. No entanto, este meio o influencia a um certo cotidiano. Por isso, a ideia de reeducar, para que possa obter um convívio com a população.
Contudo, a situação da Suécia é bem diferente do Brasil, há muitos presidiários para poucas cadeias. Há também falta de profissionais que se dediquem além da punição. Investir em melhores condições e trabalhos diferentes com esse grupo seria de suma importancia, uma vez que dando-lhes uma chance e reeducando poderíamos ter melhores resultados. Não podendo esquecer do começo, de uma boa educação.
A educação e a comunidade nos cria, tanto para o bem quanto para o mal. Estamos postos a sermos influenciados por outros. Porém, são elas que abrem as portas e pensamentos para uma vida em sociedade.

Larissa Gonçalves Ferreira, 1°SSD.

Suécia fecha 4 prisões e prova: a questão é social X Centro Pop vira lugar de sexo, drogas e brigas

Fato Social e cultura

            Vivendo em um mesmo mundo, mas ao mesmo tempo tão distintos. A exemplo disso, temos uma comparação feita entre dois países: Suécia e Brasil.
            A discussão se dá pelo fechamento de quatro prisões por conta do decaimento da violência na Suécia, enquanto no Brasil, especificamente numa cidade do interior de São Paulo, abre-se um novo projeto (chamado Centro Pop) para afastar os viciados das drogas.
            No caso da Suécia, é claro o sentido de ordem tanto nas leis quanto na execução destas (tanto que resultou nesse índice de menos violência no país), o que no Brasil se deixa de lado, culpando a pobreza sobre o caos gerado, já que o Centro Pop é mais uma moradia de viciados para receberem alimento e banho, e não executa sobre eles trabalhos para serem reinseridos na sociedade.
            Isso ocorre pelo fato do abranger de ideias e executá-las, para melhorar o país e consequentemente a vida dos cidadãos, ou apenas incluir mais uma encenação, continuando assim ‘a política do pão e circo’ que tanta certeza se diz ter ocorrido apenas há séculos atrás. Política essa que contribuí para a anomia na sociedade, sem obter a ampla visão de ajuda ao próximo, de colaborar com a evolução natural social.
            Ressocializar o indivíduo na sociedade seria algo de grande trabalho e haveria certa dificuldade de ser executada, pois o desenvolvimento da harmonia em sociedade não se dá de uma hora para outra, assim como não há como exterminar o pensamento egocêntrico. Isso deve ser trabalhado aos poucos, para essa ideia ir sendo inclusa no novo fato social dessa cultura.


(Letícia Braga Carrijo – 1° ano SS – Noturno)

As reportagens analisadas segundo Durkhein

A primeira reportagem relacionada ao fechamento de 4 prisões na Suécia apresenta a questão abordada como social, pois a diminuição da população carcerária que trás como consequência estes fechamentos está intimamente ligada as políticas de ressocialização propostas e inseridas pela Suécia a estes detentos. A reportagem não foca que na Suécia a população tem total acesso aos serviços públicos de qualidade e aos direitos humanos, que a meu ver tem papel fundamental nos fechamentos, pois quando possibilitamos recursos/serviços à população ela não tem necessidade de buscar meios errados para adquirir estes serviços que deveria ser fornecido pelo governo.

A população carcerária brasileira é uma das maiores do mundo, entretanto ao contrário da Suécia, aqui a população não tem praticamente nenhum serviço público de qualidade, e o governo não percebe ou não quer perceber mesmo que se implantássemos aqui o método da Suécia com certeza a população carcerária diminuiria demasiadamente, entretanto no Brasil a situação carcerária envolve muitos interesses econômicos.

A segunda reportagem trata do Centro Pop de Franca um lugar que tem como intuito abrigar morador em situação de rua, mas que está “virando referência” de sexo, drogas e brigas. Entretanto ao analisar a reportagem pude perceber que estão tentando descaracterizar o local, pois três ex-usuários do Centro deram depoimentos em uma rádio local dizendo como ocorriam os tais “sexo, drogas e brigas”, e que simplesmente foram expulsos e suspensos de lá por uma “briga”, contudo o texto da reportagem ressalta que os relatos dados por eles foram uma forma de depreciar o local e ao averiguar a tal briga revela-se a gravidade dela que motivou a suspensão dos três usuários.

Para Durkhein só conseguimos solucionar os problemas de uma sociedade se combatemos as suas causas mais profundas, ou seja, o exemplo da Suécia deixa claro que a criminalidade diminui quando o governo oferece serviços básicos como saúde, educação e segurança de qualidade. Durkhein deseja uma sociedade que seja menos punitiva, assim novamente concordaria com o método aplicado aos presos na Suécia, e em relação ao Centro Pop de Franca ele notaria o tratando injusto e equivocado por parte de uma mídia sensacionalista da cidade, que só tem como intuito criticar sem acrescentar conteúdo válido.


Natyéllen Casimiro de Moraes – 1º ano SS – Diurno

O pensar a sociedade através de Durkheim.

       

Segundo Émile Durkheim, o comportamento das pessoas isto é, o que elas sentem, pensam ou fazem são independentemente de suas vontades individuais, é um comportamento estabelecido pela sociedade, não é algo que seja imposto especificamente a alguém, mas sim algo que já estava lá antes, e que continua depois e que não dá margem as escolhas.
Durkheim prega uma sociedade reta, enquadrada nas regras, pois sem regras, o homem vai ao desespero, e preocupado com esse desespero, ele estudou a criminalidade, o suicídio e a religião.
Pelos pensamentos durkheinianos a sociedade não pode ignorar que existe muitas pessoas na miséria, no desemprego, e estes fatos se refletem na sociedade causando vários problemas, como: roubos, drogas, índices de violência altíssimos que afetam a sociedade como parte de um todo.
É o que acontece com o POP da cidade de Franca-SP, um local que se tornou abrigo de mendigos e usuários de drogas, que resolve o problema somente superficialmente, pois estas pessoas estão a margem da sociedade e precisam mais do que um abrigo, necessita de tratamento psicológico, inclusão e reeducação social, local este que deveria fazer esse papel em conjunto com profissionais capacitados para lidar com a situação especifica, onde se tem regras e ordem no trato moral. É  assim que o Brasil vem solucionando seus problemas sociais de forma descomprometida e superficial, diferentemente da Suécia que tem uma politica de inclusão social e de reeducação e socialização dos presos, onde vem caindo sensivelmente o numero de prisões, demostrando uma politica eficaz.
Diante de tudo isso Durkheim diria que devemos ter uma sociedade que tenha regras, ordem e diante desse pensamento foi chamado de conservador, mas ele defendia que devemos respeitar as instituições como família, religião e seguir a moral , para que o homem e também a sociedade não entre em colapso, e é assim o que a sociedade brasileira enfrenta hoje, uma perda excessiva dos valores e assim um índice de marginalidade e descontrole total.



Daiane Marcelino do Carmo Telles, 1 ano Serviço Social - Noturno

Partes x Todo: Realidade de uma sociedade.

  As matérias analisadas trás a reflexão do ser social que habita em cada sociedade retratada. É errônea a comparação entre a realidade carcerária da Suécia, junto com o conjunto de fatores que formam o pais, com a realidade carcerária do Brasil junto com seus diferentes fatores de formação.
 Para analisar a situação dos dois países é necessário levar em consideração as raízes que ele se baseia junto com sua politica. A população carcerária brasileira tem um numero muito maior do que a população carcerária da Suécia, a superlotação nos presídios brasileiros já é algo rotineiro e o desrespeito aos direitos básicos desta população também.
 Frente a isso é necessário o reconhecimento das diretrizes que rege o pais e do apoio governamental que ele recebe. Assim um pais onde não há investimento em saúde, educação e cultura há uma vulnerabilidade e uma tendência ao índice de criminalidade ser maior, pois esses fatores auxiliam não só um individuo adquirir sua personalidade mas também a sociedade a adquirir suas características, que é formadora de opiniões e tem grande uma grande interferência ao crescimento do individuo.
 Para Durkheim, no livro As Regras do Método Sociológico, “[...] Esta bem longe de existir no todo devido ao fato de existir nas partes, mas ao contrario existe nas partes todas porque existe no todo. [...]” (DURKHEIM, p.17). Durkheim esclarece com êxito a influencia sofrida pelos prisioneiros, tanto de um pais quanto do outro, e sobre os moradores em situação de rua citados nas matérias.

  Marcela Casagrande Manzolli, 1 SS, Diurno.  

A sociedade se tornando problema social

Durkheim nos proporciona varias visões sobre a sociedade e o individuo como ele se porta em ambientes diversos da sociedade.
Vemos que um individuo tem suas atitudes sua forma de ser e agir definida de como ele foi criado em que sociedade, um índio não se veste e não vê malicia naquilo, já pessoas que vivem em cidades urbanas e tem uma vida social diferente da dele, se porta diferente pois cresceu naquele ambiente naquela sociedade.
Dai chega o ponto dos fatos sociais, uma pessoa que vive em um ambiente que a sociedade julga ruim, onde o senso comum arrisca a dizer que todos que vivem ali "são bandidos" essa pessoa convive naquele ambiente, vive sendo julgado, sendo maltratado, que no fim acaba se tornando oque todos dizem.
Vemos como na reportagem sobre as cadeias na suécia, estão vazia pois esta havendo um tratamento social com essas pessoas, e ai o autor diz, " Exemplo sueco deixa claro, mais uma vez, que a questão da criminalidade é, sim, social. Ninguém nasce malvado, não existe o que popularmente é chamado de sangue ruim."
Como diz Durkheim, sim a sociedade é que constitui a pessoa, se você não vivesse em sociedade muitos hábitos que você tem, tu não teria, ate o mais simples deles, como se alimentar sentada em uma mesa. E perceber o fundo do problema social, e solucionar como de fato a suécia fez em colocar essas pessoas de volta na sociedade e ver que elas não são assim porque nasceram, mas ver que a sociedade que causa tudo isso, pois afinal tudo tem uma explicação mais profunda e orgânica e deve ser resolvida.
Vitória Raquel Ribeiro Rocha
1ª SS - Diurno

O homem como produto da sociedade

Analisando as duas reportagens, notei uma distinção muito contrastante entre elas. Foi inevitável não levar-me à uma reflexão e não perguntar-me: por quê?
A notícia trazida pela Carta Capital, que relata que na Suécia 4 prisões foram fechadas, traz um resultado eficaz que é consequência de um determinado posicionamento da justiça do país. Por outro lado, a notícia sobre o Centro Pop de Franca, traz um resultado completamente oposto, que é consequência de um posicionamento completamente contrário ao aplicado na Suécia.
Ambos os fatos confirmam a teoria de Durkheim, que afirma que "a estrutura da sociedade está na essência da explicação dos fenômenos sociais."
As duas notícias retratam fatos relacionados a pessoas!!! O diferente resultado trazido por elas é fruto do posicionamento que a sociedade e o estado tomam frente a isto.
Como exigir que moradores de rua e ex usuários de drogas mudem seu comportamento, se sempre foram condicionados a agir de tal modo por serem marginalizados, excluídos e reprimidos pela sociedade?
Enquanto por um lado na Suécia medidas para a reinserção dos detentos na sociedade são criadas, no Brasil  os responsáveis pela "manutenção da ordem" são acionados cada vez que acontece algo (que para os "marginalizados" é comum em seu cotidiano), e usam de violência e repressão para solucionar (temporariamente) o problema.
O grande diferencial entre a Suécia e o Brasil, é que na Suécia estão procurando medidas para solucionar o problema desde sua raiz, enquanto que, no Brasil são tomadas apenas medidas paliativas.
Já dizia Durkheim: "A estrutura política de uma sociedade não é senão a maneira como os diferentes segmentos que a compõem se habituaram a viver uns com os outros."


Carolina Neves/1ºSS - Diurno

Constantemente influenciados

                Émile Durkheim, assim como Comte, tem como objeto de pesquisa a analise da sociedade. E propõe que se mantenha a maior distância possível entre os valores morais e opiniões do pesquisador de seu objeto de pesquisa.
                Ao analisar a sociedade, percebemos os fatos sociais, fenômenos que ocorrem em seu interior, e possuem grande influencia sobre o modo de vida dos indivíduos que a compõe. A análise feita das ideias para as coisas e não ao contrario é criticado por Durkheim.
Somos indivíduos influenciados pelo coletivo social, e apresentamos várias manifestações sociais, que podem muitas vezes, ir além do que pensamos e o modo como vivemos, corrompendo então, nossa individualidade, e reproduzindo um modelo coletivo, pois a sociedade nos impõe comportamentos, e pensamentos que com o tempo vamos interiorizando-os, para nos tornar apenas funcional para mantê-la funcionando, e tal coerção torna-se ainda mais evidente quando se está sendo resistida, e tal resistência é seguida por uma reação punitiva para que logo se reestabeleça a ordem e que tudo volte a ser “normal”.

 Assim como é o caso da violência, que somos infelizmente obrigados a conviver com ela, e que segundo Durkheim é imposto pela sociedade, a qual é capaz de modificar o ser humano, e torná-lo violento ou não, o meio pode influenciá-lo, a vida comum determina a sincronia das relações entre os indivíduos, e tais fatos não podem ser simplesmente vistos, é necessária uma rápida intervenção, tomando como base a matéria publicada no portal GCN.net.br de Franca, o centro pop perdeu sua real essência e objetivo para os moradores de rua, que necessitam de amparo, e no lugar disso, nota-se um ambiente propicio à drogas, sexo e violência, exigindo cada vez mais a intervenção militar, mas o problema não é solucionado á suas raízes, apenas de maneira superficial, devemos tomar por base, a iniciativa social adotada pela Suécia, o país fechou quatro prisões e um centro de detenção por não haver mais prisioneiros, no qual houve investimento para a reabilitação de tais, e outras medidas que visam além de fazer com que o infrator preste contas por seus atos, formá-lo novamente e inseri-lo na sociedade realmente diferente de como foi encontrado, observamos então as influências sociais presentes de forma tão precisa na vida das pessoas, e que há muito era observado por Durkheim. 

Marina Neves Biancini 1º ano SS- Diurno 

Graziela Donizetti dos Reis                       1º Ano SS Diurno
 A influência da sociedade sobre o indivíduo.
                Os dois textos evidenciam  e reforçam o que Durkheim afirmava.  Os fatos sociais determinam a maneira  como  o indivíduo pensa, fala e age. O texto que se refere ao Centro Pop é um exemplo  do que  Durkheim  veria como reflexo de padrão de um determinado grupo na sociedade. Grupo esse que  freqüentemente  nasce em meio ao caos, tendo como  família pessoas que já estão nesse contexto  social, dificilmente conseguem    mudar sua  situação .Seria  muito fantasioso  esperar de um jovem que cresceu em uma família de viciados, manter-se afastado do tóxico e do crime.  A sua infância é cheia de padrões  vistos como não convencionais pela sociedade, mas para o jovem que vive naquele contexto, o padrão social que lhe é imposto é o de um criminoso. 
            Contrapondo-se a essa realidade, o texto que se refere as prisões da Suécia mostram e também reforçam a teoria de Durkheim  de que a sociedade define o indivíduo, comanda suas atitudes e mesmo que o indivíduo não perceba esse comando invisível, ele está acorrentado aos padrões pré definidos pela sociedade. O exemplo da Suécia de investimento na educação  garante menores possibilidades de uma pessoa entrar no mundo do crime. Porém quando a pessoa torna-se criminosa, há política de reabilitação que realmente proporciona novas chances ao encarcerado, ou seja, saindo da prisão, o indivíduo não tem apenas o crime como opção de sobrevivência. Portanto   nesse contexto, o padrão  social  colabora com o indivíduo para que ele possa ser novamente inserido na sociedade. Ou seja, o indivíduo continua se submetendo aos padrões impostos pela sociedade, mesmo que esses padrões sejam bons ou maus, não há como fugir das imposições da sociedade.


O importância do questionamento social

Segundo Durkheim,  o objeto de estudo é obtido através da observação e entendimento dos fatos sociais, que são resultado da busca pelos fenômenos ocorridos na sociedade. Através do questionamento, da indagação sobre o fato social, que se obterá respostas concretas para determinado assunto, é necessário conhecer a sociedade a fundo para poder solucionar os seus problemas, conhecendo cada sociedade da maneira que ela foi desenvolvida, e que é na atual circunstância. É visto então, a partir dessa teoria, que devemos buscar entender as causas para poder obter a "cura" para o população, é dado o exemplo ocorrido na Suécia, em que 4 prisões foram fechadas, em consequência de algumas mudanças na questão social, reformuladas a partir de uma busca pela reeducação, provando assim existir uma ligação entre a criminalidade e a questão social.
Durkheim, também expõe que toda conduta, ou pensamento não são derivados apenas do indivíduo por si só, mas de uma força externa que é implantada sem ao menos se sentir os efeitos dela em nossas vidas, que é chamada de força de coerção. Quando fugimos das regras coercitivas, somos repreendidos de alguma maneira, indiretamente ou diretamente. É possível ver a luta constante contra as imposições, na frase mencionada no texto, "Mesmo quando posso realmente me libertar destas regras e viola-las com sucesso, vejo me sempre obrigado a lutar contra elas", ou seja de uma maneira ou de outra, podemos estar saindo de determinadas convenções e/ou grupos sociais, para entrarmos em outra, pertencendo novamente a alguma convenção ou grupo social.

Ana Laura Assis Siqueira 1° ano SS diurno.

Pensando com Durkheim

        Durkheim preza a formação do ser social através da educação, na qual o indivíduo tende à ser formado para assim ser inserido na sociedade e que esta educação, por sua vez, é refletida de acordo com a pressão do meio social.
        E, analisando os dois textos percebemos que no Centro Pop há uma falta de organização entre a segurança e o controle dos funcionários em relação às regras do Centro. Os usuários têm livre acesso ao uso de drogas e bebidas, as brigas e furtos são constantes. E quando os usuários sofrem alguma punição na maioria das vezes são afastados das atividades do Centro por tempo indeterminado.
        Já na Suécia, quatro prisões e um centro de detenções foram fechados pela falta de prisioneiros. Sua falta destes são resultados das formas de como os presídios investem na reabilitação, inserção dos presos na sociedade; delitos relacionados a drogas as penas são mais leves e a adotam penas alternativas dependendo de alguns casos.
        No texto do Centro Pop, Durkheim pensaria em analisar os fatos e estabelecer uma educação em que os usuários pudessem ser reabilitados e juntamente dando uma assistência para que pudessem ser inseridos na sociedade (reeducados), utilizando meios com que foram dotados pelos presídios na Suécia. 

Kamila Ferreira Alves,   1º Ano SS Diurno

Emile Durkheim

 Um novo caminho

   A sociedade tem como hábito excluir tudo aquilo que foge do padrão imposto per ela. Somos educados de acordo com o meio em que vivemos e nossa maneira de agir e pensar são totalmente influenciados. Marginalizamos o "diferente" antes mesmo de tentar compreende-lo.
    A criação de uma casa com o objetivo de recolher moradores de rua em Franca, o Centro Pop, tem causado uma polêmica na cidade,tal iniciativa tem feito com que a população vizinha do local questionasse e criticasse a sua criação alegando a falta de segurança por causa das brigas,o uso de drogas e furtos ocorridos na região, reivindicando o fechamento do Centro. Mas com o fechamento, esses moradores, que dificilmente tiveram acesso a serviços públicos, ficariam sem um lugar onde pudessem dormir, se alimentar, ou de até mesmo receber algum tipo de educação.
   No ano passado na Suécia houve o fechamento de 4 prisões por falta de prisioneiros, dentre os motivos o que se destaca é o investimento na reabilitação de presos, ajudando-os a serem reinseridos na sociedade,o que prova que o homem não nasce ruim, seus atos são reflexos da educação que obteve no ambiente em que foi criado. Essa atitude tem característica dos metádos apresentados pelo sociólogo Emile Durkheim (1858-1917) que defendia o estudo para saber o que leva certos indivíduos a estar em condições extremas para que haja, posteriormente, uma reintegração na sociedade.
   Entendendo a importância de se investir na ressocialização do cidadão, a população vizinha do Centro Pop compreenderia que o melhor a se fazer nesse caso é seguir o modelo sueco e não simplesmente fechar o local,  ignorando que a sociedade em si tem a sua parcela de culpa na situação desses moradores.

Élica Batista dos Santos, 1° Ano de Serviço Social, matutino.


Qual a ideal solução? 
Ao fazer a leitura dos dois textos sugeridos, tento encaixá-los ao que estudamos nas duas últimas semanas.
O primeiro texto com o título: "Centro Pop vira lugar de sexo, drogas e brigas."
Este texto se refere a um local que foi destinado a receber moradores de rua, para que esses tivessem um local para se higienizar, se alimentar e dormir, porém este local, está sendo alvo de muitas reclamações, tanto por vizinhos, pela guarda civil, e pelos próprios funcionários.
As queixas são sobre, brigas,constantes usos de entorpecentes e furtos dentro dessa casa.
O segundo texto - "Suécia, fecha quatro prisões e prova: a questão é social." - fala sobre o fechamento de quatro prisões devido a falta de prisioneiros, e alega que isto se deu devido a investimentos na reabilitação desses, ajudando-os a ser reinseridos na sociedade, penas mais leves para delitos relacionados ás drogas e a utilização de penas alternativas (como liberdade vigiada) em alguns casos, sem citar que lá as políticas públicas são levadas a sério. O primeiro texto se encaixa no positivismo de Comte, onde se pensa em resolver o problema agora, oferecendo a casa aos moradores de rua, em restabelecer a ordem, não se preocupando com o porque de tantas pessoas estarem morando nas ruas, e nem em quantas outras mais irão precisar dessa ajuda.
Já o segundo texto se encaixa na teoria de Durkheim, onde ele procura conhecer o que causam os problemas sociais, ele usa como recurso o distanciamento de sentimentos para que se tenha uma real análise do objeto estudado.
Quando se diz que as prisões foram fechados por falta de prisioneiros, logo se segue o porque, começaram a se preocupar com a origem do problema, fizeram uma análise dos fatos que os levavam a serem prisioneiros, e agiram de acordo com estes, e tiveram resultados significativos.
Para Comte a sociedade deve ser analisada como ela é, de forma concreta.
Para Durkheim é pensar no porque das coisas, e valorizar as causas que antecedem os problemas, é ter ações reais e não paliativas.
Qual seria a forma mais eficaz para solucionar essa questão: moradores de rua? Seria criando casas abrigos? Ou investir em educação, saúde, reabilitação e com o tempo começar a fechar também alguns presídios brasileiros?



Silmone de Lima Albino 
1º ano SS diurno.

As grades dos Métodos Próprios



Os meios midiáticos vinculam com extraordinária supremacia inúmeras noticiais de diversos segmentos. Em foco aos veículos que colocam em pauta questões sociais permeando as localidades de aonde ocorrem; citando, por exemplo, a notícia sobre a Suécia com destaque ao índice da situação carcerária: 4 prisões fechadas e diminuição de presos. Esta estatística influenciada por investimentos pela reinserção de presos além de penas mais flexíveis.


Sob a analise Durkheimniana entra em vigor a generalidade sobre a marginalidade como foco, tratada de forma não coercitiva; em comparação com o Brasil: de como uma país europeu perspectivou além da sistemática em procura de resultados que favorecessem a toda a população, sem excluir a quem mais precisassem de assistência. Reestruturando questões sociais e politicas.


O fato social, exemplificado como coisa predispõe a regras e costumes coletivos, pela exterioridade em que é tratada. Evidenciando a manchete, salientando a problemática do sistema carcerário seria possível discutir em como os métodos utilizados para desmitificar, propor e alcançar a amplitude social?
Por ter prisões fechadas por falta de presos? Em contraste nosso país situa-se em colocação caótica pelas leis, moralismo e linearidade sobre a marginalização: Só aqueles que possuem determinado modo de vestir, linguagem; submetida ao sistema educacional repressor. Normas existentes e em consequência as pressões de seu meio social. Pré-definidos aos determinismos, são os perigos de nossa Sociedade?, ou são as vitimas mais visíveis devido as punições sobre o agir, sentir e pensar?


Os fatos sociais desvelam o que se torna introjetável e imposto pela Instituições Sociais como família e escola moldando as perceptivas do coletivos, em cada nação.




Taciane Caroline Ferreira Araújo, 1º ano SS diurno


     

Como manter a ordem com uma ação superficial?


O centro Pop, como temos visto e ouvido, tem gerando grande discussão, desde sua criação a sua funcionalidade, ou podemos dizer a sua má funcionalidade. Uma ação como está, pode ate ser classificada como uma medida superficial, positivista, na tentativa de acabar ou amenizar o problema de pedintes e de circulação de moradores de rua naquela região da cidade, com uma intervenção imediata e sem conteúdo, ou seja, o centro foi criado simplesmente para acolher os moradores de rua, no entanto não é provido de atendimento, acompanhamento àquelas pessoas que jaziam  em situação precária de vida.
É necessário sempre que se analise e se busque, em mais profundo,  qual fato social ocasionou tal consequência, a consequência do viver na rua. É  preciso entender  porque o individuo esta morando na rua? Qual a realidade de vida dele? O que o levou a sair de casa e deixar sua família? Quais as situações existentes na sua vida que o levou a tomar tal decisão? É claro que se formos analisar isso, levaremos muito mais tempo para auxilia-los, emancipá-los e socializá-los novamente, portanto é muito mais conveniente agirmos de modo positivistas,  tomando atitudes imediatas sobre o fato, para depois, se conveniente, tomarmos atitudes mais profundas que realmente se encarregue de entender o fato social, entender a situação ao qual estão aqueles , por hora atendidos.
Segundo o que lemos na matéria que tem como manchete: “Centro Pop vira lugar de sexo, drogas e brigas”. O que remete sobre essa manchete é que a realidade que os usuários do centro Pop estão vivendo, não está tão distante da realidade que eles viviam na rua, ou seja, estão simplesmente agora com um teto, e refeições diárias, o que poderia ser feito para se ter mais eficácia nesta medida, seria um atendimento mais sagaz e uma monitoria mais firme sobre aquele se diz, a solução para o problema. Uma pessoa que vive na rua não necessita simplesmente de um lugar e refeições para mudar de vida, é preciso um atendimento mais eficiente e profundo para estas pessoas, é necessário sim criar um centro que os insira novamente na vida social, mas é preciso que estes centros estejam capacitados para atender e estejam preparados para manter a ordem, tanto dentro quanto fora, pois se estão vivendo uma situação parecida a qual viviam na rua, a única funcionalidade do lugar é a refeição e a moradia, ou seja, o problema continua e a solução esta ainda distante.

É preciso levar em conta que a resolução de um fato social, não esta superficialidade e na atitude imediata para tentar conter a situação, é preciso ir mais além, é preciso verificar a situação individual para assim tomar medidas cabíveis e resolver ou amenizar a situação social. Se um é levado pelo todo, podemos entender que uma situação precária unida a uma ideia positivista na tentativa de resolver esta situação com ações imediatas, tornará a situação mais precária ainda. Que fato social levou estes indivíduos a esta situação? É preciso enxergar qual é esse ‘todo’ e qual é esse ‘um’ que tem ocasionado o estado de vida destas pessoas.

Pedro Paulo Pereira Cardoso-1° Serviço Social Noturno

O ser social

"O fato social é reconhecível pelo poder de coerção externa que exerce ou é suscetível de exercer sobre os indivíduos" Emile Durkheim O homem vive de acordo com as regras impostas pela sociedade, seu modo de pensar, agir, falar é o que o torna o ser social, até mesmo quando se foge destes padrões é notável as imposições da sociedade. Seguindo os métodos de Durkheim, para solucionar um problema social, é necessário aprofundar o conhecimento sobre as sociedades sem interferir nela respeitando o modo de vida delas, buscando entender suas origens, costumes, crenças, seu ambiente físico e as regras que os cercam, o homem está impregnado pelos padrões da sociedade em que vive desde pequeno e isto interfere nas suas ações. Ao comparar as duas reportagens torna verídico que o ambiente externo transforma o homem, na Suécia eles buscam a ressocialização dos presidiários, e ao ser inserido novamente na sociedade eles passam a seguir as regras sociais, com isso houve uma diminuição na população carcerária do país e prisões foram fechadas por falta de detentos, eles tiveram a percepção que a exclusão dos que vivem a margem da sociedade não resolve o problema. Na outra reportagem é falado do polêmico Centro POP de Franca-SP, que busca a ressocialização dos moradores de rua, grande parte da população francana vê o centro pop como algo desnecessário, relatos dizem que estão usando drogas, roubando as regiões próximas e várias outras reclamações, uma maioria têm atitudes positivistas e querem que eles saiam dali e sejam excluídos da sociedades, querem tapar o sol com a peneira, pois, tirando eles dali vão voltar pras ruas e não vai mudar nada. Para buscar uma solução usando os métodos de Durkheim, deveriam se aprofundar na vida e na sociedade em que viveram os moradores de rua,compreender a vida deles e buscar a raiz do problema é o melhor modo de conseguir realizações concretas e profundas. Deve-se sim extinguir esses problemas, mas sem esquecer que são seres humanos que tem sentimentos e merecem ser tratados com respeito. Lilian Greice de Paula 1° ano SS/noturno

A criminalização da opressão.


 O que não é novidade para ninguém, é o índice alarmante de crimes pelo Brasil, porém, o que também deveria ser um crime é a opressão de um sistema injusto, a manutenção de uma pobreza para que exista uma riqueza. Tomando por base o pensamento de Comte, os crimes não passam de ações que desestabilizam a ordem e o progresso da nação, que devem ser restaurados pelos órgãos vitais da sociedade. Durkheim, pensa nessa desordem como algo que deve ser penalizado para que sirva como exemplo de que aquilo não deve mais acontecer na sociedade.
 Analisando uma noticia da Suécia, onde o número de presidiários caiu tanto que quatro prisões foram fechadas, é normal como primeira reação, glorificar mentalmente os métodos de reeducação social, mas com certeza aquilo que diretamente influi na "formação" de criminosos é a educação que podem e puderam ter, a vaga desde pequeno em uma creche, uma saúde pública de qualidade e vários outros direitos humanos assegurados. É muito fácil amontar famílias em favelas e depois amontoá-las em celas, utilizando sempre o discurso do herói e vilão, pouco importando se durante toda a vida, esse individuo sofreu por ter sua classe sugada, mesmo que involuntariamente, por outra. 
 A realidade de quem viveu na rua, alimentando-se com restos, álcool e drogas é alimentar-se com restos, álcool e drogas, o que acontece no Centro POP de Franca, em São Paulo. Um local que abriga moradores de rua, só que extremamente criticado pelo comportamento dessas pessoas. Colocados numa situação primitiva em que fazem sexo ali mesmo, mas qual o problema de dois seres humanos (mesmo que isso não importante enquanto estão na rua, sem interferir na vida sistemática de ninguém, mas quando "colocados de volta na sociedade" devem se comportar como tais) transarem? Atentado ao pudor? Atentado ao pudor é essa disfarçada censura que agride diariamente a natureza humana. 
Vitor Veiga Corne, 1ºSS/D
Analisando os dois textos propostos, vemos a discrepância das situações, no primeiro texto, que mostra o fechamento das prisões na Suécia, por falta de detentos, podemos observar claramente como o investimento do governo na classe presidiária pode mudar o contexto de tudo, o governo sueco investe na reabilitação e na (re)inclusão dessa classe na sociedade. E indubitavelmente, funciona!
A aplicação de penas mais leves e outras opções de cumprimento de pena pela análise da gravidade do delito, fazem com que os detentos mudem a sua conduta, acarretando uma contração no número de reclusões.
Ao contrário do Brasil, onde não se investe na (re)inclusão de tal indivíduo na sociedade e sim cada vez mais o ignora e exclui desse meio. O não comprometimento do governo com a sua população, faz com que a "minoria" (que na verdade é a maioria) não é tratada como se deve e pelas condições em que vivem, fazem sua própria lei, já que o governo não dá o que eles tem por direito, os mesmo vão atrás do que precisam, e essa desordem é fruto do sistema, sistema que não investe em nenhum sentido na qualidade de vida da população.
Durkheim, em sua perspectiva, mostra que para solucionar um "problema" social, é preciso se aprofundar nele, no que gira em torno dele, e o que levaram a ele, para que dessa forma, possa soluciona-lo.


 "É preciso sentir a necessidade da experiência, da observação, ou seja, a necessidade de sair de nós próprios para aceder à escola das coisas, se as queremos conhecer e compreender."
Émile Durkheim


  Júlia Carvalho Rodrigues - 1SS/Noturno

Repensando as Questões Sociais

                Sinto necessidade de exaltar alguns ideais de Durkheim, como por exemplo seu discurso sobre a educação, anomia, seu olhar para as diversidades da sociedade e seus inúmeros grupos e até mesmo a punição. Estes fatores estão todos interligados, se um destes aspectos encontra-se em desequilíbrio, vários problemas sociais serão engendrados. Para este sociólogo, o fato social é tudo aquilo que expressa coerção da sociedade sobre o indivíduo, é natural, já é pré-estabelecido e está condicionado instintivamente.
                Uso como exemplo o Centro Pop, casa criada para atender moradores de rua da cidade de Franca/SP, que se tornou motivo de revolte para a população local, devido ao “luxo” oferecido aos usuários que na maior parte fazem uso de drogas e bebidas alcoólicas e já houveram acusações de furtos, estas pessoas usufruem de privilégios que parte da população não tem acesso. Aos olhos de Durkheim, este caso seria mais um fato social advindo de vários outros. Quantos dos moradores tiveram acesso a uma educação de qualidade? Ou obtiveram uma pena justa aos seus erros cometidos (penas advindas da justiça e da sociedade – que inúmeras vezes os recriminam para o resto de suas vidas, aquele que errou será sempre errado.)? Quem dessas pessoas receberam o devido respeito a sua opção sexual, religiosa ou cultural?
                Sabemos que a educação forja o ser social lhe incutindo regras, cria o ser social, pois este elemento constrói o auto controle, “cria por dentro”, e impõe comportamentos aos quais não chegaríamos espontaneamente. Podemos acrescentar a essa visão de Durkheim, que os quatro pilares da educação (aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos e aprender a ser) são voltados para a possibilidade do agir sobre o meio envolvente, cooperar com os outros. Se tudo isso é dispensado ao indivíduo, teremos uma sociedade patológica, que sofre de anomalia, quando ocorre a perda dos referenciais, das regras que regem a sociedade na busca de novas regras que podem negar os valores morais padrões, passando a valer a regra do mais forte.
                Começo a pensar melhor nas bases que sustentam a humanidade e a entender o processo de socialização e ressocialização. Ao mesmo tempo que educar é importante reeducar passa a ter o valor tanto quanto ou maior, pois disso dependerá o indivíduo para voltar ao convívio social, no caso brasileiro, como podemos apontar nossos presídios como centro de reeducação social se neste o que vale é justamente a anomia? Ou seja a regra do mais forte, nós, como sociedade moderna necessitamos de mecanismos para tratar socialmente o indivíduo, assim como a Suécia, devemos investir nos aspectos sociais, aos quais são responsáveis na formação de um indivíduo que tem o direito de errar, voltar atrás, ter a devida punição e quando perceber os seus erros, voltar à sociedade. Pois como Durkheim disse, quando não há problemas sociais, podemos fechar os presídios.

Ivone Carolina Fernandes da Silva – 1º Ano SS Noturno – UNESP Franca - 2014 
Hugo Zanchetta Otaviano 1º SS noturno

Ambos os textos abordam temas que ao mesmo tempo soam semelhantes, porém acabam destoando entre eles.
Enquanto o texto da Carta Capital trata sobre o fechamento de quatro centros prisionais, que só ocorreram por conta de políticas sociais e abrandamento de penas sobre delitos de menor gravidade, o texto do jornal local trata sobre a criminalização da pobreza, fazendo de (mais) um problema social, que é a falta de habitação, caso de polícia.
Na Suécia, onde políticas voltadas para o estado de bem estar social são levadas a sério, dando opções de educação, lazer, trabalho e moradia, o nível de criminalidade caiu, sendo necessário até fechar quadro unidades prisionais, pois já não fazia sentido mante-las funcionando. Isto sem contar o relaxamento de penas sobre crimes de menor gravidade (furtos, trafico, etc).
No Brasil, mais especificamente em Franca, um estardalhaço sobre práticas ditas criminosas em um centro para desabrigados. Uso de drogas e até mesmo relações sexuais são tratados como casos policiais, dos mais hediondos. Tudo isto atrelado a uma ideia de criminalização da pobreza. Neste caso da miséria.
Em ambos os casos, as notícias mostram como é clara a influência do meio na sociedade, de modo bem durkheiniano, explicitando a forma como o fato social se demonstra. Enquanto condições básicas como saúde, educação, moradia e lazer são levadas a sério em um lugar (Suécia), indices criminais tendem a despencar, levando ao já muitas vezes falado fechamento de prisões. E enquanto a pobreza for tratada como caso de polícia, sem que sejam respeitadas e cumpridas minimas politicas e ações sociais, o Brasil tende a pular de quarta para terceira, para segunda e finalmente para primeira população carcerária do globo.

Fato Social é necessário para viver em SOCIEDADE?

Desde o nosso nascimento e crescimento somos instruídos dentro da sociedade pelos nossos responsáveis, a partir daí, aprendemos tudo que começa a formar nossa personalidade a ao nosso caráter, aprendemos também a cultura, a qual é diferente em todos os lugares, assim aprendemos a respeitar também, respeitar a opinião do outro e entender que a sua verdade, nem sempre será igual à verdade de outrem.
O fato social é na realidade uma padronização do modo de viver, o ser humano segue tudo aquilo que é imposto pela maioria (que é ensinado pelos seus pais, que também aprenderam com os seus pais e assim por diante), este fato nada mais é do que as regras jurídicas, as morais, os sistemas, os costumes e as maneiras de agir com cada situação no cotidiano. Toda essa resistência deve ser seguida, para que não sejamos “excluídos” da massa, e que possamos viver em harmonia com os outros indivíduos.
Porém existe uma parte que não tem conhecimento dessas normas, como fica explícito na notícia do Centro Pop em Franca, o qual tem como objetivo atender pessoas que se encontram em situação de rua, os funcionários desse estabelecimento estão sendo criticados pelos guardas militares, os quais comparecem ao local para resolver eventuais intrigas (que na realidade o verdadeiro responsável de cumprir esse dever é a polícia militar, e não a guarda municipal), a crítica é feita pela a falta de responsabilidade no que diz respeito a ausência de vigília  dos funcionários para com os usuários, os quais não seguem normas para uma boa integração entre eles, essas normas básicas não são respeitadas quando observa-se que dentro do centro esta ocorrendo sexo de forma explícita, uso de drogas e ingestão de bebidas alcoólicas.

Maisa Bozelli Vieira – 1º ano SS – Noturno


Será que tudo é influencia?


Paremos e pensemos será que como agimos e o que gostamos, realmente vem de nós? São coisas e desejos que realmente queremos e gostamos? É difícil entendermos isto mesmo, mas desde que nascemos somos forçados a fazermos certas coisas, e sim para conseguirmos viver em sociedade, nos "educar",e além disso seguir praticas que foram criadas muito tempo atrás, e essa pressão vai se aumentamos e não percebemos isso, porque vira algo habitual.
E na noticia nos apresenta, a diminuição de presos na suíça, e o aumento no Brasil, mas devemos pensar como será que esses indivíduos de diferentes países foram criados, porque não é culpa no individuo e sim da sociedade, e do grupo social que ele convive, o grupo social em que somos inseridos tem regras, alias todos tem regras, nos fazem a nos acomodarmos tanto com elas, que pensamos que são nossos: o pensamento, a forma de agir, e tudo isso porque queremos, o grupo em que convivemos pode fazer até indivíduos ingênuos a cometer atrocidades, e nos fazem ser arrastado até pelos sentimentos dos outros.
Então será que em ambos países não ocorrem isso, os indivíduos são influenciados pelos seus grupos? Ou será que na suíça eles tem a "organização", onde incorporaram da coesão social, dos valores de sociabilidade que garantem a não ocorrência da anomia, agindo como um órgão importante da sociedade, para manter seu equilíbrio ? Também podemos pensar que ainda aqui no Brasil é algo mecânico, através do espelho, eles veem o que acontece com quem comete um delito por isso fazem.
                                                                              
                                                                                            Caroline Alves 1ºano SS/Diurno

Fatos Sociais e Reais

A analise de Durkheim é focada nos fatos sociais do mundo ligando esses fatos com a população.
A população vive cercada pelo fatos sociais do mundo, pois ela é imposta a isso, querendo ou não.
Quando a criança nasce, ela já nasce imposta a fatos sociais que já estão no mundo.
Quando crescem também, pois precisam fazer escolhas conforme pensa a sociedade a fundo.
Tipo a opção sexual, pois ainda existe muito preconceito, e o caminho vai ser maior para percorrer.
Pois desde quando se é pequeno tem a ideia de casar, ter filhos, netos e depois morrer.
Tudo isso é imposto pela sociedade, tanto a forma de viver.
Como a forma de pensar, de se vestir, de conversar e de escrever.
Que se isso tudo não for conforme a sociedade impõe, isso já é visto como um mau proceder.

Observando a noticia "Suécia fecha 4 prisões e prova: a questão é social"  vimos o quanto a criminalidade é uma questão social e quanto a educação é importante para a evolução de um país e de uma sociedade. Podemos ver também, que existem outras formas de punir um individuo pelos seus atos. O que é muito interessante para os países como o Brasil que tem uma população carcerária muito grande, até com prisões lotadas. Porem, isso só vai mudar, a partir do momento que os governantes começarem a ver essa questão com outros olhos e verem que isso é realmente um problema e uma questão social.

Isadora Silva Mansur. 1° Ano de Serviço Social - Noturno 
   Émile Durkheim compreende a sociedade como um conjunto de ideais constantemente alimentados pelos indivíduos que a constituem. Segundo ele,  para entender os fatos sociais que é toda forma de agir do homem em sociedade de acordo com suas normas,  é necessário buscar, realizar uma análise a fundo, analisando os fatos como coisas, e principalmente entendê-los.
   Ele que  acredita na manutenção do equilíbrio social compreenderia que os fatos apresentados devem ser analisados profundamente, pois o equilíbrio da sociedade deve ser estabelecido através de suas bases, ou seja, deve ser investigado desde seu início. Como a educação, saúde e moradia, dando assistência aos indivíduos inseridos nesta sociedade, sendo que muitas vezes os acontecimentos são derivados de problemas anteriores que geram uma revolta por parte de alguns indivíduos. Temos o exemplo da Suécia que preferiu investir na reabilitação e inserção dos indivíduos em seu meio de vivência. Tendo em vista que nem sempre a punição é a melhor solução, por isso é necessário a investigação dos fatos para que não haja equívoco.

Caroline dos Santos 1º SS - Noturno
FATO SOCIAL

      Quando nascemos automaticamente somos inseridos em uma sociedade e independente de qual seja ela, suas regras e leis já estão impressas em sua cultura na qual somos ensinados desde criança, o modo como falamos, sentamos, comemos e agimos isso tudo para que a própria sociedade prevaleça e a vida em conjunto aconteça. Um fato social é quando somos através dessa sociedade que fomos inseridos, manipulado e forçado para o bem coletivo a agir de tal maneira independendo de nossa vontade ou escolha.
       Durkheim um positivista, em seu texto mostra visando o bem maior da coletividade, um ponto de vista coerente a essa realidade, e através disso ele olha para os fatos sociais como certos problemas da vida em sociedade e defende a ideia de analisarmos e apontar soluções para tais fatos.
       Podemos analisar perfeitamente a visão de Durkheim no caso da Suécia que fecha quatro prisões simplesmente investindo em politicas mais flexíveis e inteligentes na reabilitação de detentos para inseri-los na sociedade em vez de exclui-los cada vez mais.
       Entretanto a solução mais viável e eficaz para sociedade que tenha algum problema é a educação publica de qualidade para crianças, que é a base fundamental para toda e qualquer sociedade, que desde pequenas passam a entender e valorizar os princípios de uma vida honesta em grupo e principalmente respeitando os direitos humanos de cada individuo.

"A macacada quer saúde, educação, respeito, justiça".
Rogério Flausino, Planeta dos macacos, Rock in Rio 2011.




Tatiane Gomes Montes 1º ano SS, Diurno.



A culpa não é minha

Alguns pesquisadores acreditam que o crime é algo transmitido geneticamente, outros seguem a linha de análise que o explica pela psique dos indivíduos.
Segundo Freud, o comportamento antissocial e a delinquência são decorrentes de um desequilíbrio entre o ego, o superego e o id (que são as três partes que constituem a personalidade individual). Há aqueles que acreditam que o baixo QI de um indivíduo é causador da criminalidade. Quando se é analisado, então, a mulher na criminalidade, as causas vão da sua irracionalidade e passividade à desvios na sua sexualidade ( a mulher que entra no crime é masculinizada). A grande questão é: E os índices, alarmantes, de pobreza, marginalizarão e baixa escolaridade?
É claro que as "regras sociais" acabam sendo "repassadas", ao longo do tempo, de pais para filho. Então, "Eu não roubo por ser errado"; "Não roubo porque desrespeita o meu Deus"; "Não cometo desvios por infringir a lei que me foi imposta". Mas também, há o fator social. Mudanças nas estruturas e métodos educacionais, de saúde, ressocialização dos preso, ou seja, de apoio nas questões social, fato exemplificado por outras nações, reduzem o número de crimes. Então, buscar as causas profundas dos "desvios" que alguns indivíduos cometem, é a melhor forma de mudar a situação tida como um problema, segundo Durkheim.

Natasha Naitzk;1 ano SS - diurno

Modificando o Fato Social

   Todos nós estamos interligados.Vivemos em sociedade e é isso na visão de Durkheim que da origem ao Fato Social, que é o agir do homem em sociedade, de acordo com as regras. E para entender os fatos sociais é necessário buscar as causas, analisar, aprofundar.
   A matéria publicada no portal GCN - "Centro Pop vira lugar de sexo, drogas e brigas" na visão Durkheiniana  pode se compreender que esses problemas fazem parte da sociedade e o entendimento só se torna possível com uma pesquisa, um aprofundamento de saber as causas e os efeitos que levaram os indivíduos a esse diferente comportamento para com a sociedade.
   Outra matéria foi a publicada na Revista Carta Capital - "Suécia fecha quatro prisões e prova: a questão é social" os suecos investiram na reabilitação e reeducação desses presos para assim serem inseridos de volta a sociedade.
   Essas notícias causam um impacto na sociedade, um pensamento de preconceito, pois para esses indivíduos não tem mais lugares em seu meio. Um pensamento que foge completamente da visão de Émile Durkheim, que analisa o todo sem julgamento.

   Roberta Santos Martins 1º Ano SS - Noturno

RESSOCIALIZAÇÃO X REPRESSÃO

Ao analisarmos a importância de se fazer políticas públicas sociais para que se reduzam os níveis de criminalidade de um país, ou melhor, a prevenção de do caos social., percebe-se o quão alienado e despreparado se encontra o Brasil. Um exemplo perfeito disso-mais precisamente na cidade de Franca- cuja criação de um espaço destinado ao acolhimento de moradores de rua, nem sempre usuários de drogas,este chamado "Centro Pop" tem sido alvo de críticas equivocadas , advindas de autoridades, mídias, enfim críticos positivistas. Além de não apoiarem , e por talvez desconhecerem qual seja  a verdadeira intenção deste projeto,que no meu ponto de vista já é um bom começo para se tentar resolver a situação( apesar da falta de profissionais para atuarem diretamente em função dos usuários); estes tais críticos , além de não dar respaldo ao projeto, ainda incitam em grande parte da população francana- o preconceito e a revolta -no tocante aos usuários que, não bastasse serem vítimas das injustiças sociais, são tachados de oportunistas, folgados, " desprovidos de emprego "e novamente excluídos da mesma sociedade , que deveria recebê-los de braços abertos, com paciência e carinho, já que a sociedade é um corpo vivo que deveria cuidar dos membros doentes, ao invés de decepá-los e jogá-los fora.
 Durkheim se indignaria com tal situação: mais um fato social gerando outro fato social...já que tais indivíduos não tiveram a oportunidade de nascerem em uma família funcional, nem mesmo de desfrutarem dos direitos básicos como saúde, educação, moradia, lazer etc. Assim vão para as ruas em busca de refugo e/ou sobrevivência, ou ainda, simplesmente para extravasarem ( através das drogas) toda a rejeição e o repúdio pelos quais passaram, muitos deles, desde o próprio nascimento.
 Seria possível transformar de alguma forma tal situação? Claro que sim. Um bom referencial a ser seguido, na visão durkheimiana, seria o da Suécia. Onde, cm o fechamento de quatro prisões, provou que a criminalidade é , de fato, uma questão social. Ao contrário, de que muitas pessoas atribuem os crimes às " más índoles", ou seja, pensam que alguns indivíduos já nascem propensos à prática do mal.Tal sucesso se deve ao fato de que o governo sueco investiu e/ou investe pesado na reeducação e reabilitação dos presos, combatendo o preconceito, reinserindo-os de volta à sociedade, adotando até mesmo, penas alternativas em alguns casos.Logo, houve uma redução significativa da população carcerária naquele país.    
 Finalmente, para Durkheim é importante fazer uma análise profunda da causa, antes de se tentar resolver o problema social, devendo assim, descobrir qual é a raiz do mesmo. essa pesquisa permitirá então, estratégias em função de ações preventivas, proporcionando resultados satisfatórios, a médio e longo prazo, aos quais jamais se alcançaria através de punições extremas ou até mesmo por repressões.    
        Maria Aparecida Alves Caldeira 1ºano  Serviço Social- noturno

Émile Durkheim, os fatos e regras dos tipos sociais.

Em simplificação os fatos sociais são os fenômenos que se dão no interior da sociedade, indo mais além Durkheim constata que esses fatos pode dar-se mesmo que nós, seres individuais, nos opusermos a ele, sendo então a sociedade uma contribuinte como um todo, excluindo assim, como fato social, aqueles atos repetitivos e cotidianos. A constituição do ser social é dada pelas características impostas desde seu nascimento, o que reflete em suas crenças e tendências, aplicando características próprias nas práticas coletivas do grupo, sendo os fatos sociais a maneira dos diferentes segmentos na convivência de uns com os outros e não as repercussões individuais. Um fato social só pode ser considerado "normal" ou não, a partir de uma espécie social, podendo então obter o meio termo entre condições adversas. A constituição das espécies da-se primeiramente pelas distinção das mesmas, portanto é necessário analisa-las pelos caracteres particularmente essenciais, importando-se sempre com a valorização das diferenças e semelhanças de cada espécie, as variações dos fenômenos sociais e o modo de composição dos elementos naturais. Por fim, o autor conclui rapidamente que as sociedades não é senão, as combinações diferentes de uma mesma e única sociedade original. ANA CAROLINE VILIONI SANTOS, NOTURNO.

A compreensão do homem na sociedade

      Desde o momento em que começamos a fazer parte da sociedade é que surgem as influências em nosso modo de pensar, agir e que acaba sendo imposto onde aceitamos sem nenhum questionamento. E ao decorrer do tempo quando resolvemos tomar uma atitude que esteja fora dos padrões estabelecidos pela sociedade somos julgados e na maioria das vezes condenados a prisão onde nos afastamos da vida social, passando a conviver em meio a violência sem qualquer oportunidade de se inserir novamente na sociedade sem contar no grande numero de detentos que cresce exageradamente.
      Todos esses exemplos nos remete ao "fator social" onde tudo aquilo que é produzido pela sociedade  pode interessar a um grupo  de alguma forma e que para Durkheim existe antes mesmo dos indivíduos e acaba exercendo uma influência sobre os mesmos e que também sempre haverá criminalidade e isso acaba sendo normal desde que não se tenha um desequilíbrio tão forte como em nosso país.
      Temos como exemplo a Suécia que usou dos preceitos de Durkheim onde resolveu investir na reabilitação dos presidiários, e as penas fossem mais leves aqueles relacionados a drogas, um grande investimento na educação, oportunidades para ex-detentos de se inserirem novamente na sociedade e serviços públicos de qualidade fazendo com que 4 prisões se fechassem pelo  numero de detentos cair a cada ano.
      Através deste e outros exemplos que os países inclusive o Brasil deveriam seguir, deixando o preconceito em relação aos ex-presidiarios de lado e sempre levando em consideração sua força de vontade, dando mais oportunidades para se inserirem novamente no mercado de trabalho e na vida social e com isso podemos passar a  respeitar seus direitos para que possam exercer sua função como qualquer outro cidadão.


 
(Monike Campos -1°ano SS noturno)

Conhecer o Problema

As medidas alternativas que os suecos encontraram para diminuir consideravelmente o número de detentos expressa claramente o pensamento de Durkheim, pois mesmo sendo objetivista e analisando os fatos sociais como coisa, isso não o torna um insensível.
Ao contrário dos positivistas que enxergam nas prisões uma maneira mais rápida e eficaz de combater a criminalidade, o método de Durkheim vai além. Para ele fazer sociologia é estudar as características condicionantes que envolvem o indivíduo, e quer entender cada sociedade da maneira como elas realmente são, deixando de lado toda a perspectiva da evolução.
Essas características se mostram na maneira como os suecos conseguiram fechar 4 prisões, não foi exterminando todos os detentos, mas sim tratando esse mal que faz parte do corpo social, investindo na reabilitação dos presos, ajudando a inseri-los novamente na sociedade, aplicando penas mais leves relacionadas as drogas, a adoção de penas alternativas e em alguns casos a liberdade vigiada.

Para ele as regras são fundamentais, pois é com o autocontrole que se vive em sociedade, e para criar essa política é preciso realmente conhecer o problema que afeta o corpo social, aquilo que esta doente, e assim fez os suecos que compreenderam essa realidade e trataram este mal, usando de meios que reverteu esse problema, e além de tudo provou o contrário ao que se refere a reportagem aos Datenas da vida, que estão acostumados a dizer que todos os criminosos independentes de suas infrações devem amargar longos períodos encarcerados.

Gabriela Vasconcelos 1° ano SS (noturno)

Perspectiva segundo Durkheim



    Para Durkheim, a sociedade prevalece sobre o indivíduo, o que significa dizer que na vida social o homem defronta-se com as regras de conduta que não foram criadas por ele, mas as quais deve submeter-se e obedecer para que a vida coletiva aconteça. Com suas ideias, Durkheim mostra-se um positivista mais rigoroso que os demais, sempre em busca da noção de totalidade, na sua concepção, o objeto de estudo da sociologia são os fatos sociais.
   O fato social é exterior aos indivíduos, isto é, toda e qualquer sociedade possui regras de comportamento, como sentar-se a mesa para uma refeição, respeitar as pessoas mais velhas, não jogar lixo em local impróprio, não roubar, etc. Independente da nossa vontade ou escolha, a sociedade em que vivemos impõe determinações que podem se manisfestar nas leis, nas  formas de construir moradias, de se vestir ou mesmo no formato familiar.
   Ao analisarmos um fato social com a perspectiva de Durkheim, onde o fato retrata o Centro Pop que foi criado em prol dos dependentes químicos, onde oferece moradia, alimentação, entre outros benefícios. Porém, este lugar não foi totalmente aceito pela população Francana, eles questionam o lugar e criticam, alegando falta de segurança, desorganização, além de brigas no local.
   Uma reflexão de melhora a este problema segundo Durkheim, seria estudar os fatos e apontar soluções para a vida em sociedade. Restabelecendo tratamentos aos usuários, não somente fornecer alimentação, limpeza e moradia. Mas, sim uma reintegração a sociedade começando com uma educação, oportunidades de trabalhos, tratamentos psicológicos, com a finalidade de introduzir essas pessoas novamente a vida social, sem precarização, sem preconceitos e sim com seus direitos de cidadão.

Gabriela Teixeira. 1°ano Noturno.


Podemos sim evoluir pacificamente

A prova de que os métodos do Durkheim funcionam esta implícito no fato do fechamento de quatro prisões na Suécia, noticia que foi divulgada pela Carta Capital nos últimos meses.
A raiz dessas políticas confirma-se na ideologia de Durkheim, logo porque esta propõe uma modificação nos pensamentos o que nos levaria a ter maior consciência dos nossos atos imorais e/ou antiéticos para que então não haja a necessidade de usar da violência o que diminuiria drasticamente o índice de criminalidade.
Pode-se se dizer que “Penas alternativas e investimento na ressocialização de detentos...” foram alguns dos motivos dos fechamentos, segundo a Carta Capital. A política adotada pelo país fez com que a população carcerária diminuísse a tal ponto que se tornou desnecessária tantas prisões.
Logo questiono, sem levantar tópicos como educação, saúde ou moradia, se será possível aplicarmos o mesmo método no Brasil. É possível haver revolução sem briga, guerra, sangue, etc? Sim, a Suécia esta dando mais uma prova de que é possível e necessário!
Deparamos, porém, com uma barreira muito grande na mentalidade das pessoas, grande parte ainda traz consigo bagagem positivista o que acaba por impedir mutações pacificas. Como podemos ver divulgado na rede social Twitter:


 

Particularmente lamento por tamanha confusão da realidade, todas essas dúvidas, incertezas do amanha, e pensar que mesmo com todo o avanço que adquirimos com o passar do tempo, ainda temos introjetado em nós um “atraso” de mentalidade muito grande.
                                                                                                                                                 Larissa Cristina Oliveira – Primeiro ano de Serviço Social – diurno