terça-feira, 21 de outubro de 2014

A dialética como forma de pensar


"Lutar por uma causa sem estudar o campo em que está lutando, é levar as pessoas ao suicídio." Karl Marx

 Para Marx e Engels, o ser está sempre se modificando e o meio onde ele está também; é necessário observar o fenômeno em seu processo de nascimento e caducidade. Por exemplo, a resposta para os males de qualquer época não está nas ideias, mas na própria história, isto é, para entender alguma coisa, tem-se que conhecer o conteúdo da mesma.  
 Eles diziam que o "real" é a base da análise científica e, não, a ideia. A partir de então, surgiu a dialética que é o processo de TESE - ANTÍTESE - SÍNTESE, respectivamente, sendo um ciclo de proposições, oposições e conclusões. Assim como nas ciências naturais, a evolução do conhecimento fornece o "material" para fundamentar as análises.
 Sendo contrário ao socialismo, Engels dizia que esse sistema era o produto necessário da luta entre as duas classes formadas historicamente, que seriam elas: o proletariado e a burguesia, e também, que era um percurso incontornável da história e, não, como obra do gênio humano.
 Causas profundas das transformações de cada época devem ser buscadas no modo de produção e de troca de cada época, pelo fato da produção ser a base da ordem social e, por isso que, para esses filósofos, "indivíduos determinados com atividade produtiva segundo um modo determinado entram em relações sociais e políticas determinadas".

Débora Araujo Costa - 1º ano SS diurno

A dialética de Marx e o Socialismo científico

 Hegel elabora sua dialética com o princípio de que o ser social “nasce” do pensamento. Que é a sua consciência que em contradição consigo, transforma o ser. A dialética hegeliana é idealista. Marx analisando-a, e também tendo como elo o materialismo de Feuerbach, elabora o seu materialismo dialético. Marx acredita que as relações materiais que transformam a consciência e não o contrário.
A dialética de ambos tem como semelhança o seu processo por meio de uma tese, uma antítese e como resultado, uma síntese. A síntese da qual a análise da tese e da antítese é originada, passa a ser uma nova tese.
A grande diferença, é que segundo Hegel, as ideias entram em contradição com as relações materiais. A grande cartada de Marx, for romper com a metafísica, foi observar que não são as ideias que entram em contradição com as relações materiais, forjando uma transformação no ser social, e sim as condições materiais que originam uma transformação no campo das ideias. Diferente de Hegel, Marx não ignora a individualidade. Sendo assim, podemos observar que a dialética hegeliana é uma análise sustentada apenas no campo das ideias, enquanto a dialética materialista de Marx, é uma análise com caráter científico muito mais profundo, já que vai se apoiar no fato social e não mais no campo das ideias.

Através dessa dialética materialista que Marx pôde elaborar aquilo que chama de Socialismo Científico. Com a dialética no campo idealista, sem bases materiais e científicas, o socialismo acaba sendo apenas uma concepção imaginária (no sentido de imagem do social). Marx, através da sua dialética, pôde tirar o Socialismo dessa concepção imaginária. O que antes era visto apenas como uma alternativa utópica ao capitalismo que se desenvolvia, passa a ser uma alternativa muito mais empírica, já que toda sua teoria tem como base o estudo da sociedade, expondo as contradições do capitalismo e explicitando suas formas de exploração através de uma análise empírica. 

Leonardo Romanelli da Silva, 1° SS, diurno.
Para Marx o socialismo científico só pode ser possível a partir do estudo profundo da sociedade, da sua forma de produção, a influência burguesa, só assim, tomamos os primeiros passos para uma sociedade igualitária. A perspectiva de Marx é uma apropriação dos benefícios da modernidade, não destruí- la mas sim amplia- la para que todos possam usufruir.
Sobre o iluminismo, elogia a forma como valoriza a consciência do homem que é quem revela, interpreta e descobre a natureza, e não mais Deus. O homem passa a exercer a compreensão do mundo, possibilitando essa ruptura, a razão passar a dar a direção. Por outro lado, diz que a revolução que ele trás emancipa somente uma classe social(a burguesia), que vai lutar pelos próprios interesses. Logo essa liberdade se torna liberdade também de mercado se espalha e domina a sociedade, impondo - se, desse modo, somos convertidos aos valores burgueses, que permanecem até hoje.
O socialismo tem o dever de revelar para classe operária os mecanismos de dominação burguesa, e que os níveis de exploração tendem a ser cada vez mais intensos. Sabemos que somos explorados, mas precisamos da ciência socialista para sabermos como mudar isso e nos direcionar a qual caminho seguir. O socialismo primitivo quer excluir todas as classes enquanto o científico quer tirar o poder da burguesia, num mundo onde a riqueza seja socializada e o poder seja da classe trabalhadora, já que é ela a classe motriz da sociedade, aquela que produz. Portanto, é preciso a compreensão do capitalismo para supera - lo por isso a maior obra de Marx tem o nome de O Capital e não a revolução ou o socialismo.

1° ano SS - diurno
Bruna Moreira Silva
Materialismo dialético: realidade x imaginação/idéia abstrata 

Marx e Engels 

Sonho. Se tornará real se não analisado conforme a realidade em que vivemos/nos encontramos ? Podemos idealizar algo sem que nos situemos em nosso ambiente ?
O materialismo dialético é uma concepção filosófica em que se diz que o ambiente e o momento em que vivemos modela tanto os animais como os seres humanos e assim vice-versa. 
Portanto com base em uma realidade e o estudo e compreensão dela, é que formulamos uma nova perspectiva, um fato realista, para buscar solucionar os problemas sociais dentro do contexto em que vivemos.
Ou seja para Marx e Engels, idealizar algo sem bases, idealizar algo abstrato não trará resultados benéficos, não é válido, mas sim aquilo baseado na realidade, na matéria, aquilo que é concreto de fato.
Essa é a crítica feita por Marx à ideologia alemã. Pois, será que o que o homem idealiza irá sempre condizer com o real ? 
Tudo aquilo que se modifica, modifica-se conforme nós nos modificamos e vice - versa.

(Aline Neiland - SS - Noturno)