segunda-feira, 27 de outubro de 2014

As verdadeiras faces do Brasil

O programa “Esquenta” representa a família brasileira marginalizada, tida como “baixa” e promiscua, ele trás uma mescla de cultura, etnias e une o indivíduo “comum” a aqueles considerados intocáveis (famosos, atores, cantores), trazendo a ideia de uma grande família — o que é contatado quando uma pessoa adentra o cenário e cumprimenta a todos, interagindo com a plateia como se fossem conhecidos de longas datas ou um ente querido. No programa fala da intimidade das pessoas com um ar de “almoço em família”.
 Esse espaço conquistado pelos “invisíveis” da sociedade brasileira representa mais que uma quebra no conservadorismo e o fim de uma mistificação da família “cult”, educada nos molde europeus, ele quebra com a ordem positivista estabelecida e tenta passar a ideia de igualdade, a qual é indiferente da posição econômica ou a formação dos indivíduos. Em contra partida, algumas pessoas se negam a se projetar naqueles que estão no programa, criticam e veem o que é apresentando como algo vergonhoso e desconexo da realidade, desqualificando o funk, o samba, o axé e a vestimenta dos convidados do programa. Este fato se deve ao que Durkheim entende como uma introjetam da ordem social, ou seja, os próprios indivíduos que vivem essa realidade as negam e apontam como negativas e fora do padrão.
Um outro ponto a ser analisado é: o fato da Rede Globo liberar esse espaço, ocorre mediante a necessidade dela se flexibilizar em um momento em que a cultura do funk, do samba ganha forças e quebra com a erudição europeia e norte americana, até então respeitada, para se manter como um canal de destaque, o canal da família brasileira.
Finalmente, se nos despirmos de todo preconceito e tivermos um olhar profundo para o programa Esquenta, perceberemos que ele consegue passar o verdadeiro significado dessa cultura  e demonstrar suas formas de expressão e uma quebra com os padrões e ideário burgues.

Natasha Naitzk
1° ano de Serviço Social- Diuno
Durkheim e a visão funcionalista sobre a diversidade do programa Esquenta.

O programa Esquenta nos traz uma série de questionamentos e curiosidades sobre tamanha diversidade em um só lugar. Negros, brancos, sambistas, cantores, humoristas, alguns da periferia, enfim, unidos na tarde de domingo para mostrar ao povo brasileiro que não há diferença racial no ambiente em que vivem. Entretanto, grande parte da sociedade ainda vive com um pensamento positivista de que "aquilo não é programa para se assistir", "negro é tudo bandido", entre outros.
O que cabe a nós é indagar...Por quê a sociedade pensa dessa maneira? Por quê em pleno século XXI ainda há tanta visão preconceituosa? Por quê eles pensam assim? Por quê a maioria dos negros vivem na periferia? Por quê ter um programa de maioria negra, onde querem mostrar sua cultura, seus hábitos, sua culinária? Por quê?
A resposta pra tantos porquês está em uma simples frase de Émile Durkheim em que diz..."É preciso sentir a necessidade da experiência, da observação, ou seja, a necessidade de sair de nós próprios para aceder à escola das coisas, se as queremos conhecer e compreender". Assim como Émile, nós futuros assistentes sociais temos que buscar essas questões, nos colocar no lugar do outro e tentar entender o por quê de cada pensamento, de cada visão, de cada ponto de vista diferente e compreender cada uma das opiniões deixando de lado o nosso pensamento. 
A sociedade é a grande responsável por tanto preconceito contra uma classe que só exige os seus direitos e igualdade igual a todos. O Esquenta é um programa que prova isso, é rico de músicas agradáveis, pessoas que se sentem ótimas naquele ambiente, sem preconceitos e que parecem viver num mundo contrário, surreal ao que vivemos. Como seria bom se vivêssemos todos em harmonia em um mundo chamado "Esquenta".



















Giovana Bandim, 1º ano SS noturno

Max Weber pensando sobre o programa Esquenta da rede globo

Neste texto, é feita uma leitura do Programa Esquenta da Rede Globo, apresentado pela Regina Casé , aos domingos , mediante uma visão de Max Weber.
Pensar as diferenças sociais, raciais e culturais, vai além de uma ideia formada da sociedade,o programa vem com a proposta de minimizar as diferenças entre as pessoas seja qual for essa diferença, misturando diferentes propostas como a de domingo que une o pagode e o sertanejo, duas modalidades de vida e musicalidade totalmente diferentes, mostrando que é possível unir-se e respeitar-se nas diferenças. o sertanejo com a origem do sertão, muitas vezes dono de grandes propriedades, com musicas que falam de amor, de estilo de vida considerada caipira,  e o pagode que é de origem basicamente favela, negra e que canta as dificuldades da população menos abastadas e os dois se interligam e se respeitam , é preciso conhecer e pesquisar os indivíduos e não somente o que ele apresenta, a importância de WEBER é pensar além da aparência , por exemplo , se é drogado Weber vai além do que levou as drogas , faz uma analise ao fundo , despido de ideias já formadas , vai buscar compreender as razões que o levou as drogas.
MAX WEBER , procurou entender o individuo e por isso que sua leitura apesar de feita a muitos anos atrás se atualiza nos tempos de hoje.



Daiane Marcelino do Carmo Telles 1 ano SS noturno.
Será que Esquenta ?


Após assistir o programa Esquenta apresentado por Regina C. é possível notar a intenção da apresentadora, de expor uma diversidade ainda muito enfrentada por pessoas que vivem em favelas, periferias, ou áreas mais precárias. Em uma emissora de televisão onde na maioria de seus programas exibidos, prevalece o mais rico como ideia central, em meu pensar é algo contraditório um programa assim, mas ao mesmotempo o funcionalismo de Durkheim em ação.
Onde em uma sociedade que tem sua manutenção necessária regulada, nos encontra uma desfuncionalidade, o que Regina C. faz é essa tal manutenção de uma certa forma. Mostrando e maquiando, a forte realidade das pessoas que moram na periferia, enfatizando que não é porque se mora em periferias que não se é feliz.
Mas será mesmo possível ser feliz em meio a tanta diversidade enfrentada por essas pessoas, tratados com diferença sendo que não são diferentes e sim excluídas de uma certa camada de pessoas.

"É, o mundo ta fosco, os sábios
Terão o mesmo final que os
Louco, as lágrimas e os sorrisos
Se confundem no rosto
E a historia se repete entre uns e outros"
Tribo da periferia


Camila Borges- 1ss noturno
Mesmo diante de uma mídia completamente manipuladora, alienante e que atua somente em favor do capital, podemos observar que houve uma pequena abertura para que a televisão se pinte de povo. Ao assistir uma parte do programa Esquenta já é possível identificar a sua diversidade, uma plateia composta por garis, rapers, artistas, escritores, médicos, sociólogos, mc's, dançarinos, comediantes, crianças, jovens e adultos. Cada indivíduo ali de alguma forma quer mostrar a sua arte, seu conhecimento e sua realidade, dentro disso, tentar romper com esteriótipos e preconceitos que as classes sustentam. Esteriótipos estes que fazem com que as pessoas se recusam a considerar a genialidade de alguns rapers, que são seres sociais tentando externar através da arte uma realidade que muitas vezes não é mostrada. É necessário que sejamos indivíduos que lutam pela pluralidade, que entendamos que isso é reflexo da nossa sociedade, que por sua vez vive em um sistema que massacra os que menos possuem, fazendo com que sejamos sempre refém de nós mesmos, se prendendo cada vez mais ao conservadorismo e as diferentes formas de opressão e manipulação. Ana Caroline Vilioni - Noturno

Esquenta!

Na visão de Comte o programa representa uma dominação da cultura modelo. O programa em si induz uma inclusão da cultura do negro por ser um programa destinado para sua cultura. Mas por quê um programa para mostrar a cultura do negro? A resposta é simples e óbvia: Porque não existe essa mesma exaltação nos demais programas.
O programa Esquenta enfatiza a cultura afrodescendente, que é a cultura dominante no programa, na intenção de atingir um publico alvo, um público oprimido pela cultura dominante mas até mesmo no programa essa forma de dominação não deixa de existir. Desta forma o negro se sentirá valorizado por sua cultura ser alvo do programa e não percebe essa dominação pois vê suas influências culturais incorporando uma cultura dominante como a Mc Beyonce cantando Rihanna; ou mesmo por ser necessário tão pequeno espaço na programação (um programa e apenas semanal) para que sua cultura apareça de forma exaltada, havendo então uma segregação cultural quando se trara de exaltar o negro e uma incorporação cultural quando se trata de exaltar a cultura dominante no programa.
Na programação restante da emissora quase não se vê a exaltação do negro e na maioria das vezes o negro aparece inferiorizado. Até mesmo neste programa, um programa destinado a tal cultura, se vê traços da cultura dominante, como uma forma de miscigenação.


Tainá B. Ferreira - SS Noturno.

Programa Esquenta

http://www.youtube.com/watch?v=_H2dVwwg0w8"> Bateria arrebenta, todo mundo comenta,que feito pimenta o programa domingo ESQUENTA O programa esquenta apresenta as diversidades culturais,dos negros, das favelas, dos desfavorecidos. Fazendo uma análise mais aprofundada, notamos que o programa é exibido nas tardes de domingo, momento em que a família se encontra reunida para almoçarem e assistir televisão,e de forma alegre e descontraída o programa consegue inserir a cultura das classes inferiorizadas. Usando do materialismo dialético, nota-se que eles tentam através de depoimentos, exemplos de lutas, da música e da dança, mostrar a lutas sociais que se deram durante a história,é apresentado o resultante de tantos anos de escravidão, como o negro ainda encontra dificuldade para se inserir na sociedade, mostra que o acesso a educação ainda é restrito e encontra várias barreiras no caminho, as consequências de uma sociedade egoísta e capitalista onde o negro era mercadoria, como disse Elza Soares, "A carne mais barata do mercado é a carne negra", e isso traz consequências aterrorizantes até hoje, o preconceito ainda existe, vemos então uma nova forma de luta, onde o pobre favelado mostra, como vivem, como chegaram até ali, mostrando que nunca antes tiveram a oportunidade de engajar uma luta digna, mas que aos poucos esta inserção está acontecendo, analisando os fatos podemos buscar o caminho para a igualdade social, o país ainda se encontra em um patamar de grande desigualdade, mas que aos poucos vamos mudar essa realidade e fazer uma nova história. Moleque de Favela (maneva) Deixa o moleque correr, Deixa o menino brincar, Dê asas para voar, Mas cuida pra não se envolver se vê. Então registre moleque ligeiro, Está no radinho fazendo dinheiro, Não tem carteira, mas fez seu destino, Rasgando a favela na fuga de moto, Quem vai lhe pegar? Mais um moleque perdido no beco, Jogava bola descalço, o chão em sua face o fazia feliz, E nas viagens sonhava em ser Bob Marley, E nas rimas almejava ser o Racionais, Com os amigos e tal cantando um fundo de quintal, Desandou geral na escola ele anda mal. E a vida vai voraz, sempre veloz demais, Quantas famílias já perderam a paz, E a vida vai voraz, sempre veloz demais, Quantos moleques não estão entre a gente mais.(2x) Marcas do sofrimento, realidade perversa, Enquanto existem sapatos pisando em tapete persa, Num mundo globalizado, onde a pobreza nos cerca, Além de pilantras fardados, que lutam sua própria guerra. No glamour do crime, molecada ligeira, Bem armada, de campana na subida da ladeira, Está longe o futuro que reflete a esperança, E sem poder brincar agora já entrou na dança. Barulho de bala enquanto ele crescia, Em meio ao caos, choro abafado, fazia a sua poesia, Mostrando a dura realidade de quem era , Um soldado destemido, um moleque de favela. //www.youtube.com/watch?v=qSdPXp5sxuc Lilian Greice 1° Ano/SS noturno
 Karl Marx usou a dialética para analisar a sociedade do final do século XIX, porém esta analise dialética também pode ser feita no século XXI.
Segue a analise proposta em aula do programa Esquenta:
Tese:
Em 10 anos de governo Petista mais 40 milhões de brasileiros deslocaram-se da base para o miolo da pirâmide social, a chamada nova classe média.
Antítese:
Entretanto a nova classe C e D, não tinha o que consumir na mídia televisiva, não tinha algo em que pudesse se ver em relação aos programas de TV apresentados, ela não era a plateia, não era o publico alvo.
Síntese:
A Rede Globo como uma empresa capitalista enxergou nesta nova classe um panorama de lucro, pois esta classe estava com desejo de consumir, de se ver na televisão, se identificar, ver seu reflexo na Tv, sua cultura, sua cor, seus hábitos, sua musica.
E com este fato de ter publico e não ter o conteúdo a Globo criou o Esquenta, na qual a classe poderia consumir, se identificar, e a empresa poderia lucrar.
Cheliman Alves Rodrigues 1SS - Noturno

O Esquenta e a Dialética

O programa Esquenta mostra toda a diversidade da população brasileira, o gosto musical, a cultura, estilos, etc. O programa que ainda é odiado por várias pessoas apresenta expressões que são constantemente vitimas de preconceito, desde o estilo musical da periferia, o jeito de se vestir e falar, e principalmente os negros como protagonistas de um programa na rede globo.
Os participantes desde a platéia são da periferia, os ritmos que mais tocam são da periferia, como por exemplo, o samba, rap, funk, tudo isso misturado com uma diversidade enorme de atores, cantores, apresentadores, de todos os gostos, classes, e cores.
Analisarei o programa pela perspectiva dialética, onde, a tese seria uma emissora em que o domínio é branco, nas novelas os negros tem apenas papéis ligados a escravidão, ou um negro é um empregado de uma casa. A antítese são as presenças dos negros e da periferia como protagonistas de um programa em horário nobre no domingo. Em uma suposta tese o programa rompe com o positivismo imposto ao negro, onde ele carrega um esteriótipo de ser um sambista, ou funkeiro, com um sorriso no rosto e um estilo diferente. O programa vai fundo, mostra a diversidade e quebra com o preconceito. É uma suposta mistura de classes em uma grande festa.
 Um grande exemplo citado na aula foi do cantor Péricles cantando Sweet child o´mine, uma musica internacional, cantada em inglês.

Kelvin V. S. de Lima   primeiro ano SS noturno

Esquenta?

O programa esquenta, é exibido na rede globo nas tardes de domingo, tem como alvo o público da periferia, tentando retratar e mostrar seus gostos, cotidiano e representar este púbico e sua realidade.
Um exemplo disto, seria  o programa do dia 26/10/2014, onde foi apresentada uma reportagem em que o foco era o dia a dia dos motoboys e os perigos aos quais eles estão diretamente expostos.
A realidade e postura apresentadas por meio das reportagens, música, e até da própria apresentadora, trata-se de um contexto total e completamente social, em que o individuo é reflexo do meio em que ele vive, seja direta ou indiretamente, que fazem apenas uma representação de alguns conceitos sociais, que são influenciados seja pela família, religião e etc.



Miriã Ellen Monteiro Bandim, 1°SS, diurno

Tentativa de Inclusão
Sob a perspectiva de Conte o programa Esquenta, exibido na Emissora Globo excepcionalmente aos domingos, nada mais é que uma solução positivista da questão racismo/preconceito existente na sociedade atual. Ou seja, inserir negros e pobres (72,6% dos pobres são negros ou pardos) em um programa de grande audiência significa inclui-los a uma sociedade na qual vive outra realidade.
Analisando este programa percebemos um olhar direcionado para a cultura, vivência, histórias de vários negros participantes no domingo. Fazendo com que o telespectador veja aquilo, apenas para fins de conhecimento, ver, se emocionar e apagar da sua memória na segunda feira. Este é seu intuito, incluir o negro num programa como protagonista, somente para dizer que ele faz parte da sociedade.

Porém isto vai além de apenas expor suas histórias e costumes. Vai além de um simples domingo. Os negros vivem como todos, todos os dias, não excepcionalmente aos domingos. Não somente vive com histórias comoventes e muitas das vezes tristes. Vivem como todos (obviamente com condições totalmente discrepantes), todos os dias. 
José Carlos Simão 1º Ano SS - Noturno 

Esquenta mas não ferve

             
         No programa Esquenta exibido no ano de 2013 fica nítido a mistura e a diversidade de culturas onde todos os convidados, a platéia e pessoas do elenco interagem como se na sociedade contemporânea não houvesse preconceitos, diferenças classiais, raciais, exibindo assim uma felicidade falsária, pois, de certa forma ele exibe a cultura do negro como algo aceito por todos, o que sabemos que não é. Essa utopia trazida no episódio faz com que as classes interajam em harmonia, o negro tem espaço pra mostrar a sua cultura em uma rede de TV onde a audiência é alta, o que antes não era aceito, pois a sua cultura só era mostrada em novelas retratando o negro apenas como um objeto social.
         Pedro Cardoso, um dos convidados, define uma parte da sociedade onde é prevalente os casos de pessoas humildes quando o homem é preso e a mulher assume a liderança na família, dando o ar de impotência sobre ele; a sua principal critica foi ao governo quando se compara um episódio de " A grande família " na realidade politica, quando seu personagem é preso por corrupção e ele diz " é difícil de acontecer isso no Brasil, não á corrupção ! Mas ser preso...", o que nos remete ao pensamento do Comte tal como a sociedade é movida pela ordem e progresso, nesse caso há falta de ordem e consequentemente afetara o progresso com novas revoluções.
        Se é considerado outro tema como as novas famílias, (dois pais, duas mães) casais homossexuais que nos remete a dialética de Marx onde é o contrário da ordem, pois segundo a constituição o termo Família é definido por um homem, uma mulher e filhos.. então de certa forma a ordem é contraditada.
Muitos assuntos são abordados durante o programa, musicas, política englobando assuntos para todas faixas etárias, entre eles projetos sociais como a biblioteca construída no norte do Ceará pelo professor Geraldo Andrade, que contabiliza 110 mil livros e o mais interessante foi que esse projeto foi desenvolvido totalmente de forma voluntária sem custeio do governo, ajudando a gerações futuras que carregarão esse aprendizado eternamente.
      O que se conclui, o programa exibi os problemas sociais de forma supérflua e  mostra a cultura e a superação do negro como um estimulo ao publico, onde as suas raízes é capaz de interagir classes no palco, mas não de mudar a verdadeira realidade, o racismo sempre houve e ainda existe, a desigualdade é evidente e os projetos sociais nunca são apoiados, pois o programa esquenta mas não ferve.


https://www.youtube.com/watch?v=eJcE9ghSJWY- PROGRAMA DE BASE.



Maria Carolina Paulo Almeida - SS NOTURNO- 1º ANO