segunda-feira, 12 de maio de 2014


A Sociedade 

Ao se mostrar o fato social não se explica de onde se originou o problema, assim  Durkhein não quer saber o porque que esta ocorrendo uma situação mas sim resolver o problema. O fato social surge pela necessidade das causas eficientes, essas que são causadas independentemente e devem ser analisadas separadamente.
Após ler o texto é possivel fazer uma reflexão de como somos influenciados pela sociedade, ela acaba nos formando atraves da nossa cultura, religião, hábitos, tudo que nos cerca, e isso acaba sendo o fato social. As vezes o individuo age de uma maneira que não quer ou sente somente pelo fato de um grupo ou a sociedade  estar fazendo. O fato social esta inserido em nos desde pequenos quando queremos ter uma coisa só porque a outra pessoa tem. Alem da parte de formação do individuo o fato social serve como um  apaziguador, ou seja, acaba interagindo e mantendo a harmonia das pessoas. Ao analisar somente o indivíduo percebemos maneiras diferentes de quando se esta em sociedade.  Apesar de se manter,  o fato social sofre mudanças com o passar do tempo, alguns perdem suas forças e outros se fortalecem. 
O fato social esta sempre presente na nossa vida, as vezes pode ser para o bem e as vezes para o ma, vai de cada indivíduo definir o seu lado. 


Luana Tomaschitz, 1ano - SS - diurno 

Achei esse vídeo sobre as ideias do Durkheim, achei ótimo, bom pro pessoal que esta com dificuldade em entende-lo.

Pensar finalmente ou funcionalmente

Costumamos pensar nos fatos da vida superficialmente, em seus fins, fins estes que dão uma aparência de sociedade, mas que não é realmente.

Para Durkheim, pensar funcionalmente é ir além do aparente, é pensar na complexidade da sociedade, é observar as causas internas de cada fato.


Exemplos desses dois métodos de pensamento:



A função social das entidades/pessoas/coisas/outros, para o pensador, se relaciona com a necessidade de manter a ideia da sociedade. Esta função, para ele, se modifica com o passar do tempo, dependendo das demandas. Exemplos dessas mudanças presenciamos em vários âmbitos, dentre eles a religião que antes desempenhava uma função e que hoje já não é a mesma.

Larissa Cristina Oliveira – Primeiro ano de Serviço Social – diurno 

Visão de Durkheim

Na análise de Durkheim, o sociológo deve ser um profissional e não um meio condutor de agitações sociais, portanto, ele diz que é preciso um recurso metodolico para esse trabalho. Durkheim escreve sobre o fato social, tendo ele como objeto de analise e estudo do sociologo, e ainda, enfatiza que é preciso de afastar desse objeto para melhor analisa- lo. Diferentemente do posivitivismo, a teoria de Durkheim quer que os fatos sociais sejam reconhecidos mas também compreendidos e de forma profunda.
  Durkheim considera importante que o sociologo não permita que a sua cultura e valores interfira nessa análise, que a sociologia seja encarada como profissão assim como a biologia, que estuda e investiga corpo humano para curar, Durkheim quer conhecer essa sociedade a fundo, para curar esses desequilibrios sociais.
(Bruna Moreira, 1 ano Serviço Social)
Compreendendo a complexidade da sociedade
Durkheim ultrapassa o positivismo, no sentido de se aprofundar na compreensão da realidade da sociedade, com o intuito de interpretá-la através dos fatos sociais (poder de coerção externa que exerce ou é suscetível de exercer sobre os indivíduos). Essa nova perspectiva de ver a sociedade se distingue do positivismo a partir do momento que ela entende que há novos padrões de comportamentos dos indivíduos, não estando preso em uma ordem. Esta também não atribui nenhuma mudança na forma de ver a sociedade, ou seja, não é inserido nenhum aspecto na realidade, não contaminando assim seu objeto de estudo.
A perspectiva durkheimiana busca além dessa interpretação, descobrir qual a real utilidade destes fatos sociais, através disso manter o equilíbrio da sociedade, como um todo. A fim de assimilar e entender a complexidade da mesma.

José Carlos Simão – S.S Noturno 

Equilibrando a sociedade

Para Durkeim ao analisar a sociedade percebeu que nela nao existe conflitos permanentes e sim perspectiva de harmonia, todas as ações, fatos socias, dementem a perspectiva de harmonia, o que leva ao um equilíbrio social, quaisquer quer fato social esta vinculado a um equilíbrio do conjunto social, no caso das funções das instituições, que também estão ligadas aos preceitos do equilíbrio, deixando o desejo coletivo num estado de apaziguamento tudo esta ligado ao todo.
A evolução social pode se dar acolhendo padrões de comportamentos diferentes, e para que essa evolução seja equilibrada, ela vai ter que assimilar aquilo que de novo aparecer como formas de agir e nao ficar preso em uma ordem pre estabelecida, e isso ajuda a entender a sociedade, mais fácil assimilar do que coibir a existência usando a força e ele deseja que se assimile esses novos padrões se eles não forem patológicos.
O funcionalismo, vai buscar entender a função do fato social, mas nao sua função a partir das necessidades imediatas desse fato social, mas uma relação profunda, e ele vai chamar de causa eficiente, reproduzir o corpo social, permanentemente, as utilização  que é empregado, o que cria o fato social é a perspectiva de criar mais um pilar do equilíbrio social.

                   Caroline Alves 1º SS/ Diurno

A punição tem efeito social


A punição tem efeito social, espelha que a confrontação das regras estabelecidas irá ter uma reação, que é passível de uma punição! O crime e outros desdobramentos são normais para o Durkheim, não que seja a favor desse ou aquele fato social mas esta de acordo que, desde que não se torne uma patologia (como uma célula cancerígena em reprodução constante, dominando todo o resto), é normal e até importante que haja divergências.
Mas se alguém age “fora da lei” e não é punido de acordo com as expectativas da população, pode ser que, e na maioria das vezes acontece, fica introjetado nas pessoas que anomias são permitidas e esta perspectiva acaba causando uma inversão de papeis. Não é difícil de pensar, exemplo: se sua irmã for assediada e o ator não for punido no nível que você (a mídia, a população e outros) julga correto e justo pela ordem judicial você mesmo vai querer (e digo que vai com a convicção de que realmente vai, posto que as emoções influenciam muito nas nossas ações, principalmente quando o ocorrido é com alguém especial pra você) fazer “justiça com as próprias mãos”.
É o caso dos últimos acontecimentos no Rio de Janeiro, “justiceiros” realizando ações que são deveres da polícia. Segundo estes, a população esta agindo porque a policia simplesmente não da conta de realizar seu trabalho. Mas que justiça é essa onde qualquer um que pareça suspeito mereça ser julgado e condenado de acordo com as vontades do povo? Qual é a prova, ou mesmo que formação os “justiceiros” tem para agredir, denegrir e aprisionar esses suspeitos?

Não é necessário ir longe para identificar cenas do tipo. Em Franca, já se borbulha informações de que a polícia não esta dando conta de realizar seu trabalho na Casa Pop (como foi divulgado na mídia) e não será surpresa nenhuma, ações rebeldes por parte da população com o intuito de “zelar pela ordem e o progresso” sejam realizadas no local. Até mesmo na unesp, os alunos desconfiam que há um “ladrão” circulando o perímetro, sabem mais ou menos sua vestimenta e aparência física e por este ter roubado e agredido uma aluna, os outros se sentem ameaçados e querem justiça, que se não for realizada pela polícia, pode sim levar a mais cenas como as que já vimos no Rio de Janeiro e outros lugares.
  Larissa Cristina Oliveira – Primeiro ano de Serviço Social - diurno

Racionalidade ≠ Generalização

A filosofia surgiu no ócio da antiguidade, com simples devaneios que ao se desenvolverem geraram questões físicas, matemáticas, químicas, biológicas, geográficas, etc. Tais descobertas confrontaram violentamente o conhecimento comum acerca do mundo e de suas origens religiosas. Muitos filósofos foram considerados pagãos por divergirem dos contos propostos pela Bíblia. Muitos foram presos, exilados, mortos por ideias inéditas e revolucionárias.
Grande parte, não apenas da tecnologia que hoje se renova diariamente, mas também da consciência de fragilidade do nosso físico, emocional e imaginário. As ciências que não são filhas da filosofia, subdesenvolveram-se destas, e o mais relevante bem concebido até então por esta arte de devanear é o questionamento bruto, que não necessita de incentivo, causa ou finalidade, é criado somente pela necessidade do saber verdadeiro, sem isto, sem esta revolução psíquica, o mundo não seria o que o é, não mereceríamos a racionalidade que possuímos.
Émile Durkheim, além de acreditar que punição pública é benéfica para as sociedades, - porque moralmente… não, espera, moral é apenas uma forma de contimento comportamental, porque historicamente, teremos menos criminosos se estes forem intimidados com a represália que sofrem os crimes e seus feitores – também defende que a sociologia só será aceita como ciência quando se desvincular totalmente de sua origem filosófica. O mundo hoje morre de tão variadas maneiras, devido a todos os tipos de indiferença, comodidade, crueldade, que a vontade de compreendermos a razão destas deprimências, pois mais vale chicotear o escravo em frente a senzala do que ditar sua liberdade, afinal, desta forma acabaríamos com a ordem, e o progresso não viria.

É preciso avaliar meticulosamente que tipo de progresso almejamos. Afinal a Sociologia não busca uma ditadura social, mecanizada e previsível, seu objeto é móvel, é mutante, é humano.

Fernanda da Costa e Silva, 1º SS noturno

Sociedade Complexa e Sua Influência.

Segundo Durkheim, para compreender uma sociedade é necessário ultrapassar as aparências e buscar a causa eficiente das situações.
Para ele, a sociedade prevalece sobre o individuo, ou seja, influencia diretamente o ser, originando hábitos sociais.
O que não é imposto ao individuo pelo direito se impõe pela impossibilidade de escapar da coerção social. E não há como imaginar o comportamento humano sem a presença das regras que ocupam uma função social capaz de garantir a integridade e funcionamento daquele grupo.
Durkheim acreditava que a racionalidade é introjetada no individuo através da educação, e esta é capaz de modificar-lo e reinseri-lo, inclusive.
Quando a sociedade perde todas as regras sociais ela se encontra em estado de anomia, o que pode gerar situações conflituosas.

Marina Leobina da Silva 1º Serviço Social Matutino
Funcionalismo de Émile Durkheim 

O maior temor de uma sociedade para Durkheim era cair em uma anomia, que é a perda das regras que regem em uma sociedade, a desorganização, a falta de controle. Nos dias atuais, não estamos longes de uma anomia, em uma sociedade que faz justiça com suas próprias mãos, rouba, mata, entre outros crimes que estão prescritos por lei que são para manter a ordem da sociedade. O crime é algo normal para Durkheim até desequilibrar a sociedade. A punição de crimes é para demonstrar para todos o que acontece com quem comete tais infrações.
O fato social é todo aquele que independente do indivíduo e tem como substrato o agir do homem em sociedade, de acordo com suas regras sociais. Tais regras são as regras escritas por lei e as morais que em um subconsciente manda informações que algumas formas de agir são erradas dentro de uma sociedade. Um desequilibrai dento de uma sociedade é um fato social, algo que foge do controle por consequências de um grupo que não cumpre as regras. 




Camila borges- 1ss(noturno) 
Émile Durkheim dizia que os fatos sociais são mais complexos e intrigantes do que se possa imaginar, pois para ele a sociedade deveria ser vista como um todo, não em partes separadas. 
Os fatos sociais surgiram através de implicações internas existentes na sociedade, estes fatos não existem apenas para um ser especifico mas sim para toda a coletividade. Quando certo aspecto ameaça abalar as estruturas da sociedade, Durkheim a considera como uma doença, patologia, assim como a criminalidade exacerbada por exemplo, e é necessário que a sociedade mude seus hábitos e condutas perante aos problemas identificados.Os fatos sociais são produtos da vida em sociedade.
O discurso de Durkhein nos mostra que tentamos viver a vida da forma que mais agrada a sociedade, e parecendo o mais 'certo' possível, pois desde que nascemos o meio em que vivemos nos influencia a viver de determinada maneira. 



Fabricio Venerando 1ºano/ss/noturno

Regras do Método

Durkheim diz que nossas necessidades das coisas, não define como sera a decorrência de tais.Ele diz que as praticas e instituições, a cultura da sociedade com o tempo pode mudar como o fato da pratica do casamento, antes tão necessária e rigorosa, onde era impossível existir o divorcio e o casal mesmo infeliz devia "se aturar" ate o fim da vida, Hoje muitos nem necessitam de casamento, para concretizar a união do casal, e o divorcio é algo normal, a cultura da sociedade mudou, o que vale é ser feliz, mesmo que isso tenha que ocasionar vários divórcios. Sobre o juramento que se faz no casamento, algo religioso, que não muda, mas a sociedade já não empenha o mesmo papel que antes fazia. Vimos que a sociedade o local em que vivemos, nos modifica, nos traz a ser como a sociedade em um todo é. O crime e a punição, quando a sociedade vê aquilo como errado e se faz a justiça com as propiás mão por pensar ou mesmo saber que o governo não fara a justiça, isso acaba com a ordem do estado, mas para a sociedade traz a segurança para o bem da propiá. 
Vitoria Raquel Ribeiro Rocha - 1º SS - Diurno


O fato social e suas implicações na sociedade

Segundo Durkheim, a sociologia deveria estudar somente os “fatos sociais”, e estes consistiriam em maneiras de agir, de pensar e de sentir que são exteriores ao indivíduo, com um poder de coerção sobre este mesmo indivíduo. Deve-se propor a investigação dos fatos para buscar as verdadeiras leis naturais que regem o funcionamento e a existência destes, pois possuem existência própria e são externos em relação às consciências individuais.

Mas, de onde vem essa ação coercitiva? Fomos criados, por nossos pais e pela sociedade, com a ideia de que não podemos, em um restaurante, virar o prato de sopa e beber de uma só vez, por exemplo, pois certamente as pessoas iriam rir ou talvez achar estranho, já que existem talheres para se tomar sopa. Não existem leis escritas que impeçam quem quer que seja de virar o prato de sopa, no entanto, a grande maioria das pessoas se sentiria proibida de fazer isso. É nesse ponto que está a ação coercitiva do fato social, que nos impede ou nos autoriza a praticar algo, por exercer uma pressão em nossa consciência, dizendo o que se pode ou não fazer. Se um indivíduo experimentar se opor a uma dessas manifestações coercitivas, os sentimentos que nega vão voltar contra ele, pois somos vítimas daquilo que vem do exterior.

Não podemos confundir os fatos sociais, coercitivos, apreendidos pela educação, que representam regras de comportamento próprias de diferentes lugares e momentos da sociedade, com pensamentos e sentimentos coletivos, ainda que se encontrem em todas as consciências individuais, que são elementos próprios dos sistemas psíquicos, e não são sociais, visto que podem perfeitamente existir mesmo no interior do indivíduo, sem jamais serem exteriorizados. O que diferencia os fatos sociais das citadas manifestações é justamente a repercussão individual destas. Durkheim observa que certo fenômeno somente pode ser social se for geral: “Ele está em cada parte porque está no todo, o que é diferente de estar no todo por estar nas partes.”.

Instituições e práticas sociais não surgem do nada, mas de necessidades, de causas eficientes, que se vinculam ao ordenamento geral do organismo social. Um exemplo de "causa eficiente" é o crime e, consequentemente, sua punição. A função desta está vinculada à resposta oferecida não ao delito em si, mas à consciência coletiva. A sociedade não representa a soma das consciências individuais.

Durkheim considera a sociedade como um organismo vivo e, como tal, apresenta estados que podem ser considerados “normais” ou “patológicos” ou, em uma metáfora com qualquer organismo biológico, estados saudáveis ou doentios.

Débora Araujo Costa - 1º ano SS - Matutino




Espécie Social

Busco eu o perspicaz firmamento
Busco eu um impulso ideal
Busco eu prever o julgamento
Que eu já encontrei na minha afinidade sentimental

Busco eu uma crença moral
Busco eu a causa e a função
Busco eu o ser fadado a uma espécie social
Que eu já encontrei na fuga da minha preconcebida missão

Busco eu um passível comportamento
Busco eu essa consciência balística
Busco eu esse efêmero encorajamento
Que eu já encontrei na minha perecibilidade objetiva e científica

Busco eu um ético equívoco
Busco eu o uniformizado funcionalismo
Busco eu desestigmatizar o amoralismo
Que eu já desencontrei no tráfego unívoco

Busco eu o estereótipo maciço da exterioridade
Busco eu esse repúdio suscetivelmente exercitado e exercido
Busco eu desrespeitar a criação de ideias sobre a realidade
Pois já encontrei na anômica alienação do estabelecido

Leonardo Pena Conrado - 1º Serviço Social - noturno
                                               As Regras do Método Sociológico
Mapeando alguns pontos que nos são fundamentais para entender o pensamento de Durkheim:
 

  • Os fatos sociais devem ser tratados como coisas;
  • Os fenômenos sociais são exteriores ao indivíduo;
  • A explicação dos fatos sociais deve ser buscada na sociedade e não no indivíduo;
  • Indivíduo é produto da sociedade
  • Regras impostas pela sociedade são coercitivas
  • Anomia: Perda da coesão, perda das referências normativas ( parâmetros morais)
  • Manutenção do equilíbrio social
  Segundo Émile Durkheim a essência da metodologia sociológica é a de observar e analisar os fatos sociais  (fato social que seria o produto da vida em sociedade) como coisas e saber reconhecê-los em razão da coerção que exercem sobre os indivíduos da sociedade, sociologia esta que Durkheim diz que leva vantagem sobre a psicologia se apoiando na ideia de que os fatos sociais estão contidos no cotidiano das coisas.
  Para ele, o papel que a educação desempenha é o de forjar o ser social, inserindo nele as regras que determinada sociedade impõe, pois segundo Émile um indivíduo não chegaria aos comportamentos e visões impostas de maneira espontânea.


"É fato social toda maneira de agir fixa ou não, suscetível de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior"        (DURKHEIM, Émile, Que é Fato Social, p.11)

Caroline dos Santos 1º SS - Noturno

A explicação dos fatos sociais

Para Durkheim a explicação dos fatos sociais é algo muito mais complexo do que se possa imaginar.
O surgimento dos fatos sociais não se deu simplesmente pela vontade de um ou outro indivíduo, até porque somente a vontade não seria suficiente para fazê-los surgir. É necessário, antes de tudo, que existam implicações internas que propiciem a existência deles.
Durkheim afirma que existem "causas eficientes" que explicam como determinado fato se originou, pois, apresentar apenas sua utilidade não é suficiente para isto.
Suponhamos que um homem seja gari. Se nos perguntarmos o porquê de seu trabalho, rapidamente nos responderemos que é para ganhar dinheiro, entretanto, segundo Durkheim, esta não é a causa eficiente da existência da profissão; isto se trata da finalidade. A causa eficiente, neste caso é que na nossa sociedade precisamos de pessoas que se encarreguem da limpeza das ruas, para estabelecer um equilíbrio.
"(...) para explicar um fato de origem vital, não se trata de mostrar a causa de que depende; é preciso ainda, pelo menos na maioria dos casos, encontrar a parte que lhe é atribuída no estabelecimento da harmonia geral." (p.85)

CAROLINA NEVES/1ºSS - DIURNO

O poder do fato social

O fato social tem como função não exclusivamente a satisfação das necessidades, mas sim buscar uma explicação atras de uma causa eficiente, essa que é resultado das necessidades. Durkheim expõe que já existem implicações internas inseridas na sociedade, que o indivíduo não obtêm poder sobre os condicionamentos internos, é preciso observar se a ligação entre o fato social, e as necessidades sociais, e porque é necessário essa correspondência, não sendo preciso preocupar-se se ela é intencional, ou não. Por conta disso se vê que, as práticas de uma sociedade, advêm não da consciência individual, mas da consciência coletiva. Como exemplo podemos observar que, quando nos perguntamos se as instituições estão realmente cumprindo suas funções, notamos que essas vem sendo falhas, pois a consciência coletiva, com o sentimento de punição já implantando em nós, através dos meios midiáticos, irá desejar cumprir suas funções, passando por cima dos direitos inalienáveis dos cidadãos, agindo com suas próprias mãos em "benefício" da sociedade.

Ana Laura Assis Siqueira - 1° ano SS/diurno.

Sociedade em equilíbrio

Para Durkheim, quando uma determinada coisa coloca em risco o equilíbrio da sociedade ela é considerada patológica, como a criminalidade, que é considerada necessária em uma sociedade para que as pessoas saibam as consequências de seus atos e mudem suas condutas. É uma forma de espelhamento mas deixa de ser normal quando há um excesso. 
Durkheim é um sociólogo flexível pois vai entender que cada sociedade ou cada grupo tem sua própria dinâmica interna muito específica. Diferentemente de Comte, Durkheim diz que o crime tem uma função social, a função de mostrar oque irá acontecer com aqueles que se desviarem. Para ele oque leva uma pessoa ao crime não é uma questão individual mas sim os valores da educação que adquiriu na rua, em sua sociedade ou grupo social que está inserido.

Tainá Batista Ferreira - SS noturno.


Todos nós temos direito a Educação mas temos o dever de aplica-lá!


Lei segundo alguns dicionários é um “preceito emanado da autoridade soberana” outros dizem que é uma “determinada regra necessária e obrigatória”, mas para Durkheim, as leis, tem um significado mais intenso e desenvolve um papel mais amplo e complexo na sociedade. As Leis conforme a ótica Durkheimiana são Fatos Sociais, sendo resultado das manifestações coletivas da sociedade a respeito do que é bom, do que se deve e não fazer, como se deve fazer, como se deve agir, formando uma instância mais racional e reflexiva. O legislativo passa a ser um mecanismo que orienta as ações dos homens.
Educação para Durkeim também é um fato social de muitíssimo valor para a sociedade. As crianças da sociedade moderna, são crianças que se desenvolvem cada vez mais precocemente. A escola tem sido o lugar em que as crianças tem aprendido a obedecer as regras, é o lugar em que os jovens são orientados a realizar as ações que a sociedade espera, é o lugar da formação de cidadão integrado e disciplinado, no sentido de reverência e respeito as normas da sociedade.
Por que as regras são impostas a uma criança logo nas primeiras etapas de sua vida social? Justamente porque, as crianças tem um certo entusiasmo em corresponder às expectativas do “grupo-sociedade”, elas tem ânimo em se dizer participantes de alguma coisa. Uma criança quando aprende a desenhar, por exemplo, um círculo, quando chegar em casa é bem provável que mostre para seus pais ou responsáveis aquilo que aprendeu em aula ou até mesmo só desenhe isso até a próxima tarefa. Acontece da mesma forma quando aprendem a dizer as famosas palavras mágicas como: Obrigado, Por Favor, Desculpe, ou quando aprendem a respeitar as autoridades, respeitar os mais velhos, amar o próximo, a não mentir ou roubar.  O importante no pensamento da criança não era realmente aprender as regras mas sim se integrar de uma forma ou de outra ao grupo.
Contudo, “Toda criança tem direito a educação” tem cumprido a sua verdadeira função ou aos poucos tem parado de funcionar corretamente? Os índices de violência e criminalidade no Brasil só tem aumentado ao mesmo passo que a fome, a miséria e o analfabetismo se eleva. Todas as funções estão interligadas, dependem uma das outras, é por isso que Durkheim diz que um fato social só é explicado por outro fato social.
Por que existe a violência? Por que talvez existam pessoas agindo pelo instinto, talvez existam pessoas passando fome, talvez existam pessoas sem educação! Se um mecanismo da sociedade não exerce a sua função, existe uma grande probabilidade de que o restante dos mecanismos não desenvolvam com êxito as suas funções.
A educação, assim como as leis, direciona o indivíduo no seu convívio social, auxilia na formação do caráter, se esta falha desencadeia uma série de contratempos e defeitos nos outros mecanismos que estão ligados à ela. O homem então passa a bater de frente com aquelas regrinhas que lhe foi passado ou que nem ao menos foi passado corretamente. Nesse momento vem às leis como um mecanismo de orientação e também de coerção, punição. Percebe-se que a afirmativa de Durkheim é bem presente na sociedade contemporânea, assim como um mecanismo depende um do outro, nós da mesma forma estamos ligados e dependemos uns dos outros, cada vez mais. Sendo assim, o meu homem também tem sua função na sociedade que se encontra e começa na educação. Todos nós temos o direito a educação mas uma vez que concluída a sua função também temos o dever de aplica-la.



Larissa Bedo 1º SS noturno 

Metodologia de Durkheim

Todo fato social está ligado a harmonia do todo e há pouco espaço para o comportamento individual.
 Devemos buscar entender a função do fato social (causa eficiente).
 Sempre que confrontamos determinado fato social, temos de imediato uma resposta (reação) da sociedade.
Para Durkheim a força só faz sentido se estiver inserida no processo de educação e os indivíduos não seriam capazes de trabalhar em todas as classes sociais.
Não há formas de pensar o comportamento humano fora de um sistema com regras estabelecidas e quanto mais complexa a sociedade, os fatos sociais irão adquirir questões novas e distintas.
 Não existe regra única ou invariável para a sociedade
O fenômeno social precisa fazer parte do ser, para assim, obter-se resultados.
Para Durkeim o justiçamento não é um fato social relacionado ao equilíbrio do conjunto. E para ele punição e castigos não são formas de reintegração efetiva na sociedade.

Amanda Gomes Caldas 1º ano - SS/Diurno
As regras do método sociológico-Émile Durkheim

Émile Durkeim foi um sociólogo nascido na França e até hoje é considerado um dos pais da sociologia moderna, lanço uma importante obra intitulada "As regras do método sociológico"
Durkeim concluiu que a sociedade é um todo, cada parte da sociedade possui uma função social. Na visão de Durkheim o objeto de estudo era o fato social, que seria o produto da vida em sociedade, ou seja, a organização da sociedade se dá de acordo com os fatos sociais, fazendo com que o homem dependa do mesmo para que a sociedade não entre em anomia.Os estudos de Durkeim procuravam analisar o objeto, o método e suas aplicações de maneira a entender como um todo a sociedade.


Germayne Silva- 1° ano Serviço Social (Diurno)
Regras relativas à explicação dos fatos sociais

A todo momento a sociedade supera o indivíduo, com isso ela é capaz de fazer com que o nosso modo de pensar e agir seja de acordo com o que ela determinou, ou seja, a sociedade está sempre influenciando nossas atitudes, fazendo-nos submeter às suas regras e agir de certa forma, não para o nosso bem, mas para o bem social.
A sociedade engendra essas funções em nós para que ela mesma possa se manter viva e em equilíbrio, e essas funções só mudam se a própria sociedade evoluir.
Essa força coercitiva que a sociedade impõe a nós gera os muitos problemas que vemos diariamente. E esses problemas são gerados porque não há uma correspondência entre as partes que formam o todo; Durkheim vai dizer que há apenas diferenças de associações. Por isso há indivíduos que agem de forma diferente dos demais, porque houve uma diferença de associação.
Essas diferenças de associação compõe a sociedade, portanto a explicação da vida social deve ser buscada na própria sociedade. Não podemos estudar os seres individualmente, e sim o todo, porque há uma interdependência entre os seres individuais, cada um tem sua função na sociedade, cada pessoa é parte essencial. É da natureza humana que tudo decorre.
 
KÁLITA SOUSA BARBOSA GOMES 1ºSS Noturno

Alguns conceitos

Durkheim, prega que toda ação e atitude de um individuo não é própria dele, mas sim do meio em que este vive, ou seja, se a análise for feita por esta visão, chegaremos a conclusão de que o individuo tem o "todo" introduzido em si, que seria a opinião, costumes e pensamentos coletivos introduzidos de forma tão grande, que mesmo que não perceba, age segundo o meio social em que vive.
Para entender este individuo, teriamos que utilizar a causa eficiente, que não acredita que o superficial possa dizer ou responder  algo sobre determinada situação, mas sim  teriamos que fazer uma análise profunda observando e levando em conta cada detalhe,  para que assim, haja verdade na conclusão. 
Muitas vezes, em determinados momentos, podemos ver movimentos sociais refletidos em revoltas, linchamentos e etc, já que muitas  instituições não cumprem seus respectivos papeis dentro da sociedade, ocasionando assim, uma revolta da consciência coletiva.
 Individuos desviantes, considerados por muitos  um câncer na sociedade  na visão de Durkheim, devem se integrar novamente a socidade,ou seja, ser ressocializados, cumprindo assim seu papél na sociedade.

Miriã E. M. Bandim, 1°S.S diurno
Em busca da verdade concreta


O filósofo francês René Descartes é considerado o pai da filosofia moderna, ele acreditava na capacidade humana de construir o próprio conhecimento, buscando uma verdade que não pudesse ser posta em dúvida.
Depois de muitos anos de estudo observando a sociedade, Descartes criou um método que contava como ele conseguiu conduzir sua razão para julgar entre o verdadeiro e o falso.
Seu Discurso leva a pensar no bom senso, na tentativa de aprender a viver a vida da maneira mais correta e humana possível.
Levando em consideração seu estudo, concluo que seria perfeito se todos aprendessemos a usarmos o nosso bom senso, para bem julgar e consequentemente  agir da melhor maneira para não nos deixar influênciar.



Alessandra Moreira - 1ºano SS- matutino

Simbiose de Durkheim

Durkheim foi o primeiro sociólogo que considerou a sociologia como uma ciência, isso pelo fato dele ir a fundo, considerava algo capaz de ser estudado, analisado, compreendido e explicado por meio da razão, por isso foi considerado o pai da sociologia. O que os difere dos outros sociólogos é que ele possui uma simbiose entre a visão positivista e a visão não positivista, isso porque acredita que uma pessoa deve receber a punição de alguma forma, quando não segue as normas impostas pela sociedade e pelo Estado, o que é o senso comum, mas também crê que esta mesma pessoa deve ser reeducada e reinserida na sociedade de forma em que ela possa evoluir.

Maisa Bozelli Vieira - 1º ano SS - Noturno
      Saber é poder



O filósofo inglês Francis Bacon escreveu a obra chamada Novum organum, na qual ele se opõe a lógica de Aristóteles. Bacon reflete o novo espirito da Idade Moderna, que prestigia à técnica, a experiência e a observação dos fatos. A parte mais original de sua obra é a que indica as possíveis ocasiões de erro por causa dos preconceitos.
Para o filósofo a indução é o método mais eficiente de descoberta, sua indução busca interpretar melhor os fatos, ele acredita em métodos precisos, tais como a experiência e a investigação.


Alessandra Moreira - 1ºano SS - matutino